beber na rua disfarçadamente , no pais da piada pronta

 

Depois de proibir o fumo em ambientes fechados, a Assembleia Legislativa de São Paulo começa a discutir, ainda esta semana, projeto de lei do deputado Campos Machado (PTB) que proíbe a venda e o consumo de bebida alcoólica nos espaços abertos. Se a proposta for aprovada pelo plenário e, depois, sancionada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), o álcool será banido de ambientes públicos como praias, calçadas, postos de gasolina e estádios, entre outros. 

O texto prevê, ainda, restrição ao porte de bebida nas ruas. Carregar garrafas só será permitido, nesses espaços, com embalagens que escondam o rótulo. Essa regra já é aplicada em países como Canadá, Estados Unidos e Chile. Aqui, deverá inaugurar onda de polêmica. É o que prevê, por exemplo, o presidente da subseção Sorocaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Alexandre Oguzuku. 

Favorável à medida, o dirigente prevê, por outro lado, que ela vá entrar em rota de colisão com o regulamento geral da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. “Não me parece que a organização do evento, que tem, também, o apoio publicitário de cervejarias, concorde em com a proibição de venda e consumo nos estádios de futebol. Essa é uma questão que terá de ser bastante debatida, se a intenção for mesmo regular procedimentos””. 

Conforme Alexandre Oguzuku, do ponto de vista legal, não existe impedimento para a aplicação da lei. “Tenho acompanhado a discussão, e ouvi que alguns setores consideram que o projeto vá atingir direitos individuais. Não me parece o caso; ao contrário, ele atende ao interesse maior da sociedade. Nesse caso, o bem estar coletivo está acima dos interesses particulares. Ademais, essa é, ainda, uma questão de saúde pública””. 

Oguzuku acredita, mais, que a execução prática da legislação exigirá muito do Estado. “Sabemos que o aparato estatal não dispõe de estrutura para atender tamanha demanda. Tivemos o exemplo recente da lei que proíbe venda e consumo de bebidas por menores de idade. Aqui mesmo, em Sorocaba, no Carnaval, ficou claro que o controle dessa situação deixou a desejar e gerou transtornos noticiados pela imprensa””. 

A mudança de comportamento é outro inconveniente que precisará ser administrado. “Num país em que o verão faz a diferença que faz por aqui, onde se gasta tanto com publicidade para associar a imagem de bebida com praia, com sol, com calor, com Carnaval, proibir o consumo nesses espaços, com certeza dará muito trabalho. Como ficarão, por exemplo, os famosos camarotes dos desfiles bancados por empresas do setor?””, avalia a professora e publicitária Mônica Evelin Hentschel. A especialista entende que será preciso reavaliar posturas. 

“No caso da proibição do cigarro em lugares fechados, as pessoas que se sentiram incomodadas denunciaram o abuso. Ou seja, havia uma consciência de que o excesso atrapalhava. Tanto assim que foram criados espaços especificamente para fumantes. Não sei se isso acontecerá tão tranquilamente quando a lei que trata do consumo de bebidas começar a valer”. Quem conheceu de perto a experiência, admite a dificuldade. 

O engenheiro mecânico Roberto Lopes viajou no ano passado para Orlando, na Flórida. Ao visitar um parque na Disney achou que poderia consumir cerveja sem problemas. Foi advertido, e só escapou de ser punido depois de explicar que não sabia da restrição. “Eu até concordo que é importante regulamentar, combater os problemas causados pelo excesso de álcool, mas sou obrigado a reconhecer que é muito chato não poder beber em determinadores lugares””, comentou. A discussão do tema já chegou às redes sociais. Na quarta-feira da semana passada, um grupo de jovens criou, no Facebook, a página Sampa Pró-Fun.( projetinho intil esse, o cara vai beber sem rotulo e dai ? muda em que afinal.


tipico de ficar dando rodeio, quere beber, se drogar, tirar racha é fora da cidade em areas especiais a isso, as raves já são fora das cidades.)

a coisa ta fervendo em SALVADOR

A tropa de choque da Polícia Militar se juntou, na manhã desta segunda-feira, aos homens do Exército, das Forças Armadas e da Polícia Civil no cerco a Assembleia Legislativa da Bahia, onde está um grupo de policiais militares em greve. Ao menos dois helicópteros do Exército sobrevoam o local.

Veja fotos da greve da PM na Bahia
Parentes de PMs em greve tentam furar cerco
PF chega a Salvador para prender policiais militares em greve
Governador diz que policiais em greve em Salvador cometem crimes
Policial que cometer crime na BA vai para presídio federal, diz ministro
Justiça manda prender 12 grevistas da PM, diz governador baiano

Há princípio de confusão. No começo da manhã, um policial militar furou o cerco montado por homens do Exército e da Força Nacional ao redor da Assembleia e se juntou aos grevistas. Ele foi perseguido por um policial da Força Nacional, que desistiu ao perceber um grupo de PMs saudar o colega.

Familiares e policiais grevistas que estão do lado de fora da Assembleia também tentaram invadir o prédio na manhã de jpke. Eles foram contidos por homens do Exército, que dispararam balas de borrachas no chão. Policiais da Tropa de Choque da Polícia Militar foram chamados e isolaram o grupo.

Choque

A tropa de choque chegou correndo ao local e se dirigiu ao fundo do prédio. Dezessete carros da Policia Militar do Semi-Árido –que não aderiram à greve– também chegaram ao local por volta das 7h.

O cerco ao local começou no fim da madrugada e, segundo o Exército, tem o objetivo de isolar os manifestantes para depois executar mandados de prisão e esvaziar o prédio. A luz do local foi cortada na noite de ontem, que, de acordo com os grevistas, tem mulheres e crianças de PMs acampados.

Os PMs então em greve desde a noite da última terça-feira (31). O grupo pede a incorporação de gratificações nos salários. Eles recusam proposta de reajuste de 6,5% e prometem reagir no caso de um uma invasão por homens armados.

Os jornalistas são mantidos a 100 m de distância do local. No entanto, a reportagem daFolha viu urutus (veículo blindado de cerca de 15 toneladas, armado com metralhadora) se movimentando nas proximidades e a chegada de um urutu no local às 6h10. O clima é de extrema tensão.

Os grevistas estão reunidos no pátio da Assembleia, acompanhando a ação e passando instruções aos manifestantes utilizando um carro de som. Às 6h11, os manifestantes cantavam o hino nacional e acenavam com as mãos para os policiais, gritando: “Vem! Vem! Vem!”

Fabio Guibu/Folhapress
Homens do Exército fazem cerco a Assembleia Legislativa da Bahia, local onde estão policiais militares em greve
Homens do Exército fazem cerco a Assembleia Legislativa da Bahia, local onde estão policiais militares em greve

O assessor do soldado Marco Prisco Caldas Nascimento, líder dos grevistas, Valdeck Filho, disse à reportagem que os militares se encontram a 50 m da assembleia e que a estratégia dos manifestantes é resistir até o fim. Nervoso, declarou “Vai acontecer uma chacina aqui, e o responsável é Jaques Wagner”.

Ontem, o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo (PDT), deu um ultimato para que os policiais militares desocupem a Casa até a meia-noite. “Quero a Casa que eu presido de volta. Não posso permitir que o Poder Legislativo seja esconderijo de foragidos”, disse.

Na madrugada do último sábado (4), a reportagem esteve na Assembleia e estimou que havia entre 800 e mil pessoas na Casa.

Fabio Isamo Guibu/Folhapress
Exército participa de cerco a Assembleia Legislativa da Bahia; PMs em greve permanecem no local
Exército participa de cerco a Assembleia Legislativa da Bahia; PMs em greve permanecem no local

PRISÃO

Ontem (5), foi preso um dos 12 policiais militares grevistas que tiveram a prisão decretada na semana passada. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o PM é acusado de formação de quadrilha e roubo de um carro da corporação.

Ele é lotado na Coppa (Companhia de Policiamento de Proteção Ambiental) e foi preso pelo comandante da companhia. Além de responder pelos crimes, o policial vai passar por um processo administrativo na própria corporação.

CRIMES

O número de homicídios registrados na região metropolitana de Salvador já chega a 89 desde o início da greve da PM, na noite da última terça-feira (31). Apenas na madrugada de hoje, já foram registradas três mortes desse tipo.

O dia mais violento até o momento foi a última sexta (3) quando 32 pessoas foram mortas. (nada como ano eleitoral , pra todos se aproveitarem pra fazer baderna e politicagem, e que se dane a população, maas ela tb tem sua culpa em votar em aproveitadores, urubus, quero ver em novembro , vão cagar de novo na urna ?)