casa de prostituição de luxo é fechada no JD EMBAIXADOR em SOROCABA

Uma casa de prostituição situada no Jardim Embaixador foi fechada ontem por fiscais da Prefeitura e Polícia Civil, após denúncias feitas por moradores daquela região. Quatro mulheres e um homem que se identificou como gerente do estabelecimento conhecido pelo nome de “Gatas Universitárias”, foram ouvidos na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e depois dispensados.

 De acordo com a denúncia que chegou ao setor de fiscalização municipal acompanhada de um abaixo-assinado com 28 adesões, o prostíbulo de alto padrão situado na rua Ângelo Verrone, 85, funcionaria desde outubro passado. O documento também trazia anexado fotos do site pelo qual os programas eram agendados e que segundo apurado pelos policiais civis eram cobrados em torno de R$ 200 a R$ 300. As fotos exibiam as moças nuas. Foi apreendido um talão de comandas indicando o valor de R$ 30 para entrar na residência e preços de bebidas que variam de R$ 5 para uma água até R$ 120 por uma garrafa de vinho.

 O delegado José Humberto Urban Filho, titular da DIG, esclareceu que a prostituição não é crime, mas sim sua exploração. Ele também explicou que em casos de prostituição a operação policial não é suficiente para caracterizar o crime, o que será feito pelas oitivas das moças e do homem que foi encontrado no imóvel e que, a princípio se apresentou como morador e depois admitiu ser gerente. O crime de prostituição prevê pena de dois a cinco anos de reclusão e multa. Também de acordo com o delegado Acácio Aparecido Leite, que esteve na casa, o crime de prostituição é provado pela repetição da conduta.

 Além das comandas, na casa interditada também foram apreendidos um computador, dois frascos de anabolizantes que seriam de uso pessoal do gerente e várias seringas. 

Fiscalização 

O chefe da Divisão de Fiscalização da Prefeitura, Wagner Alex Bedeschi, disse que o imóvel não tinha nenhuma inscrição municipal regulamentando alguma atividade, mas frisou que o talão de comanda já caracteriza a presença de comércio no local. Diante disso a casa foi interditada, e o gerente, que diz residir no local, precisará comparecer ao setor de fiscalização a fim de reiterar a desinterdição para poder voltar a morar na casa. Mas em caso de reincidência a casa será novamente interditada, e será cobrada uma multa de R$ 316,45. 

Wagner Bedeschi também enfatizou que as denúncias devem ser feitas diretamente na Divisão de Fiscalização, que fica na rua Pernambuco, número 100, uma travessa da avenida Eugênio Salerno, e que a partir disso é feito um levantamento da situação cadastral, e então solicitado apoio da Polícia Civil.( este tipo de lugar tem de ser em lugares afastados, onde não haja residencias de famílias por perto senão da nisso ai.)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s