encontrados os jovens desaparecidos no sul da BAHIA

A polícia do Espírito Santo afirmou na noite desta terça-feira (24) que foram encontrados os corpos dos cinco jovens que desapareceram em uma viagem entre São Mateus, no norte do Espírito Santo, e Prado, no sul da Bahia na noite da última sexta-feira (20). A informação foi divulgada pelo superintendente de Polícia do Interior capixaba, delegado Danilo Bahiense, durante entrevista ao vivo ao telejornal da TV Vitória, afiliada da Record.

  • Reprodução/FacebookImagem que vem sendo divulgada nas redes sociais para ajudar nas buscas dos jovens

O carro foi encontrado no rio Mucuri, na Bahia, com quatro corpos em seu interior e um do lado de fora. O Corpo de Bombeiros de Teixeira de Freitas (BA) foi deslocado para a região para resgatar as vítimas. As causas do acidente estão sendo investigadas.

A Polícia Civil do Espírito Santo, juntamente com o serviço de inteligência da Bahia, estava fazendo as buscas e a investigação. Ao todo, 50 policiais de cada Estado ajudaram nas buscas com o auxílio de dois helicópteros.

Estavam desaparecidos André Galão, 28, ex-estudante de design de moda do Centro Universitário do Espírito Santo (Unesc), Izadora Ribeiro, 21, Rosaflor Oliveira, 24, Amanda Oliveira, 22, e Marllonn Amaral, 21 –todos estudantes de biologia do Centro Universitário Norte do Espírito Santo (Ceunes).

Informações desmentidas

Durante a manhã de hoje, chegou a ser veiculada a informação de que um carro, com corpos em seu interior, teria sido encontrado em um precipício a 12 km do distrito de Posto da Mata, na cidade de Nova Viçosa (BA).

Porém, mais tarde, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia negou a informação e o delegado Danilo Bahiense disse que não foram encontrados vestígios do grupo.

CAMINHO QUE PODERIA SER PERCORRIDO POR JOVENS

  • Reprodução/MapLinkO grupo de cinco jovens partiu na noite de sexta (20) de São Mateus (ES), com destino a Prado (BA)

Entenda o caso

Os jovens viajavam, por volta das 19h da última sexta-feira, em um carro Fiat Punto de cor bege em direção à festa de aniversário da mãe de Izadora. O percurso entre São Mateus e Prado deveria ser feito em cerca de três horas. Como o grupo não chegou ao destino, os familiares tentaram ligar para os celulares dos estudantes, mas todas as ligações caíram na caixa postal.

Segundo a polícia de São Mateus, o grupo teria sido visto pela última vez em um posto de gasolina do distrito de Itabatã, em Mucuri, no sul da Bahia. 

Segundo a mãe de André Galão, Glória, as buscas foram iniciadas pelos familiares já na manhã de sábado (21), ela informou que o trajeto entre São Mateus e Prado foi refeito diversas vezes por parentes.

“Tudo ainda é muito vago, é como se um carro e cinco pessoas pudessem desaparecer como fumaça, como se pudessem desintegrar”, afirmou ontem.

Além dos familiares e da polícia, o caso vinha sendo divulgado nas mídias sociais com a ajuda de amigos.

( se foi acidente,por causa da má conservação da estrada, se foi causada por bebida ou até droga dentro do carro que se divulgue, ous as familias vão esconder os fatos ?

se foi ação de bandidos tb será difícil descobrir, desobre se quiser tb, vamos ver no que vai dar isso.) 

bairros de SOROCABA sem carteiros, e contratar nada ?

 

Edson Santos, do Jardim Santa Rosa – Por: Luiz Setti

a média de 17,1 mil correspondências deixa de ser entregue nas casas dos sorocabanos pelos Correios mensalmente, segundo o diretor da subsede em Sorocaba do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Similares de São Paulo (Sintec-SP), Gilmar Gomes da Silva. São cartas destinadas para bairros que nunca tiveram o serviço de entrega de porta em porta. Nestes casos os próprios moradores precisam dirigir-se a uma unidade dos Correios na Casa do Cidadão mais próxima para retirar a carta ou a encomenda por meio programa denominado Posta Restante. Elas se acumulam por cerca de 30 dias e a maioria acaba sendo devolvida aos remetentes. De acordo com o diretor do Sindicato isso ocorre porque os Correios não têm carteiros suficientes para sequer fazer a distribuição nos bairros já atendidos pelo serviço. A Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) foi consultada no final da tarde de ontem, mas não confirmou esse número de cartas não entregues nos domicílios.


“Eu sou um anônimo sem endereço, parece que moro em Belém do Pará”, queixa-se o morador do Jardim Santa Rosa, zona norte da cidade, Edson Santos, 43 anos. Ele diz que não informa o seu endereço verdadeiro quando faz cadastro porque senão fica sem receber as correspondências. Sempre informa endereços de amigos ou parentes, onde sempre vai retirar as correspondências. “Fico ligando e buscando, duas ou três vezes por semana”, reclama. Diz que enfrenta essa situação há cinco anos e já desistiu de reivindicar o serviço. “Já fui na Prefeitura, na Central do Correio, em jornais, em tudo quanto é lugar e os carteiros nunca passaram aqui”, diz desanimado.

A situação afeta principalmente alguns bairros das zonas leste e norte de Sorocaba, penalizando os moradores que perdem tempo e dinheiro para ir às Casas do Cidadão, onde reclamam da demora para serem atendidos. De acordo com o que apurou o sindicato dos carteiros, a média mensal de correspondências acumuladas nas agências dentro das unidades da Casa do Cidadão, pelo programa Posta Restante, é de 7 mil na Casa do Cidadão Éden; 4.600 na Casa do Cidadão Itavuvu; 3.500 na Casa do Cidadão Ipanema e 2 mil na Casa do Cidadão Brigadeiro Tobias. O sindicato prevê que mensalmente há 4,2 milhões de entregas entre correspondências e encomendas em Sorocaba. As 17,1 mil que precisam ser retiradas pelos próprios destinatários correspondem a 0,41% do que é entregue, segundo o Sintec-SP.

O diretor do sindicato ressalta que 17,1 mil é uma quantidade muito grande de correspondências, o que gera reclamação dos sorocabanos não atendidos e gera questionamentos tanto dos vereadores a respeito do problema, como da Prefeitura, que cobra dos Correios mais agilidade no atendimento dentro das Casas do Cidadão. 

Segundo Gilmar, a falta da distribuição domiciliar atinge hoje os bairros Jardim Horizonte, Jardim do Pássaro, Jardim Topázio, Jardim Eliana, Jardim Azaleia, Morada das Flores, os jardins Paulistano 1, 2 e 3, Santa Paula, Jardim das Rosas e parte do Parque São Bento. Segundo Gilmar da Silva, todos são bairros com placas nas ruas e números nas casas, o que os torna aptos para receber o serviço de entrega de porta em porta. O Cruzeiro do Sul constatou também problemas no Jardim Santa Rosa, Monte Alpino, Residencial da Flores e Jardim Topázio.

O aposentado Décio Martins, 60 anos, outro morador do Jardim Santa Rosa diz que a esposa dele gasta cerca de R$ 25 com passagens de ônibus ao mês para ir em postos dos prestadores de serviços, como o de telefonia, ou na Prefeitura para retirar segundas vias. “Enquanto na Casa do Cidadão a informação é a de que a conta não chegou, os prestadores de serviços dizem que já nos enviaram”, declara Décio, dizendo que a esposa dele já vai direito aos prestadores de serviços para não enfrentar filas e continuar sem acesso às contas. Décio enfatiza que o gasto com o ônibus para retirar as contas fica mais caro do que a conta de água que paga mensalmente.

No Residencial das Flores, bairro da Zona Leste, na região do Éden, a operadora de produção, Paula Cristina Barbosa de Almeida, 30 anos, diz que se mudou para lá e mantém todas as correspondências no endereço da avó, porque no bairro não chega. “Eu não sei para quem reclamar e acho essa situação bem desagradável”, declara. No Jardim Topázio, mesma região, o vigilante Luiz Carlos Pereira dos Santos, 30 anos, diz que o bairro tem quatro anos e dependendo da época do mês tem que ir várias vezes por semana na Casa do Cidadão do Éden para não deixar a conta vencer. “Fui reclamar e disseram que não tem carteiro e que para contratar é preciso de autorização de Brasília”, declarou.

O diretor do Sintec-SP, Gilmar Gomes da Silva, orienta aos líderes comunitários de bairros que não têm a coleta de porta em porta a fazer a solicitação da entrega de correspondências na agência dos Correios Reven 2, localizada na rua Francisco Mucciolo, 300, bairro Jardim Gonçalves. Segundo ele, essa agência repassa o pedido à regional dos Correios em Bauru. No entanto Gilmar disse que a maioria dos bairros que não é atendida já tomou essa iniciativa e aguardam ser atendidas pelos Correios. ( fique sem pagar alguma conta ai um belo dia aapreçe cobrança judicula na sua porta, ai teve carteiro né ?)

CQÇ X JORNALISTAS REACIONÁRIOS

Será que é hora de jornalistas pensarem em restringir a liberdade de imprensa?”

Marcelo Tas, âncora do”CQC”, reagiu assim às reclamações de jornalistas após confusão que por pouco não terminou em pancadaria contra o humorista Mauricio Meirelles e equipe.

Sindicato dos Jornalistas de Brasília pede limites ao “CQC”
Jornalistas se irritam com equipe do “CQC” em Brasília

No programa desta segunda (23), Tas tratou o episódio como “pequeno zum-zum-zum” e criticou a disposição de um sindicato do Distrito Federal de propor restrições ao trabalho do “CQC” na capital.

Na semana passada, Meirelles tentou de várias formas (“custe o que custar”, conforme o lema da atração) chamar a atenção da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, que participava de evento oficial em Brasília.

Acabou, contudo, irritando jornalistas ao atrapalhar a gravação de equipes de TV.

  Divulgação  
Mauricio Meirelles, do "CQC"
Mauricio Meirelles, do “CQC”

O humorista (incorporado neste ano ao programa da Band) tentou entregar uma máscara de Carnaval para Hillary enquanto berrava “samba!” –pouco antes, a americana tinha sido flagrada bebendo cerveja e dançando num bar na Colômbia.

Houve, então, uma discussão com a assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores.

Em seguida, a equipe do “CQC” prometeu discrição para não ficar de fora de uma entrevista coletiva com Hillary e o ministro Antonio Patriota. Promessa cumprida.

Mas, na saída, mais confusão: com nova tentativa de fazer a máscara chegar às mãos de Hillary, Meirelles atrapalhou o trabalho de fotógrafos, cinegrafistas e repórteres. Os colegas quase trocaram agressões físicas –Itamaraty e embaixada dos EUA precisaram intervir para que isso não se concretizasse.

‘PEQUENO ZUM-ZUM-ZUM’

O programa de hoje, segundo Tas, mostrou o que “realmente aconteceu”, a despeito de reportagens “que [disseram que] o ‘CQC’ foi lá, fez uma coisinha que não podia, fez bobagem numa coletiva de imprensa”.

O quadro começou com Meirelles entrevistando parlamentares –que, na maioria, desconheciam os motivos que trouxeram a norte-americana ao Brasil.

Corta para o evento com Hillary e Patriota. O integrante do “CQC” tenta entregar a máscara carnavalesca, para que ela possa “dançar e beber” à vontade. Hillary percebe a movimentação, sorri, aplaude e bate com a mão no coração.

No modo “defensivo”, o “CQC” exibiu um relógio para provar que, durante toda a coletiva de imprensa (cerca de 40 minutos), Meirelles não se manifestou –ainda que as reclamações tenham ocorrido pelo comportamento do “CQC” no começo e no fim do evento.

Tas também rechaçou a ideia de que jornalismo e humor não podem se misturar. Disse que a tentativa de “calar um programa” pode ser um perigoso precedente.

Termina, por fim, afirmando que “o ‘CQC’ não está aqui para brigar com ninguém. O CQC é só amor”.  ( isso ai volta-se contra os proprios jornalistas, ous eja podem ser censurados tb.

no seu primeiro ano se não me engano o CQÇ já tinha sido impedido de fazer mnatérias dentro do congresso,alegando que aquilo não era jornalismo, depois foi liberado, pois não cabia a ninguém da casa definir quem poderia ou não entrar lá e fazer sua matéria.

agora justo os que tanto pregaram,lutaram pela democracia,querem calar um programa, ai começa lá e depois se espalha, logo programas nem nas ruas poderão fazer matérias se não forem jornalistas .

PÂNICO, CQÇ, etc poderão correr riscos de serem barrados em tudo, por cauisa de meia duzia de racionários de imprensa e outros que estão por ai.)

BABI careca, PÂNICO NA BAND

Babi Rossi exibe novo visual / Tatiane Moreno/band.com.br

nem eu acreditei, quando rasparam a cabeça da BABI,desta ve o PÂNICO foi alem da imaginação, mas polêmicas a parte, BABI deve ganhar uma puta de uma grana pra isso.

afinal deve perder trabalhos, e pra compensar isso, deve ganhar muito bem, até que seus cabelos voltem, pode até dar inveja nas outras, afinal vai reçeber um compensação a mais por ter feito isso ai.

ficou feia ? ainda bonita ?  se bem que qualquer uma delas mesmo carecas , na sua cama seria lucro demais não ? 

facebook, causando estragos pelo mundo.

Inicialmente, a festa de 16 anos de Bradley McAnulty seria apenas para os 30 amigos mais próximos, convidados via Facebook e Blackberry Messenger. No entanto, 400 penetras estavam na comemoração. A festa saiu do controle e partes da casa, em Poole, na Inglaterra, foram destruídas. A polícia foi chamada ao local e começou a dispersar os jovens. Dois garotos, entre 16 e 17 anos, foram presos por desordem e embriaguez.
Brandley McAunty (Foto: Reprodução/Daily Mail)Brandley McAunty (Foto: Reprodução/Daily Mail)
A multidão quebrou janelas, arrombou a porta dos fundos, rasgou as cortinas e arrebentou a cerca do jardim. Os vizinhos afirmam ter visto jovens pulando sobre os carros estacionados na rua e atirando latas de cerveja. Até mesmo três meninas urinaram no jardim de um vizinho.
Segundo McAnulty, os culpados foram seus amigos, que chamaram mais pessoas. “Tudo começou quando alguns amigos trouxeram outros convidados, e não vi problema em deixá-los ficar. Depois apareceu um grupo maior, e eu disse que eles não poderiam entrar. Eles então arrombaram o portão e começaram a quebrar tudo”, afirmou o jovem.
Foto tirada durante a festa (Foto: Reprodução/Daily Mail)Foto tirada durante a festa (Foto: Reprodução)
O pai do garoto voltou para casa às 22h, após os vizinhos ligarem desesperados para informar o que estava acontecendo. Ele passou a noite limpando a bagunça e afirmou que disse ao filho para não divulgar a festa nas redes sociais. Ainda de acordo com o pai de Bradley, foi uma sorte nada ter sido roubado( quem cria filho machão reçebe isso em troca)
Um garoto de 14 anos foi preso no Reino Unido por divulgar um vídeo no Facebook no qual ele e uma menina da mesma idade apareciam fazendo sexo. Não satisfeito com o destaque negativo já recebido, o adolescente decidiu se gabar do feito no Twitter. O caso chocou a cidade de Cheltenham.
 
Garoto se vangloria de postar vídeo pornográfico no Facebook (Foto: Reprodução/SWNS.com) (Foto: Garoto se vangloria de postar vídeo pornográfico no Facebook (Foto: Reprodução/SWNS.com))Garoto se vangloria de postar vídeo pornográfico no Facebook (Foto: Reprodução/SWNS.com)
O vídeo mostra os dois adolescentes realizando o ato sexual de forma consensual, e teve uma boa circulação entre os alunos de seu colégio antes de ser removido. O jovem, que teve a identidade preservada, publicou no Twitter uma foto gozando da situação. Nela, ele aparece segurando um jornal local, cuja capa dava destaque ao incidente. Na mensagem, o jovem afirmou ter atingido um status de “cult” entre os amigos.
Um dos parentes do jovem, que preferiu não se identificar, afirmou que o incidente foi muito comentado entre os amigos do rapaz no Twitter, e que leu diversas brincadeiras depreciativas no microblog. Porém, a maioria dos comentários publicados na postagem do vídeo reprovava a atitude.
 A polícia localizou e prendeu o rapaz, dando a ele uma última advertência legal sobre o ocorrido, que ficará em seu registro criminal durante seis anos. Os pais ficaram horrorizados com o comportamento do adolescente. O caso veio à tona depois que um professor da Escola Secundária de São Pedro, Lawrence Montagu, informou os pais sobre a existência do vídeo em um boletim escolar.
“É muito triste que os nossos jovens estejam expostos dessa forma, mas este é um dos males da tecnologia moderna. Nós temos que continuar a educar nossos jovens, para colher os benefícios que a tecnologia moderna oferece, e não para cair nas armadilhas que ela mostra”, comentou Montagu em seu comunicado.( quem sai perdendo mesmo é a garota, ele vai se gabar pela vida toda de ter feito isso, ta é com moral na escola e amigos.)

homem é espancado em posto de gasolina, e ninguém pra ajudar, todos correram.

 

 

http://videos.band.com.br/Exibir/Homem-e-espancado-ao-reagir-a-assalto/2c548a901d1005e4e33a75d87bba25d7?channel=588 

( PQP, seria 5 contra 3, simplesmente dois frentistas correm, um outro tb corre, e o gordo só assiste o espancamento, isso serve pra  mostrar pra esta meia duzia de bestas que querem armas de fogo pra qualquer um.

é cada um por si, os caras nem deviam estar armados, espancaram e foram embora, e os covardes se esconderam.)

raio x da noite em SOROCABA.

Enquanto clientes de bares que ainda não precisam fechar as portas as 23h, vários delitos ocorrem por todas as regiões de Sorocaba.

Nos principais “points” do sorocabano, a reportagem sente na pele como pode ser assustador a noite da cidade.

O inspetor Antunes mostra patrimônios públicos “invadidos” por consumidores de drogas e traficantes, nas telas da Central de Operações da GCM, e cenas com todo tipo de crime ocorrendo em Sorocaba.

Antunes aponta para as telas de LED e mostra três jovens bebendo uma garrafa de refrigerante com um misto de conhaque e outros tipos de bebidas alcóolicas, na praça Maestro Nilson Lombardi, Jardim Iguatemi, zona oeste. Outros dez fumavam maconha atrás de uma árvore. Doze guardas são convocados e entram em seis viaturas, que seguem até o local.

Cena de filme. Os jovens correm assustados com a presença da GCM. A maioria é rendida. “Você fique quieto. Não deveria estar aqui, em uma praça pública, a esta hora da noite”, diz um dos guardas ao menor revoltado com a abordagem. “Se seu pai descobre você aqui, iria gostar do que está fazendo? Pense bem.”

O adolescente respeita a opinião do GCM e permite a revista. Um menor que portava maconha é levado para os pais. Ninguém foi detido.
Em Júlio de Mesquita Filho, zona oeste, a doméstica Michelly Rodrigues Martins, 32, dirige em alta velocidade seu Fox e atinge em cheio o Gol do metalúrgico Cleber Evandro da Silva Godói, 33, que morre prensado pelas ferragens.

A condutora admite que ingeriu bebida alcóolica em uma festa. Homicídio culposo (sem intenção) na direção de veículo automotor (artigo 302 da Lei 9503/97 – Código de Trânsito Brasileiro). “Ela não saiu de um bar”, diz o delegado Robson Lorencetti. Dois amigos da vítima fugiram do local. De acordo com o registrado em Boletim de Ocorrência, um pacote de drogas teria sido encontrado sob um do bancos do veículo
Colisão foi ocasionada pelo consumo de álcool
O estado do Gol impressiona os policiais militares. A traseira do veículo ficou destruída. “A vítima fatal estava no tampão do porta-malas, preso às ferragens, enquanto a motorista do outro carro estava descontrolada, com intenção de entrar no Gol”, relata o delegado Robson Lorencetti, plantonista do Distrito Policial Sul. “Ela confidenciou que ingeriu álcool, contudo não apresentava estar embriagada. Ela recusou-se a fazer o teste do etilômetro”, relata, no boletim de ocorrência. Os faróis do Gol da vítima, que acompanhava dois amigos no banco traseiro, estavam apagados, o que dificultou a visualização do carro.

O Fox de Michelly Rodrigues Martins estava em alta velocidade, disseram os policiais e os peritos. A colisão ocorreu na rua Mário de Campos Lima, no bairro Júlio de Mesquita Filho. A motorista, alterada, não fez nem exame clínico e foi liberada.

No Jardim Nova Esperança, os traficantes agiam livremente. Logo na chegada, um grito: “Salve, salve”. É um código de boas-vindas aos consumidores de entorpecentes. Eles competem entre si e tentam chamar a atenção dos clientes de carro. Um assovio convida a “negociar” o preço da cocaína. Despistamos.

Em Sorocaba, desde 1989, conhecedor dos principais redutos, e no transporte de jornais desde 2007, recomenda: “Jamais se arrisque em um território que não conhece. Investigue antes.”
Sem sair do automóvel, o BOM DIA constata: o crime reina na região. Bebida e droga à vontade, em gueto, bar e biqueira.

Depois da “passagem” rápida pelo bairro escuro da zona norte, a reportagem visita as proximidades de dois bailes funk, no Parque Vitória Régia e Jardim Ipiranga. Nenhum movimento.

A polícia só entra nesses locais em operação conjunta, diz um GCM. Na Visconde de Cairu, na avenida General Carneiro, um travesti atende cliente boêmio.

Crime, com ou sem bar aberto após as 23h. “Tivemos sorte hoje [domingo de madrugada], pois a noite foi tranquila devido ao mal tempo”, diz o GCM Borges.

Forças e população divergem
Delegados, guardas, policiais militares e civis comemoram a aprovação da lei que fecha os bares sem alvará especial após as 23h, mas seus clientes reprovam a medida. Para as forças de segurança, a nova legislação ajudará o trabalho de combate ao crime.

Porém, os clientes dizem que vão procurar outros meios para beber e conversar, como garagens, praças públicas, postos de combustíveis, avenidas e ruas.

O capitão Vanclei Franci, oficial de relações públicas do 7° BPMI (Batalhão de Polícia Militar do Interior) tem uma convicção: o número de ocorrências de “desinteligência”, que são aquelas provocadas por brigas de bar e pessoas que ingerem bebida alcóolica até altas horas da madrugada e depois provocam conflitos em casa e com os vizinhos, deve cair. “Gente que bebe até tarde fica com o seu estado emocional alterado, o que provoca acidentes no trânsito, homicídio e outros crimes”, afirma.

Para a PM, o fechamento desses estabelecimentos inibirá os chamados que atrapalham o patrulhamento ostensivo. “Em muitos momentos em que ‘aparta’ problemas sociais, a PM poderia estar combatendo o crime para valer”, diz.

O inspetor Antunes concorda, mas faz ressalvas. “O fechamento dos bares vai contribuir para reduzir os crimes, mas só essa lei, de maneira isolada, não resolve o problema”, afirma. “Há muitos focos de crime em Sorocaba. Com o efetivo que temos na PM e na GCM, é impossível enfrentar os criminosos diariamente.”

A delegada Elisabete Molina apoia os vereadores. “Em 90 dias, a realidade vai mudar. Os policiais e guardas nos trazem muitos casos de briga e morte em decorrência do consumo de álcool”.

No Bar do Alemão, na avenida General Carneiro, um grupo de jovens são unânimes em um ponto: se o bar fechar, vão procurar outros ambientes para beber. “Sou consciente. Meu amigo bebe refrigerante para dirigir o carro”, diz Cristiano Almeida Rodrigues, 22. “Se fechar aqui, vou beber na praça”. Michael Silva, 22, reclama dos vereadores. “Não posso ficar na rua, na bagunça. Sou contra.” ( em ROMA capital da ITÁLIA, duas da manhã, acabou a balada, fecha tudo e todos pra casa, pq lá tem a lei do silêncio, até as duas e pronto.

aqui manda tuudo pra fora da cidade, quer beber, se drogar, tirar racha ? é la fora, ai se exploda, fechar bar ,ai vaio ter um ambulante em cada esquina, pra vender bebida a vontade, sem falar nas falsificadas e ai ? )