ambulância abandona homem no meio da calçada pq não tem atendimento em hospital.

como que não tem atendimento, se todo mundo paga imposto, inclusive este homem ? 

o povo deveria carregá-lo invadir a unidade e mandar atendê-lo , agora a prefeitura em ano eleitoral é claro vai apurar o caso né ?

UPH, zona norte de SOROCABA, está na mesma lama de sempre, falta médicos

Mais fotos…

A Unidade Pré-Hospitalar (UPH) Zona Norte ficou superlotada ontem. Por volta das 15h, havia fila para fazer ficha de atendimento e muitos desistiram de esperar e foram embora. O problema também foi registrado de manhã. O encarregado de obras João Luiz da Costa Palácios, 29 anos, chegou ao local por volta das 11h, pois estava com os mesmos sintomas de quando teve dengue e pneumonia, no ano passado. Mas somente às 14h30 foi atendido pela triagem. “Quando eu cheguei só tinham três médicos na placa de plantonista, mas apenas um deles estava nos atendendo, pois os outros dois estavam em emergência, conforme me informaram”, explica. Até as 15h30, horário em que a reportagem deixou o local, João Luiz ainda não havia sido atendido por um médico. 

Também descontente com o serviço, o auxiliar de instalação Tiago Roberto Lamarca, 22, chegou às 10h, mas só foi atendido pela triagem às 14h. Porém, ainda aguardava o atendimento médico, sem ter alguma previsão de horário. “Apenas um profissional estava atendendo pela manhã. Além disso, fui mal atendimento. Estou com sinusite e falta de ar”, conta. De acordo com outras pessoas que também aguardavam, até as 13h40 apenas três médicos realizavam o atendimento. Após isso, as placas que informam o número de médicos plantonistas foi modificada, passando a ter, então, quatro, tanto urgência quanto emergência. Além disso, pacientes disseram que uma mulher chegou a desmaiar na sala de espera de atendimento médico. 

Prefeitura responde 

Em nota, a Secretaria da Saúde de Sorocaba (SES) informou que quatro médicos estavam atendendo na Unidade Pré-Hospitalar (UPH) Zona Norte no período da tarde. A escala deveria estar com seis profissionais. Um faltou e outro encerrou contrato temporário com a Prefeitura. 

Todos os casos de urgência e emergência estavam sendo prontamente atendidos e os demais casos realmente aguardavam mais para a consulta, porém, a espera se encontrava dentro do protocolo estabelecido (casos que não são de urgência e emergência podem esperar por até 4 horas). Para minimizar o problema, a coordenação da unidade chamou mais dois médicos para ajudar no atendimento. Estes profissionais começaram a trabalhar por volta das 16h30. 

As UPHs contam com um coordenador clínico e um administrativo. Estes dois são responsáveis pela unidade e são eles que tomam as providências necessárias e cabíveis para resolver eventuais problemas como este. A coordenação da regional da SES, em que se encontra a UPH, também estava ciente e providenciou o reforço juntamente com a unidade.

( pois é , mandaram todos os adultos da zona oeste e sul, que eram atendidos na UPH  zona oeste pra zona norte, a oeste só atenderia crianças.

era a reforma da saúde do governo CARAMUNNZIO , mas ficou a mesma porcaria de sempre, aposto que a que só atende crianças deve estar a mesma merda.)

pronto socorro agóra só atente gente que vier dos postos ou UPHS, os demais podem empacotar em casa ou na rua.

O Pronto-Socorro Municipal (PSM) de Sorocaba, que funciona na Santa Casa, deixará de atender no sistema de portas abertas. De acordo com o secretário de Saúde, Armando Raggio, a mudança está prevista no novo contrato entre a Prefeitura e a instituição, prorrogando por mais um ano o convênio para a manutenção dos serviços do PSM. A intenção do secretário é que até o final deste mês, os atendimentos e internações do pronto-socorro sejam feitos por meio do encaminhamento das Unidades Pré-Hospitalares (UPHs) e Pronto-Atendimentos (PAs).

O contrato assinado em 2011 entre a Prefeitura e Santa Casa, que deve ser prorrogado anualmente, teve o prazo expirado ontem. As tratativas visando a renovação foram iniciadas no final de setembro e só chegaram num acordo final na última sexta-feira. “Foi uma negociação prolongada, mas em tempo e sem descontinuidade ou interrupção das atividades do pronto-socorro.” Raggio afirmou que o contrato já está assinado pelo provedor da Santa Casa, José Antônio Fasiaben, e agora deverá ser complementado com a assinatura do prefeito.

O secretário destacou que a grande mudança no contrato será a adoção de um modelo de pronto-socorro referenciado, onde ao invés de uma pessoa com algum sintoma bater direto na porta da Santa Casa, seja primeiro atendida na UPH ou no PA, garantindo um fluxo mais adequado de atendimento e com redução da pressão de demanda de pacientes no pronto-socorro. Ele informou que a operacionalização do sistema será feita pelo chamado Centro de Atenção Integrada de Saúde, que atuará mais intensamente no início do próximo ano. “A Santa Casa concordou com essa negociação e dependemos apenas de marcarmos uma data para não haver confusão de trânsito.”Outra mudança a ser implementada, citou o secretário, é a chamada contratualização que permitirá aperfeiçoamento do atendimento de alguns serviços que já são oferecidos, com é o caso da pediatria, onde a Prefeitura pretende investir na compra de equipamentos, além da área de ortopedia e oncologia.

Além da mudança na estrutura de atendimento, o novo contrato vai elevar para R$ 1.382.825 o repasse mensal pré-fixado para a Santa Casa. O valor corresponde a um reajuste de 5,85% do atual repasse (R$ 1.306.390), referente à correção anual do IPCA/IBGE. Já o pagamento pós-fixado, que é repassado após o comprovante de prestação de contas de serviço, o valor permanecerá o mesmo do contrato anterior, que é de R$ 505 mil. O secretário afirmou que a partir do ano que vem, com a contratualização dos serviços, esse valor de repasse poderá ser complementado com o rateio por parte do Ministério da Saúde.

Aumento de demanda

A média mensal de atendimento no PSM, segundo a Prefeitura, é de 12 mil pacientes. Em 1999, quanto iniciou o convênio, a unidade foi preparada para receber uma média de 7 mil pacientes por mês, quase metade do fluxo atual. Esse aumento na demanda foi a justificativa dada pelos dirigentes da Santa Casa em resposta às denúncias de más condições de atendimento do Pronto-Socorro Municipal (PSM), investigadas por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara.

Em seu depoimento na CPI, o provedor José Antônio Fasiaben informou que o contrato em vigor previa atender a população com 27 leitos de pronto-socorro em observação e 48 para internações; no entanto, a demanda atual é, no mínimo, duas vezes esse número. Fasiaben cobrava da Prefeitura a ampliação do número de leitos no PMS para absorver essa demanda. Em relação à essa cobrança por parte da Santa Casa, o secretário disse com a construção do Hospital de Clínicas de Sorocaba haverá maior disponibilidade de leitos, inclusive com terapia intensiva. Raggio disse que Prefeitura também tem trabalhado para trazer para Sorocaba o Projeto SOS Emergência, do Ministério da Saúde, em parceria com o Governo do Estado, para que possam ser investidos recursos para a ampliação de leitos na Santa Casa.

O Cruzeiro do Sul entrou em contato ontem com a Santa Casa, por meio da assessoria de imprensa, para falar sobre a renovação do convênio, mas foi informado que a instituição só iria se pronunciar com a Secretaria da Saúde, em entrevista coletiva programada para esta semana.

 ( então se a pessoa tiver uma convulsão, piripaque e passar mal em frente a STA CASA por ex,não vai ser atendida ?

ah não passou pelo posto ou UPH então fica ai na calçada, mais um duro golpe contra o sorocaban que paga impostos , vc adulto que mora na zona l

oeste deve ir na zona norte pra ser atnedido e agora mais essa, preferivel morrem em casa então, ai virar um fantasma e assombrar o paço e a câmara dos vereadores , pra não ficar uma pessoa trabalhando la dentro, e pode chamar todos os exorcistas da terra que não vai ter jeito.)

pacientes chutam o pau da barraca em protesto na UPH ZONA OESTE em SOROCABA.

Apenas dois médicos apareciam na escala mantida na unidade – Fábio Rogério

Mais fotos…

Cansados de aguardar por atendimento médico, pacientes e acompanhantes saíram da Unidade Pré-Hospitalar Zona Oeste e fecharam o trânsito na avenida General Carneiro das 19h30 às 21h30 de ontem. Debilitada com a falta de atendimento uma jovem começou a passar mal precisou ser carregada de volta para dentro da unidade pré-hospitalar. Segundo relatos dos manifestantes duas pessoas teriam desmaiado na rua. A reportagem conversou com pacientes que esperavam desde às 15h. Entre os manifestantes estava a acompanhante de uma idosa com 72 anos que sofre de câncer no intestino e aguardava atendimento com dores desde às 18h30.

Para fechar a avenida os pacientes fizeram um cordão em cima da faixa de pedestres. Com a interdição da via os motoristas davam a volta no quarteirão, o que não evitou que houvesse congestionamento. Dos motoristas que ficaram parados no protesto, vários apoiaram a manifestação pela demora no atendimento médico, alguns reagiram ao bloqueio, lançando os veículos contra os pacientes e outros passaram sobre o canteiro da avenida e deixaram o local pela contramão. Os veículos desviaram um quarteirão antes do ponto de interdição.

No painel com espaço para colocar os nomes de até seis médicos plantonistas, somente após a imprensa chegar à unidade foram colocados dois nomes. O oficial da Polícia Militar que estava no local, tenente Heron Buono de Oliveira, disse ter ouvido relato de pessoas que aguardavam por atendimento desde às 14h enquanto a informação do profissionais é que haviam dois médicos clínicos gerais prestando atendimento e um para fazer cirurgias. 

A versão da Prefeitura foi que faltaram dois médicos dos sete plantonistas: um clínico e um pediatra. Explicou que o plantão é de quatro clínicos e três pediatras. Informou que o atendimento é priorizado para os casos de urgência e emergência e o tempo médio de espera era de duas horas. Algumas pessoas que passavam pelo local aderiram à causa dos pacientes, como estudantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), entre eles, Carlos Henrique Calegari, 23 anos e Alessandro Jordão, 22 anos. Eles disseram ter levantado informações com a equipe de atendimento que estavam ausentes o coordenador médico e o responsável técnico pela unidade. “De seis médicos apenas dois estão trabalhando”, disseram. ( em fevereiro estive aui nesta unidade , pois havia suspeita de que eu estivesse com dengue , poder ver ai no  link .

 https://nejaim399.wordpress.com/2013/02/27/epidemia-de-dengue-acho-que-fui-uma-das-vitimas/

a mesma situação, ameaçaram causar tumulto, lembro que três GMS se posicíoanaram no corredor pra um possivel confronto, mas nada ocorreu, agora a mesma situação ai, pois é apesar de terem bloqueado a AV , valeu o protesto, agora basta a prefeitura acordar de vez.)

epidemia de dengue, acho que fui uma das vitimas

a coisa começou ontem dia 26/02, na rua entregando folhetos, já sentia fraqueza, não aguentei mais e fui pra casa, deitar na cama, mais tarde, estava com febre ai eu e minha irmã fomos os posto de saúde do bairro.

ai começaria meu calvário, feito exames, coleta de sangue, nos informaram que teríamos de ir ao PA DA ZONA OESTE , NA AV GENERAL CARNEIRO, oras se na tv vc deve procurar o posto  de saúde mais próximo de onde mora , é propaganda enganosa ?

ao chegarmos no PA começaria o que seria um dia de horror, chegamos umas 2 e pouco da tarde, fomo sair umas 9 e cacetada da noite.


notem pela foto o caos que ta o PA, bem tive de coletar sangue de novo, pois ali o resultado saíria em 2 horas, no posto demora 2 dias, mas esta fila nunca andava.


esta moça ai tb com suspeita de dengue, chegou a desmaiar na fila, ai está sendo atendida pela enfermeira,  e ela veio de longe la do ÉDEN, pois é galera , estão mandando gente do ÉDEN pro PA zona oeste, então se vc mora em lugar afastado não fique doente.


ah e a enfermeira que ta atendendo a mocinha, não tem jeito com criança não, ela sabe dar injeção ou coletar de adulto, mas a criançada berrava na mão dela. 




a todo instante, gente batia na porta pra saber de seu exame, se tava pronto, ou se ia demorar, tanto que teve um cara que bateu a porta na cara de uma moça deixando-a revoltada, meu exame só sai as 8:59 da noite.



esta porta ai que está trancada, seria uma das saída do lugar, então se houver algo como que fica ?


bem com exame na ,mão, faltava passar pelo médico, mas como ja era noite, o plantão já havia sido trocado e NÃO TINHA MÉDICO, a coisa tava tensa no local, tanto que 4 guardas municipais , já se posicionaram num dos corredores, minha irmã teve de fazer um drama ali,que eu tava com febre alta coisa e tal, deixaram eu passar na frente de todos, pois logo surgiu uma médica.


bem como protesto, deixei este material num dos banheiros lá, a médica disse que teria de voltar e refazer os exames, hj fui no posto do meu bairro primeiro pois tb teria de ir pra uma reavaliação, como nada deu alterado e tudo normal, não acharam necessário voltar ao PA , amanhã devo ir novamente ao posto, até que seja contatado que tenho ou não dengue.

por isso estou aqui agora em casa escrevendo isso, senão estaria no PA , tirando mais fotos , mas vamos ver que bicho dá. 


mas a coisa da dengue ta feia no BRASIL todo pessoal, vamos tomar cuidado, a coisa ta feia, assim como eu, vc tb pode passar mal de-repente e ter de correr num PA da vida, e passar horas de horror.

médica é flagrada fazendo palavras cruzadas no hospital no DF,estava prevaricando ou estava de folga ?

Médica faz palavras cruzadas enquanto pacientes esperam por atendimento em hospital no DF 

Edgard Matsuki 

Do UOL, em Brasília 

Os pacientes que esperavam atendimento na manhã da última segunda-feira (18) no Hospital Regional de Planaltina (cidade a 40 km de Brasília) se deparavam com uma cena, no mínimo, curiosa. 


Uma das médicas que deveria fazer a triagem de quem chegava ao local estava se distraindo com palavras cruzadas. 


A cena foi filmada pela paciente Diana Gomes, que postou o vídeo na internet. 


Diana afirma que chegou ao local às 7h30 da manhã e só foi atendida às 10h30. 


Na vídeo de cerca de 2 minutos e meio, a médica fica ao lado do vigilante do local fazendo palavras cruzadas de um jornal. 


Não era possível ver outros pacientes, mas o barulho dava conta que havia muitas pessoas no local. 


De acordo com Diana, a médica ainda demorou dez minutos para começar a atender os pacientes. 


A autora do vídeo diz que a maior surpresa foi ser atendida justamente pela médica que estava jogando na hora do trabalho. 


“Eu pensava que era alguma enfermeira que estava com o vigilante”, diz. 


Ela foi ao local por que sofria de fortes dores abdominais. 


De acordo com ela, a médica lhe receitou soro e a mandou de volta para casa. 


O vídeo repercutiu em redes sociais e a Secretaria de Saúde do Distrito Federal lançou uma nota afirmando que naquela manhã foram atendidas mais de 100 pessoas no hospital, que no vídeo é o segurança que pede auxílio à médica e que a atividade não prejudicou o atendimento. 


Confira a nota na íntegra: 


Sobre o atendimento no Hospital Regional de Planaltina A Secretaria de Saúde do DF – SES/DF informa que na segunda-feira (18), três clínicos gerais, incluindo a médica que aparece no vídeo, estavam escalados na Emergência do Hospital Regional de Planaltina. Das 7h ao meio-dia, período em que essa médica estava em atendimento, na Emergência do HRPL, mais de 100 atendimentos foram realizados. No momento em que a médica aparece no vídeo, foi o instante em que o vigilante pede auxílio à médica, o que não interferiu no trabalho da mesma. 


De acordo com a coordenação do hospital, a médica (que não teve o nome revelado) não irá sofrer punições pelo ocorrido. 


Em um comentários do vídeo no Youtube, uma pessoa xinga a autora pelo vigilante ter perdido o emprego. 


Porém, a informação não foi confirmada pela coordenação do HRPL ou pela Secretaria de Saúde.( de acordo com comentários do youtube, precisa ver se a médica  não estava em um momento de folga, mas estranho que somente o vigilante tenha pago o pato com demissão.)