ANA PAULA MACIEL, e seus relatos de horror na RÚSSIA.

Em 25 de outubro, dentro de uma cela na gelada Murmansk (Rússia), a brasileira Ana Paula Maciel, 31, ativista do Greenpeace, escreveu em um diário: “Ontem eu pensava qual seria a forma mais rápida de acabar com tudo isso, sou bióloga e sei muitas formas de acabar com a agonia de um ser vivo”.

Durante os dois meses de prisão, Ana Paula, libertada na semana passada, escreveu detalhes da agonia que viveu, em um diário cujos trechos principais estão abaixo.

‘Não me arrependo do que fiz”, diz brasileira que foi presa na Rússia’
‘É muito bom vê-la e abraçá-la’, diz mãe de ativista brasileira ao chegar à Rússia

Acusada de vandalismo e pirataria por ter participado de um grupo que tentou barrar a exploração de petróleo no Ártico, ela não pode deixar a Rússia até o julgamento, que não tem data marcada. Ontem, a gaúcha Ana Paula reencontrou-se com a mãe, Rosângela, que a visitou em São Petersburgo.

26/9 – A primeira audiência

Nos acusaram de pirataria, com penas de até 15 anos, mesmo com o presidente deles [Putin] dizendo que não somos piratas. Agora sozinha na cela rezo para que minha mãe reze por nós. A pior parte de ser forte é que ninguém pergunta se você está bem. Vou manter esse diário até quando eu possa ter caneta.

29/9 – Justiça decreta prisão preventiva de dois meses

A última vez que vi no relógio eram dez horas [da noite], agora já não sei, é tarde. Me trouxeram um purê de batatas com beterraba, delicioso, pena que estava frio. A corte foi cansativa e cheia de emoções. Encontrei uma página em branco num livro e escrevi: “Save the Arctic” [Salvem o Ártico]. Não sei se isso vai me trazer problemas […] O banho é só duas vezes por semana, às 18h trazem a janta.

30/9 – Primeiro dia com a prisão decretada

Vieram me chamar para caminhar, pelo menos ar fresco. É sempre nessa caixa de concreto, 5 por 5 [metros], uma caixa de paredes sem sol. Quando me chamaram, acho que me senti como a Lilica e Laila [cachorras dela], quando vamos passear. Acabei de escutar notícia na rádio sobre nós. Acabei de jantar, deve ser seis horas, mais ou menos. “Greenpeace”, “Arctic Sunrise” [navio em que foram presos], “Murmansk”, foi o que entendi, o resto era em russo.

7/10 – As regras da prisão

Meu Deus, quando tudo isso vai acabar? Acordei cedo e não voltei a dormir. O regulamento parece aqueles manuais traduzidos por chineses, não dá para entender nada. Entendi que tinha que limpar a cela, embora tenha tirado toneladas de sujeira, não parece que limpei.

25/10 – Desabafo

Acho que os investigadores deveriam ter peso na consciência de fazerem inocentes passarem pelo terror psicológico da prisão. Estou cansada das inspeções, de sorrir para os guardas, de mostrar respeito pelas pessoas que não respeito. Cansada de andar com as mãos nas costas, das caixas escuras onde nos transportam, das algemas, de ser vigiada pelo olho da porta. Ontem eu pensava qual seria a forma mais rápida de acabar com tudo isso, sou bióloga e sei muitas formas de acabar com a agonia de um ser vivo, formas quase indolores e bem rápidas, o problema é que sou muito forte e corajosa.

Para se matar, é preciso coragem, mas para viver é preciso ainda mais. Na corte, me senti como uma atriz no teatro, porque a decisão já estava tomada antes mesmo de eu sair da prisão, desse buraco imundo, cheio de ratos e fantasmas.

12/11 – Transferência para São Petersburgo

Chegamos perto da uma da tarde, uma e meia já estávamos sendo transferidos para a nova prisão. O transporte de trem levou 27 horas. Não havia colchão e era bem difícil ir ao banheiro. Fomos para a cela, onde tenho duas companheiras. Somente queremos que isso acabe, por favor.

13/11 – Sem dormir

É proibido dormir depois das seis da manhã. […] Quero ver a regra, porque punir as pessoas por dormir é contra os direitos humanos. Minha companheira de cela já me disse que elas tomam um banho uma vez por semana. Hoje vieram perguntar se quero tomar banho de novo. Se elas não podem ir, eu não vou, afinal, qual a diferença entre nós? […] Peguei o papel com as regras do horário e clarifiquei com eles [guardas] que não era contra a lei dormir e que sempre vou tomar banho. Pedi para garantir os mesmos direitos para minhas companheiras.

20/11 – A inesperada saída

Nada de especial aconteceu [no mesmo dia é libertada].

( vcs conhecem aquela expressão é fácil tirar o pobre da loima , difícil é tirar a lama dele ? 

então, tiraram a antiga URSS da RÚSSIA  e das demais ex republicas, mas não tiraram a mente de muita gente  que ainda prefere viver naqueles tempos, pois um pais autoritário onde vc não pode se expressar claramente correndo o risco de ser preso.

o próprio PUTIN disse que eles não eram piratas, mas então ele não apita nada lá, faz o que no governo então ?)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s