bandidos do caso do menino boliviano são assassinados na cadeia.

Os presos Paulo Ricardo Martins e Felipe dos Santos Lima, acusados de matar o boliviano Brayan Capcha, 5, foram assassinados na tarde desta sexta-feira no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Santo André, na Grande São Paulo.
Segundo funcionários do sistema prisional, ambos foram envenenados com o coquetel da morte. Trata-se de uma mistura de cocaína, viagra, água e até creolina.
Agentes penitenciários disseram que os presos estavam no pátio quando foram envenenados, por volta das 14h30. Eles chegaram a ser encaminhados para a enfermaria, mas não resistiram.
 
Esse método foi criado em meados da década passada por membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) para matar seus inimigos. Somente na penitenciária de Iaras (a 285 km de São Paulo), foram mortos dez presos dessa maneira.
 
Com esse coquetel, a causa da morte é identificada como overdose e, dessa forma, é difícil chegar à autoria do homicídio. O CDP de Santo André é dominado por integrantes do PCC.
Em nota, a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) confirmou as mortes e informou que vai apurar as circunstâncias em que elas ocorreram.
Cinco pessoas foram acusadas pela morte de Brayan. Um deles, menor de idade, está detido; dois continuam foragidos.
  Reprodução/TV Globo  
Documento de identidade do boliviano Brayan Yanarico Capcha, 5, assassinado durante assalto à sua casa na zona leste de SP
Documento de identidade do boliviano Brayan Yanarico Capcha, 5, assassinado durante assalto à sua casa na zona leste de SP
A advogada da família de Brayan, Patrícia Vega, disse que, para a família do jovem boliviano, a morte dos dois suspeitos isso não muda nada. “O que eles esperam é que os outros dois foragidos sejam presos”, disse.
 
O delegado da 8ª seccional de São Mateus, Antonio Mestre Junior, disse que vai apurar o crime para saber se foi motivado pelo crime contra o menino boliviano ou se foi alguma desavença com criminosos fora do presídio. Junior disse ainda que os dois suspeitos foragidos quase foram presos durante buscas na mesma região do interior de São Paulo.
CASO
Os bandidos que participaram do crime aproveitaram a chegada de um tio da criança para invadir a residência, na zona leste de São Paulo. Os familiares de Capcha chegaram a entregar R$ 4.500, mas os bandidos, insatisfeitos, passaram a ameaçar todos dentro da casa.
 
De acordo com o boletim de ocorrência, o menino chorava muito no momento do assalto e os criminosos chegaram a dizer que cortariam a cabeça da criança, caso ela não parasse de gritar. Momentos antes de fugir, um dos bandidos disparou contra a cabeça do garoto.
Ele foi levado ao pronto-socorro do Hospital São Mateus pelos próprios pais, mas não resistiu aos ferimentos. Segundo um investigador, que preferiu não ter a identidade revelada, a maioria dos membros da família chegou há pouco tempo em São Paulo e ainda não fala bem português.
 
Segundo agentes penitenciários, membros do PCC mataram os acusados porque a facção criminosa não tolera violência contra crianças.
O suspeito foragido Diego Rocha Freitas Campos, apontado pelos investigadores como o autor do disparo que matou o menino boliviano, deixou a prisão junto com o outro foragido Wesley Soares Pedroso,19, durante a saída temporária do Dia das Mães neste ano, e não retornaram à prisão. 
( este papo de lei da cadeia é para pé de chinelo, PCC comete atrocidades com quem quer que seja, seja criança, mulher ou idoso, assim como outras grupos organizados.
claro que são 3 a menos, mas não se enganem, pois nada vai mudar mesmo, pé de chinelo é fácil matar, mas os graúdos.)
Anúncios

mais um curintiano é identificado na braiga em BRASÍLIA, é o terceiro

 Torcedores do Corinthians envolvidos na briga (Fotos de Cleber Mendes/LANCE!Press e AFP)
Torcedor do Corinthians que estava preso em Oruro se envolveu na briga em Brasília (Fotos de Cleber Mendes/LANCE!Press e AFP)

Mais um dos 12 torcedores que passaram cinco meses e meio presos em Oruro (BOL) participou da briga entre membros de facções das torcidas de Corinthians e Vasco, dentro do Mané Garrincha, em Brasília, no último domingo. O terceiro identificado é Fabio Neves Domingos, o Dumemo, integrante da Pavilhão Nove. 

A análise foi feita por peritos criminais do DF, aposentados e atuantes nas áreas de perícia judicial e particular da Associação Brasiliense de Peritos em Criminalística (ABPC), baseada em quatro fotos enviadas pelo LANCE!Net. 

“Como resultado do exame de comparação de estruturas, proporções e características faciais individualizadoras, conclui-se que o indivíduo que aparece de frente na imagem ‘C’ (na arquibancada do Mané Garrincha), sem camisa, com corrente no pescoço, com tatuagem no peito e usando óculos na cabeça é a mesma pessoa que aparece nas imagens padrões (‘A’, ‘B’ e ‘D’).”, concluem Orlando Júnior e João Braz Neto, ex-presidentes da ABPC.

E MAIS:
> Ministério Público pede nova multa à Gaviões e solicitará sua dissolução
> Em nota, Gaviões critica segurança em estádio: ‘Pareceu premeditado’
> Vereador flagrado em briga: ‘Quem nunca brigou que atire a primeira pedra’

Os dois primeiros ex-presos de Oruro – identificados pelo jornal “O Estado de S. Paulo” – na briga de Brasília foram Leandro Silva de Oliveira, o Soldado, e Cleuter Barreto Barros, o Manaus, ambos da Gaviões da Fiel. Eles, além do vereador de Francisco Morato Raimundo Cesar Faustino (PT), descoberto pelo LANCE!Net, estão proibidos de entrar nos estádios do estado de São Paulo por 90 dias pela Federação Paulista de Futebol e estão sendo indiciados pela Polícia Civil do DF, enquadrados no artigo 41-B do Estatuto do Torcedor. Se condenados, podem ficar três anos proibidos de entrar em estádios do país e ter de se apresentar em local determinado pela Justiça duas horas antes dos jogos do Corinthians e sair duas horas depois.

Em fevereiro, Domingos, Oliveira e Barros foram presos na Bolívia, acusados de participação na morte do boliviano Kevin Espada, aos 14 anos, atingido por um sinalizador, durante o jogo San Jose 1 x 1, pela Libertadores deste ano, mas soltos no início de agosto por falta de provas.

( do jeito que ta será que todos os 12 estavam na briga em BRASÍLIA ? só falta.)

desabamento sem SP, mais um corpo encontrado e agora a novela da culpa

Os bombeiros encontraram o corpo da nona vítima do desabamento de um prédio em construção na zona leste de São Paulo. Por volta das 7h30 da manhã desta quinta-feira (29), Claudemir Viana de Freitas era retirado dos escombros do acidente. A corporação ainda procura mais um desaparecido, o ajudante de pedreiro Antônio Wellington Teixeira da Silva.

Outras 25 pessoas ficaram feridas no acidente. Ao menos 35 homens continuam no terreno e o trabalho ainda não tem previsão para acabar. Dos seis imóveis que haviam sido interditados, três foram liberados. 

Os problemas na estrutura da obra haviam sido percebidos antes do desabamento. É o que revelam os depoimentos prestados até agora. O encarregado de elétrica disse à polícia que, no último sábado, houve uma reunião entre representantes do dono do terreno, da loja de roupas que alugou o galpão e da empresa contratada para fazer o acabamento. 

SP: empreiteira envolvida em desabamento já tinha feito obras em lojas da mesma rede

“Nunca tinha visto um prédio desaparecer”, diz fiscal do Ministério do Trabalho sobre desabamento

Segundo o depoimento deste funcionário, o grupo que se reuniu chegou à conclusão de que a estrutura do galpão não suportaria mais peso e que, por isso, a obra deveria ser paralisada para a realização de um reforço. O orientação para todos os funcionários teria sido a de retirar tudo o que estivesse em cima da laje. 

Um servente de pedreiro, que também foi ouvido pela polícia, disse que, no dia do desabamento, eles trabalhavam justamente na limpeza da área. Cerca de 500 blocos de barro e toras de madeira de eucalipto deveriam ser retirados da laje.

 http://noticias.r7.com/sao-paulo/bombeiros-encontram-nona-vitima-do-desabamento-de-predio-na-zona-leste-de-sp-29082013  ( vejam ai no link a matéria em vídeo)

agora como de praxe , teremos aquela ladainha de sempre, de quem é a culpa, prefeitura, construtora, dono do prédio , cada um querendo se salvar  , lembrando o caso PÁTIO CIANÊ aqui em SOROCABA, que pelo jeito deu pizza né ?

SAMU fica parado por causa de macas sendo usadas por pacientes BACAROÇO CITY

Esperamos uma semana por um leito na internação, enquanto isso a minha filha ficou na observação, ocupando macas de pessoas que chegavam para a emergência.” O relato é da auxiliar Renata Souza, 35 anos, que acompanha sua filha de 4 anos que está internada com pneumonia no PS (Pronto-Socorro) da Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba. Ontem, o local estava lotado e muitos pacientes e também o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) ficaram sem macas. 

Já a sogra da dona de casa Efigênia Braz, 45, que tem 82 anos, ficou três dias no corredor. “Ela está com pneumonia dupla e foi para o quarto há apenas dois  dias”, conta.

Espera/ Os casos atendidos pelo Samu são encaminhados ao hospital que conta com um convênio com a Prefeitura de Sorocaba. 

Todos os dias, ao lado do PS, se forma uma fila de ambulâncias, o que se repetiu ontem. Enquanto o paciente não é levado para um dos 27 leitos de observação, os socorristas ficam parados no estacionamento,  aguardando as macas serem liberadas, impedidos também de atender outros chamados de urgência. 

Os pacientes que estão em  melhores condições aguardam o atendimento em cadeira de rodas, quando essas estão liberadas. Ontem, até cadeiras de banho foram improvisadas. 

Em entrevista para a TV TEM, o diretor do PS da Santa Casa, Milton Palma, rconheceu que a situação é insuportável e que a Santa Casa teria de passar por reforma no prédio para aumentar sua capacidade. 
Ele ressalta também que a alta demanda é devido a falta de mais leitos no município em outras unidades de saúde, já que os Pronto-Atendimentos também são superlotados.

 

Secretaria procura abrir leitos em outros hospitais
A Secretaria da Saúde reafirma que é interesse  da pasta resolver o problema de falta de leitos para internação e está se empenhando ao máximo para isso. A Secretaria está contatando vários hospitais da cidade, dentro do processo de contratualização, visando a ampliação de leitos. Ontem, a pasta enviou uma equipe até a Santa Casa para realizar uma auditoria no local. O Pronto-Socorro Municipal deve sempre acolher o paciente e, no caso de não existirem leitos disponíveis para internação, tem a responsabilidade de acionar a Cross (Central de Regulação de Vagas do Estado de São Paulo), para encaminhar o paciente a outro hospital. É ainda da Santa Casa a responsabilidade em adquirir equipamentos para o PS Municipal, inclusive macas. Quanto ao encaminhamento de pacientes ao hospital, a Secretaria informa que esta regulação já é feita.

MAIS

Convênio municipal
O Pronto-Socorro da Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba e a prefeitura fizeram um acordo, pelo qual a administração municipal fornece verba mensal para o funcionamento do local.

48 leitos de internação existem no PS da Santa Casa

Médicos
No plantão diurno do PS da Santa Casa são 11 médicos para atender a população, enquanto à noite são oito profissionais.

1,8 milhão de reais é o valor do repasse municipal ao hospital 

( seguinte galera, vai todo mundo assistir copa 2014 nos corredores dos hospitais, enquanto espera o atendimento ou a morte.
vc meu amigo, ta proibido ficar doente, evite procurar acidentes, se vc bebe, usa droga, melhor morrer na rua mesmo, não encha o saco nos hospitais que vc vai ficar ali a ver navios. 
e assim caminha a humanidade.)

dois curintianos que estiveram presos na BOLÍVIA, participam de briga entre CURINTIA E VASCO em BRASÓLIA.

 

O corintiano Cleuter Barretos Barros, sócio da torcida Gaviões da Fiel, que esteve preso na Bolívia acusado pela morte do jovem Kevin Espada foi o segundo identificado na briga entre torcedores do Corinthians e do Vasco no último domingo (25), no Estádio Mané Garrincha, em Brasília.

A edição do jornal O Estado de S.Paulo desta quarta-feira (28) publicou análise realizada por peritos nas imagens da confusão no DF e comparou com imagens do torcedor na prisão, em Oruro. O estudo foi feito pela ABPC (Associação Brasiliense de Peritos em Criminalística).

“Considerando as convergências encontradas nos exames quanto às características consideradas individualizadoras da face e a inobservância de divergências classificadas como incompatíveis, conclui-se que as imagens padrão referentes a Cleuter correspondem à mesma pessoa que aparece nas imagens da briga vestindo agasalho de cor cinza, tendo os dizeres “NEW YORK” na parte frontal”, diz o trecho da análise publicado pelo jornal.

De acordo com o Estado, Cleuter Barros é conhecido como “Manaus” na Gaviões da Fiel, por causa de sua cidade de origem. Líder da torcida na capital do Amazonas, o torcedor foi a São Paulo para participar da organização do desfile da escola de samba da Gaviões no Carnaval e passou a dormir na sede da torcida.

Nas imagens, prossegue a reportagem, é possível ver que Barros foi um dos primeiros a partir para o confronto com os torcedores do Vasco e ficou o tempo todo no meio da confusão, que aconteceu no intervalo e necessitou da ação de policiais com spray de pimenta e cassetetes para conter a briga.

Barros chegou a ser apontado na Bolívia como o autor do disparo de sinalizador que matou Kevin Espada em fevereiro deste ano, na partida do Corinthians contra o San José, pela Copa Libertadores. Com ele, foram encontrados três sinalizadores, sendo que um deles idêntico ao que atingiu o garoto boliviano. O corintiano passou cinco meses e meio na cadeia e foi solto por falta de provas.

O primeiro torcedor que estava preso em Oruro e acabou identificado na briga no Mané Garrincha foi Leandro Silva de Oliveira. O jornal Lance! também identificou um vereador de Francisco Morato, Raimundo César Faustino (PT), conhecido como Capá, como um dos participantes da confusão.  ( 5 meses na cadeia , não foram suficientes pra  estes dois né ?

 
la na BOLÍVIA, falaram que estavam sequestrados, que choraram inocência etc e agora isso, soltos de volta ao futebol, aprontam isso .
 
podem ser inocentes no caso do KEVIN ESPADA , mas agóra não tem o que alegar,  ou vão dizer que estavam se defendendo de ataques vascaínos ? as imagens mostram que eles invadiram o espaço destinado aos torcedores do VASCO para brigar, afinal não tinha divisória.
 
já passou do tempo de darem uma lição de vez nestes baderneiros .
 
Cleuter aparece na imagem à esquerda, de jaqueta cinza com a estampa "NEW YORK"