abertura da copa, 18 milhões jogados no ralo.

Foto: Curta TV Revolta

Segundo o “Estado de S. Paulo”, a abertura da Copa do Mundo no Brasil custou R$ 18 milhões. E o dinheiro teria saído não dos cofres da FIFA, mas do governo. Por consequência, do nosso bolso.

Por Movimento Brasil Consciente

bem não vi a abertura , nem jogo nenhum, pois que se exploda a copa, se o BRASIL perder melhor  ainda, mas pelo jeito deve ganhar na roubalheira, afinal o PT depende deste hexa pra anestesiar o povo .

só vejo na net as gozações e críticas a respeito da festa da abertura, agora vem cá 18 milhões por isso ai ?  me ajuda ai pô.

2 milhões por este vestido ? queria ver a opinião do saudoso CLODOVIL se visse isso.

agora vejam a comparação, da pra imaginar como será o encerramento, vai custar quanto, pra baratear, bota um pancadão com cachorras semi nuas e pronto . 

festa xereca satânik é realizada em universidade do RJ , e caretas se incomodam.

Uma festa, segundo testemunhas, regada a drogas, nudez e rituais de satanismo foi a atração do campus da Universidade Federal Fluminense (UFF) de Rio das Ostras, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, na noite da última quarta-feira, 28. Estudantes da instituição denunciam que uma participante costurou a vagina de outra no evento, chamado de “Xereca Satânik”. Imagens cedidas com exclusividade ao SRZD.com mostram a mulher rindo enquanto é supostamente submetida ao ritual de mutilação em cima de uma mesa. Outras fotos mostram o sangue escorrendo nas pernas da jovem após o procedimento e outra participante sendo cortada com estilete. 

– Polícia Federal vai investigar festa da UFF

– ‘Viemos ao mundo para manchar os valores de sangue’, diz manifesto sobre festa na UFF

Fotos cedidas ao SRZD

Um aluno da UFF, que preferiu não ser identificado, afirmou ao SRZD que a festa foi realizada nas dependências do campus de Rio das Ostras, em um prédio conhecido como Multiuso. Segundo ele, geralmente são realizados eventos no espaço mediante a autorização da reitoria. Não se sabe, no entanto, se a universidade liberou a festa nesse dia.

“No meio da festa, uma menina tirou a roupa, deitou em cima da mesa e outra costurou a parte íntima dela. Não sei se essas meninas são da

faculdade. Elas têm um movimento de combate ao alto índice de estupros a mulheres em Rio das Ostras e defendem a ideia de que a mulher deve ter domínio total sobre seu corpo”, detalhou o estudante, que não participou do ato, mas recebeu informações e fotos de amigos que estavam na festa.

“Normalmente os alunos fazem festas assim dentro da faculdade, com venda de bebidas inclusive, mas nunca aconteceu nenhum problema. O pessoal do curso de Produção Cultural tem o hábito de fazer intervenções culturais. O mais polêmico que eu tinha visto foi quando uma garota tirou a roupa e recitou uma poesia. As meninas que organizam essas intervenções são ligadas ao feminismo e sempre querem passar alguma mensagem”, contou o universitário. “Soube que ela puxou a linha para desfazer a costura. Depois, ficou cheia de sangue”.

Mais de 2.200 pessoas foram convidadas e 320 confirmaram presença na festa “Xereca Satânik” pelo Facebook. As organizadoras do evento se identificam como Isabelle Rocha, Pahmela Prince Metamorfoseando, Mariana Gomes Ribeiro e Antonella Abreu. Uma participante do grupo, que se identifica como Mariana Pimentel, deixou uma mensagem na página na manhã desta sexta-feira, 30: “A festa-performance foi um acontecimento estético, e dos grandes! Só me recuperei hoje! Deixo aqui um muito obrigada a todas vocês que participaram da organização e um salve especial para a querida Isabelle Rocha, que abafou!!!”, postou.

A Administração Central da UFF informou ao SRZD que está tomando ciência e todas as providências necessárias para esclarecer o que aconteceu no campus de Rio das Ostras. A reitoria afirmou que vai abrir imediatamente uma comissão para apurar os fatos. OSRZD também entrou em contato com a diretoria do Polo Universitário de Rio das Ostras (UFF), mas não obteve resposta. De acordo com a delegada titular da 128ª DP (Rio das Ostras), Carla Tavares, o caso não foi registrado.

Fotos cedidas ao SRZD

Mulher corta a outra com estilete na festa no prédio da UFF. Foto cedida ao SRZD

Fotos cedidas ao SRZD

Fotos cedidas ao SRZD

 

Página do evento no Facebook. Foto: Reprodução/ Facebook

 

( pq não fazem isso  num lugar afastado ?, ai vai quem quer e ninguém se incomoda, fazer em universidade é foda, afinal os caretas vão se incomodar, agora duro é ver a POLICIA FEDERAL perder seu precioso tempo com isso ?

o manifesto ai abaixo é legal, deem uma lida e se identifiquem . 

 

Reprodução/ Facebook

a bagunça nacional em torno do RG, festa para malandros e criminósos em geral.

A lei criada em 1997 para unificar a emissão de carteiras de identidade no país nunca saiu do papel, omissão do governo federal que permite a uma mesma pessoa ter um RG em cada Estado.

Ou seja: um mesmo nome, mas 27 documentos com numerações diferentes.

Ministério da Justiça não se pronuncia sobre cadastro nacional
Reportagem sobre RG foi acompanhada pela área jurídica da Folha
Certidão e paciência para enfrentar filas são os pré-requisitos para tirar o RG

E essa mesma pessoa pode ainda tirar facilmente um RG com a própria foto e outro nome, prática que serve de base a uma série de crimes.

A Folha encontrou essas brechas em apuração iniciada em janeiro deste ano.

O mesmo repórter, com RG original de SP, viajou a oito capitais e, em cada uma delas, fez uma nova carteira.

  Editoria de arte/Folhapress  
Clique na imagem para ver o infográfico
Clique na imagem para ver o infográfico

Foi assim em Vitória, Campo Grande, Maceió, João Pessoa, Natal, Rio Branco, Porto Velho e Porto Alegre.

Ter um RG em cada Estado é possível porque a emissão dos documentos é estadual, e os institutos de identificação não trocam informações.

Previsto em lei desde 1997 para corrigir essa falha, um cadastro nacional de identidades, que deveria armazenar eletronicamente dados de todas as pessoas, nunca saiu do papel, embora tenha sido anunciado pelo ex-presidente Lula em dezembro de 2010.

Atualmente o único requisito para fazer um RG é a apresentação da certidão de nascimento ou de casamento.

A falta de um sistema que reconheça digitais coletadas em outros Estados permitiu ao repórter fazer em Belo Horizonte um RG com sua foto e suas digitais, mas com o nome de um colega do jornal.

Expedido por órgão oficial, o documento com o nome incorreto é válido e revela a brecha. Basta que o fraudador tenha certidão de nascimento ou casamento.

Para corrigir as falhas existentes, o governo federal anunciou em 2010 a implantação do RIC (Registro de Identidade Civil), um cartão com chip para substituir o atual RG em até dez anos.

O projeto, porém, empacou. Um contrato com a Casa da Moeda para emissão de 2 milhões de RICs, ao custo de R$ 90 milhões, fracassou. Foram produzidos apenas 14 mil cartões, e só 52 estão válidos.

O RIC teve de ser “redesenhado” em 2012. Foi previsto um custo de R$ 6 bilhões em 12 anos. Decisões sobre onde ficará o cadastro nacional de identidades e qual tecnologia será usada nunca foram tomadas, porque aguardam decisão do Palácio do Planalto.

( ai está a bagunça generalizada, quer dizer que qualquer malandro pode ter vários RGS com o nome que quiser a mesma foto e cometer crimes a vontade, até que finalmente seja pego ao acaso e ainda tentarem descobrir quem realmente ele é.)

strippers em festa, de de menores, acaba em cadeia pra mãe de um deles.

 Uma moradora de Nova York foi presa acusada de colocar em perigo o bem-estar de um grupo de menores de idade por ter contratado duas strippers para animar a festa de aniversário de seu filho de 16 anos, informou nesta terça-feira (19) a imprensa local.

Judith Viger, de 33 anos, foi detida ontem em Gansevoort, uma pequena cidade do centro do Estado. 

A mulher foi acusada de cinco delitos por ter contratado duas dançarinas, que se apresentaram para cinco menores de idade, sendo que o mais jovem tinha 13 anos, divulgou o jornal Daily News.

Ao todo, cerca de 80 pessoas participaram da festa.

Uma foto divulgada pelos pais que denunciaram Judith Viger mostra uma das dançarinas vestida com roupas íntimas e em posição erótica sobre um dos presentes.

Se for declarada culpada, a mulher poderá ser condenada a até um ano de prisão. 

( pelo jeito a policia de lá tem tempo de se meter nessas coisas , a molecada tava curtindo né, tem de emancipar esta raça meu, acaba com esta porcaria de de menor, colocar em perigo o bem estar dos menores kkkkkkkkkkkkkk. e as drogas e ao álcool, isso não combatem né ?) 

 

 

funk proibidão agita danceteria em CAMPINAS

O Ministério Público Estadual (MP) abriu investigação, nesta segunda-feira (21), sobre as imagens registradas em uma danceteria de Campinas (SP), onde um grupo de garotas, aparentemente menores de idade, foi flagrado enquanto se exibia para uma plateia masculina. As garotas dançavam coreografias com apelo sexual em um evento divulgado como “proibido para maiores de 18 anos”. A Vara da Infância e Juventude local também informou que vai apurar a situação.

As imagens, publicadas na internet, mostram as garotas no palco da danceteria da Vila Industrial. Elas dançam, rebolam e se insinuam para os meninos da plateia, que começam a jogar notas de R$ 100 falsas para estimular as meninas a seguirem com a coreografia ao som de um funk. Alguns garotos chegam a tocar nas meninas e colocam o dinheiro fictício no short delas. Uma das dançarinas abaixa a calcinha durante a apresentação, que acontece na presença de um homem visivelmente mais velho. Ele parece coordenar o show, orientando as garotas.

Na tarde desta segunda, a boate estava fechada e nenhum responsável foi localizado para comentar a gravação. No espaço, havia apenas uma faxineira, que não soube informar quem eram os proprietários da casa. Em frente ao local, a reportagem da EPTV encontrou pedaços das notas de R$ 100 falsas usadas durante o evento.

Vídeo mostra menores de idade em baile funk em galpão de Campinas (Foto: Reprodução EPTV)Vídeo mostra menores de idade em baile funk em
galpão de Campinas (Foto: Reprodução EPTV)

“Nós já efetuamos a abertura de um processo investigatório. Os comissários já partiram para identificar a origem e a localização disso. Após esta investigação, nós vamos tomar as medidas que possam ser tomadas. Vamos verificar se a casa tem o alvará que autoriza a entrada de menores”, afirmou o encarregado do juizado Roberto Rodrigues de Souza Junior.

O MP, que também abriu um inquérito para investigar as circunstâncias da festa, já pediu à prefeitura o alvará de funcionamento do local. Segundo os promotores, caso a danceteria não possua o documento, será solicitada a lacração do estabelecimento. Segundo o promotor da Infância e Juventude, Marco Antônio Moraes de Barros, ele também pediu informações para a Vara da Infância e Juventude e para o conselho tutelar sobre o caso. ( tudo menor ? ah ta, transam engravidam e são de menor ? estavam ali pq ? dançavam sensualmente pq ?

e ai vem com este papo de menor , ah me poupe vai ? vejam no vídeo , só cabeça oca atrasado, acha que são de menor.)  

festa inspirada no filme projeto x termina em baderna em SP

Ale Vianna/Brazil Photo Press

Cerca de 1.000 jovens fecharam na madrugada deste sábado (4) a praça Visconde de Souza Fontes, na Mooca, em São Paulo (SP), para a realização de uma festa no local. Segundo a PM, a festa, que teria sido organizada pela rede social Facebook e que foi batizada pelos organizadores de “Projeto P”, é baseada no filme “Projeto X – Uma Festa Fora de Controle” (2012) e prega o consumo excessivo de bebidas alcoólicas. A PM foi chamada para desobstruir o local, e houve confronto. Ao menos 10 pessoas foram presas .

( este é o filme que foi inspirado esta festa ai que terminou em confusão, assim como aconteçeu exatamente no filme, sendo que a diferença é que aqui foi numa avenida em SP, no filme foi na casa de um dos adolescentes que terminou toda destruída  veja as demais fotos da baderna aqui  http://noticias.uol.com.br/album/2012/08/04/festa-inspirada-no-filme-projeto-x-termina-com-10-detidos-em-sao-paulo.htm  só faltou aparecer alguém com lança chamas assim como no filme.)