garota de 16 é violentada por 30 ou mais homens no RJ

Estupro coletivo revolta cariocas

Nesta quarta-feira, 26, a menor que aparece em um vídeo divulgado na internet confirmou que foi vítima de um estupro coletivo. De acordo com a vítima, ela foi dormir na sexta-feira, 22, na casa do namorado, acordando apenas dois dias depois, do domingo, 24. Quando acordei tinham 33 caras em cima de mim. Só quero ir para casa”, teria dito a garota de acordo com informações do jornal ‘O Globo’ em reportagem publicada nesta quinta-feira, 26.

A jovem em questão tem 16 anos e mora em uma comunidade do Rio de Janeiro. Ela passou o dia fazendo exames no Hospital Maternidade Maria Amélia, onde foi avaliada por ginecologistas. A adolescente também foi avaliada pelo Instituto Médico Legal (IML) e prestou depoimentos à polícia civil. 

De acordo com informações do ‘Jornal Hoje’, da TV Globo, três dos agora trinta e três homens foram identificados. A polícia já mandou fazer a prisão preventiva dos suspeitos. A jovem foi ouvida na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). Quem também apura o caso é o Ministério Público do Rio de Janeiro. De acordo com o órgão, mais de 800 denúncias foram enviadas desde o início da repercussão.

  

O crime foi descoberto depois que um dos homens envolvidos postou um vídeo exibindo a menina nua no Twitter. Ele abre o órgão genital da menor e comemora o fato dela não ter conseguido aguentar fazer sexo com tantos homens ao mesmo tempo. O microblog de 140 caracteres decidiu não só excluir a publicação, como banir o usuário, conhecido apenas como “Michel”. 

Depoimentos de familiares

Mais cedo, quem havia falado sobre o caso foi o pai da menor. Chorando muito, ele conversou com jornalistas e disse que a filha só gritava de dor, preferindo não falar sobre o caso. A avó da menor também conversou com a rádio CBN, quando disse que a adolescente é usuário de drogas e que tem um filho de três anos. Segundo a avó da vítima, não havia informações anteriores de outros estupros, mas que eles cuidariam da jovem agora. Ela tem histórico de outras fugas de casa para se drogar.

LEIA TB 

Jovem estuprada por 30 homens passa por perícia médica

Homem que postou vídeo do estupro de uma garota no Twitter já é investigado pela polícia

Suspeitos de gravar vídeo de estupro de menina com ‘mais de 30’ são identificados

( agora vem as pedradas, ah mas era drogada, tinha namorado, fugia de casa pra se drogas, pais não tinham controle, agora paga de coitada, pô e os caras ? foram educados como ? isso ai é ser macho na visão deles ? 

tb podem falar ah ela topou, depois quis sair fora dizendo estar arrependida, blá,blá,blá  de advogado porta de cadeia querem ver ? sempre culpam a mulher, infelizmente vale a vigilância dos pais, não é apenas pra meninas e principalmente os meninos, afinal o machismo reinante neste pais cria situações como essa.

agora tranca estes 30 ou mais de 30 na cadeia, pra saírem piores do que são, pois cadeia não resolve nada. 

aprovada redução penal para 16 anos que atingirá muitos vagabundos.

A punição mais severa, prevista pela proposta que tramita na Câmara dos Deputados, poderá atingir a maior parte dos adolescentes envolvidos com atos infracionais. Isso porque os termos do projeto preveem punir como adultos os adolescentes de 16 e 17 anos acusados de tráfico de drogas e de roubo com causa de aumento de pena, que são as principais razões de internação de menores infratores.

Levantamento do Ministério Público Estadual de São Paulo divulgado neste mês mostra ainda que, dentre os adolescentes internados por atos infracionais na capital paulista, 78,8% deles cometeram alguma das condutas que poderão passar a ser punidas com mais rigor com essa proposta. 

Mais da metade, 52,8% dos casos, corresponde a adolescentes que cometeram o chamado roubo com causa de aumento de pena. Esse tipo de ato infracional é caracterizado pelo emprego de algum tipo de arma pelo autor do crime, pela participação de duas ou mais pessoas no ato, pelo ataque a uma vítima que trabalha em transportadora de valores ou por se tratar de ocorrências em que a vítima foi feita refém, ou foi ferida ou foi morta pelo ladrão.

Os promotores da Infância e Juventude da Comarca de São Paulo analisaram 4,4 mil processos de execução de medidas socioeducativas na capital, em um universo de 22 mil processos no total. O levantamento permite ainda constatar que 22,8% das condenações ocorreram por tráfico de drogas, delito também punido com maior rigor pela proposta em análise.

Quando a análise dos casos se restringe aos crimes hediondos, a soma dos atos praticados pelos menores não ultrapassa os 3% do total. A ocorrência mais comum nesse universo é o latrocínio, 1,1% dos registros.

Para o juiz aposentado do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Everardo Alves Ribeiro, a “receita inovadora” da Comissão Especial deve ser ponderada. “É uma proposta que não contribui para a consciência moral do jovem. O que vai sobrar para as medidas socioeducativas coibirem, o furto simples, o estelionato?”

( deixa uns 10 , 20 anos na fundação casas, trabalhando e estudando, se quiser comer e dormir, ai vamos ver se o de menor toma jeito ou não, pois de nada adianta se cadeia virar central do crime, tretas e malandragens ainda existirem la dentro.)

bandido de 16 quem matar de todo jeito, então tranca de vez

 O medo de ver a casa se tornar um ponto de venda de entorpecentes fez uma enfermeira de 34 anos, que vive no Parque Vitória Régia, zona norte de Sorocaba, acionar a Guarda Civil Municipal e entregar o filho,  16, na manhã desta quinta-feira (13). 


Ao BOM DIA, ela disse que luta há dois anos para livrar o menino do mundo do crime. “Ele me disse que quer ser bandido, se envolver com o crime organizado e matar policiais”, desabafa.

Os dois vivem sozinhos, com uma renda superior a R$ 4 mil. “Posso dar tudo a ele, mas meu filho se recusa a aceitar. Disse que vai traficar e comprar suas coisas”, lamenta.

Influências/ De acordo com a enfermeira, tudo começou quando o menino conheceu, na escola,  jovens envolvidos com o crime. “Meu filho era um menino amoroso, companheiro e que adorava animais.” Mas com o envolvimento no mundo do crime, ele começou a utilizar entorpecentes e a traficar. “Cheirava a boca dele todos os dias, mas aquilo que eu mais temia aconteceu e agora luto todos os dias para tirá-lo disso.”

Junto com a criminalidade, veio a desobediência. Nos primeiros meses, o jovem agredia fisicamente e verbalmente a mãe, mas, segundo ela, o adolescente foi aconselhado por outros criminosos a respeitar a mãe e as agressões pararam.

Sem limites/ O menino passou a frequentar festas com música funk e não ter hora para dormir ou acordar. A enfermeira diz que a convivência com o filho é pacífica, mas ele se recusa a aceitar qualquer tipo de regra.

Todas as vezes que encontrou drogas em casa, a mulher  entregou tudo à polícia. “Eu não apoio a criminalidade e acho que nenhuma mãe deve apoiar isso”, ressalta.

Ponto final/ Na manhã desta quinta-feira (13), a enfermeira chegou em casa após um plantão de 24 horas. Como sempre, revirou a residência. “Já tinha percebido que meu filho estava mexendo muito embaixo do tanquinho. Então encontrei ali drogas e dinheiro.”

A enfermeira foi dormir, mas antes escondeu os entorpecentes. Quando o adolescente acordou e deu por falta das drogas, ficou enfurecido. “Ele acordou para continuar traficando e achou que eu tinha jogado tudo fora.” Entre os gritos, o menor deu um murro na parede e saiu. Foi neste momento que a GCM foi acionada.“A enfermeira ligou na base comunitária do bairro solicitando a nossa presença”, conta  o GCM André, que atendeu o caso ao lado do GCM Pichini.

Ao chegarem na casa, a mulher os recebeu contando o que houve. Imediatamente foram apreendidos 16 flaconetes de cocaína, sete pedras de crack, cinco porções de maconha e R$ 117.

Com o apoio da Romu (Ronda Ostensiva Municipal), o jovem foi localizado no próprio bairro.  Além do filho, a enfermeira entregou vários objetos de origem desconhecida, como bicicletas, celulares e roupas à GCM.

Pedido/ Ao chegar no Plantão Policial Norte, a mulher pediu para que o filho fosse apreendido e levado à Fundação Casa. “Ele não tem medo de nada, precisa de uma lição. Sei que é um tiro no escuro, mas tenho de tentar tudo para ajudá-lo.”

Segundo o delegado de plantão, Thales Fleury de Camargo Madeira Filho,  esta foi a terceira vez que o garoto foi apreendido pelo mesmo crime. “Pela continuidade, iremos interná-lo.”

O apelo de mãe foi atendido, mas a enfermeira confessou ser difícil tomar aquela decisão.  “Não tenho vergonha da minha atitude, pois se apoiarmos o crime, isso nunca vai acabar.”

Mais próximos do crime

Estatística mantida pela Polícia Civil mostra aumento de atos infracionais

Em Sorocaba, os atos infracionais de tráfico de entorpecentes, que envolvem adolescentes, registrados pela Polícia Civil, aumentaram em 33,9% nos sete primeiros meses do ano, em comparação ao mesmo período de 2011. Só em setembro deste ano, os registros cresceram em quase 90%.

Na fundação/ Uma pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostra que 86% dos adolescentes internados na Fundação Casa por todo o país são usuários de drogas; 96% são do sexo masculino e 81% vivia com a família até a internação.

Exemplos/ Ilustrando este problema, vários casos inusitados de atos infracionais que envolvem drogas foram registrados pela Guarda Civil Municipal, que atendeu a enfermeira. Confira abaixo três dos vários casos deste último semestre.

Salgadinho do ‘demônio’

Acusado de traficar drogas e aliciar menores, um jovem de 25 anos foi detido pela GCM em 10 de outubro, nas proximidades de uma escola estadual no Parque das Laranjeiras, zona norte. Com ele foi apreendido um pacote de salgadinho contendo mais de cem flaconetes de cocaína, além de crack e maconha.

‘Plantação’ de crack

Durante a Operação Comunidade Segura II, GCMs apreenderam centenas de porções de crack e tijolos da mesma droga em um pasto da Vila Sabiá, zona leste, em 28 de novembro. Minutos depois, o responsável pela droga, de 15 anos, foi apreendido. O local fica nos fundos da sua casa.

Droga nas partes íntimas

Em 14 de novembro, o ponto de venda de entorpecentes gerenciado por uma mulher de 21 anos, foi fechado. Ela vendia drogas junto com duas adolescentes, de 14 e 16 anos. O trio guardava os entorpecentes dentro dos órgãos genitais. Foram apreendidas porções de 
crack e de cocaína.( internar por quanto tempo ? ah 3 aninhos, ai o cara sai pior , seguinte deixa 10 anos la dentro com TRABALHOS sem nenhuma regalia, ai vamos ver se não muda,. se não mudar deixa mais 10 e por ai vai.

quando o vagabundo estiver envelhecendo la dentro, vamos ver se toca o coração dele, se tiver um, ainda é capaz de termos de pagar visita intima pra este pilantra, BRASIL é banana nanica demais com de menor infrator.)