ex secretário da prefeitura de SOROCABA, JANUÁRIO RENNA, é absolvido de prática de pedofilia

O engenheiro e ex-secretário municipal de Administração, Januário Renna, 67 anos, foi absolvido em um dos dois processos que responde por crimes sexuais contra menores de 18 anos. Ele continua condenado pelo flagrante com três adolescentes em um motel na cidade de Itu no ano de 2009, mas foi considerado inocente na ação criminal que o acusava de manter no computador da Prefeitura 2.181 fotos de crianças de três a 15 anos, nuas ou seminuas, sendo abusadas sexualmente ou em situações constrangedoras.

A sentença que o isentou foi uma decisão do juiz da 2ª Vara Criminal de Itu, Hélio Villaça Furukawa, proferida no último dia 2 de junho. Apesar de ser em primeira instância, a decisão agora é irreversível porque o prazo para tentar reformá-la venceu em 16 de junho, sem que o Ministério Público ingressasse com recurso. No mesmo processo o magistrado condenou Marcela Jucilene Farias Pacheco, acusada de intermediar de forma continuada o encontro das meninas em troca de dinheiro. Determinou à Marcela a prisão de três anos e quatro meses, além de multa, para serem cumpridas em liberdade, já que a condenada é primária e em razão do tempo da pena.
Quanto ao réu Januário Renna, o juiz Furukawa entendeu que, devido à manipulação das provas, ficou inexistente o crime de armazenamento de material pornográfico envolvendo menores de idade, no computador que utilizava na Prefeitura de Sorocaba. O juiz considerou que o MP deixou de esclarecer como, quando e por meio de quem obteve o disco rígido (HD), cuja propriedade foi atribuída ao réu. “Não é concebível que o Ministério Público esconda do próprio juízo a identidade da pessoa que lhe forneceu o material, impossibilitando de se apurar como ele foi obtido e em que circunstância”, fez constar no processo. Renna havia sido acusado pelo MP de ter armazenado as imagens de pedofilia entre o início de 2008 e meados de agosto de 2009.

O promotor de Justiça que integra o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP, Antonio Domingues Farto Neto, disse ontem que após o flagrante a polícia apreendeu o computador da Prefeitura que Renna usava nas atividades de secretário municipal. O representante do MP afirmou que quando os policiais chegaram para recolher o equipamento, ele já estava desconectado de todos os demais periféricos, como monitor e teclado. A Perícia constatou que teria havido a troca do disco rídigo (HD), onde os dados são gravados.

Posteriormente foi entregue no Gaeco um segundo HD, que supostamente seria o original do computador. Farto Neto conta que a perícia constatou que o segundo HD poderia ser daquele equipamento. Parte dos dados havia sido apagada de forma que não pudesse ser recuperada, mas no restante do disco havia registros de acessos a sites com conteúdo de pedofilia. “A perícia constatou que o HD não correspondia à máquina. Foi feito o laudo informando que havia incompatibilidade técnica”, disse Farto Neto sobre o primeiro HD do computador apreendido na Prefeitura.

O advogado de defesa de Januário Renna, Mário Del Cistia Filho, ressalta que seu cliente foi absolvido porque o juiz entendeu que ele deixou de praticar o crime. Del Cistia Filho enfatiza que tal veredito é muito diferente daquelas absolvições em que a Justiça considera que faltou provas. “Provamos que as fotos não foram armazenadas pelo Januário Renna”, alegou o advogado. A defesa explicou ainda que a polícia apreendeu dois computadores, um na residência do réu em Itu e outro na Prefeitura de Sorocaba, e nos HDs que equipavam tais equipamentos no momento da apreensão não foi encontrado nada de ilícito.

“Absurdamente surgiu um terceiro HD, que foi alegado que pertencia a Renna”, declarou Del Cistia Filho. A defesa do réu acrescentou que questionou em juízo fato do perito ter informado que as 2.181 fotos não estavam armazenadas naquele HD. “O HD foi acessado após a perícia, quando Renna estava preso, e então apareceram as 2.181 fotos”, alega o advogado.

 

( ninguém é inocente nesta bolo todo , na epoca as meninas sumiram do mapa, deixando o ex secretário responder spzinho  o abacaxi, nenhuma deles sequer pediu ajuda pra sair disso, pelo contrário, devem ter mudado de ponto na busca por outros tarados.

esta porcaria de menor que só da dor  de cabeça, não soube fazer ? então arque com o conta, não venha abaixar a cabeça ah só tenho 15.

super toba, homem é preso com 21 objetos no furico.

Um homem de 35 anos foi flagrado na tarde do último domingo (20), tentando entrar no presídio Inspetor José Martinho Drumond, em Ribeirão das Neves, com material proibido.
De acordo com informações da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), o visitante André Silva de Jesus levava oito serras pequenas, cinco pregos, duas brocas, um pequeno alicate, dois aparelhos celulares e três chips, todos introduzidos no ânus.
Por ser portador de marca-passo, André não foi submetido ao aparelho de raio-x. A Polícia Civil vai investigar o caso e a direção do presídio instaurou um processo interno para apurar o fato. O visitante foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil para prestar esclarecimentos. 
( mas qual seria o tamanho deste toba ? é um túnel, caberia mais coisas ? )

alimentos levam a culpa pela inflação em alta.

QUE BARBARIDADE, tinha de ser a DILMA mesmo

eu tenho uma ideia melhor, que tal tirar os impostos dos alimentos e botar mais nos cigarros, bebidas, cervejas e outras inutilidade em geral ? não é melhor ?

vamos invadir BRASÍLIA ?  e botar o congresso abaixo, vamos ?

suposta rica discute com outra no RJ

Um vídeo que mostra uma discussão entre duas mulheres em uma creperia de um shopping na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, ganhou repercussão nas redes sociais. Durante o bate-boca, uma delas se descontrola e passa a chamar a outra de “pobre” e ridícula”.

 

“Quem é você, minha filha? Abaixa a bola, pobre. Abaixa a bola, pobre”, diz a mulher, exaltada, que ainda faz questão de ressaltar que mora em um triplex, que trabalha há 40 anos no Aeroporto Internacional e que pode dar emprego aos funcionários da loja onde tudo ocorreu. Em sua mesa e tentando comer, a mulher que sofria ataques verbais bateu palmas e, ironicamente, deu “parabéns”.

 

Descontrolada, a mulher dá resposta imediata: “Palmas para você também, ridícula, pobre. Eu não sou rica, sou consciente, o que você deveria ser, como pobre. Ridícula. Ridícula. Ridícula. Porque eu sou classe dominante e fico revoltada. Você é uma idiota”.

 

O jornal O Globo fez contato com um dos clientes presentes no local que afirmou que a discussão começou quando a mulher que tentou se impor perguntou se incomodaria colocar o carrinho de bebê, onde estava sua filha, entre duas mesas. Em seguida, o garçom teria avisado que aquele local era para passagem, mas que existia uma mesa vaga, do lado de fora, que teria espaço para ela se acomodar com sua filha. De acordo com o entrevistado, ao começar a reclamar sobre a situação, a outra cliente, que viria a ouvir insultos, teria comentado em sua mesa que a mulher era “louca”. Ao escutar o comentário, a discussão foi iniciada. O clima esquentou quando a mulher insultada disse “tenho medo de maluco”.

 

Ao ouvir isso, a mulher de pé passa a gritar e gesticular energicamente. “E eu tenho medo de pobre”, responde ela. “Quem é você minha filha? Abaixa a bola, pobre. Abaixa a bola, pobre. Vai chamar o gerente? Vai ousar? Você pode dar emprego para ela (para a atendente que foi requisitada para chamar o gerente)? Eu posso! Você pode?”. Segundo Ana Letícia, proprietária do Crepelocks, estabelecimento onde ocorreu a discussão, o caso foi atípico e a mulher encontrava-se transtornada. “Eu não estava mais no local, mas minha gerente me ligou para pedir autorização para chamar a segurança.

 

Segundo relatos dos funcionários, a cliente não consumiu nenhuma comida, somente bebida. Perguntei se tinha ocorrido algum problema com o serviço ou algum desentendimento com outro cliente mas parece que ela ficou transtornada por um motivo bobo e apresentava estar fora de si. As envolvidas não foram identificadas.

 

( eu falei suposta pq de rica ela não parece nada, olha a roupa que ela ta vestindo, pq não foi comer num restaurante de luxo, o lugar ta lotado e ele que por o carrinho de bebê onde quer, capaz da VAL MARCHIORI ver este vídeo e dizer, que rica nada é pobrinha que ta fingindo heheheheh .)

homem é tratado com descaso em UPH após perder a filha , e médico diz que foi frescura dele

Abalado pela morte da filha de um ano e cinco meses, vítima de afogamento na cidade de Capela do Alto, o agricultor Vanilton de Souza afirma ter sido xingado de “vagabundo” por funcionária e ouvido do médico que o atendeu na Unidade Pré-Hospitalar da Zona Norte em Sorocaba (UPH) que os sintomas que apresentava “eram frescura”.

O caso, registrado no plantão policial na noite de quarta-feira, ganhou repercussão na internet graças às imagens captadas por Fernando dos Santos, testemunha do que se passou. Mesmo sedado, Vanilton reagiu e teve de ser controlado pelos irmãos que o levaram para ser atendido no hospital.

 

 

Indignado, Fernando disse que “em Sorocaba agora é assim; não basta deixar de socorrer, tem de ofender”. “Isso aqui está uma vergonha. Eu não sei o que mais falta acontecer. O rapaz estava mal e o médico não quis prestar assistência como deveria. Aí, ele, nervoso, ficou alterado. Onde está o atendimento humanizado de que tanto falam?”.
O vídeo postado na rede mostra Vanilton em desespero por conta do que sua família chamou de “descaso” e “falta de respeito com a pessoa humana”. As filmagens mostram funcionários se afastando e evitando sedar o rapaz. 
“Como é que pode um profissional da saúde não ter sensibilidade e saber que a pessoa perdeu a filha e, mesmo assim, chamar ela de vagabunda? Aí já é demais!”, comentou o irmão do paciente, Onilton de Souza.

Tragédia

A tragédia que se abateu sobre Vanilton aconteceu na terça-feira, numa chácara do bairro Iperozinho, na qual ele trabalha como caseiro. A menina Julia Emanuele, de um ano e meio, caiu na piscina e morreu afogada. O pai ainda tentou socorrê-la com a ajuda de conhecidos e saiu correndo até a via de acesso, que fica em frente ao imóvel.

Deseperado, tomou um táxi que passava. No caminho, porém, o veículo capotou. “Ela já estava morta, mas a ideia era buscar todas as possibilidades o que, infelizmente, não deu resultado”, disse o tio da menina. Julia foi sepultada quarta-feira, mas seu pai, muito abalado precisou de socorro médico e foi trazido para Sorocaba.

“Antes a gente tivesse ficado por aqui mesmo. Sair para escutar xingo depois de tudo o que aconteceu. Vocês aí me desculpem, mas acho que nós aqui, de uma cidade muito menor, não tratamos os doentes assim, não. Esse médico precisa aprender a respeitar a profissão dele e aqueles que têm de tratar”.

A Secretaria da Saúde de Sorocaba (SES) informa que o paciente foi atendido pela Unidade Pré-Hospitalar (UPH) da Zona Norte na noite desta quarta-feira (9), passou pela triagem e foi prescrita, por um médico, a medicação necessária para seu caso. Foi verificada sua pressão arterial, taxa de glicemia e frequência cardíaca; parâmetros que estavam normais. Tudo que estava ao alcance da equipe da unidade foi realizado. A SES acredita que pode ser um mal entendido e está averiguando o caso, inclusive ouvindo funcionários da unidade para apurar o ocorrido.

 

( e o careca ai do vídeo diz pra respeitar a privacidade, que privacidade o cabeça de ovo ? todo mundo tava vendo o sofrimento do homem ali, o cara tem a cara de  pau em querer censurar, tem de mostrar pra todo mundo o que ta acontecendo, se o médico disse que ele tava com frescura apanhou foi pouco.)