bebum atropela , mata é liberado, sai antes das testemunhas da delegacia , e ainda é reincidente. e tb 3 policiais são atropelados tb em SP, em dos casos o motorista tb tava bebum.

http://www.band.com.br/primeirojornal/videos.asp?v=1f33e22e8e89994ec984df87530dd5b4&pg=1  

 

http://www.band.com.br/primeirojornal/videos.asp?v=7745ce9237dba8bc3ba9b32e4b3b650c&pg=1

 (notem os casos, um é reincidente e mesmo assim vai respondem em liberdade,e o outro ? tb vai ? é por estes casos que a policia esta nervosa temerosa e tem policial abrindo fogo a toa, como no caso do publicitário.)

 

Anúncios

mulher recebe fatura com nome de VADIA NOGUEIRA ao invés de KATIA NOGUEIRA.

Uma mulher registrou um boletim de ocorrência na delegacia de Sorocaba (SP) depois de receber uma fatura de uma empresa de internet e TV a cabo onde seu nome aparecia substituído por um xingamento. Tanto na parte de fora do boleto quanto na parte de dentro, Kátia Nogueira foi alterado para “Vadia Nogueira”.
Assinante teve nome trocado ao receber fatura de conta da TV e internet em Sorocaba (Foto: Kátia Nogueira/Arquivo Pessoal)Assinante teve nome trocado em fatura de conta de
TV e internet (Foto: Kátia Nogueira/Arquivo Pessoal)
Por telefone, o G1 conversou com a assinante, que se disse extremamente ofendida com a situação. “Não dá para definir como eu me sinto neste momento. Não sei se é raiva, mágoa, decepção… não existe um xingamento que ofenda mais uma mulher do que esse”, afirma.
Segundo Kátia, ela tem tido problemas com a empresa desde outubro, quando deixou de trabalhar e as despesas passaram a depender totalmente do marido. Desde então, as contas atrasaram e ela precisou fazer vários acordos para continuar utilizando os serviços. Na semana passada, porém, a TV e a internet foram cortadas um dia depois de uma nova negociação, quando o atendente garantiu que isso não aconteceria.
Quando ligou para reclamar, Kátia afirma que foi atendida por uma mulher “impaciente” que a deixou esperando na linha por exatos 29 minutos. “Ela foi muito grossa e nós tivemos uma discussão acalorada. Trocamos farpas e eu exigi que ela transferisse a ligação para o setor de cancelamento. Ela me pediu para aguardar e eu fiquei ouvindo o barulho do call center no fundo. Depois de muito tempo, eu disse ‘Continuo esperando, viu?!’, e ela respondeu ‘Fique esperando, então’. Depois, ela colocou uma musiquinha e desligou”, relata.
Insatisfeita, a cliente ligou de volta. Dessa vez, outra pessoa atendeu e resolveu o problema. Porém, nesta quinta-feira (26), quando a fatura chegou, a consumidora levou um susto. “Primeiro, li Vânia; depois, Nádia. Achei que o boleto tinha sido entregue em endereço errado, e só depois entendi o que estava acontecendo”, conta.
Imediatamente, Kátia resolveu registrar um B.O. A delegada Darly Kluppel, que registrou a ocorrência, ficou igualmente indignada com o ocorrido. “É um caso inédito. Ela estava muito ofendida, assustada mesmo”, diz.
O caso foi registrado como injúria e a vítima foi orientada a procurar um advogado para acionar a empresa judicialmente. “Eles precisam ter cuidado com as pessoas que contratam, porque a empresa responde pelos seus funcionários”, ressalta a delegada.
Kátia ainda não decidiu se entra na Justiça contra a operadora, mas disse que já conversou com um advogado amigo da família sobre as providências que podem ser tomadas em um caso como esse.
Às 12h15 deste sábado (28), a assessoria de imprensa enviou uma nota ao G1 dizendo que a empresa não tolera esse tipo de ocorrência e que já solicitou à prestadora de serviços terceirizada que sejam tomadas as providências cabíveis em relação ao funcionário envolvido. O cadastro da cliente já foi corrigido.( eu sinceramente prefiro acreditar que foi engano da empresa, pois se isso foi de propósito a NET
 enlouqueceu e portanto deve sair fora do mercado, imagine se fosse homem, recebendo a fatura como VEADO NOGUEIRA ? já tinha tacado fogo na empresa no minimo.)
Cliente teve nome alterado para palavrão (Foto: Kátia Nogueira/Arquivo Pessoal)

sorocabano seria o terceiro mais infiel do estado de SP

Não cobiçar o homem ou a mulher do próximo e não cometer adultério. Estes são dois dos dez mandamentos seguidos pelos cristãos e respeitados por parte da sociedade.

No país que vive a cultura monogâmica – na qual o indivíduo tem um único parceiro – algumas pessoas buscam variedade, prazer e satisfação nos braços de outra pessoa. E, segundo a pesquisa do site Ashley Madison, o sorocabano é o terceiro que mais trai no Estado de São Paulo.

O Ashley Madison é um site de relacionamentos exclusivo para pessoas casadas. Feita em abril deste ano, a pesquisa utilizou dados e respostas dos usuários. “Em Sorocaba, os homens traem mais, geralmente por sexo, guiados pela vontade de experimentar coisas novas na cama, insatisfação com a performance da parceira ou até mesmo falta de vontade com ela”, explica Eduardo Borges, representante brasileiro do site. Segundo a pesquisa, as mulheres costumam trair por vingança, falta de atenção e pela busca do prazer sexual.
De olho/ Um detetive de 28 anos – que atua na região de Sorocaba – conta que, assim como mostra a pesquisa, os homens são mais infiéis do que as mulheres. “Eles traem em plena luz do dia ou aproveitam viagens de negócio”, esclarece. Apesar de investigar qualquer tipo de incidente, o detetive explica que mais da metade dos casos que atende são referentes a relações extraconjugais.
“O homem é descuidado, conta aos amigos, encontra a amante em lugares públicos, por isso é muito rápido e fácil de pegar”, conta o detetive, que trabalhou em casos de repercussão na cidade. As mulheres costumam ser mais cuidadosas e difíceis de flagrar. “Em geral, a mulher é quem mais contrata nossos serviços. Elas são mais desconfiadas e, na maior parte das vezes, a suspeita era infundada”, destaca.
vício/ Aos 12 anos, o jovem – que optou por não se identificar – teve sua primeira relação sexual com uma mulher mais velha. Hoje, aos 24 anos, ela conta que desde então sente prazer em tudo que vê. “Olhava mulheres na rua e, sem elas notarem, me masturbava”, explica o rapaz que gostava de espiar as vizinha, as primas e até mesmo as professoras.
Há três anos ele se casou e, apesar de manter relações sexuais frequentes com sua mulher, o desejo continuava incontrolável. “Deixava minha mulher dormindo e saia para olhar mulheres, ter relações sexuais e participar de orgias.”

Sua mulher só descobriu após realizar exames e saber que possuia uma doença venérea. “Hoje estou internado para tratar minha compulsão e tentar recuperar minha vida, minha mulher e minha filha”, conclui.

Barraco sexualHá dois anos, Vivian Oliveira, 36, descobriu que sua melhor amiga, Juliana Cordeiro, 35, era amante do seu marido, Cícero Oliveira, 56. Vivian reuniu provas do adultério e filmou sua conversa com Juliana, no dia em que leu algumas das mensagens picantes trocadas entre o casal pela internet. Na época, ela disponibilizou virtualmente o material para alguns amigos, que acabaram espalhando o caso pela internet. O incidente tornou-se conhecido em todo o país.
39 anos é a idade média dos homens sorocabanos que decidem trair suas mulheres, segundo a pesquisa
Desejo excessivo por sexo pode ser sinal de doença
Fazer algo constantemente por gratificação emocional como prazer ou alívio. Este tipo de hábito pode caracterizar uma compulsão. “Este distúrbio se caracteriza pela necessidade física e psiquica de sentir ou fazer determinada coisa. Algumas pessoas desenvolvem compulsão pela busca desenfreada do prazer sexual”, esclarece Ana Leda Bella Gonçalves, psicóloga. Ela trabalha no Centro Terapêutico Araçoiaba, que trata dependência química e todos os tipos de compulsões.
“Em 60% dos casos, sexo e drogas estão associados ao uso de algum tipo de substância entorpecente”, diz a psicóloga, que explica a diferença entre ato e relação sexual: “Na relação sexual, há uma troca, um se importa com o que o  outro está sentindo. Já no ato sexual, a pessoa busca apenas o prazer sexual imediato e nada mais.”
A grande dificuldade em iniciar o tratamento é a conscientização. “Poucos entendem que são compulsivos ou buscam ajuda para reduzir esta busca desenfreada pelo prazer”, diz Ana Leda que, durante o tratamento percebe que muitos conseguem se curar. “Mostramos que a busca pela satisfação sexual atrapalha a vida social daquela pessoa, que existem outras prioridades”, finaliza. ( doença é pra minorias, a maioria trai é pq tem disponibilidade no mercado, consegue encontrar mulher que acaba dando mole pro cara.
39 anos é idade média ? hummmmmmm sei não, tem cara que começa bem cedo, no namora ainda e depois continua no casamento.

 

reconstituição na morte do publicitário em SP


“Foi uma tragédia, mas a gente achou que o satanás ia sair de dentro do carro.” A frase é de um dos policiais militares que participaram da ação que culminou na morte do empresário Ricardo Prudente de Aquino, 39, no dia 18, após perseguição por ruas de Alto de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.
 
 
Antes de morrer, Aquino, segundo a polícia, não obedeceu a uma ordem de parada de um PM e trafegou em alta velocidade em seu Ford Fiesta com películas escuras nos vidros laterais.
Esse PM que falou à Folha pediu para não ser identificado, pois não tem autorização da corporação para conceder entrevistas. Ele não é um dos três policiais que foram presos sob a acusação de homicídio doloso (intencional).
O cabo Robson Tadeu Paulino, 30, e os soldados Luis Gustavo Teixeira Garcia, 28, e Adriano Costa da Silva, 26, ficaram nove dias presos. Eles foram soltos anteontem por decisão judicial.

Reconstituição da morte do empresário

 Ver em tamanho maior »

Adriano Vizoni/Folhapress

AnteriorPróxima

Policial simula momento da abordagem ao empresário
À Folha, o policial afirmou que o publicitário agiu de maneira errada ao fugir da polícia e seu comportamento era similar a de um criminoso.
“Se tivesse parado, nada de errado ia acontecer.”
Na opinião do policial, a morte de Aquino deve ser avaliada dentro do seguinte contexto:
1) oito policiais foram mortos e cinco bases da PM foram atacadas desde junho;
2) o cabo Robson, um dos policiais envolvidos na ação, foi baleado em junho do ano passado numa tentativa de roubo na avenida Pacaembu;
3) a ação aconteceu em uma rua com pouca iluminação, e Aquino, agitado, fez um movimento brusco com o celular na mão, o que levou os PMs a acharem que ele estava armado e iria atirar.
“Vivemos um momento de tensão muito grande”, disse.
Mesmo assim, ele conclui que a ação foi um erro. “Foi uma ‘cagada’. O cerco foi correto. Errado foram os tiros. Bastou um policial atirar para os demais o seguirem.”
O advogado da família de Aquino, Cid Vieira de Souza Filho, disse que nada justifica a ação dos policiais.
“Ainda que o Ricardo estivesse fugindo, a ação dos policiais foi errada. Se não estão preparados psicologicamente, não deviam ser PMs.”
Sobre o movimento brusco, o advogado disse que essa tese não está comprovada.
“O celular dele estava há quase duas horas sem bateria. Ele não tinha para que pegar o celular”, afirmou.
O processo foi relatado pela Polícia Civil e está agora com o Ministério Público, que deverá oferecer a denúncia (acusação formal) à Justiça nos próximos dias.
Nesta semana, o Tribunal de Justiça deverá decidir se os três PMs aguardam o julgamento presos ou livres. ( a pergunta seria pq ele não parou ? erro dos dois lados, mas como lidar com uam situação destas ? 
 
faltou opções, como jogar uma bomba de gás lacrimogênio no carro, bala de borracha , os PMS só tinham armas de matar.)