elemento que atirou em professora no JD HUNGARÊS, só agora tem sua cara mostrada

Mais fotos…

A Polícia Civil apresentou ontem, durante uma coletiva na Delegacia Seccional, o acusado de atirar na professora Elaine Aparecida Kerche de Menezes Goroy, 46, no último dia 27, em frente à Escola Municipal José Mendes, na rua Armando Rizzo, no Jardim Hungarês, para roubar seu carro. Ederson Ruiz Xavier, 31 anos, que tem antecedentes criminais por homicídio e roubos, estava preso desde o dia 29, após ser reconhecido em outros roubos de veículos com as mesmas características naquela região. A vítima se recupera bem, e teve alta médica ontem.

O delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), José Humberto Urban Filho, explicou que o esclarecimento da tentativa de latrocínio por suas equipes, se deu pela forma de trabalho que visa ampliar a área de onde o crime é cometido. Nesse caso específico, os investigadores levantaram os casos de roubos de veículos tipo SUV ocorridos na zona norte, identificando, junto às vítimas, que a maneira de agir, bem como a descrição física do assaltante coincidia. Além disso houve cruzamento de informações, indicando que a pessoa apontada como autor dos roubos de carros realizados em 2 de fevereiro no Jardim Santa Rosália, e em 24 de maio, inclusive em frente à mesma escola em que a professora foi baleada, era também moradora das imediações da tentativa de latrocínio.

A partir disso, com a identificação de Ederson, já conhecido nos meios policiais da cidade, sua prisão aconteceu dois dias depois de atirar contra Elaine, mediante mandado de busca e apreensão domiciliar e prisão temporária de 30 dias. Ele foi detido no Jardim Santa Cecília. O delegado Acácio Aparecido Leite, da DIG, que trabalhou diretamente nas investigações, disse que Ederson Ruiz foi reconhecido tanto pelas vítimas dos roubos dos carros como por uma professora que viu quando ele atirou em Elaine Goroy. A identificação foi favorecida também pela descrição dos aspectos físicos do suspeito: loiro de olhos claros. 

Também o delegado seccional Marcelo Carriel, destacou que a professora Elaine não foi submetida a reconhecimento do acusado por não haver autorização médica para isso, pois teme-se que um abalo emocional prejudique seu tratamento. Mas segundo informações passadas pelo titular da DIG, a professora Elaine vem tendo uma recuperação “considerada milagrosa”, pois mesmo tendo sido baleada na cabeça, não deverá ficar com sequelas.

Entretanto, apesar da tentativa de latrocínio estar esclarecida, as investigações agora continuam com o objetivo de saber o encaminhamento dado aos carros roubados, como por exemplo se eram encomendados por alguma quadrilha especializada em veículos. Os carros que Ederson havia roubado era um Ford Ecosport, levado da avenida Roberto Simonsen, no Jardim Santa Rosália, e o Hyunday Tucson, três dias antes da ocorrência envolvendo a professora. Ainda durante a coletiva, foram exibidos fragmentos do projétil que feriu Elaine, provavelmente calibre 38.

Ederson Ruiz Xavier já cumpriu pena de 6 anos acusado de matar, em 5 de setembro de 2005, em Sorocaba, Riago Alves Antunes, e também já cumpriu pena de 5 anos e 4 meses por roubo feito em outro município no ano de 2002. Ainda segundo o delegado Acácio, Ederson nega todos os roubos de carros bem como a tentativa de latrocínio. “A experiência nos ensina que ninguém confessa um crime dessa gravidade. É mais fácil obter confissão de um homicídio ocorrido com alguma motivação, do que num caso desses, que colocou outras pessoas em risco, como estudantes”, comentou o delegado.

Após o inquérito ser relatado será solicitado à Justiça mandado de prisão preventiva. Ederson foi levado para unidade transitória de São Roque.
 
O caso

A professora Elaine Aparecida Kerche de Menezes Goroy, 46, foi baleada às 18h45 do dia 27 do mês passado, quando deixava a Escola Municipal José Mendes, na rua Armando Rizzo, no Jardim Hungarês. Conforme o que foi apurado, ela se aproximava do carro, um Honda CR-V, quando então um homem, agora identificado como Éderson, se aproximou armado e exigiu as chaves do veículo. Elaine se assustou e teria tentado retornar para a escola, quando ele disparou, atingindo-a na cabeça.( pq demorar tanto tempo pra mostrar o elemento ? ta estranho isso ai, assim que prende, tem de mostrar, ah mas vai que não é e a pessoa fica manchada a toa ?

pra isso a policia ten de ter 100% certeza e vontade de realmente resolver, já que a professora não era de família importante da cidade.)

discussão entre homem e dono de pizzaria termina com menina baleada em APARECIDA DE GOIÂNIA

Menina é baleada ao tentar defender o pai, diz polícia em GO

Crime aconteceu na tarde deste sábado (27), em Aparecida de Goiânia 


Garota de 12 anos levou dois tiros e está internada em estado grave. 


Do G1 GO, com informações da TV Anhanguera 


Uma menina de 11 anos foi baleada, na tarde deste sábado (27), na Vila Alzira, em Aparecida de Goiânia. Segundo a polícia, ela tentou defender o pai durante uma briga com o dono de uma pizzaria, da qual ele é cliente. 


Imagens feitas por celular flagraram o momento dos disparos.


Nas imagens, é possível ver o momento em que o suspeito aponta a arma para o pai da garota, efetua três tiros e, em seguida, foge em um carro prata. 


Os disparos atingiram a menina na perna e na cabeça. 


A menina foi socorrida e levada para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). 


Ela passou por cirurgia e segue internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em estado grave. 


No momento do crime, o pai, que estava com as duas filhas, encontrou o funcionário de uma pizzaria com quem teve um desentendimento. 


Segundo a mais velha, uma adolescente de 14 anos, o problema entre os dois homens começou há dois meses, durante uma ida da família à pizzaria. 


Nesta tarde, os dois teriam começado a discutir e a menina tentou separar a briga. 


“Ela falou assim: ‘moço, por favor, abaixa essa arma. Aí ele falou assim: ‘Vocês não vão sair da frente não’, mas nós não saímos e ela ficou abraçada nele”, relatou a irmã. ( quer dizer que imagem de câmera não é flagrante ? é preciso a policia ter chego naquela hora ai seria flagrante ? 

legitima defesa ? quem tava apenas armado era o dono da pizzaria, que poderia ter guardado sua arma, alias nem deveria ter discutido,quando um não quer…

pura desinteligência, e ainda tem que defenda arma pra qualquer um , o cara tinha arma pra se defender de assaltante, mas usou contra uma criança.)

caso ADRIELLY, médico faltava ao plantão a 5 anos ?

A Polícia Civil constatou nesta sexta-feira (11) que o neurocirurgião Adão Crespo dos Santos não comparecia ao trabalho no hospital Salgado Filho, no Rio de Janeiro, há cinco anos, mas continuava recebendo salário. Crespo estava na escala de plantão da noite de Natal, em que a menina Adrielly dos Santos Vieira, de 10 anos, foi baleada na cabeça e teve que esperar por oito horas para ser operada, uma vez que o médico não apareceu no hospital. Ela morreu alguns dias depois .

Maíra Coelho / Agência O Dia

Médico Adão Crespo dos Santos é acusado pela família de omissão de socorro 
A Secretaria de Saúde do Rio afastou preventivamente nesta sexta-feira, o chefe de plantão do Hospital Salgado Filho, Enio Lopes, e o chefe do departamento de recursos humanos, Alexandre Carvalho. Enio Lopes era o chefe do Plantão na noite de Natal.
Ainda nesta sexta, a Delegacia Fazendária ouviu oito médicos que estavam de platão na noite de Natal. A polícia quer saber que funcionários ajudavam o neurocirurgião Adão Crespo a burlar a folha de ponto do hospital.
Indiciamento
A delegada Izabela Rodrigues Santoni, da Delegacia Fazendária, esteve no Hospital Salgado Filho nesta quinta-feira e após verificar as folhas de ponto da unidade, decidiu que vai indiciar o neurocirurgião Adão Crespo por estelionato contra a administração pública e falsidade ideológica.
A delegada constatou que o médico, durante todo o mês de novembro, faltou ao trabalho, porém assinou a folha de ponto com apenas uma falta neste período. A delegada vai ouvir agora o chefe da emergência do hospital, que não comunicou as faltas do neurocirurgião lançadas no livro de ocorrências à direção do hospital, como deveria ter feito.
Agência O Dia

Menina de 10 anos foi baleada na cabeça durante noite de Natal
Na última terça-feira, o delegado títular da 23ª DP (Méier), Luiz Archimedes, que investiga o caso afirmou que vai indiciar o neurocirurgião por omissão de socorro .
A morte
menina Adrielly morreu na tarde da sexta-feira da semana passada , no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. Adrielly teve morte cerebral confirmada no domingo anterior.
Adrielly deu entrada no dia 26 de dezembro em estado grave na unidade, após ser transferida do Salgado Filho, no Méier, onde esperou oito horas para ser operada. Ela será enterrada neste sábado, em horário ainda não definido, no Cemitério de Inhaúma, na zona norte.
A criança havia sido atingida por uma bala perdida na comunidade Urubuzinho, em Pilares, Zona Norte do Rio, e ficou no hospital sem atendimento na noite do Natal.
O neurocirgurgião Adão Crespo Gonçalves, que estava de plantão na ocasião, faltou ao trabalho 
( e só agora descobriram isso ? precisou morrer alguém pra isso tudo vir a tona ?
o hospital deu uma de LULA, não sei de nada, não via nada )