cantor RENNER, bebe, bate , paga 10 mil e volta pra rua.

Cantor Renner é levado a delegacia após acidente na Zona Sul de SP
PM diz que dois carros bateram nesta manhã na Avenida Pedro Bueno.
Cantor foi indiciado por embriaguez ao volante e fuga do local do acidente.

Do G1 São Paulo

O cantor Ivair dos Reis Gonçalves, o Renner da dupla sertaneja com Rick, foi detido após se envolver em um acidente perto do aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, na manhã desta sexta-feira (26), segundo a polícia. Ninguém ficou ferido. Ele foi indiciado por embriaguez ao volante e fuga do local do acidente.

A Polícia Militar diz que a colisão de dois veículos ocorreu na Avenida Pedro Bueno, na região do Campo Belo, por volta das 8h10. O cantor foi levado ao 27º Distrito Policial porque havia suspeita de embriaguez.

Renner passou pelo teste do bafômetro, que constatou uma quantidade de álcool no sangue acima da permitida, segundo o delegado Antônio Augusto Rodrigues Silva.

Testemunhas contaram que o cantor bateu em um carro estacionado e tentou fugir. Com os pneus vazios, ele não conseguiu prosseguir. Ainda segundo as testemunhas, foi necessário tirar a chave do contato para que Renner aguardasse a chegada da polícia.

O cantor deve pagar uma fiança de R$ 10 mil e responder ao processo em liberdade. Uma pessoa que estava no carro com ele já foi ouvida e liberada, mas o delegado não revelou a identidade dela porque quis manter a privacidade. Por volta das 12h15, o músico ainda estava no distrito policial.

O G1 não conseguiu localizar a assessoria de imprensa da dupla sertaneja até as 11h. Segundo uma pessoa que trabalha com os cantores, o show mais recente deles aconteceu neste domingo (21) em uma cidade do Paraná. Renner mora em Alphaville, na Grande São Paulo.

Em 2001, o sertanejo esteve envolvido em um acidente que deixou dois mortos em Santa Bárbara d’Oeste, no interior de São Paulo. Luís Antônio Nunes Aceto e a namorada, Eveline Soares Rossi, seguiam de moto de Piracicaba a Campinas. Renner vinha na direção contrária em uma BMW. Conforme a acusação, o sertanejo conduzia em alta velocidade, perdeu o controle do carro, atravessou a pista e atingiu o casal, que morreu na hora.

O músico foi julgado em 2008 e condenado a pagar 2 mil salários mínimos (R$ 1,4 milhão, valor que chega a R$ 3 milhões ao se considerar eventuais juros). O prazo para a quitação da indenização expirou em 27 de março de 2009. Desde então, a família do engenheiro tem recebido apenas repasses da arrecadação do cantor com direitos autorais, conforme decisão judicial.

 

 

( sempre assim pobre vai em cana na hora, pois afinal não tem grana pra pagar fiança, celebridade faz merda e ainda tem fãs pra defender especialmente os ídolos teen, nesta geração de  cabeças ocas e vazias que ficam na internet marretando, ameaçando quem falar mal de seu ídolo mesmo que este tenha posto o pé na jaca.)

pra vcs terem uma ideia do que eu falei.

 

 

jovens abusam de viagra misturado com álcool e drogas

Médicos alertam para os perigos do consumo sem orientação de remédios contra a impotência sexual. Muitos jovens que não tem problemas de saúde usam as pílulas de forma indevida. E ainda misturam com bebida alcoólica, o que aumenta o risco de efeitos colaterais. 

http://videos.bol.uol.com.br/#view/jovens-abusam-do-uso-de-remedios-contra-impotencia-sexual-0402CC1B386ACCA14326&tag/6233|bandnews

raio x da noite em SOROCABA.

Enquanto clientes de bares que ainda não precisam fechar as portas as 23h, vários delitos ocorrem por todas as regiões de Sorocaba.

Nos principais “points” do sorocabano, a reportagem sente na pele como pode ser assustador a noite da cidade.

O inspetor Antunes mostra patrimônios públicos “invadidos” por consumidores de drogas e traficantes, nas telas da Central de Operações da GCM, e cenas com todo tipo de crime ocorrendo em Sorocaba.

Antunes aponta para as telas de LED e mostra três jovens bebendo uma garrafa de refrigerante com um misto de conhaque e outros tipos de bebidas alcóolicas, na praça Maestro Nilson Lombardi, Jardim Iguatemi, zona oeste. Outros dez fumavam maconha atrás de uma árvore. Doze guardas são convocados e entram em seis viaturas, que seguem até o local.

Cena de filme. Os jovens correm assustados com a presença da GCM. A maioria é rendida. “Você fique quieto. Não deveria estar aqui, em uma praça pública, a esta hora da noite”, diz um dos guardas ao menor revoltado com a abordagem. “Se seu pai descobre você aqui, iria gostar do que está fazendo? Pense bem.”

O adolescente respeita a opinião do GCM e permite a revista. Um menor que portava maconha é levado para os pais. Ninguém foi detido.
Em Júlio de Mesquita Filho, zona oeste, a doméstica Michelly Rodrigues Martins, 32, dirige em alta velocidade seu Fox e atinge em cheio o Gol do metalúrgico Cleber Evandro da Silva Godói, 33, que morre prensado pelas ferragens.

A condutora admite que ingeriu bebida alcóolica em uma festa. Homicídio culposo (sem intenção) na direção de veículo automotor (artigo 302 da Lei 9503/97 – Código de Trânsito Brasileiro). “Ela não saiu de um bar”, diz o delegado Robson Lorencetti. Dois amigos da vítima fugiram do local. De acordo com o registrado em Boletim de Ocorrência, um pacote de drogas teria sido encontrado sob um do bancos do veículo
Colisão foi ocasionada pelo consumo de álcool
O estado do Gol impressiona os policiais militares. A traseira do veículo ficou destruída. “A vítima fatal estava no tampão do porta-malas, preso às ferragens, enquanto a motorista do outro carro estava descontrolada, com intenção de entrar no Gol”, relata o delegado Robson Lorencetti, plantonista do Distrito Policial Sul. “Ela confidenciou que ingeriu álcool, contudo não apresentava estar embriagada. Ela recusou-se a fazer o teste do etilômetro”, relata, no boletim de ocorrência. Os faróis do Gol da vítima, que acompanhava dois amigos no banco traseiro, estavam apagados, o que dificultou a visualização do carro.

O Fox de Michelly Rodrigues Martins estava em alta velocidade, disseram os policiais e os peritos. A colisão ocorreu na rua Mário de Campos Lima, no bairro Júlio de Mesquita Filho. A motorista, alterada, não fez nem exame clínico e foi liberada.

No Jardim Nova Esperança, os traficantes agiam livremente. Logo na chegada, um grito: “Salve, salve”. É um código de boas-vindas aos consumidores de entorpecentes. Eles competem entre si e tentam chamar a atenção dos clientes de carro. Um assovio convida a “negociar” o preço da cocaína. Despistamos.

Em Sorocaba, desde 1989, conhecedor dos principais redutos, e no transporte de jornais desde 2007, recomenda: “Jamais se arrisque em um território que não conhece. Investigue antes.”
Sem sair do automóvel, o BOM DIA constata: o crime reina na região. Bebida e droga à vontade, em gueto, bar e biqueira.

Depois da “passagem” rápida pelo bairro escuro da zona norte, a reportagem visita as proximidades de dois bailes funk, no Parque Vitória Régia e Jardim Ipiranga. Nenhum movimento.

A polícia só entra nesses locais em operação conjunta, diz um GCM. Na Visconde de Cairu, na avenida General Carneiro, um travesti atende cliente boêmio.

Crime, com ou sem bar aberto após as 23h. “Tivemos sorte hoje [domingo de madrugada], pois a noite foi tranquila devido ao mal tempo”, diz o GCM Borges.

Forças e população divergem
Delegados, guardas, policiais militares e civis comemoram a aprovação da lei que fecha os bares sem alvará especial após as 23h, mas seus clientes reprovam a medida. Para as forças de segurança, a nova legislação ajudará o trabalho de combate ao crime.

Porém, os clientes dizem que vão procurar outros meios para beber e conversar, como garagens, praças públicas, postos de combustíveis, avenidas e ruas.

O capitão Vanclei Franci, oficial de relações públicas do 7° BPMI (Batalhão de Polícia Militar do Interior) tem uma convicção: o número de ocorrências de “desinteligência”, que são aquelas provocadas por brigas de bar e pessoas que ingerem bebida alcóolica até altas horas da madrugada e depois provocam conflitos em casa e com os vizinhos, deve cair. “Gente que bebe até tarde fica com o seu estado emocional alterado, o que provoca acidentes no trânsito, homicídio e outros crimes”, afirma.

Para a PM, o fechamento desses estabelecimentos inibirá os chamados que atrapalham o patrulhamento ostensivo. “Em muitos momentos em que ‘aparta’ problemas sociais, a PM poderia estar combatendo o crime para valer”, diz.

O inspetor Antunes concorda, mas faz ressalvas. “O fechamento dos bares vai contribuir para reduzir os crimes, mas só essa lei, de maneira isolada, não resolve o problema”, afirma. “Há muitos focos de crime em Sorocaba. Com o efetivo que temos na PM e na GCM, é impossível enfrentar os criminosos diariamente.”

A delegada Elisabete Molina apoia os vereadores. “Em 90 dias, a realidade vai mudar. Os policiais e guardas nos trazem muitos casos de briga e morte em decorrência do consumo de álcool”.

No Bar do Alemão, na avenida General Carneiro, um grupo de jovens são unânimes em um ponto: se o bar fechar, vão procurar outros ambientes para beber. “Sou consciente. Meu amigo bebe refrigerante para dirigir o carro”, diz Cristiano Almeida Rodrigues, 22. “Se fechar aqui, vou beber na praça”. Michael Silva, 22, reclama dos vereadores. “Não posso ficar na rua, na bagunça. Sou contra.” ( em ROMA capital da ITÁLIA, duas da manhã, acabou a balada, fecha tudo e todos pra casa, pq lá tem a lei do silêncio, até as duas e pronto.

aqui manda tuudo pra fora da cidade, quer beber, se drogar, tirar racha ? é la fora, ai se exploda, fechar bar ,ai vaio ter um ambulante em cada esquina, pra vender bebida a vontade, sem falar nas falsificadas e ai ? )

BBBS reclamam que falta bebida alcoólicas no programa

Fael toma uma cerveja na Fael toma uma cerveja na “Festa Luau”

Os brothers estão reclamando que falta bebidas alcoólicas nas festas do BBB 12. Na quarta-feira passada (8) pouco depois da meia-noite Monique pediu para a líder da semana Renata solicitar mais bebidas para a produção do programa, pois tinha acabado. João Carvalho também fez o mesmo pedido a Renata.

Não é a primeira vez que o “problema” e a consequente reclamação dos participantes acontece nas festas do programa.

Nas festas “Halloween”, “Rosas” e “Aquarius” também aconteceu dos confinados reclamarem da escassez de álcool.

Segundo a Central Globo de Comunicação, a “questão” das bebidas não foi alterada nesta edição.”Nada mudou na mecânica e dinâmica das festas do programa”, disse a emissora.

Cerveja

Apesar de um dos patrocinadores ser a cerveja Devassa, a bebida não aparece durante as festas, ao menos não com a marca visível. Na última festa, Jonas tentou arrancar o adesivo que escondia a marca da cerveja e acabou levando uma bronca da produção. ( ta pode ser mais uma maneira de chamar atenção para o programa, é o marketing vale tudo, mas vamos supor que seja verdade, alias o que é verdade ou combinação ali ?

depois do caso DANIEL E MONIQUE, e produção teria cortado o alcool, para evitar novos abusos por parte dos brothers, evitar mais vexames, imagine alguém vomitando em plena festa por ex ? se bem que BBB não é ex para o BRASIL, festas com vexame,abusos,baixaria aconteçem aqui desde 1500.

mas como a GLOBO tenta dar uma limpada na imagem do programa, ai os caras que adoram encher a lata resolvem reclamar, mas isso caso seja verdade isso ai vale lembrar.) 

garota de 12 anos alcoolizada em frente a escola

este aviso vc encontra em todo lugar não é ? mas diz ai, esta porcaria adianta alguma coisa ? isso ai é pra gastar dinheiro a toa e enganar o povo trouxa que acreddita em medidas paliativas que mais enganam vc do que quer resolver.

vejam esta caso abaixo ai no vídeo e pense, tá adiantando algo ?

quer beber, se drogar, repito mil vezes, liberem alcool e drogas fora das cidades, ai cada um se mate a vontade, pois ninguém quer realmente combater o problema, pq ele da lucro politico e monetário.

tentativa de proibir menor de beber, ah tá

Teve início à zero hora de hoje uma megaofensiva para combater a venda, fornecimento ou consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 anos em estabelecimentos comerciais. Uma pesquisa do Ibope, feita a pedido do governo do Estado, apontou que 18% dos adolescentes entre 12 e 17 anos bebem regularmente, e que quatro entre dez menores compram livremente bebidas alcoólicas no comércio. Segundo a pesquisa, o consumo de álcool acontece, em média, aos 13 anos. O Centro de Referência em Tratamento de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) detectou que 80% dos pacientes diagnosticados alcoólatras deram o primeiro gole antes dos 18 anos, parte deles muito jovens, com 11 ou 12 anos. Segundo o governo do Estado, cerca de 500 fiscais da Vigilância Sanitária Estadual e do Procon-SP estarão nas ruas, de forma permanente e com apoio da Polícia Militar, se necessário, para verificar o cumprimento da nova lei estadual sobre o tema, sancionada em outubro pelo governador Geraldo Alckmin. Ontem foram realizadas as últimas blitze educativas, com orientação aos proprietários e responsáveis pelos estabelecimentos. Bares, restaurantes, lojas de conveniência e baladas, entre outros locais, não poderão vender, oferecer nem permitir a presença de menores de idade consumindo bebidas alcoólicas no interior dos estabelecimentos, mesmo que acompanhados de seus pais ou responsáveis maiores de idade. Durante um mês os agentes percorreram cerca de 12 mil estabelecimentos em blitze educativas para orientar os proprietários e responsáveis, além de entregar material informativo sobre os objetivos da lei, que visa coibir o consumo precoce de álcool entre os adolescentes, reduzindo, desta forma, o risco de desenvolvimento de dependência. 

Pesquisa

A nova lei paulista determina sanções administrativas, além das punições civis e penais já aplicadas pela legislação brasileira, a quem vende bebidas alcoólicas para menores de idade. Está prevista a aplicação de multas de até R$ 87,2 mil, além de interdição por no máximo 30 dias, ou até mesmo a perda da inscrição no cadastro de contribuintes do ICMS, de estabelecimentos que vendam, ofereçam, entreguem ou permitam o consumo. Além de não vender, os comerciantes não poderão permitir o consumo de bebidas alcoólicas por adolescentes no interior dos estabelecimentos. Antes, se um adulto comprasse a bebida e repassasse a um menor dentro do bar, o proprietário do estabelecimento não tinha qualquer responsabilidade. 

A nova legislação muda esse ponto e obriga o comerciante a pedir documento de identificação para realizar a venda ou deixar que o produto seja consumido no local. Essas medidas têm como objetivo evitar que adolescentes tenham acesso a bebidas alcoólicas, que podem causar dependência, doenças, problemas familiares, violência, acidentes e mortes. 

A população poderá denunciar locais que estiverem infringindo a lei pelo número do Disk-Denúncia, 0800 771 3541. Também será possível preencher um formulário no site ( http://www.alcoolparamenoreseproibido.sp.gov.br/ ). No site oficial também é possível baixar avisos obrigatórios que devem ser afixados nos estabelecimentos, além de trazer informações sobre a lei, a campanha antiálcool, os males que o álcool traz à saúde, informações sobre as fiscalizações e as perguntas mais frequentes. ( quem vai fiscalizar birosca de favela, nas quebradas mais barras pesadas , onde o PCC é quem manda por ex ? enquanto vc não acabar com esta porcaria de de menor, não adianta nada , medidas inúteis , que nada resultam.)