sexo nos videogames, vc não tinha visto isso ainda ?

 

pois é meu caro amigo , vc por acaso ta preocupado com a tv que seu filho assiste, internet, onde ele acessa , ta preocupado ? fiscaliza, apesar de ser hominho vc acha que não é a hora dele saber certas coisas ? 

bem se por acaso vc é este tipo de pai  realmente preocupado, apesar de não saber o que ele ta aprendendo na escola, então de preocupe mais ainda, um lado que vc nunca imaginou , isso mesmo os videogames, mais precisamente sexo inserido nos jogos, se já tinha vioLência, mas vc não ligava, achando que game não estimula isso, mas agora tem sexo.

só se vc não achar nada demais  ou acha ? então da uma olhada no novo GTA  ( jogo muito preferido pela molecada , pq né ?)  acho que se vc é mãe, ai sm vai de preocupar muito mais.

e olha que é apenas um dos vídeos da uma olhada nos outros, é sexo com prostitutas e vc ainda pode matá-las depois da transa, tem uma que vc entra numa casa e filma um casal transando e depois sai correndo, bem só ta faltando sexo explicito e com de menores, do jeito que os games evoluem , ah vai vendo)

REGINA CASÉ x mãe do DG, dançarino do programa morto em abril pela policia carioca

Maria de Fátima Silva, mãe do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, conhecido como DG, criticou a Globo e, principalmente, Regina Casé, pelo Esquenta especial em homenagem ao filho dela, que trabalhava no programa e foi morto a tiros em abril no Rio de Janeiro. 

Durante um debate sobre negros no Brasil, na última quinta (20), em Brasília, disse que foi censurada pela emissora e chamou a apresentadora de farsante e mentirosa. 

O vídeo do debate está na internet.

“A Regina Casé é uma farsa. Ela é uma artista, é uma mentirosa! Mentirosa!”, gritou a mãe de DG no evento, sendo aplaudida pela plateia. 

Ela continuou: “Alguém jogou na minha bolsa uma agenda do programa escrita à mão, na qual dizia: ‘Não pode falar que foi a polícia, solta as fotos sensacionalistas para a mãe chorar’. Em nenhum momento, vocês que assistiram ao programa viram a Regina Casé falar de violência, contra a polícia. E toda vez que eu mencionava, era cortada”, relembrou.

A mãe de DG revelou prometeu divulgar o conteúdo completo da agenda na internet. 

A agenda, no entanto, tem uma contradição que leva ao questionamento de sua autenticidade. 

O texto manuscrito, segundo Maria de Fátima, diz que Regina Casé teria seguido ordens de J.B. Oliveira, o Boninho, para não fazer um programa de “vanguarda”, mas “de pobre”. Boninho não manda no Esquenta. O diretor de núcleo do programa é Guel Arraes.

Maria de Fátima Silva também reclamou do tratamento que a Globo deu a ela e a sua família antes e depois do Esquenta. 

“Encurralaram a gente em um cômodo 3×3, trancaram a porta até o início do programa. O único local onde a gente podia circular era o salão de beleza, foram me oferecer unha e cabelo. Eu lá queria saber de fazer unha e cabelo? Eu queria uma solução imediata que esclarecesse a morte do meu filho”, recordou.

Procurada, a Globo limitou-se a dizer que as críticas da mãe de Douglas Rafael da Silva Pereira contra a emissora e o Esquenta não procedem. 

“A Globo entende a dor de dona Maria de Fátima da Silva, mas as afirmações durante o debate do evento Sernegra não tem fundamento. Dona Maria de Fátima teve e tem todo o apoio da Globo e a solidariedade de Regina Casé e sua equipe”, afirma a emissora.

Na noite de 21 de abril, o dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, conhecido como DG, foi encontrado morto na comunidade do Pavão-Pavãozinho, no bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro. 

As investigações apontam que ele teria sido baleado ao tentar escapar de um tiroteio entre policiais e traficantes.

Em 27 de abril, o Esquenta homenageou o dançarino, com todos vestindo branco. 

No programa, Regina Casé elogiou a postura de Maria de Fátima Silva e, chorando, mostrou imagens inéditas do filho fazendo uma declaração para a mãe para o especial de Dia das Mães, que ainda não tinha ido ao ar, levando-a aos prantos.

 

 

( esta senhora deveria ter chamado o PROTESTE JÁ do OSCAR FILHO , seria muito mais fácil a cobrança, esperar que a GLOBO de importasse com isso, claro que a REGINA não iria contra a GLOBO, teve de fazer o que a emissora manda, se ela não se importa com pobre, ta cuspindo nas origens e do público.

e quem passou a tal agenda pra este senhora, será que ta na GLOBO ainda ? pois é falta agora a REGINA se posicionar e falar sua versão , mesmo que isso custe sua carreira , mas ela vai ter coragem pra isso ?  )

 

 

atenção galera, não pode morrer nos fins de semana em SOROCABA tá ?

 Na noite de ontem, a comerciante Madalena Gomes Breda e familiares foram à PUC para contratar um serviço particular que fizesse a necropsia de um parente – Erick Pinheiro

Quem morrer de causa desconhecida em Sorocaba aos fins de semana só poderá passar pela necropsia, ser velado e sepultado na segunda-feira. Pelo menos essas são as regras que estão vigorando atualmente. O contrato entre a Prefeitura e a Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) de Sorocaba foi rompido em 24 de outubro deste ano e provocou o cancelamento do Serviço de Verificação de Óbito (SVO). Portanto, há praticamente um mês não existem médicos legistas de plantão disponíveis para atestar o motivo de um falecimento entre às 17h de sexta-feira e às 8h de segunda-feira.

O fim desse contrato causou transtornos para a família do aposentado Gonçalo Romildo Breda, 63 anos. Ele faleceu ontem, às 12h30, em sua residência no bairro Vitória Régia. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, atestou o falecimento e coube ao serviço funerário Ossel encaminhar o corpo até a PUC-SP para passar pela necropsia.

Segundo a comerciante Madalena Gomes Breda, 40, cunhada do falecido, por volta das 15h30, a família foi avisada sobre a ausência de um médico legista. “Fomos avisados que o corpo seria liberado somente na segunda-feira”, diz.

A própria funerária Ossel notificou a família sobre o problema no SVO. Tanto que a empresa possui um documento com o comunicado do encerramento do serviço em 24 de outubro, assinado por Nelson Brancato, então diretor do SVO.

Os familiares de Breda foram até a Delegacia de Polícia Participativa (DPP) da zona norte de Sorocaba para elaborar um boletim de ocorrência. A queixa era sobre a falta de médico legista disponível para realizar o serviço. Depois, seguiram até a PUC e decidiram contratar o serviço particular de um especialista para a realização da necropsia.

O vereador Waldecir Morelly (PRP), amigo de Breda, acompanhou a saga da família e lamentou o fato. “A população não pode ser penalizada e estamos falando de seres humanos”, comenta. O parlamentar prometeu discutir o assunto na sessão ordinária de terça-feira da Câmara.

Morelly chegou a telefonar para o secretário de Governo e de Segurança Comunitária de Sorocaba, João Leandro da Costa Filho, para comentar o fato. O representante do Executivo disse estar indignado com a situação. O Cruzeiro do Sul tentou falar por telefone com o braço direito do prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB), mas as chamadas não foram atendidas.

A mesma situação ocorreu em 2 agosto de 2013 (clique e veja a reportagem). Na ocasião, o SVO foi temporariamente suspenso pelo Conjunto Hospitalar de Sorocaba nos fins de semana, sob a alegação de necessidade de reestruturação, e ao menos cinco famílias enfrentaram esse problema naquele período.

A Secretaria de Estado da Saúde informou que tal serviço era de competência dos municípios. A Prefeitura disse que buscaria um entendimento com a PUC, que mantém o curso de Medicina na cidade, para a realização do SVO.

Dias depois, a Secretaria da Saúde de Sorocaba informou que providenciaria a municipalização do atendimento. O vereador Rodrigo Manga (PP) chegou a protocolar um requerimento na Câmara referente à portaria do Ministério da Saúde, datada de 2006. O texto diz que as secretarias municipais de saúde poderão ser gestoras ou gerentes do SVO que, independentemente do porte, funcionarão ininterruptamente.

Causa da morte

O SVO tem como finalidade investigar clinicamente, a partir de exames, a causa da morte dos pacientes internados nas unidades de saúde ou de pessoas falecidas em residências ou ambientes públicos. Diferente do Instituto Médico Legal (IML), que funciona para esclarecer morte por causas violentas ou acidentais, o SVO tem a função de pesquisar os motivos do óbito por morte natural, em consequência de alguma patologia que não pode ser identificada pelos métodos clínicos habituais ou em óbitos ocorridos sem assistência médica.

 

( viu povo zé mané, banana nanica ? se vc não é da elite, espera na segunda tá ?

operador de câmera aparece sem querer em teste de fidelidade do JOÃO KLEBER (marketing ?)

 

reparem bem no canto superior direito aos 14;34 min

vem cá, algum dia alguém acreditou que tudo ali era real, ? vc acreditou  ? agora vc tem mais uma prova definitiva né ? se vc acreditava.

fala série né gente, o programa ai é um teatro erótico, serve apenas para bronheiro da madrugada, já que agora colocaram o programa na madruga , bem fica a dica, vc assiste se quiser, mas saiba que nada açli é real, as briguinhas no programa é tudo armado.

ou será que estas revelações que o programa é mentiroso que atrai audiência, é tudo marketing ? 

vidente prevê tragédia em SP dia 26 , avião bate em prédio.


 

Síndico faz alerta sobre premonição de queda de avião na Avenida Paulista
Proprietários de salas comerciais de edifício em SP receberam comunicado.
Vidente diz que aeronave baterá contra prédio no dia 26 de novembro.

Olivia Florência Do G1 São Paulo

Um comunicado enviado aos condôminos de um prédio comercial na Avenida Paulista, em São Paulo, fez um alerta sobre uma premonição de um acidente aéreo no local na manhã do dia 26 de novembro deste ano.

Segundo suposta previsão do vidente Jucelino Nóbrega da Luz, registrada em um cartório no Centro da capital paulista, um avião partindo do Aeroporto de Congonhas com destino a Brasília (DF) baterá contra um edifício, perto do cruzamento da avenida com a Alameda Campinas, após uma pane.

O Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV), da Aeronáutica,  informou, no entanto, que nenhuma aeronave comercial que decola de Congonhas para Brasília tem como rota sobrevoar a Paulista. Pilotos ouvidos pelo G1 também relataram que, após a decolagem, os aviões seguem para o sul, em rota sentido Interlagos.

O aviso sobre a premonição foi distribuído na terça-feira (18) pelo síndico do Edifício Barão de Serro Azul, Severino Alves de Lima, de 67 anos. Ele disse que tomou a iniciativa de escrever o comunicado para informar funcionários e locatários das salas comerciais do prédio, onde funcionam escritórios e consultórios.

“Quando houve aquele incidente com o avião do Eduardo Campos eu fiquei sabendo que ele tinha previsto uma série de situações. Umas ocorreram e outras não. Eu fui no cartório, peguei uma cópia da carta que ele havia registrado em cartório e guardei. Agora achei conveniente divulgar para os condôminos”, disse o síndico. No aviso, ele deixa ao cuidado de cada um a responsabilidade de liberar ou não os funcionários na data da premonição.

A empresária Paula Baccaro, de 33 anos, tem uma sala no edifício e achou o comunicado engraçado. “Eu tomei conhecimento dessa carta em 2005. Na época eu era analista de sistemas e trabalhava no edifício aqui ao lado, num banco e recebemos a carta no RH do banco e o próprio vidente enviou a carta. Então eu já sabia da existência dessa premonição, mas eu sinceramente não acredito muito, não, mas dou risada”, afirmou.

“Até acontecer ninguém acredita muito. Acho que o síndico enviou um comunicado para se eximir da culpa caso aconteça. Eu não sei se acredito. Eu vou vir trabalhar, afinal é uma quarta-feira [dia 26 de novembro] e eu tenho que vender”, completou a empresária. Já o analista de suporte Bryan Sousa, de 26 anos, não viu o comunicado, mas riu ao tomar conhecimento pelo G1. “Acho que pode causar algum pânico”, afirmou. “Mas claro que eu não acredito e vou vir trabalhar”, completou.

Mesmo o síndico do prédio parece não confiar na premonição e garantiu que não deixará de ir ao trabalho no dia 26. Ele convocará uma reunião para discutir o assunto com funcionários das salas comerciais. “Vou deixar a critério deles, mas eu estarei aqui. Eu virei porque eu sou responsável. É a pergunta que todo condômino me faz: ‘E você?’ Eu estarei aqui”, defendeu Severino Lima.

Mesmo assim, o síndico tem palpites sobre o suposto local da queda do avião. “É [Alameda] Campinas mais direcionado para a Paulista, então acredito que sejam aqueles dois prédios [aponta para a esquina da Alameda Campinas com a Avenida Paulista no sentido Consolação. O Serro Azul está do outro lado da avenida]”, completou.

Premonição

O vidente Jucelino Nóbrega da Luz afirmou que registrou no 8º Cartório de Títulos e Documentos de São Paulo, em 24 de outubro de 2014, um documento em que alerta sobre a possibilidade de o voo TAM JJ 3720 Congonhas-Brasília apresentar problemas em uma das turbinas e chocar-se contra um prédio da Avenida Paulista às 9h do dia 26 de novembro de 2014.

Nóbrega da Luz explicou que essa previsão apareceu para ele durante um sonho premonitório em julho de 2005 e disse que desde então envia cartas à companhia sobre o fato. “O avião sairia às 8h30 de Congonhas indo para Brasília. Esse voo tem problemas nas turbinas. Pedimos para a empresa amigavelmente para que se retirasse esse avião e fizesse uma vistoria para localizar o defeito. Foram feitos vários contatos. A empresa respondeu e também tem uma notificação via cartório”, relatou.

Segundo o vidente, pessoas que compraram passagens mostraram para ele cópias do cancelamento do voo. No documento com detalhes da suposta tragédia, ele diz que espera estar errado e pede que sejam tomadas providências imediatas. “O prejuízo maior será esse acidente tornar-se realidade”, afirmou, defendendo que o o cancelamento do voo evitaria a uma “catástrofe”.

O acidente, ainda segundo ele, provocado por pane seria evitável porque não é um fato natural. “Quando a gente fala fato natural é aquele que você não tem como alterar, como um terremoto, um furacão. Um fato destes, como é mecânico, você tem como alterar. Não é uma ficção como mostra um filme de premonição. A morte não vai seguir ninguém. É só naquele dia. Se não acontecer naquele dia, provavelmente não vai acontecer mais”, disse.

O G1 procurou a TAM Linhas Aéreas, mas até esta publicação a companhia não havia se manifestado sobre o assunto e se tomará alguma medida sugerida pelo vidente.

 

se fosse nos EUA, este cidadão, já estaria numa sala escura sendo interrogado pelo FBI, CIA, DEA, ATF, etc etc, e a caminho de uma cela em GUANTÁNAMO provavelmente, mas aqui ainda pode virar celebridade, em todo caso vamos ver dia 26 o que vai dar) 

vereadores batem boca na câmara de SOROCABA, resolve na rua pô.

Sessão foi interrompida por causa da discussão entre Crespo e Izídio – Adival B. Pinto

Mais fotos…

Os vereadores Irineu Toledo (PRB) e José Crespo (DEM) discutiram em voz alta e de maneira agressiva na sessão ordinária de ontem e o bate-boca entre eles, por pouco, não se transformou em agressão física. A sessão precisou ser interrompida, por quatro minutos, até que os ânimos se acalmassem e houve a necessidade de intervenção dos demais vereadores para que a discussão não se transformasse em briga. Pessoas que estavam na plateia, acompanhando a sessão, também se manifestaram e chamaram o desentendimento de vergonha.

A confusão teve início quando o vereador José Crespo (DEM) chamou a ex-secretária de Educação, Sheila Bovo, que também é primeira-secretária da Casa das Mães e das Crianças de Sorocaba, para acompanhar de dentro do plenário os questionamentos feito ao secretário de Educação, José Simões, que falava sobre convênios com creches. Em determinado momento, a vereadora Neusa Maldonado (PSDB), pediu questão de ordem e perguntou se o presidente do Legislativo, o vereador Cláudio do Sorocaba 1 (PR), havia autorizado a entrada de Sheila Bovo, como pede o regimento interno da Câmara.

Cláudio afirmou que não estava na presidência no Legislativo no momento em que Bovo adentrou o plenário, porém consentiu que a ex-secretária permanecesse. Crespo indagou o presidente se ela poderia fazer perguntas ao secretário, situação que já havia acontecido com outros visitantes. Cláudio do Sorocaba 1 negou e explicou ao vereador que apenas permite que pessoas de fora falem durante a sessão em alguns casos, principalmente quando um recado precisa ser transmitido à população em geral.

Crespo então fez uma ressalva, de que funcionários dos vereadores também não poderiam entrar no plenário e apontou para um assessor do vereador Irineu Toledo que estava dentro recinto. O vereador Irineu Toledo não gostou da atitude de Crespo e foi tirar satisfação, dizendo que o parlamentar não poderia ter chamado atenção de seu funcionário. A partir daí, o clima esquentou e os vereadores começaram a trocar ofensas, sendo que um começou a gritar com o outro. Em determinados momentos, os dois ficaram cara a cara, com os dedos um para apontado para outro. Foi necessário a intervenção de outros vereadores, que tentaram acalmar os ânimos. Um grupo puxou o vereador José Crespo, enquanto que outros tentaram tirar o vereador Irineu Toledo.

“Dê pito no seu assessor. Tira a mão de mim e não toque em mim”, gritava Toledo. “Não toque em mim o senhor também e não grite para mim.”, retrucava Crespo.

O presidente do Legislativo, o vereador Cláudio do Sorocaba 1 (PR), suspendeu os trabalhos e a sessão ficou interrompida por quatro minutos. “Pôxa, dois vereadores, representantes do povo, gente”, citou o presidente, na tentativa de conter os ânimos.
A sessão transcorreu normalmente após o episódio.

Comissão de Ética

O presidente do Legislativo, Cláudio do Sorocaba 1, disse que o artigo 9º do regimento interno da Câmara de Sorocaba permite a entrada de funcionários da Casa no plenário. Segundo ele, quando se trata de outras pessoas, que não são vereadores ou mesmo funcionários, é necessário uma expressa autorização da Mesa.

Cláudio disse que consentiu que Sheila Bovo acompanhasse os trabalhos, porém impediu que a ex-secretária se pronunciasse. “O presidente cede a palavra quando a pessoa vem fazer um comunicado e já abrimos exceção. Não sentado na mesa do vereador e fazer discurso daquele local.”

O presidente indicou ainda que a abertura de um processo na comissão de ética e decoro parlamentar vai depender da representação de um partido ou de um vereador. Crespo e Irineu fazem parte da comissão de ética e decoro parlamentar e seriam afastados, automaticamente, caso seja feita qualquer representação no Legislativo. “No meu ponto de vista isso é negativo. Isso não é bom, já que a imagem da Câmara acaba se desgastando. Nós fazemos o trabalho corretamente e damos espaço e liberdade para cada vereador”, concluiu.

( deveriam montar um octógono do lado de fora, ai resolveriam ali , pelo menos ficava mais divertido. o povo deveria invadir aquela birosca lá e mandar todos pra rua da amargura.)

juiz carioca da carteirada agora processa o jornal o GLOBO.


A 11ª Vara Cível do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro) condenou o jornal “O Globo” e o jornalista Ronaldo Braga a pagarem uma indenização de R$ 18 mil ao juiz João Carlos de Souza Correa, o mesmo que deu voz de prisão à agente da Lei Seca Luciana Tamburini após ser parado em uma blitz, em 2011.

A decisão da juíza Lindalva Soares Silva foi publicada na última quinta-feira (13), um dia depois de os desembargadores da 14ª Câmara Cível negarem por unanimidade o recurso de Luciana e manterem a determinação de indenização a Correa em R$ 5.000 por ter afirmado que ele “era juiz, mas não Deus”. O caso ganhou repercussão nacional, e uma advogada paulista lançou uma vaquinha online que, em uma semana, arrecadou mais de R$ 27 mil para a agente.

O objeto da ação contra o jornal carioca é uma matéria assinada por Ronaldo Braga e publicada no dia 17 de fevereiro de 2011, que trazia o título “Juiz dá calote e tenta prender cobrador”. Ao noticiar a confusão envolvendo Correa e a agente de trânsito, o jornal fez um histórico de polêmicas nas quais o magistrado esteve envolvido. Um dos fatos teria ocorrido em 2006, quando o juiz, de acordo com “O Globo”, deu voz de prisão a funcionários da Ampla que foram até a sua residência para, por falta de pagamento, cortar o fornecimento de energia elétrica.

Correa se sentiu ofendido e pediu inicialmente uma indenização de R$ 100 mil. O jornal apresentou a sua defesa, mas a titular da 11ª Vara Cível deu ganho de causa para o colega de magistratura. Ela reduziu o valor da indenização porque o considerou exagerado.

“(…) o dever de informar, mesmo que, para a imprensa, seja verídico, não pode ser transmitido com emprego de linguagem agressiva de caloteiro, até mesmo porque a palavra, em nosso idioma, tem sentido pejorativo e depreciativo”, escreveu a juíza Lindalva.

Segundo ela, a imprensa precisa “administrar com precisão e equilíbrio a palavra escrita”. “Houve uso desproporcional da linguagem ao chamá-lo em primeira página de um jornal de grande circulação de juiz caloteiro, o que, por si só, já caracteriza abuso”, argumentou.

Procurado, o jornal ainda não se manifestou sobre a decisão do tribunal.
OAB quer afastamento de juiz

A OAB-RJ (Ordem dos Advogados do Brasil) encaminhou ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça), na semana passada, um compilado com as denúncias recebidas pela entidade contra o juiz João Carlos de Souza Corrêa. A Ordem pede que o CNJ afaste o juiz durante a investigação do caso. O conselho ainda não se pronunciou a respeito.

Segundo o presidente da instituição, Felipe Santa Cruz, nos últimos dias, a ordem recebeu diversas denúncias contra Corrêa referentes a outros casos. “O caso da agente de trânsito já é dramático, mas recebemos diversas outras denúncias contra o juiz além dessa. Ameaças a advogados, falta de postura… Por isso tomamos a decisão de encaminhar um documento ao CNJ, pedindo inclusive o afastamento do magistrado enquanto se apura a procedência dessas informações”, afirmou Cruz.

A funcionária do Detran-RJ (Departamento de Trânsito do Estado do Rio) foi condenada há duas semanas por conta de uma abordagem realizada durante uma blitz no Leblon, na zona sul da capital fluminense, em fevereiro de 2011. De acordo com decisão na primeira instância, a servidora pública “agiu com abuso de poder” e “zombou” do magistrado ao afirmar que ele “era juiz, mas não Deus”.

 

( o juiz é corajoso, desafia a poderosa REDE GLOBO que é dona do jornal o GLOBO,pelo jeito o povo carioca malandro só bate em péde chinelo mesmo, já que não tem a coragem de todos se juntarem e botar o carra pra correr do RJ na porrada