correria pra terminar obras em SOROCABA, olha ai.

 
O programa “Sorocaba Total”, considerado a maior obra viária do interior paulista, começou em 2007 e ainda está longe de terminar. O BOM DIA percorreu alguns pontos das intervenções que estão sendo feitas na cidade e constatou que existem trechos que estão praticamente prontos e em outros há muita obra para fazer para ser possível a interligação dos 22 quilômetros de novas vias com a revitalização dos 11 quilômetros de avenidas que existem há décadas.

O prefeito Vitor Lippi quer que sua equipe acelere as obras para que possa inaugurar o programa ainda durante a campanha eleitoral deste ano. A Secretaria de Gestão e Planejamento, responsável pelo acompanhamento das obras, informa que, com sucesso, neste ano deve ser entregue 90% do total do programa.
Paciência e otimismo/  Os moradores dos locais em obra reclamam da demora e do transtorno que qualquer obra produz, mas também estão otimistas com a valorização de suas propriedades após a conclusão do programa.
No Jardim Zulmira, zona oeste de Sorocaba, onde está sendo feito o Complexo Mario Covas, a empresa contratada pela prefeitura trabalha na rua Gumercindo Gonçalves para unia a avenida General Carneiro.
No meio das obras estava a aposentada Deolinda Chiqueto Silva, 50 anos. Ela teve parte da propriedade desapropriada em razão de passar uma das pistas. Ela disse que tinha um comércio “Aqui nós tínhamos um comércio. Eram 10 anos de bar e está prejudicando um pouco financeiramente”, falou. Mas comentou que está tendo todo respaldo da prefeitura e não tem o que reclamar.

“Eles estão dando o apoio necessário por meio dos engenheiros”, disse Deolinda. Ela reclamou de casas  que estão sendo invadidas. “Essas residências estão vazias porque já  foram desapropriadas e estão sendo usadas por usuários de drogas e também traficantes”, comentou a dona Deolinda.

Já a comerciante Amenaide Inversão Cesário, 48, que mora na rua Jurandir Escabia –  proprietária de um sacolão – afirma que a obra está atrapalhando seu comércio. “Não existe acesso aqui para os carros pararem”, conta ela. Mas tem esperança que possa recuperar o prejuízo que está tendo. “Nesse momento está ruim. Vamos ver se consigo recuperar depois de pronto”   
Outro que está sofrendo com as obras do “Sorocaba Total” é o comerciante Danilo Ricardo Freitas, 28, que tem um estabelecimento na avenida Joaquim José Lacerda, zona norte, que fazem parte do Complexo Franco Montoro. O trecho onde ele trabalha é interditado algumas vezes. “O cliente pode entrar na rua, mas não faz isso”, conta ele. Danilo trabalha com a instalação de som automotivo e outros acessórios para carros. “Mas espero que futuramente essa obra possa ajudar o meu comércio”, coloca Danilo.
Praticamente vizinho a Danilo, mora o aposentado Vlademir Canadeu, 53. “Isso aqui vai ficar uma maravilha. Vai valorizar e muito meu imóvel”, comemora o aposentado. Ele disse que o trânsito está complicado, mas já esteve pior. “Quando tinha casa do outro lado da rua não tinha condições”, afirma. As casas que Vlademir se refere foram desapropriadas para fosse feira a segunda pista da avenida J.J Lacerda. No local também será feito um elevado ligando a J.J Lacerda com a avenida Ipanema.
Adiantado /O Complexo Ulysses Guimarães também na zona norte  é o mais adiantado. Foi a última parada do BOM DIA.
A dona-de-casa Edenir Aleixo de Carvalho Diniz, 59,  que mora há 22 anos na avenida Ulysses Guimarães no Parque da Laranjeiras não tem do que reclamar. “Aqui era só buraco. Melhorou bastante.”
Já o soldador José Otacílio Souza, 43, espera ansioso a conclusão da ponte que vai ligar a avenida Ulysses Guimarães com a avenida Tadao Yoshida que fica na zona industrial. “Vai ficar muito mais fácil para chegar ao trabalho”, disse ele que trabalha na zona industrial.
Entregando /O secretário de Gestão e Planejamento Valmir Almenara alguns fatores alteraram o cronograma das obras. “As chuvas são um exemplo. Desdobramento das desapropriações em ações judiciais; remoção de obstáculos ocultos no subsolo e, também, a realocação de famílias residentes em áreas de risco, também, interferiram.”

Ele coloca que há situações que dependem de concessionárias de serviços. Como é o caso da realocação de redes elétricas, telefonia, fibras ópticas e de gás natural. “Embora a secretaria planeje as ações com antecedência, os trabalhos dependem dos prazos internos dessas concessionárias, devido ao contínuo crescimento de demanda da cidade”, explica o secretário Valmir. ( o povo não pode é ficar reféns de obras, ou votarão no candidato do partido do prefeito só por medo que elas não sejam concluidas ?

VOTEM COM CONCIÊNCIA, precisa ver se serão de qualidade, não sejam feitas nas coxas só pra terminar logo, que tenham qualidade, nem que não terminem a tempo, mas sejam concluídas independente de quem for eleito.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s