cracolândia, maioria acha que tudo está uma porcaria como antes


Foto: Frâncio de HolandaUsuários se aglomeram na Cracolândia Boa parte dos moradores de rua da região central de São Paulo acha que de nada adiantou a operação da Polícia Militar na Cracolândia. Pesquisa inédita da Secretaria Municipal de Assistência Social revela que 72,3% deles afirmam que a intervenção policial – que completa cinco meses neste domingo – não mudou suas vidas. Outros 17,2% acreditam que a situação piorou – sobretudo por causa da violência dos agentes de segurança – e o restante vê progresso ou não respondeu.


Mais sobre a cracolândia: Imagens: Antes e depois: Veja cenas da Cracolândia Um mês: Após 30 dias de operação, Cracolândia muda de endereço Entrevista: ‘Operação da Cracolândia é da PM’, diz chefe do Denarc Pai da Cracolândia: Tenta botar ordem no caos Vídeos: A voz de quem vive o cotidiano do crack e o tráfico ambulante na Cracolândia


A pesquisa foi feita com uma amostra de 380 pessoas, retirada do grupo de 6.675 pessoas que moram nas ruas e não são atendidos pelos albergues da Prefeitura. O estudo foi realizado de janeiro a março por pesquisadores da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Entre os moradores de rua que presenciaram a ação, 14,2% disseram ter sofrido alguma agressão policial. E 23,5% criticaram a investida da PM porque, segundo eles, a cracolândia apenas mudou de endereço.
Essa segregação é apontada como a principal consequência positiva da operação para os 10,5% dos entrevistados que aprovaram a ação. Eles destacaram também a diminuição da oferta de crack. “Como tem menos droga, fumo menos”, confirmou Robson da Silva, de 29 anos.
Leia também:

 “Drogas são o maior problema de São Paulo”, diz secretária da Justiça O problema: Em meio à epidemia de crack, Brasil fracassa em tratamento para dependentes Ministério Público: Promotoria considera ‘desastrosa’ ação na Cracolândia e abre inquérito Ação de todos: Alckmin diz que Cracolândia precisa “da ajuda de todos”
Fora do centro, a operação continua a causar discussão. Para a defensora pública Daniela Skromov, é uma ação “apenas de limpeza, que não deu certo”. O prefeito Gilberto Kassab (PSD) afirmou que “se avançou muito”, mas reconhece que há muito por fazer. O Ministério Público ameaça ir à Justiça para contestar a operação, sob argumento de que tráfico e consumo persistem na região mesmo com a PM. Enquanto isso, o Complexo Prates – espaço de 11 mil m² construído pela Prefeitura para tratar os viciados – atende uma média de 180 pessoas por dia, 15% de sua capacidade. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”. ( já falei, manda pra fora da cidade. um lugar afastado a, ali todos podem usar a vontade, o esatdo forneçe o crack, e quem quiser largar que peça ajuda.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s