PINHEIRINHO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, depois da bederna

Uma tragédia humanitária. Assim a dona de casa Luiza dos Reis Salatiel, 77, definiu a situação vivida ontem pelos expulsos da invasão Pinheirinho, em São José dos Campos (97 km de SP). Na escola Dom Pedro de Alcântara, transformada em abrigo para 2.500 pessoas, a Folha viu pelo menos três doentes com pneumonia, um com tuberculose e uma pessoa com sequelas de AVC jogados em colchões no pátio de esportes.  

Veja fotos do grupo preparado para a reintegração
Veja fotos do ônibus queimado em São José dos Campos
AGU demorou a agir no caso Pinheirinho, diz especialista
TJ exime governo de responsabilidade no caso Pinheirinho
Procuradoria-Geral pede decisão do STJ sobre Pinheirinho
Associação recorre ao STF para suspender reintegração

 Crianças e bebês brincavam em meio a restos de comida e a fezes de pombos espalhados. Um animal morto estava preso na rede da quadra. Apenas quatro banheiros imundos serviam às mulheres. Os homens tinham de se contentar com três.

A situação sanitária era tão grave que dois vestiários, no fundo da quadra –sem vaso sanitário ou água encanada– foram improvisados como banheiros também. “Eles querem nos degradar como seres humanos”, disse o motorista Assis David Monteiro, 62.

A maioria dos antigos moradores do Pinheirinho, expulsos de suas casas a partir das 6h do domingo, não teve tempo nem sequer para pegar os próprios documentos. Sem casa, sem documentos, muitos têm apenas uma muda de roupas. E pulseirinhas coloridas, que identificam quem pode entrar nos abrigos da prefeitura. Na escola Dom Pedro, a cor é azul.

  Luiz Carlos Murauskas – 23.jan.12/Folhapress  
Famílias dormem em colchões após serem retiradas de casa durante reintegração de posse no interior de SP
Famílias dormem em colchões após serem retiradas de casa durante reintegração de posse no interior de SP

Vários desabrigados disseram à Folha que as pulseirinhas estão servindo para discriminá-los. “É como se fosse uma coleira que nos colocaram para nos identificar quando andamos na rua. Vizinhos nos chamam de cachorros do governo”, disse Rogério Mendes Furtado, 28, catador de sucata.

Na igreja de Nossa Senhora do Socorro, improvisada em abrigo extraoficial, cerca de 1.500 pessoas dormem em bancos, corredores e debaixo das marquises. Há apenas oito vasos sanitários. Banheiros não têm chuveiro.

Segundo Shirley Albino de Faria, 45, funcionária da paróquia, os alimentos foram obtidos de doações. “A prefeitura não está contribuindo com nada aqui, diz que os ex-moradores devem procurar os abrigos oficiais”, disse.

Bichos também foram deixados para trás. Andréia, 23, doméstica, largou 20 galinhas, cinco cachorros, três gatos e três pássaros.

  Apu Gomes/Folhapress  
Casal observado por PM procura documentos pessoais no meio da rua ao lado da comunidade Pinheirinho
Casal observado por PM procura documentos pessoais no meio da rua ao lado da comunidade Pinheirinho

BAIRRO SITIADO

Sitiado, o Pinheirinho virou um bairro fantasma.

A PM diz que a previsão é que até a noite de hoje todos os moradores tenham retirado móveis e objetos. A demolição das mais de mil casas deve começar a seguir.

Ontem, um caminhão foi queimado e uma creche e uma padaria foram atingidas por coquetéis molotov.

O clima de tensão também atingiu o centro da cidade. De manhã, dezenas de lojas abaixaram as portas total ou parcialmente durante protesto de cerca de 200 pessoas contra a desocupação.

O fórum da cidade completa hoje duas semanas de restrição de acesso por temor de invasão. Só podem entrar juízes, funcionários, promotores, defensores e cidadãos que vão para audiências.

  Editoria de arte/Folhapress  

O prefeito Eduardo Cury (PSDB) disse que o cadastramento apontou 925 famílias na área (2.856 pessoas).

Segundo ele, 250 famílias foram acolhidas nos abrigos da prefeitura (760 pessoas) e, destas, 147 pediram alojamento por tempo indeterminado -não têm para onde ir.

Segundo ele, as famílias passarão por triagem dos assistentes sociais.

O TJ disse, em nota, que a mobilização da PM e o comando dos policiais estiveram sob responsabilidade da presidência do tribunal.

O coronel Carlos Messias Mello, comandante da operação, afirmou que a PM não cometeu excessos. “Foi uma operação que deu certo”, disse. ( policia tem de ter saco pra não cometer excesso, comete quando é provocada demais, por baderneiros que não aceitam ordens, adiantou queimar, depredar , enfrentar ? vai sair mesmo, faz isso por baderna, gente que se aproveita, seja morador ou bandidinho. 

a terra foi ocupada e pq ? falta de  CERCA, FISCALIZAÇÃO, PLACA INDICANDO QUE O LIGAR TEM DONO, é dificil, grileiro se aproveita de incautos pq ? não tem fiscal, gente cai na conversa de grileiro pq ? é trouxa mesmo, por isso sempre veremos isso ai e morador tomando na cabeça com família e tudo, e sempre em epoca de chuva ou de frio, fazem isso é pra castigar invasor e pobre mesmo.) 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s