PM despreparado atira rapaz na casa noturna em CURITIBA

Imagens das câmeras de segurança da casa noturna Shed Western Bar, em Curitiba, mostram o momento em que um policial militar atira contra um jovem de 19 anos, em meio a uma briga. O vídeo mostra que o suspeito aponta a arma para a vítima, que caminha na direção dele, e atira na barriga. Após o disparo, a vítima corre para fora do estabelecimento, sendo perseguida pelo atirador, que ainda o chuta pelas costas. 

O incidente ocorreu na madrugada do último domingo (12), e o policial militar foi preso em flagrante. A vítima foi encaminhada ao hospital em estado grave e passou por cirurgia na UTI, onde permaneceu até sexta-feira (17). De acordo com o Hospital Cajuru, ele foi transferido para um quarto, com quadro de saúde estável.

Conforme a Polícia Civil, as imagens das câmeras de segurança estão sendo analisadas pelo Instituto de Criminalística, que deverá emitir um laudo pericial sobre o caso.

Apesar de o vídeo mostrar o suspeito atirando na barriga do jovem, a polícia informou que o prontuário médico feito após o primeiro atendimento apontava que o tiro havia sido dado pelas costas. Não há previsão para a conclusão do inquérito, ainda segundo a Polícia Civil.

A Polícia Militar também investiga o caso, já que a arma utilizada pelo policial era de propriedade da corporação. O suspeito foi afastado, e pode ser expulso, dependendo do resultado das investigações. Ele responde em liberdade provisória.

Em nota divulgada na data do acidente, a Shed Western Bar lamentou o ocorrido. O G1 procurou o estabelecimento novamente neste domingo (19), mas não obteve retorno.

( o cara já tem o stress no dia a dia na rua e ainda vai fazer bico ? te de de dar merda mesmo, bastaria um tiro na perna do baderneiro e pronto, ou a casa noturna não tinha outros seguranças pra segurar o cara ? 

e alem de atirar, chuta o cara já caído , com traficante barra pesada ele faz isso tb ? )

bêbada dorme em carro no meio da avenida e ainda quer ter razão

Uma jovem dormiu dentro do veículo que dirigia, depois de parar em cruzamento, na cidade de Curitiba, na manhã desta quinta-feira (17).

O carro ficou em meio à Avenida Getúlio Vargas, no Bairro Rebouças e atrapalhava o fluxo de veículos. No EcoSport estava uma jovem loira que acabou acordada por uma equipe de jornalismo do Programa 190.

Na entrevista a jovem aparentava estar embriagada e ainda tentou agredir o jornalista. A Polícia Militar foi chamada, mas como a mulher foi flagrada dormindo e não dirigindo ela acabou orientada e liberada. ( e se ela batesse o carro, atropelasse alguém ? ai iria querer agredir , policia, delegado, juiz, o mundo ?  sem noção é nisso que dá)

caso TAYNÁ, policiais são indiciados por tortura .

Justiça transforma em réus policiais denunciados por tortura no caso Tayná

Tayná desapareceu em 25 de junho, após avisar a mãe que estava voltando para casa Tayná desapareceu em 25 de junho, após avisar a mãe que estava voltando para casa 

A Justiça de Colombo (região metropolitana de Curitiba) aceitou denúncia contra 15 das 19 pessoas denunciadas pelo MPE (Ministério Público Estadual) por torturar os suspeitos de estuprar e matar a adolescente Tayná Adriane da Silva, 14, encontrada morta em 28 de junho passado. 


A decisão, que transforma 15 policiais em réus, foi tomada na semana passada, mas só veio a público nesta terça-feira (13). 


São réus por crime de tortura o delegado Silvan Rodnei Pereira, os policiais civis Haggi Micheletti Abdul, Lucas Branquinho Garcia, Ronaldo Foggiatto, Thalles Pedro Kuroski, Luiz Augusto Pereira da Silva, Rudis Elói Pratto, Silas Gilmar Ferreira, Wesley Müller, Luís Felipe Jogaib e José Paulo de Freitas e Silva, além do soldado da PM Juarez da Silva Santos e do PM aposentado Maílton Laureano. 


Os policiais civis Jair Paulino da Silva e Alexsandro Germano são réus por tortura e crime contra a dignidade sexual. 


O agente carcerário Hemderk Adisson Mendes também irá responder à Justiça por lesão corporal grave, e uma escrivã será julgada por falso testemunho. 


De acordo com a denúncia aceita pela Justiça, todos trabalhavam ou participaram de sessões de tortura na delegacia do Alto Maracanã, em Colombo, onde foram presos os quatro suspeitos de matar Tayná. 


Por “questões técnicas”, segundo o MPE, a Justiça recusou denúncia contra outros cinco denunciados porque eles estão fora dos limites de atuação da comarca de Colombo. 


Trata-se de policiais civis e guardas municipais que trabalham em Araucária, também na região metropolitana de Curitiba. ( este é o BRASIL da idade média, ainda tentam resolver casos assim, tortura ameaças, confessa senão vamos por droga na casa da sua família.

lembram do caso bar bodega  por ex ?  http://pt.wikipedia.org/wiki/Caso_Bodega

tentaram resolver esta caso acusando moradores de uma favela pelo crime, se não fosse um promotor desconfiar do caso leiam tudo no link.

e pelo jeito o caso da TAYNÁ ai hum……. ??? 

barraco entre passageira x cobrador em CURITIBA

vejam abaixo o que disse o cobrador que filmou , este é a versão dele,o que vcs acham ?

ola, galera.. o fato começou quando eu pedi para a Sr.a mostrar a foto do cartão de isento, que aparentemente não era dela, pois ela parecia muito saudável e não tinha nenhuma deficiência aparente ou mais de 65 anos, pois se eu deixar de cumprir essa obrigação e o cartão tiver queixa de furto ou roubo eu acabo pagando muita ou sendo punido, quando eu pedi para mostrar a foto ela se recusou e ja começou a bater boca comigo, quando eu percebi que a mesma esta ao tel. ligando para reclamar no 156. e dizendo coisas que não avia acontecido eu comecei a gravar. pois ja tinha passado por situações parecidas.

EU NÃO AGREDI FISICAMENTE. depois que ela forçou a porta e atendou entrar na guarita me tando socos, eu aproveitei que a mesma se desequilibrou e caiu ao chão para sair da guarita, gritei SIM pois quero ver um HUMANO que apanha e consegui ficar quieto. eu procurei manter distancia dela.. em quando a criança eu também tenho do mais se ela que e mãe não se importou se não seria eu que iria cuidar pois ja tinha acontecido situação… ME DESCULPEM MAIS ANTES DE SER COBRADOR SOU HUMANO E MEREÇO RESPEITO..

caso TAYNÁ ADRIANE DA SILVA, não foi achado sêmen dos suspeitos no corpo dela.

Tayná Adriane da Silva, 14: polícia ainda não sabe se libertará suspeitos

Tayná Adriane da Silva, 14: polícia ainda não sabe se libertará suspeitos

O sêmen encontrado nas roupas da adolescente Tayná Adriane da Silva, 14, encontrada morta no último dia 28 em Colombo, região metropolitana de Curitiba, não é de nenhum dos quatro suspeitos presos, informou nesta terça-feira (9) a Secretaria de Segurança Pública do Paraná.

Segundo a polícia, eles teriam confessado que estupraram e mataram a garota. Os quatro participaram, inclusive, das buscas pelo corpo da garota. Os suspeitos são funcionários de um parque de diversões instalado na cidade –que foi queimado por moradores, revoltados com o caso, após a divulgação da prisão dos suspeitos.

A cúpula da Segurança Pública não informou se os quatros serão, agora inocentados, ou se permanecerão presos.

Cid Vasques, secretário de Segurança Pública, está reunido, na manhã desta terça, com os delegados Agenor Salgado, chefe da Divisão Metropolitana da Polícia Civil, Fabio Amaro, responsável pela investigação, e Silvan Pereira, que prendeu os suspeitos e afirmou que eles confessaram o crime. O MP (Ministério Público) também participa da reunião.

Ao chegar à reunião, Salgado disse que pode ter havido “erro da polícia”, mas disse acreditar no envolvimento dos suspeitos.

Também participa da reunião a perita Jussara Joeckel, do IC (Instituto de Criminalística), responsável pela análise do local onde o corpo de Tayná foi encontrado. Na semana passada, ela já dissera que não havia sinais de estupro, pela maneira como a garota estava vestida.

A afirmação foi desautorizada por Amaro, que, na sexta-feira (5), reafirmou convicção na culpa dos suspeitos e que eles haviam confessado os crimes. Na chegada à reunião, Jussara reafirmou que não vê indícios de abuso sexual.

“Não há marcas de estupro ou abuso, nem fissuras”, falou, a jornalistas presentes ao local. No entanto, ela afirmou que havia sêmen nas roupas da menina.

Apesar disso, e a partir de alegados depoimentos dos suspeitos, os delegados chegaram a revelar à imprensa detalhes de como os estupros teriam sido cometidos.( isso pode ser resultado de má investigação, ou intenção de acusar mesmo a qualquer custo só pra resolver logo o caso, afinal os quatro são pobres.

sob ameaça de colocarem drogas na casa da esposa ou de parentes e pau de arara, qualquer um confessa , pode ser isso não ? o jeito é uma investigação mais detalhada e completa, mas a policia da cidade já está comprometida, então de haver investigação de outras áreas.)

policiais agridem jovem de 18 anos em CURITIBA, foram 4 contra uma.

Uma menina de 18 anos foi agredida por policiais militares antes da partida do Coritiba contra o Vasco da Gama no último sábado (17), em Curitiba. Parte da agressão foi filmada por outra torcedora que participava da escolta realizada pela PM até o estádio Couto Pereira, e as imagens mostram um policial batendo a cabeça da vítima contra um portão de ferro.
“Foi bem constrangedor”, resumiu a estudante de administração Ana Paula Lima. Ela conta que a atitude violenta dos policiais começou ainda na Praça Santos Andrade, após um evento organizado chamado de “Caminhada pela paz”, e horas antes da partida de futebol. “Nós juntamos torcedores e resolvemos fazer uma caminhada pacífica em homenagem a colegas que faleceram recentemente”, disse em entrevista ao G1.
Também presente no local, a fotógrafa Ana Paula Ribeiro confirmou a versão da vítima. “Chegou uma viatura da polícia mandando o pessoal calar a boca, que lugar de cantar é no estádio. A galera obedeceu, ficou quieta reunida ali na praça. Sem tumulto algum, nenhuma algazarra, tinha até crianças de colo”, relatou. Ambas relatam que na sequência os policiais mandaram os participantes se encaminharem ao Couto Pereira.
De acordo com as duas torcedoras, as agressões começaram neste momento. “Eles chutavam pessoas que iam devagar e percebi que eles não estavam gostando da presença de câmeras, por isso desliguei a minha”, disse Ribeiro. Ana Paula Lima, contudo, disse que preferiu não desligar o celular dela, e reiterou que filmou algumas destas agressões. “Eu desliguei, mas andei mais um pouco, liguei e continuei filmando. Quando eles viraram para trás e me viram, disseram que teriam que quebrar meu celular”, lembrou a vítima.
Eles continuaram me batendo, mais umas cinco ou seis vezes. Ameaçavam me levar presa”
Ana Paula Lima, vítima das agressões
Segundo Lima, foi neste momento em que os policiais partiram para cima dela e outra amiga começou a filmar. “Eles me pediram para apagar imagens, eu disse que não ia, porque não tinha nada de errado em filmar. Então eles tentaram tirar da minha mão e vieram em dois para cima de mim. Um deles pegou meu braço e pôs para trás, de forma que eu fiquei com uma mão livre apenas. Então decidi colocar o celular dentro da minha calça”, denunciou Lima.
O vídeo ainda mostra outro policial retirando do local a torcedora que filmou a agressão, e não há registros de imagens do que acontece na sequência. “Eles continuaram me batendo, mais umas cinco ou seis vezes. Ameaçavam me levar presa, eu perguntava um motivo para me levarem, e diziam que eu estava desobedecendo ordem policial. Mas com esse tipo de ordem eu não concordo”, questionou a vítima. Ela conta que o celular continuou gravando o áudio das agressões de dentro da roupa, mas que ela não pretende divulgar o material por conta do constrangimento.
“Se ainda tivesse sido feito na frente de todo mundo, eu saberia que não iam acontecer abusos, mas eles me levaram para um canto, eu não via a torcida, a torcida não me via. Eu me senti muito constrangida, além de ficar nervosa com a situação”, narrou Lima sobre o ocorrido. Ela disse que irá levar o caso à polícia na terça-feira (20), mas ainda não sabe que desdobramentos a história terá. “O pessoal da torcida agilizou advogados para me auxiliar, mas não tenho nem noção do que fazer ainda”, revelou.
Nota oficial
A Polícia Militar se manifestou sobre o caso através de nota oficial nesta segunda-feira (19), afirmando que irá abrir um procedimento administrativo para esclarecer os fatos. Confira na íntegra:
O vídeo já chegou ao conhecimento do Comando do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), o qual está determinou a abertura de um procedimento administrativo para apurar o que realmente houve. E caso fique comprovado que os policiais agiram irregularmente, eles serão punidos conforme prevê a Lei.
 
O Comando do BOPE também esclarece que não compactua com nenhum tipo de atitude que vá de encontro a todo e qualquer direito dos cidadãos, mas por “estarmos em um estado democrático de direito, e respeitando os dispositivos constitucionais, os policiais têm direito a ampla defesa e ao contraditório”.
 
O Comando do BOPE reitera que tem sido enfático em relação aos direitos dos cidadãos, mas somente será sabido o que realmente aconteceu ao término do procedimento instaurado.( pois é né ? não tem guerra lá como SP E SC, então da pra fazer isso ai.
baderna ou não o policial é pago por toda população, seja por esta que filmou e pela moça agredida, claro que se fosse filha de rico, os envolvidos já estariam detidos, presos e expulsos da corporação.
se houve baderna, como cara ai alega, pq ele não observou bem quem era ? pegou a moça de bode expiatório, será ?, notem que nas imagens aparecem 4 policiais contra uma jovem, em um canto escondido das demais pessoas, apenas uma outra filmando.

se houve quebra quebra, pq levar a moça pra um canto, pq apenas ela foi detida ?)