repórter é agredido por suposto militante do PT no CEARÁ

quanto ganha um militante do PT ?  o cara mora onde ? o partido paga algo, ou da apenas um lanchinho, o cara sai do seu barraco , rua de terra, ganha salário minimo, pra defender partido, ser militante, agressivo, não admite que jornalismo fale algo contrário ao seu partido  .

este caso não é o primeiro,nem será o ultimo, pela truculência de militantes que querem uma mídia totalitária a seu favor

 

15 mortos até agora ( isso se não for mais) policia corre atras, prefeito barata tonta, BRASIL falido.

acorda SOROCABA

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), foi acionado para apoiar a Delegacia de Investigações Gerais (DIG), no esclarecimento dos assassinatos registrados na onda de violência em Sorocaba, que em pouco mais de 24 horas resultou na morte de 11 pessoas e cinco feridos. A medida foi tomada pelo delegado Júlio Gustavo Vieira Guebert, diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior (Deinter-7), devido ao número de casos em tão pouco tempo. Mas segundo ele, a investigação continua a ser comandada pela DIG. Não há prazo para o DHPP deixar a cidade. 

As diretrizes do reforço por parte do DHPP foram decididas em reunião ocorrida ontem à tarde na sede do Deinter-7, e que contou inclusive com a presença da delegada Elisabete Sato, diretora do Departamento. Além dos delegados assistentes do Deinter-7, também estiveram presentes os três delegados da DIG, e a equipe vinda de São Paulo, composta por mais dois delegados e vários investigadores. 

De acordo com Júlio Guebert, a cidade nunca viveu antes uma onda de violência dessa proporção, e que por isso foi pedido o apoio do DHPP, cuja especialidade é homicídio, vindo a somar com os policiais civis chefiados pelo delegado José Humberto Urban Filho, titular da DIG. O delegado seccional Marcelo Carriel, também destacou que a ajuda do DHPP se fez necessária devido à complexidade da situação, visando assim agilizar os trabalhos de investigação. Ele também frisou que “não é o Deinter-7, não é a DIG, não é o DHPP, é a Polícia Civil como um todo trabalhando para o esclarecimentos dos crimes”. 

Nem Guebert e nem Carriel quiseram comentar as linhas de investigação. A delegada Elisabete Sato limitou-se em dizer que existe a possibilidade dos vários casos estarem interligados. “Só poderemos afirmar categoricamente quando estiverem devidamente investigados”, comentou. 

Os trabalhos começaram ontem mesmo, no início da noite, com as equipes do DHPP e DIG, acompanhadas do diretor do Deinter-7, visitando a casa da rua Francisco Bueno de Camargo, 872, na Vila Nova Sorocaba, onde Cleyton Alessander Ravira, 33, Vinícius Rafael de Souza, 30 anos, e Jonatas Ribeiro Gomes, 21 anos, foram executados com tiros na cabeça e tórax. Uma tenente da Corregedoria da Polícia Militar, de São Paulo, também integra a equipe de apoio às investigações locais. A tenente, que preferiu não ser identificada na matéria, falou que não poderia se manifestar a respeito das investigações, ressaltando porém que a Polícia Militar sempre trabalha em apoio à Polícia Civil. 

Reunião com Pannunzio 

O delegado diretor do Deinter-7, Júlio Gustavo Vieira Guebert, considerou proveitosa a reunião que teve ontem com o prefeito Antonio Carlos Pannunzio, no Paço Municipal. De acordo com ele, o prefeito convocou uma reunião com ele e o delegado seccional Marcelo Carriel, a fim de se inteirar sobre a onda de violência em Sorocaba, bem como cobrar providências e também se colocar à disposição para ajudar no que for preciso. Sem falar sobre as investigações em andamento, Júlio Guebert também não revelou o conteúdo da conversa mantida com o chefe do Executivo.

 

( agora de manhã no meu bairro, duas viaturas passam, com tudo pelas ruas , por causa desta bosta de copa, agora correm atras pra tentar deixar tudo limpinho, afinal receberemos ARGÉLIA aqui .)