briga de travestis, a narração é imperdível kkkkkkkkkk

Anúncios

imagens da morte da funkeira podem não servir de prova contra o assassino

new caption

O vídeo que mostra o assassinato da dançarina de funk Amanda Bueno, de 29 anos, pode não servir como prova contra o acusado pelo crime, o dono de vans Milton Severiano Vieira, de 32 anos, noivo da vítima. A gravação já está em poder da polícia, mas, segundo o advogado Hugo Assumpção, que defende o acusado, as imagens foram obtidas de forma inapropriada e vazadas irregularmente na internet, o que desqualifica o material como prova no processo.

Imagens do sistema de segurança instalado na casa onde o casal morava, em Nova Iguaçu, cidade na Baixada Fluminense, mostram Amanda sendo agredida pelo companheiro, na tarde de quinta-feira, 16. A defesa do acusado pelo assassinato diz que fará em momento oportuno o pedido para que a Justiça desqualifique o vídeo como prova contra Vieira.

“O vídeo não vai poder ser usado, porque foi uma prova obtida de forma ilegal. Invadiram a casa dele e roubaram o vídeo antes que a polícia chegasse”, justificou Assumpção. 

Segundo o delegado Fábio Salvadoretti, diretor da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense da Polícia Civil, a equipe de investigadores recolheu os vídeos à noite, ao chegar ao local. Coincidentemente, funcionários da empresa de monitoramento estavam no local, pois tinham ido fazer a manutenção no sistema que Vieira mandara instalar três dias antes. “Tivemos uma facilidade porque os funcionários estavam lá”, declarou Salvadoretti, ressaltando que já havia outras pessoas na cena do crime e que o vídeo pode ter vazado de várias formas no dia seguinte, sexta-feira, 17.

O dono de vans foi indiciado por feminicídio, assassinato cometido contra mulheres em razão do gênero ou em decorrência de violência doméstica. Preso desde sexta-feira, ele foi transferido neste sábado, 18 para a penitenciária de Bangu 10, no Complexo de Gericinó, na zona oeste do Rio.

O assassinato de Amanda Bueno, ex-dançarina dos grupos de funk Gaiola das Popozudas e Jaula das Gostozudas, causou comoção nas redes sociais, onde foram postadas fotos do corpo da vítima e as imagens do sistema de segurança da casa de Vieira. Na gravação, Amanda e Vieira discutem, até que o noivo começa a agredir a dançarina. Vieira derruba Amanda no chão, bate com a cabeça da vítima e a golpeia várias vezes com uma pistola. Depois de deixá-la desmaiada, ele pega uma escopeta calibre 12 e ainda dispara cinco vezes contra a cabeça da mulher.

A polícia investiga se Vieira é ligado à milícia que atua na região e controla o transporte de vans. Segundo o advogado do acusado, todas as armas que ele possuía em casa eram registradas. Assumpção também afirmou que o dono de vans não participa de nenhuma milícia. 

Após o crime, Vieira roubou o carro do dono da firma de instalação do sistema de segurança, que tinha parado em frente à sua casa para fazer uma checagem no equipamento instalado dias antes. O acusado foi preso após capotar na Rodovia Presidente Dutra, que liga o Rio a São Paulo.

Vieira estava com a pistola e a escopeta usadas no crime, outras duas pistolas e um revólver. Ele tinha porte de armas intramuros, que só permite o uso dentro de casa.

(se as imagens foram roubadas e divulgas quem fez isso com certeza queria que o cara fosse preso e condenado, pra então assumir o negócio das vãs, pode ser um concorrente que queria o MILTON fora, ode ser isso não pode ?

fez isso pois algum policial corrupto amigo do MILTON poderia sumir com as imagens, são suposições minha mas pode ser verdade.

e o tal feminicídio pode realmente não ser suficiente pra manter o cara preso pelos próximos 30 anos, ta vendo ? não adianta privilegiar determinados grupos com leis específicas, mulheres tem o MARIA DA PENHA tb, os homossexuais lei específica de homofobia, mas não ta adiantando nada, leis demais, e brechas demais que advogados ladinos encontram, e tem a corrupção tb, o MILTON é um arquivo vivo, se for miliciano mesmo, sabe dos podres de muitos.)

mais um curintiano é identificado na braiga em BRASÍLIA, é o terceiro

 Torcedores do Corinthians envolvidos na briga (Fotos de Cleber Mendes/LANCE!Press e AFP)
Torcedor do Corinthians que estava preso em Oruro se envolveu na briga em Brasília (Fotos de Cleber Mendes/LANCE!Press e AFP)

Mais um dos 12 torcedores que passaram cinco meses e meio presos em Oruro (BOL) participou da briga entre membros de facções das torcidas de Corinthians e Vasco, dentro do Mané Garrincha, em Brasília, no último domingo. O terceiro identificado é Fabio Neves Domingos, o Dumemo, integrante da Pavilhão Nove. 

A análise foi feita por peritos criminais do DF, aposentados e atuantes nas áreas de perícia judicial e particular da Associação Brasiliense de Peritos em Criminalística (ABPC), baseada em quatro fotos enviadas pelo LANCE!Net. 

“Como resultado do exame de comparação de estruturas, proporções e características faciais individualizadoras, conclui-se que o indivíduo que aparece de frente na imagem ‘C’ (na arquibancada do Mané Garrincha), sem camisa, com corrente no pescoço, com tatuagem no peito e usando óculos na cabeça é a mesma pessoa que aparece nas imagens padrões (‘A’, ‘B’ e ‘D’).”, concluem Orlando Júnior e João Braz Neto, ex-presidentes da ABPC.

E MAIS:
> Ministério Público pede nova multa à Gaviões e solicitará sua dissolução
> Em nota, Gaviões critica segurança em estádio: ‘Pareceu premeditado’
> Vereador flagrado em briga: ‘Quem nunca brigou que atire a primeira pedra’

Os dois primeiros ex-presos de Oruro – identificados pelo jornal “O Estado de S. Paulo” – na briga de Brasília foram Leandro Silva de Oliveira, o Soldado, e Cleuter Barreto Barros, o Manaus, ambos da Gaviões da Fiel. Eles, além do vereador de Francisco Morato Raimundo Cesar Faustino (PT), descoberto pelo LANCE!Net, estão proibidos de entrar nos estádios do estado de São Paulo por 90 dias pela Federação Paulista de Futebol e estão sendo indiciados pela Polícia Civil do DF, enquadrados no artigo 41-B do Estatuto do Torcedor. Se condenados, podem ficar três anos proibidos de entrar em estádios do país e ter de se apresentar em local determinado pela Justiça duas horas antes dos jogos do Corinthians e sair duas horas depois.

Em fevereiro, Domingos, Oliveira e Barros foram presos na Bolívia, acusados de participação na morte do boliviano Kevin Espada, aos 14 anos, atingido por um sinalizador, durante o jogo San Jose 1 x 1, pela Libertadores deste ano, mas soltos no início de agosto por falta de provas.

( do jeito que ta será que todos os 12 estavam na briga em BRASÍLIA ? só falta.)

dois curintianos que estiveram presos na BOLÍVIA, participam de briga entre CURINTIA E VASCO em BRASÓLIA.

 

O corintiano Cleuter Barretos Barros, sócio da torcida Gaviões da Fiel, que esteve preso na Bolívia acusado pela morte do jovem Kevin Espada foi o segundo identificado na briga entre torcedores do Corinthians e do Vasco no último domingo (25), no Estádio Mané Garrincha, em Brasília.

A edição do jornal O Estado de S.Paulo desta quarta-feira (28) publicou análise realizada por peritos nas imagens da confusão no DF e comparou com imagens do torcedor na prisão, em Oruro. O estudo foi feito pela ABPC (Associação Brasiliense de Peritos em Criminalística).

“Considerando as convergências encontradas nos exames quanto às características consideradas individualizadoras da face e a inobservância de divergências classificadas como incompatíveis, conclui-se que as imagens padrão referentes a Cleuter correspondem à mesma pessoa que aparece nas imagens da briga vestindo agasalho de cor cinza, tendo os dizeres “NEW YORK” na parte frontal”, diz o trecho da análise publicado pelo jornal.

De acordo com o Estado, Cleuter Barros é conhecido como “Manaus” na Gaviões da Fiel, por causa de sua cidade de origem. Líder da torcida na capital do Amazonas, o torcedor foi a São Paulo para participar da organização do desfile da escola de samba da Gaviões no Carnaval e passou a dormir na sede da torcida.

Nas imagens, prossegue a reportagem, é possível ver que Barros foi um dos primeiros a partir para o confronto com os torcedores do Vasco e ficou o tempo todo no meio da confusão, que aconteceu no intervalo e necessitou da ação de policiais com spray de pimenta e cassetetes para conter a briga.

Barros chegou a ser apontado na Bolívia como o autor do disparo de sinalizador que matou Kevin Espada em fevereiro deste ano, na partida do Corinthians contra o San José, pela Copa Libertadores. Com ele, foram encontrados três sinalizadores, sendo que um deles idêntico ao que atingiu o garoto boliviano. O corintiano passou cinco meses e meio na cadeia e foi solto por falta de provas.

O primeiro torcedor que estava preso em Oruro e acabou identificado na briga no Mané Garrincha foi Leandro Silva de Oliveira. O jornal Lance! também identificou um vereador de Francisco Morato, Raimundo César Faustino (PT), conhecido como Capá, como um dos participantes da confusão.  ( 5 meses na cadeia , não foram suficientes pra  estes dois né ?

 
la na BOLÍVIA, falaram que estavam sequestrados, que choraram inocência etc e agora isso, soltos de volta ao futebol, aprontam isso .
 
podem ser inocentes no caso do KEVIN ESPADA , mas agóra não tem o que alegar,  ou vão dizer que estavam se defendendo de ataques vascaínos ? as imagens mostram que eles invadiram o espaço destinado aos torcedores do VASCO para brigar, afinal não tinha divisória.
 
já passou do tempo de darem uma lição de vez nestes baderneiros .
 
Cleuter aparece na imagem à esquerda, de jaqueta cinza com a estampa "NEW YORK"