policiais despreparados abusam de caçadores de pokemons em CUIABÁ

Dois amigos que jogavam ‘Pokémon Go’ no celular foram detidos por dois policiais civis na madrugada de terça-feira (9), em Cuiabá. Um vídeo gravado por um dos policiais e postado na rede social do agente mostra a cena, ocorrida em frente a uma delegacia da Polícia Civil, no Bairro Jardim das Américas. A família de um dos jovens de 19 anos registrou um boletim de ocorrência nesta quarta-feira (10), denunciando o suposto abuso de autoridade dos policiais que atuaram na ação. A Polícia Civil informou que o caso será investigado.

Nas imagens, os jovens aparecem deitados no chão enquanto são revistados pelos policiais. Um deles pergunta se os jovens “querem morrer” perambulando pelas ruas naquele horário. “Dois veadinhos catando pokémon de madrugada”, diz um dos policiais durante a ação.

De acordo com Polícia Civil, a Corregedoria recebeu uma cópia do vídeo e deve instaurar um inquérito para apurar o caso. A polícia informou ainda que a abordagem foi feita em frente à Gerência de Combate ao Crime Organizado da capital.

A socióloga Imar Domingues Queiroz, mãe de um dos jovens que aparece no vídeo, afirmou que a atitude mostrou o despreparo dos policiais. “Eles [jovens] não estavam cometendo nenhum crime e os policiais agiram com abuso de poder e de autoridade. A abordagem dos policiais agrediu o direito de ir e vir do cidadão”, argumentou.

  •  
Ele e o amigo se sentiram amedrontados e humilhados”
Imar Domingues Queiroz, socióloga e mãe de um dos jovens

Segundo Imar, o filho dela é estudante do ensino médio e estava em casa com o amigo. Os dois saíram do prédio para ‘caçar’ pokémons por volta de 1h [horário de Mato Grosso]. A socióloga, que é professora do departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), disse que só ficou sabendo do fato no dia seguinte.

“Ele só me contou porque o vídeo começou a circular e os amigos estavam perguntando se era ele mesmo e o que tinha acontecido”, disse Imar. Ainda segundo ela, o filho contou que ele e o amigo chegaram a ser agredidos e que os policiais dispararam tiros durante a abordagem. “Ele e o amigo se sentiram amedrontados e humilhados. É possível até ver isso na feição deles”, completou.

Imar trabalha com grupos voltados aos direitos humanos. Ela criticou a forma com que os jovens foram abordados. “Ainda que eles fossem criminosos teriam que ser punidos em determinadas condições, porque não vivemos mais em um estado de barbárie”, argumentou.

A professora avalia ainda que o comportamento dos policiais foi homofóbico. “Meu filho não é gay, mas, ainda que fosse, teria o direito de ser respeitado e ter seus direitos garantidos”, afirmou.

À família, os jovens relataram que não conseguiram ver os rostos dos policiais porque estavam deitados no chão.

Publicação da PM alerta jogadores para riscos à segurança durante 'caçada' (Foto: Divulgação/Polícia Militar)Publicação da PM alerta jogadores para riscos à segurança durante ‘caçada’ (Foto: Divulgação/Polícia Militar)

Alerta da PM
O 1º Comando da Polícia Militar emitiu nesta quinta-feira (10) um alerta aos ‘caçadores’ de pokémon de Cuiabá. O aviso foi publicado nas redes sociais e alega que os jogadores devem estar alertas para criminosos que podem usarem o aplicativo para atrair e praticar delitos contra os usuários do aplicativo.

“Não perca sua atenção com o jogo. Lembre-se: criminosos preferem vítimas distraídas. Não entre em todos os locais [para caçar Pokemón], você poderá invadir uma propriedade privada ou ser atraído por um criminoso”, diz o alerta.

O maior alerta é para que os jogadores não entrem em locais suspeitos enquanto estiverem jogando. De acordo com a major da PM Emirella Martins, o aplicativo pode colocar as crianças, principais usuários do aplicativo, em situações de risco. “A situação [em relação à segurança] no Brasil é diferente de outros países. E os usuários podem ser vítimas por estarem distraídos”, disse.

( olha todos erraram : 1 da manhã não é hora de caçar pokemons, se de dia ta perigoso , imagine na madrugada, os policias ( se é que se pode chamá-los assim) erraram mais ainda .

veadinho, cabeludo, pois é policial safado é isso e pq é civil ,imagina se fosse militar  então ?, só queria saber quem postou o vídeo, policial faz vídeo e divulga ? acharam que não vai dar em nada ? e com certeza podem perder a farda, os jovens que fiquem atento, pois eles não contam mais com a bosta não, se forem pra rua.)

cuiabano tenta apagar a tocha, não deve ter conseguido, que pena, vamos lá BRASIL.

Cuiabano tenta apagar tocha olímpica com balde d’água durante revezamento; vídeo
Um cuiabano tentou apagar a tocha olímpica durante o revezamento que aconteceu na última quinta-feira (24), pelas ruas de Cuiabá e Várzea Grande. Um vídeo mostra o momento em que a pessoa – não identificada – tentou jogar um balde d’água no símbolo olímpico. As imagens não mostram se, de fato, ele teve sucesso.
As imagens mostram o comboio da tocha olímpica passando por uma das vias de Cuiabá, quando de repente um jato d’água cai pelo local em que o objeto estava passando. A água teria sido jogada de um balde, de cima de um prédio. A pessoa responsável pelo ato não foi identificada.

CIRO GOMES, SALVADOR E CUIABÁ, os caos da copa em 3 partes

 

CIRO GOMES HUMILHA MULHER QUE PERGUNTA O PQ DE INVESTIR EM COPA E NÃO EM SAÚDE ?

Obra em Cuiabá na avenida do hotel da delegação da Fifa; trecho não ficará pronto para a Copa

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/05/1453485-turista-quer-festa-nao-viaduto-diz-secretario-de-mt.shtml 

CUIABÁ não ficará pronta pra copa, secretário diz que turista prefere festa do que obras.

 

prato do governo e do povinho

 

 http://www.folhapolitica.org/2014/05/metro-de-salvador-so-podera-ser-usado.html

população de SALVADOR , só poderá usar o novo metrô da cidade em dias de jogos, somente se tiver ingresso para os jogos.

( TOMA POVINHO VCS GOSTAM NÉ ?)

supermercado EXTRA vende carne maquiada a consumidores , se liguem ai.

vai comprar carne embalada ? olha ai amigo, se liga

Uma unidade do supermercado Extra em Cuiabá (MT), rede pertencente ao Grupo Pão de Açúcar, está sendo acusado de “maquiar” as carnes vendidas em bandejas de isopor. O professor universitário Haroldo Arruda Junior postou um vídeo no Facebook onde mostra que a carne de melhor qualidade é posicionada por cima, enquanto o resto do conteúdo da embalagem é composto de retalhos gordurosos.

O vídeo, de um minuto e meio, conta com mais de 8,5 mil compartilhamentos e 140 comentários. O professor alega ter comprado tiras de filé de alcatra, que custou aproximadamente 25 reais o quilo, para o preparo de estrogonofe. Mas ao abrir uma das embalagens, descobriu que apenas a parte visível era de boa qualidade. Logo depois gravou o vídeo abrindo a segunda embalagem, e comprovou o fato. Veja abaixo:
 
A redação do Administradores.com entrou em contato com a assessoria de imprensa local do Grupo Pão de Açúcar, que ficou de enviar um posicionamento sobre o assunto. Na postagem, Haroldo prometeu acionar o Procon do estado do Mato Grosso para denunciar o Extra.
 
Há duas semanas, em Mato Grosso do Sul, um funcionário da rede de supermercados foi acusado de racismo por um cliente negro — “por isso que não gosto de brasileiro, tampouco de preto”, teria dito um empregado. Segundo o G1, ao ser agredido, Germano Rodrigues Lima, de 51 anos, chamou o gerente do supermercado, e o atendente reiterou as palavras. Germano registrou um boletim de ocorrência na polícia. Na ocasião, a assessoria de imprensa do Extra lamentou o caso e disse que o fato foi isolado e que as providências necessárias já haviam sido tomadas.
 
Atualização 28.2.2014, às 9h27min
 
Em resposta ao caso, a assessoria do Extra informou que já entrou em contato com o cliente para efetuar a troca do produto, e que o ocorrido “não condiz com o padrão exigido pela companhia”. Confira abaixo a nota da rede.
 
Cuiabá, MT – 28 de fevereiro de 2014 – O Extra pauta suas ações no total respeito aos seus clientes e possui rigorosos procedimentos para garantir a qualidade dos produtos comercializados em suas lojas. A rede esclarece que o fato não condiz com o padrão exigido pela companhia. Por isso, está analisando o ocorrido e tomando todas as providencias necessárias para o que fato não volte a ocorrer. A loja informa ainda que, tão logo tomou ciência do fato, entrou em contato com o cliente para que seja realizada a troca do produto. A rede permanece à disposição.
 ( mas o supermercado é quem embala a carne não é ? , então…)