pilula do dia seguinte vai ter acesso mais fácil, se liga mulherada

 

O acesso das mulheres à chamada “pílula do dia seguinte” na rede pública de saúde ficará mais fácil a partir deste mês. Em atitude inédita, o Ministério da Saúde distribuiu cerca de 175 mil cartilhas em todo o País com orientações claras a médicos e enfermeiros dos postos de saúde, hospitais e maternidades públicos sobre a distribuição do contraceptivo emergencial. Em Sorocaba, o material ainda não foi entregue, mas deve chegar às mãos dos profissionais da área da saúde nos próximos dias. Cada unidade receberá de um a dois exemplares do livreto.
Com a cartilha, o governo federal pretende reforçar que os comprimidos podem ser entregues gratuitamente à população sem a exigência de receita médica, conforme previa um protocolo escrito entre o fim do ano passado e o início deste ano. A prescrição, no entanto, continua sendo obrigatória para a venda nas farmácias particulares apesar de, na prática, não ser exigida. Na hora da retirada do medicamento na rede pública, a mulher deve consultar-se com um profissional da saúde, que avaliará a sua situação e necessidade de uso. Menores de idade não precisam estar acompanhadas de um responsável para ter acesso ao hormônio, mas receberão orientações e informações mais completas sobre planejamento reprodutivo.Antes do novo protocolo, a receita médica era exigida nas unidades de saúde antes da mulher retirar a pílula. O problema é que as consultas marcadas com ginecologistas podiam levar até dois meses, sendo que o remédio só tem efeito contraceptivo até o quinto dia após a relação sexual desprotegida. A pílula de emergência vem sendo distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) há oito anos. Entre 2011 e o ano passado, foram distribuídas 793 mil cartelas da pílula em território nacional. A previsão é de que, neste ano, sejam entregues cerca de 1 milhão de cartelas pelo ministério. O hormônio ainda está em processo de compra.

A pílula do dia seguinte funciona como um método contraceptivo denominado “de emergência”, não devendo ser utilizada como uma opção habitual de prevenção contra uma gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis. O medicamento, explica o professor titular de Ginecologia da Faculdade de Ciências Médicas e Saúde da PUC-SP, Luiz Ferraz de Sampaio Neto, pode agir de diferentes maneiras no corpo da mulher. “Cada uma das ações pode ser mais ou menos importante de acordo com o intervalo de tempo da ingestão do medicamento, o coito desprotegido e a ovulação da mulher”, lembra.

A mais importante das ações é a interferência da ovulação: atrasando-a, adiantando ou impedindo que ocorra naquele ciclo. O remédio também pode atuar espessando o muco cervical que obstrui o canal do colo do útero, dificultando a entrada dos espermatozóides no órgão; interferindo na contratilidade das tubas uterinas e nos movimentos dos cílios do revestimento delas, que são muito importantes no processo reprodutivo; e modificando o revestimento do útero (chamado de endométrio), o que atrapalha a ascensão dos espermatozóides até as tubas. A dose preconizada da pílula é, segundo o especialista, de 1,5 gramas e ela deve ser tomada o mais rápido possível após a relação sexual desprotegida. “Mas há alguma eficácia em até 72 horas após a relação”, destaca. Se o hormônio for ingerido em doses exageradas de uma única vez, a mulher pode apresentar efeitos colaterais como náuseas, vômitos, sensação de cansaço, dores abdominais, dor nas mamas e possíveis interferências na menstruação.

Como a dose única é muito elevada, a ingestão não deve ser repetida dentro do mesmo ciclo mestrual. “E, mais do que isso, não é um método para uso constante mas, sim, para uma eventualidade.” O grau de eficácia do medicamento varia de acordo com o período de ingestão após a relação sexual. Quando utilizada de maneira adequada, explica o especialista, a pílula fornece cerca de 70% de proteção. Os outros métodos hormonais, como as pílulas convencionais, injeções, anel vaginal ou adesivos, tem de 99,2% a 99,7% de eficácia, se usados corretamente.

Popularização

Assim como os outros métodos hormonais, a pílula do dia seguinte é contraindicada para pacientes com antecedente pessoal de tromboembolismo (trombose venosa), tumores hormônio-dependentes (nas mamas, por exemplo), cirrose hepática, insuficiência renal, hipertensão arterial grave, entre outras circunstâncias menos habituais. O medicamento é recomendado, de acordo com Luiz, sempre que houver uma falha no uso de outro método, isto é, se a camisinha não for usada ou tiver se rompido, se a mulher descobrir que não havia usado a pílula anticoncepcional normalmente ou se não tiver optado por nenhum outro método de prevenção. “Também é indicada em casos de estupro”, ressalta.

O uso do hormônio é mais comum entre adolescentes, apesar de não haver contraindicação formal para mulheres mais velhas. “As situações que se associam à necessidade do uso da pílula do dia 
seguinte são mais comuns no tipo de atividade sexual que os iniciantes na sexualidade tem”, explica o professor. O método deveria, de acordo com ele, ser mais popularizado. “É muito menos grave para a mulher usar esta pílula com doses elevadas de hormônio quando for necessário, do que enfrentar uma gestação indesejada ou, pior ainda, se submeter a um abortamento provocado.”
Vale lembrar ainda que a pílula do dia seguinte não funciona como um método abortivo. Ela interfere apenas na fecundação e, segundo o especialista, ainda não existem evidências científicas de que rompa a formação do ovo. “A informação deveria ser mais propagada, pois é uma excelente prestação de serviço para quem um dia estiver na situação de ter tido uma relação sem proteção e não quiser correr o risco de engravidar”, conclui. (Supervisão: Aldo Fogaça)

Algumas farmácias não exigem receita médica
Nas duas ocasiões em que uma estudante de 23 anos, que preferiu não ser identificada, precisou apelar para a pílula do dia seguinte na cidade, não encontrou dificuldades. “Foi fácil de encontrar: fui à farmácia e simplesmente pedi a pílula do dia seguinte”, lembra. Por mais que ela já fosse maior de idade na época, não foi necessário apresentar receita médica ou qualquer documento de identidade para levar o medicamento para casa. “O acesso é simples, ela é comercializada em farmácias sem prescrição alguma.”

Qualquer pessoa, acredita a sorocabana C.C.M., de 17 anos, garante a pílula do dia seguinte facilmente. Na única situação em que comprou o contraceptivo de emergência, a estudante foi até uma farmácia próxima à casa do namorado e pediu ao farmacêutico. “Não apresentei nem documento e nem receita. Eu apenas pedi e venderam pra mim”, conta. O fato de C.C.M. ser menor de idade também não se mostrou uma barreira a ser superada. A jovem comprou o medicamento mesmo sem a autorização de um responsável.
O estagiário E.M.D.B., de 24 anos, é outro que não teve problemas ao necessitar do medicamento. “Já precisei da pílula em duas ocasiões distintas, mas com a mesma pessoa. Encontrei facilmente, na primeira farmácia que fui já comprei”, explica. Tratava-se, de acordo com ele, de um caso emergencial, já que o período de 72 horas para o uso estava se esgotando. “Recorri à farmácia mesmo, na época nem sabia que havia distribuição em postos de saúde”, conta o estagiário.

Na hora da compra, E.M.D.B. esperava por uma enxurrada de perguntas além da exigência de documentos de identidade e prescrição médica. “Pelo contrário, o farmacêutico não perguntou nada e vendeu normalmente como se fosse um analgésico. Não sei como funciona a legislação nesse sentido, mas se torna banal o uso da pílula, sendo que existem riscos à saúde da mulher se tomar com frequência”, destaca. 

A facilidade com que se consegue o contraceptivo de emergência preocupa o estagiário. “Se fala muito em educação sexual com campanhas para o uso de preservativos, mas talvez os órgãos competentes da área devam se preocupar com isso também ou, ao menos, informar os procedimentos e riscos do uso desse artifício para a prevenção de uma gravidez”, conclui. Opinião semelhante tem uma engenheira, de 23 anos, que também não quis se identificar. “Comprei a pílula uma vez sem receita e documento, tem em qualquer farmácia”, explica. Algumas farmácias particulares da cidade foram procuradas, mas optaram por não se pronunciar sobre o assunto.

( tem de distribuir até nas escolas assim como a camisinha para os meninos, já que transar, todo mundo quer e pra evitar a bomba atômica  de filho indesejável.)

BABI careca, PÂNICO NA BAND

Babi Rossi exibe novo visual / Tatiane Moreno/band.com.br

nem eu acreditei, quando rasparam a cabeça da BABI,desta ve o PÂNICO foi alem da imaginação, mas polêmicas a parte, BABI deve ganhar uma puta de uma grana pra isso.

afinal deve perder trabalhos, e pra compensar isso, deve ganhar muito bem, até que seus cabelos voltem, pode até dar inveja nas outras, afinal vai reçeber um compensação a mais por ter feito isso ai.

ficou feia ? ainda bonita ?  se bem que qualquer uma delas mesmo carecas , na sua cama seria lucro demais não ? 

BBB12 , estupro, armação, qual a real ?

Daniel e Monique conversam animados no começo da festa Fusion (14/1/12)

Daniel e Monique conversam animados no começo da festa Fusion (14/1/12)

Aparecida Echaniz, mãe do BBB Daniel, que foi afastado nesta segunda (16) à noite do “BBB12” após a polêmica em que se envolveu ao ser acusado de ter abusado sexualmente da sister Monique na madrugada do último domingo (15), contou ao UOL que seu filho está em um hotel na zona oeste do Rio, sem contato com a família.

“A menina [Monique] vai depor hoje de manhã. O que todo mundo me passou é que iriam sair [do reality] os dois. Estou muito revoltada, indignada. Conheço meu filho e ele jamais faria isso. E pelo que li a respeito, essa senhorita é chave de cadeia. Tenho certeza que a Globo me deve uma satisfação. Porque o público está bem dividido. Não é todo mundo que acha o Daniel um estuprador”, disse Aparecida.

A mãe do modelo, de 31 anos, contou que a Globo ofereceu um advogado para Daniel. “Dizem que a Globo ofereceu advogado para ele. Mas se ofereceu não fez favor nenhum. Porque meu filho não é um pedaço de lixo, que pode ser jogado fora assim”, afirmou ela, acrescentando que Daniel foi vítima de racismo. “Em outros BBBs houve edredom e nunca ninguém foi para a rua. O próprio Boninho achou racismo, mas pressionado pelo público deu um basta”, argumentou Aparecida, que não quis dar mais informações sobre o filho “para não atrapalhar a averiguação”.

Durante o programa ao vivo desta segunda-feira (16), Pedro Bial confirmou que o modelo paulistano Daniel Echaniz, de 31 anos, está eliminado do “BBB12”.

A expulsão, que já havia sido divulgada pela Globo, aconteceu após  investigadores da polícia irem ao Projac (centro de produção da emissora, localizado na zona oeste do Rio) para apurar a suspeita de que Daniel teria abusado sexualmente de Monique durante a madrugada do último domingo (15).

 “Desde domingo de manhã, a direção avalia o comportamento de Daniel, suspeito de ter infringido as regras do programa”, disse Bial na abertura da atração.

No bloco seguinte, o apresentador anunciou o veredicto sobre Daniel.

“O Big Brother avaliou o comportamento de Daniel sem precipitação, com o máximo cuidado. Analisamos as imagens que evidenciaram uma infração ao regulamento do programa. Depois de criteriosa avaliação, a direção do programa entendeu que o comportamento do brother na noite da festa foi gravemente inadequado. Consequentemente, Daniel está eliminado do BBB12”, disse.

Depois de um breve intervalo comercial, o apresentador voltou dizendo “o BBB precisa continuar”. Sem dar explicação aos brothers sobre o paradereiro de Daniel, que desde às 20h desta noite não aparece mais junto com os outros participantes na casa, Bial deu início a um game, que foi vencido por Ronaldo.

Entenda o caso

Após a festa que aconteceu no último sábado, Daniel e Monique foram para o quarto floresta e trocaram beijos e carícias sob o edredom. O vídeo do casal levantou uma polêmica sobre uma suspeita de um estupro, já que Monique estaria desacordada.

Boninho, diretor do programa, disse ao colunista Alberto Pereira Jr., não ter considerado o caso um estupro, já que não era possível confirmar nem ao menos que os dois fizeram sexo e acrescentou que a acusação é racista.

Monique foi chamada no confessionário para checar a história, onde disse que não fez sexo com Daniel, mas depois, em conversa com outros brothers, disse estar preocupada com o que fez.

Para Aparecida Echaniz, mãe do BBB Daniel, acusar alguém de estupro é criminoso. “A própria Monique falou que foi tudo consensual. Quando foram perguntados no ar, pelo Bial, os mesmos confirmaram que ficaram juntos”, argumentou.

Já a assessoria de Monique postou no Twitter, na tarde desta segunda-feira, um comunicado em que diz que a sister falará sobre o episódio quando sair do programa e que o empresário do BBB Daniel foi irônico ao declarar ” ela geme dormindo?”.( é estranho que um saia e o outro fique, como será o comportamento de MONIQUE daqui pera frente ?, se na proxima festa ela ficar com outra pessoa então onde está o abuso, já que ficaria um trauma na mulher, ela não superaria isso em 1 semana.

quando o BBB anunciou os 12 primeiros, todo mundo na net criticou o programa pelo fato de não ter um negro, oras no BBB11 tinha 3, ai na hora h surgiram os outros 4.

se o cqaso não presseguir, então poderia ser combinação ? BONINHO teria falado a policia que tudo é armação pra dar ibope ? que os dois seriam atores ? que tudo foi encenado ? o caso  seria que a moça tb deveria ser retirada e tudo ser esclarecido fora, não apenas um sair e ter de esperar a saida da outra. 

o BBB não precisa de audiência ?, conforme o artigo já publicado aqui  , afinal o que é verdade naquilo tudo ?)

RJ interna viciados di menor a força sem planejamento de tratamento.

assistência social  - cajueiro - madureira - zona  norte - 15.07.2011 

Desde 30 de maio passado, a Prefeitura do Rio de Janeiro interna, de modo compulsório, menores de crianças e adolescentes viciados em crack e outras drogas. Entretanto, apesar de já ter 82 menores de idades internados, a administração municipal ainda não tem um planejamento definido sobre como tratá-los.

O secretário municipal de Assistência Social, Rodrigo Bethlem reconhece que a prefeitura não tem uma “fórmula mágica” para reabilitar os usuários de crack e que a administração está em fase de testes sobre quais atividades funcionam no tratamento. Ele admite que o modelo de tratamento para reabilitação de dependentes de crack está em construção no Rio.

– O crack é um assunto relativamente novo no Brasil. Ninguém tem fórmula mágica. Buscamos em todo o país exemplos de sucesso. Estamos engatinhando, estamos aprendendo.

Conveniada à prefeitura, a Casa Viva, em Laranjeiras (zona sul do Rio) é apresentada como modelo de abrigo público especializado em recuperação de dependentes químicos. Sem uma rotina fixa, 11 menores de idade, de dez a 15 anos, são acompanhados por enfermeiros, terapeutas ocupacionais e um psiquiatra, que é o diretor da entidade.

O grupo, encontrado em diferentes bairros da capital fumando crack, passou antes pela Delegacia da Criança e do Adolescente para identificação. Em seguida, foi levado ao Centro de Recepção Carioca, onde profissionais constatam se há dependência de drogas. A partir daí, ou o menor é encaminhado a entidade voltada a usuários ou vai para abrigos convencionais. A princípio, o menor de idade fica 45 dias internado. Entretanto, segundo a secretaria, pode passar até oito meses sob tratamento obrigatório, se o caso for grave.

De acordo com especialistas, o tratamento de viciados requer mais que a desintoxicação. A professora de psiquiatria da UFRJ Magda Vaissan explica que são necessárias uma equipe de profissionais, atividades físicas e oficinas de arte durante a reabilitação.

– É preciso motivar o usuário para que ele queira deixar o crack. O abrigo não deve ser uma prisão, por isso devem ser proporcionadas atividades.

A reportagem do R7 conheceu a Casa Viva. O imóvel tem três andares, é limpo e arrumado, com uma pequena área externa. Entretanto, a falta de espaços que permitam brincar livremente ou praticar esportes chama a atenção.

 

Os internos da Casa Viva têm duas oficinas – de boxe e de teatro. Segundo a direção do abrigo, um casal de atores se voluntariou para dar as aulas de teatro. Mesmo com essas atividades, não há um planejamento. O psiquiatra Jorge Jaber, consultor voluntário da prefeitura, explica que ainda não foi feita uma sistematização do atendimento ao usuário de crack. 

– Seria bom criar um instituto que acumulasse as informações dos abrigos para saber que tratamentos e atividades se adequaram bem à realidade do Rio. Ainda não foi posta em prática uma sistematização de tratamento.

Jaber também afirma que é importante capacitar as pessoas que cuidam das crianças no dia a dia.

Investimento e custos

A partir deste ano, a Secretaria Municipal de Assistência Social tem R$ 8 milhões a mais no orçamento, totalizando R$ 23 milhões. A internação de cada menor de idade acolhido compulsoriamente custa R$ 2.500 por mês ao município. Caso as 145 vagas disponíveis no sistema sejam ocupadas – ao todo, há quatro abrigos para menores dependentes de drogas na capital -, o custo total será de R$ 310 mil por mês e R$ 3,6 milhões ao ano.

A reabilitação em abrigos públicos pode ser uma alternativa aos altos valores cobrados em clínicas particulares. Na Saint Roman, em Santa Teresa (centro), uma diária, apenas com os serviços de hotelaria, sem contar os exames médicos e o trabalho da psiquiatria, custa R$ 480 em apartamento individual, e R$ 395 em quarto duplo.

Na clínica Vila Serena, no Maracanã (zona norte), que possui convênio com empresas como a Petrobras, a diária custa R$ 357 e a semana, R$ 2.449. Entre os serviços oferecidos, estão palestras, dinâmicas em grupo, plano individualizado de tratamento, educação física e programa de reinserção familiar.( que me desculpem, mas pra mim é deixar se drogarem longe das cidades mesmo, regulamenta as drogas, distribui e os viciados ficam ali mesmo .

isso pareçe mais tentativa de limpar a cidade antes da COPA E OLIMPÍADAS, vc tira um da rua  apareçe mais 5 , a produção de di menor não para.)

beijo gay em desenho dos SIMPSONS é censurado na globo

Cena do beijo gay entre Homer e Moe, no episódio "Todo o Mundo Morre um Dia"
Cena do beijo gay entre Homer e Moe no episódio “Todo o Mundo Morre um Dia”, exibido na última sexta-feira

A Globo cortou cenas de alcoolismo, trote telefônico e um beijo gay entre Homer e Moe, no episódio “Todo o Mundo Morre um Dia” de “Os Simpsons”, exibido na manhã da sexta-feira passada.

A sequência teve mais de um minuto e era importante para a conclusão do capítulo. A emissora afirma que não mostrou as imagens do desenho devido à classificação indicativa do horário, que é livre.( medo que o telefone da emissora disparasse depoais inconformados né ? isso se eles estavam tb vendo.bem dos SIMPSON vc pode esperar tudo, mas nos EUA será que foi cortado tb ?)

beijo lésbico no BBB 11

Diana dá um beijo na boca de Michelly durante a Festa Country (27/1/11)  Diana dá um beijo na boca de Michelly durante a Festa

pronto, quem pedia beijo gay na GLOBO , agora tem, pelo menos no BBB 11, foi combinado ? espontâneo ? o programa é novela ou real ?

não esperem beijo em novela, ela tem personagesn gays, mas vcs conheçem o padrão global de novelas, este tipo de beijo dificilmente vai rolar.

 vcs lembram desde anovela AMERICA né, a cena do beijo exioste, mas ta no youtube pra quem quiser ver, mas todos ja viram né ? então se contentem com este ai do BBB.

  ah mas na tv não mostrou este beijo, não mostrou ?, mas eu mostro vejam ai :

pronto isso ai é o suficiente pra quem queria beijo gay na GLOBO,torçam pra ter mais. 

 

fim de ano a merda de sempre

 

 

 

 

tudo bem que tem computador hj em dia, mas e quem nao tem ainda ? quem não saiu, ficou em casa e no fim , virou refem da tv ? ah tem o dvd, mas e quem ainda não tem tb,ou o aparelho estragou  ? 

 

 

 

 ai teve de aguentar XUXA, afinal se seu filho pequeno, gosta dela, fazer o q ? ou aqueles filminhos de natal que seus filhos ja viram ? sem falar nos filmes religiosos que vc ja sabe a historia de tras pra frente.

 

 

 

 

 

 

e hj tem de aguentar ROBERTO CARLOS, afinal sua mãe gosta, daquelas musicas de 40,50 anos atrás, PQP, e depois ? aquele filme babaca de SUPERCINE, nos demais canais tb nada de novo, vc poderia esperar pelo CINE PRIVÊ,mas ele ja acabou conforme ja foi anunciado, domingo tb não tem nada, seu futebol ta de férias,só resta que tenha um PÃNICO NA TV inedito, e na segunda TEM CQÇ inédito

 

 

 

 

 

 agora se prepare QUARTA FEIRA, CREPUSCULO, ja viram no cinema, dvd de casa, dvd na casa dos amigos, mas vão querer ver na tv, pois é meu caro ,  filhos miolo mole da nisso, e ano que vem LUA NOVA com certeza,teria o TOPA OU NÃO TOPA NO SBT , mas … , e na sexta feira aquele maldito show da virada, com aquelas (musicas?) infernais que encheram o saco ano inteiro nas rádios , e sem falar no som da vizinhança né, que vai madrugada adentro.

SOCORRO