estuprada, queimada, e ainda querem que a mulher fique quieta ?

Uma ucraniana de 18 anos morreu nesta quinta-feira (29) quase três semanas depois de ter sido estuprada por três homens, em um ataque que se tornou um dos maiores crimes do país nos últimos anos.

Oksana Makar foi estuprada por três jovens, estrangulada, queimada viva e abandonada à morte em um ataque na cidade de Mykolayiv, no sul da Ucrânia, no dia 10 de março, segundo os promotores.

A vítima foi encontrada por uma pessoa que passava pelo local e a viu abandonada depois do ataque, supostamente em um canteiro de obras. Ela foi hospitalizada em estado crítico com 55% do corpo queimado, o que obrigou os médicos a amputarem os pés, um braço e uma perna da moça.

Oksana Makar morreu em decorrência dos ferimentos em um hospital especializado na cidade de Donetsk, ao leste, para onde foi levada após o resgate, informou a clínica à agência de notícias Interfax-Ukraine.

Oksana Makar é socorrida em hospital de Mykolayiv, no sul da Ucrânia, em 16 de março (Foto: Reuters)Oksana Makar é socorrida em hospital de Mykolayiv, no sul da Ucrânia, em 16 de março (Foto: Reuters)

O coração dela parou de bater após uma hemorragia que começou nos pulmões, e ela morreu, apesar de três tentativas para ressuscitá-la, disse o médico-chefe do centro de queimaduras de Donetsk, Emil Fistal.

O crime causou uma comoção pública na Ucrânia, expondo a incompetência das autoridades responsáveis e a extensão dos problemas sociais em cidades industriais como Mykolayiv, que são atingidas por problemas com drogas e Aids.

Um dos agressores de Makar alugou o apartamento onde ela foi estuprada. Aparentemente, eles a estrangularam e a queimaram na tentativa de encobrir seus rastros.

O ataque desencadeou a indignação dos moradores locais e do grupo feminista Femen, que protestou de topless em frente à Promotoria Geral em Kiev.

“Morte aos sádicos!” e “Oksana, Vive!” bradavam as feministas depois de terem escalado o pórtico de entrada do prédio da Promotoria.

A revolta geral aumentou com um vídeo apresentado como sendo o interrogatório de um dos torturadores de Oksana Makar e difundido no Youtube.

Nele, é possível ver um jovem, com o rosto coberto, descrevendo o crime, no qual teria estrangulado Oksana com as mãos e, depois, com uma corda.

Ele dizia que a vítima tinha aceitado manter relações sexuais com seus agressores, e que depois ameaçou “denunciá-los à polícia” por estupro.

“Ela gritava (…) e eu a estuprei. Ela não se acalmou e decidi estrangulá-la”, contou.

Acreditando que a jovem estivesse morta, seus agressores a jogaram em um canteiro. “Eu não queria queimar o corpo”, disse ele, que alegou ter colocado fogo apenas em um pedaço de pano e jogado perto da vítima.

A imprensa ucraniana informou que os suspeitos são filhos de pais ricos com fortes relações com as autoridades do governo local.

Contudo, seus nomes ainda não foram oficialmente revelados.

Devido ao impacto do escândalo, os dois suspeitos voltaram a ser presos alguns dias depois de terem sido soltos e várias autoridades da polícia e da Promotoria local foram demitidas, segundo o Ministério do Interior.

Os supostos autores do crime podem ser condenados à prisão perpétua, pena mais severa da Ucrânia, disse a mesma fonte.( e depois ainda perguntam pq o FEMEN protesta, e a policia FDP as prende, vamos ver se a infeliz que foi morta terá justiça)

o carinha que pegou esta gostosa é menor ?

A cheerleader Sarah Jones, que representa o Cincinnati Bengals entre as líderes de torcida da NFL, a liga de futebol americano, está em uma situação difícil. Segundo o jornal Cincinnati Enquirer, ela está sendo acusada de fazer sexo com um aluno menor de idade na época em que era professora, o que é crime no estado de Kentucky, onde ela teria cometido o crime.

De acordo com a mesma publicação, ela pode pegar até cinco anos de prisão. Sarah era professora de adolescentes do “High School”, o equivalente americano do Ensino Médio brasileiro e teria feito sexo consentido com um dos alunos.

O problema é que desde o início da década as leis sobre o assunto no Kentucky se tornaram mais rígidas, e mesmo sendo consensual o sexo com menos de 18 anos é crime. A cheerleader, que pediu demissão do colégio em que trabalhava no ano passado, não comentou a acusação, que tornou-se pública na última quinta.

Esta não é a primeira polêmica sexual em que Sarah Jones se envolve. Em 2009, o site “TheDirty.com” espalhou o boato de que Sarah teria mantido relações com dois jogadores do Bengals, e que ambos teriam contraído doenças sexualmente transmissíveis.

A cheerleader, então, protestou na mídia contra os editores do site, que nunca provaram a acusação e tiveram de responder a um processo na Justiça.( vc acharia ruim , seu filho ter pego esta gostosa, só nção faria nada por ela em respeito a sua esposa, mas no fundo no fundo vc estaria orgulhoso de seu filho mostrar que é homem e não gay como vc temeria.

e o moleque ganha moral, deve estar até agora todo feliz de ter pego uma gostosa destas.

http://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2012/03/30/cheerleader-e-acusada-fazer-sexo-com-menor-de-idade-e-pode-pegar-5-anos-de-prisao/ ( ai no link vc tem alem da matéria um album de fotos mostrandop vairias destas cheerleader, da uma olhada e vc sentira uma inveja danada do garoto.) 

pseudo torcedores brigam por adrenalina,segundo presidente da mancha

Paulo Serdan é uma das lideranças mais controversas das torcidas organizadas de futebol. Presidiu a Mancha Verde (rebatizada em 1997, após extinção, de Mancha Alviverde) de 92 a 2005. Já deu soco em treinador, coordenou uma invasão à sede do Palmeiras e participou de várias brigas envolvendo torcidas.

Joel Silva – 28.mar.12/Folhapress
Paulo Serdan, presidente de honra da Mancha Alviverde, em sua confecção em São Paulo
Paulo Serdan, presidente de honra da Mancha Alviverde, em sua confecção em São Paulo

Hoje, aos 45, com rosto marcado por um acidente com fogos de artifício (num Réveillon, não numa briga) ele dirige a escola de samba da Mancha Verde. É também uma espécie de conselheiro especial da torcida organizada –Serdan foi nomeado seu presidente de honra e é sempre ouvido nos momentos mais críticos.

Como agora, na semana do incidente envolvendo torcedores palmeirenses e corintianos ocorrido no domingo passado, que deixou duas vítimas fatais, André Alves Lezo, 21, e Guilherme Vinícius Jovanelli Moreira, 19, ambos integrantes da Mancha.

Filho de Michel Serdan, que por muitos anos comandou o programa “Gigantes do Ringue”, e ex-segurança da Fonseca’s Gang, Paulo hoje é um empreendedor de sucesso. Além de produzir shows e eventos, é proprietário de uma confecção responsável por 40% dos produtos que levam o logotipo ou fazem referência à Mancha –tanto para a escola de samba como para os estádios.

Ele recebeu a Folha para a seguinte entrevista.*

Folha – Como está o ambiente na Mancha?

Paulo Serdan – Péssimo. A diretoria é nova, esta é a primeira vez que perdem gente tão próxima. O sentimento é complicado, não é uma coisa que cicatriza, não. Os caras não estão encarando numa boa. Até pela forma que foi. Se tivesse sido um encontro casual, aí tudo bem, mas infelizmente não foi.

Qual a sua versão dos fatos?

Cerca de 200 torcedores estavam fazendo o trajeto que sempre fazem, pela avenida Inajar de Souza (zona norte da capital), com escolta da PM. Em determinado momento os caras surgiram do nada pelas costas, por trás, a grande maioria encapuzada com barras de ferro, pedaços de pau, cabo de enxada e muitos fogos, bateria de rojão. Acenderam tudo de uma vez, o que me parece estranho e premeditado, porque num confronto –e eu participei de vários–, se você escuta barulho de tiro já fica ligeiro e procura um lado para correr. Mas o barulho dos rojões confundiu geral.

Vai ter retaliação?

Aí é só o tempo pra dizer. Não tem como você prever. Vai depender muito do trabalho da polícia. Agora tá na hora de aparecer esse trabalho, apontando quem fez, como fez e com punição. Se não acontecer nada, se o poder público demonstrar incompetência, aí vão achar que tem que fazer pelas próprias mãos, aí vai ser a lei do cão.

O que deve ser feito?

Se tivesse legislação, com penas duras, não teria nem alambrado no campo de futebol. A impunidade é que cria essa situação, ela vai produzindo heróis. É tudo coisa de criança. Se num tumulto que teve o cara deu um soco bem dado, ele vai ganhando respeito. Se o cara é preso com uma bomba, ele simplesmente é encaminhado pro distrito policial, assina um termo e volta. Desse jeito a molecada o admira, ele começa a fazer seguidores.

E o policiamento?

Em seis ou sete anos, o trecho da avenida Inajar de Souza até a ponte da Freguesia do Ó, de uns 4 ou 5 km, já foi palco de pelo menos umas 15 brigas. Então não foi um acidente, era previsto que uma desgraça podia acontecer. Está na hora da polícia mobilizar mais gente, ao invés de só ficar investigando as redes sociais na internet e mandar duas viaturas com dois homens pra fazer a escolta.

Mas esta briga não foi marcada pela internet?

Isso é lenda. Os caras sabem onde vão se encontrar. Aliás, eles moram no mesmo lugar, eles se conhecem. Para eles, é adrenalina, aventura. Você não tem condição de surfar em Maresias ou jogar Playstation. Nem empinar pipa pode. Então qual é a diversão? O cara pensa assim, ‘eu sou da Mancha, se trombar com os caras vou sair na mão’. Brigar faz parte. Você tem que acabar com esse lado.

O futebol ficou em segundo plano.

De tão ruim que é a qualidade do futebol jogado hoje, ele está ficando em segundo plano. Antigamente você tinha 200 bandeiras pra entrar no estádio, 300 kg de papel picado, 100 latas de fumaça. Esse lado da festa tem que predominar.

Qual é o perfil do torcedor da Mancha?
Hoje são aproximadamente 35 mil associados. A grande maioria é homem, entre 17 e 25 anos. Predomina a classe média baixa. São pessoas com dificuldades familiares, financeiras, sem perspectiva de estudo, que começam a trabalhar desde cedo. E que encontram na torcida um amparo, que começam a enxergar que ali é a sua segunda e às vezes sua primeira família. É bom lembrar que realizamos diversas ações sociais, como doação de sangue, arrecadação de alimentos, campanha do agasalho. A verdade é que na torcida, as dificuldades são as mesmas para todos.

Como assim?

A razão de existir da torcida é o clube. Você é um guerreiro do seu clube. Se algo acontecer como em 42, na Segunda Guerra Mundial, quando o São Paulo quis tomar o Palestra Itália, quem vai estar na porta do estádio com espingarda, com metralhadora, com pedaço de pau, com pedaço de ferro pra não deixar ninguém entrar vamos ser nós. Então a gente se coloca como fiscais dos clubes.

A torcida apita no clube?

Você dá umas cutucadas. A torcida tem condição de derrubar um técnico. Se a torcida começar a pegar no pé, a trabalhar contra, derruba quem quiser. Não há treinador que suporte. Nem jogador, nem diretor. Do time do Palmeiras que disputou a última Copa São Paulo, entre titulares e reservas coloquei uns sete ou oito jogadores.


Qual a relação da torcida com o clube?
De todos os clubes do Brasil o Palmeiras é o que mais mantém distância de sua torcida. O que é um erro, não adianta querer se afastar dela. Ela pode não ser o que você gostaria que fosse em termos de educação, mas é o que tem.

Que tipo de suporte o clube deveria dar?

O clube tem sua obrigação porque o cara está morrendo por causa do Palmeiras. Por exemplo, acionando autoridades do governo para facilitar nas caravanas. Imagine 15 ônibus fazendo uma viagem de oito horas em que a polícia não deixa estacionar para tomar água ou fazer xixi. O cara já chega louco no estádio.

Adianta banir as organizadas dos estádios?

A proibição é para a imprensa e a sociedade baterem palma. Mas por mais que tentem, a torcida não vai acabar nunca — pode até entrar sem a camisa no estádio, mas não vai acabar. E pior, assim você acaba encorajando a criação de grupos menores, de maneira que a liderança já não tem mais ascendência e controle. É um pouco o que rola hoje.

Em todas as torcidas?

A Gaviões por exemplo, não tem uma liderança. E se você não tem liderança, não tem palavra. Mais irritante é ver a força que eles têm, recebendo apoio até do ex-presidente Lula.

Parece que o incidente de domingo passado foi motivado pela morte de um corintiano no ano passado em outra briga de torcedores.

Dizem que ele foi atirado no rio Tietê, mas a verdade é que ele pulou da ponte. A polícia sabe disso, mas não admite. Pelo que sei foi afogamento, não tem escoriação no corpo. O que acontece é que nesse tipo de briga, um lado sempre vai correr. E nessa pode haver uma dispersão. Ele sobrou, o pessoal correu atrás dele e se jogou apavorado.

Por que a Mancha comprou um jazigo que no futuro poderá acomodar até 16 cadáveres?

A família não tinha onde enterrar o André, daí a gente se antecipou e comprou um jazigo. É onde entra a responsabilidade social da torcida. Se morrer alguém da Mancha sem recurso financeiro, a gente ajudaria até nisso.  

( então a violência é pq o cara ganha pouco, ai descarrega seu dia a dia frustrante num jogo.

cobrar verador, prefeito que só fica aumentando seus salários, e nada ou pouco faz pela cidade eles não vão ?  tem muita copisa pra descarregar adrenalina, como ser voluntário pra tentar tirar viciados da cracolândia, organizar mutirão pra construir casa para os sem teto.

mas não, vão pra rua brigar e talvez não volte mais pra casa a troco de quê ? ah e descarregar a adrenalina encima de uma gostosa eles tb não vão, ficam só bando de peludo na rua , nos bares etc.)

humor do NEJÃO

 
começando com teste de macheza , tem um gorila ai na foto vc já viu, e como falta homem no pais,acredito que muitos já viram.

Dê Seu Título!! 
banheiro de muito mentiroso
 
serviços nos aviões já se preparam pra reçeber os turistas pra copa 2014

PIADA:

Um brasileiro, visitando Buenos Aires, saiu para passear com seu amigo argentino, que o levou para conhecer, um dos cartões postais da cidade: o obelisco. Maravilhado, o brasileiro comentou:
_ Que belo monumento! Olha só o tamanho!
O argentino pergunta:
_ Sabe em qual modelo foi inspirado?
_ Não imagino. – responde o brasileiro.
_ Foi no pinto do meu pai! – diz o argentino, com um sorrisinho sacana.
O brasileiro deu uma risadinha amarela, ficou p*** da vida com o cara, mas deixou de lado.
No dia seguinte, o argentino telefonou e combinaram um encontro no mesmo lugar. Quando o argentino chegou, viu o brasileiro com mais 10 pessoas, todas de mãos dadas, circundando o monumento.
_ O que é isso? O que é que vocês estão fazendo? – pergunta o argentino curiso.
O brasileiro, com a cara mais cínica do mundo, disse:
_ Estamos tentando calcular o tamanho da b***** da sua mãe. 

chocolates MAISNOKU,kkkkkkkk tinha de ser mundo canibal mesmo.

estes gêmeos são pirados demais, imagine eles num programa de humor.

beba, atropele, mate a vontade

Motorista pode recusar a fazer os exames se for parado em blitz – Por: Werther Santana/AE

O motorista parado em blitz da Lei Seca que se recusar a fazer o teste do bafômetro ou o exame de sangue não poderá ser acusado e punido pelo crime de dirigir embriagado, mesmo que haja sinais evidentes de que está embriagado. Por decisão da 3ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), só é possível processar criminalmente o motorista se houver comprovação de que ele dirigia tendo concentração de álcool no sangue superior a 0,6 gramas por litro. E isso, conforme parte dos ministros, só poderia ser feito com os exames que estão previstos na lei – bafômetro ou exame de sangue. A decisão esvazia a Lei Seca porque o motorista não é obrigado a produzir provas contra si e pode recusar a fazer os exames.


A decisão do STJ deverá ser adotada por todos os tribunais do País, já que o recurso julgado foi escolhido pelos ministros para pacificar a matéria e evitar decisões contraditórias pelos tribunais. Somente o Supremo Tribunal Federal (STF), quando julgar o assunto, poderá alterar esse entendimento. Os poucos processos julgados no STF até o momento, no entanto, confirmam a necessidade de exame de sangue ou teste do bafômetro para comprovar a embriaguez do motorista. Em maio, uma audiência pública no STF servirá para especialistas discutirem a Lei Seca. Depois disso, o assunto deve ser levado a julgamento no plenário.

No julgamento de ontem, quatro dos nove ministros da Seção julgavam ser possível identificar a embriaguez do motorista e processá-lo criminalmente por meio de outros exames clínicos ou por intermédio de outras provas, como depoimentos de testemunhas. Outros quatro ministros julgaram que somente exames precisos permitiriam a abertura de processo penal contra o motorista embriagado. Esses ministros argumentam que a lei estipulou um limite preciso de concentração de álcool no sangue para configurar a prática de crime. Portanto, para processar o motorista criminalmente, seria necessário saber se o limite determinado pela lei foi ou não superado.

A ministra Laurita Vaz não se manifestou expressamente sobre a necessidade do exame de sangue ou do teste do bafômetro. Na opinião da ministra, seria possível decidir o caso que estava sob julgamento sem entrar nessa discussão. No caso que estava em julgamento, um motorista foi parado numa blitz em Brasília antes de sancionada a Lei Seca. Exames clínicos comprovaram que ele havia ingerido bebida alcoólica e foi aberta ação penal contra ele. Depois que a Lei Seca entrou em vigor, estabelecendo o limite de 6 decigramas de álcool por litro de sangue, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal trancou a ação penal, pois o exame clínico não identificou precisamente o grau de alcoolemia do motorista, e não seria possível puni-lo por dirigir embriagado. Com base nisso, a ministra confirmou que a ação penal contra esse motorista deveria ser arquivada.

Por esse placar, os ministros confirmaram a necessidade de teste do bafômetro para provar a prática do crime de dirigir sob efeito de álcool, mas o tribunal não decidiu o que fazer caso o motorista não queira se submeter aos exames previstos na lei – bafômetro ou exame de sangue. Para parte dos ministros, somente uma mudança na lei resolveria o problema. De acordo com integrantes da Corte, se a lei não especificasse a concentração de álcool no sangue para a configuração do crime, seria possível abrir processos criminais contra motoristas embriagados mesmo que se recusassem a fazer os exames de sangue ou teste do bafômetro. ( pois é meus caros, os bebuns agradeçem mais esta impunidade sobre eles.)

bandidos das torcidas organizadas trolam a policia

Palmeirense é revistado na porta do estádio estádio Jayme Cintra, em JundiaíPalmeirense é revistado na porta do estádio estádio Jayme Cintra, em Jundiaí
 

A Gaviões da Fiel e a Mancha Alviverde, principais torcidas organizadas de Corinthians e Palmeiras, respectivamente, foram proibidas de frequentar estádios após a briga generalizada de domingo. Nesta quarta-feira, nenhuma camiseta ou qualquer tipo de vestimenta que identificasse as facções foi visto, mas isso não significa que elas passaram longe das campos.

No duelo entre Corinthians e XV de Piracicaba, no Estádio do Pacaembu, o policiamento era digno de um clássico. Apesar do público reduzido — quase sete mil torcedores —, uma revista rigorosa foi feita na porta. O aparato de segurança contou com 20 cavalos, seis carros do batalhão de choque e três ônibus da Polícia Militar.

Havia a expectativa de protesto, mas nada aconteceu. Os membros da Gaviões da Fiel chegaram espalhados, entraram sem camisa da torcida e se posicionaram aonde sempre ficam, na Arquibancada Amarela. Mas não entoaram seus tradicionais cânticos. A diretoria da organizada os orientou a seguir as normas impostas.

Além de não se identificar, a Gaviões, por meio de sua diretoria, divulgou nota oficial negando a culpa pelas mortes dos dois palmeirenses no conflito envolvendo mais de 500 torcedores, no último domingo.

“Nós não somos responsáveis pelos atos de domingo. Se corintianos acreditam que a forma de viver a vida e o futebol é aquela, nós ressaltamos que estes estão fazendo um mau uso do livre-arbítrio e prejudicando a entidade. A maneira de viver e de ser Gaviões é outra”, dizia a nota oficial.

Com medo de uma possível represália da Mancha Alviverde, o policiamento em ruas próximas ao Pacaembu também acabou reforçado. Cinco camburões da Força Tática da Polícia Militar foram colocados ao lado da estação Clínicas do Metrô, a mais próxima ao estádio. Mas nada aconteceu.

No interior/ A Mancha Alviverde teve atitude semelhante à da Gaviões. A organizada palmeirense compareceu à partida diante do Paulista, em Jundiaí, mas sem uniforme.

Cerca de 40 membros fizeram uma camisa branca com o nome dos dois membros da organizada mortos na briga de domingo — André Alves Lezo e Vinicius “Zulu” — e a palavra “luto” escrita atrás.

A Polícia Militar revistou todos os torcedores que entraram no Estádio Jayme Cintra. Quem vestia blusas, devido ao frio desta quarta, precisou retirá-las e mostrar a camiseta de baixo.

A diferença em relação ao comportamento dos corintianos ficou na arquibancada: os principais cânticos da Mancha Alviverde foram entoados.
Assim como ocorreu no Pacaembu, com a Camisa 12 e a Estopim da Fiel,  outras  organizadas do Palmeiras, como  TUP e a Savoia, foram liberadas para entrar com camisetas e faixas.

Coração, pulmão e fígado de torcedor  salvam três vidas
Três pessoas receberam nesta quarta o coração, o pulmão e o fígado do palmeirense Guilherme Vinicius Jovanelli Moreira, de 19 anos, um dos dois mortos na briga entre a Mancha Alviverde e a Gaviões da Fiel, na Avenida Inajar de Souza, na Zona Norte, horas antes do clássico entre Palmeiras e Corinthians, domingo passado.

Segundo a Secretaria da Saúde, a família doou todos os órgãos, mas ainda estavam em análise nesta quarta rins e córneas.

Guilherme, mais conhecido na Mancha como Vinicius “Zulu”, teve traumatismo craniano em razão de golpes de barras de ferro recebidos de torcedores corintianos. Na guerra entre as facções morreu também o estudante de engenharia civil André Alves Lezo, de 21 anos. Ele foi baleado.

Na terça-feira, cinco palmeirenses envolvidos em brigas de torcidas foram presos preventivamente, por 30 dias, entre eles Tiago Alves Lezo, irmão de André. A polícia também apreendeu computadores e documentos nas sedes das torcidas organizadas para descobrir de onde partiram mensagens em redes sociais agendando a pancadaria. ( FECHA O ESTÁDIO, JOGA SEM TORCIDA CARAMBA, o pais burro, lá fora torcida violenta não entra em estádio, os caras vão brigar sem uniforme mesmo.

podem esperar novos confrontos , aguardem.)

novidades de filmes

O Ditador 27Mar2012

O DITADOR, novo filme do mesmo ator de BORAT E BRUNO, ganha um trailer  fodão, aqui ele interpreta um pastor de ovelhas e um ditador arabe, deposto e perdido nos EUA, depois d etantar defender seus pais da democracia ocidental,a estreia é 18 de maio.

Abraham Lincoln Vampire Hunter 08fev2012 05

ABRAHAM LINCOLN CAÇADOR DE VAMPIROS , tem mais um trailer e legendado, no filme o presidente americano sai a caça dos vampiros, isso seria o real motivo da guerra de secessão, a estreia do filme é 3 de agosto.

 

 

americanpie poster

AMERICAN PIE O REEENCONTRO ganha mais um trailer, o filme mostra o reeencontro de toda a turma dos 3 primeiros filmes, 10 anos depois da formatura do colégio, e ai já voi no que vai dar né ? a estreia é 20 de abril. http://omelete.uol.com.br/cinema/american-pie-o-reencontro-assista-um-trailer-completo-so-para-maiores/

Lovely Molly poster 30Mar2012

LOVELLY MOLLY, mais um terror vindo ai, mas sem data ainda já que estreia em maio nos EUA, no filme uma mulher volta com seu marido a morar na casa onde cresceu, lá ela é atormentada com pesadelos que misturam sua infância problemática com eventos paranormais, seriam psicose ou espirito ? http://omelete.uol.com.br/cinema/lovely-molly-novo-terror-do-diretor-de-bruxa-de-blair-tem-trailer-poster-e-fotos/

JA NAS LOCADORAS:


JÁ NAS LOCADORAS:

REDENÇÃO/AÇÃO DRAMA/EUA: a historia real de SAM CHILDERS e seu dificil recomeço depois de anos de prisão, ao frequentar a igreja, ele acaba sendo voluntáruio pra cuidas de crianças em UGANDA (AFRICA) , impedir que elas caiam nas mãos dos senhores da guerra, ele ficou conhecido como o pastor da metralhadora, por ter de pegar em armas para protegê-las.