HABITETO vira palco de guerra em SOROCABA.

  Morte de dois rapazes pela PM teria gerado o conflito – PEDRO NEGRÃO

Após um confronto que durou cerca de cinco horas entre policiais e moradores no Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério (Habiteto) na madrugada desta sexta-feira, a situação no bairro é de tensão. Sete viaturas estão no local, sendo três da Polícia Militar, três da Força Tática e uma da Guarda Civil Municipal.
 
Segundo o sargento Jidjá Marques, do 1º Pelotão da Força Tática, as viaturas ficarão no bairro por tempo indeterminado. “O clima está calmo. Tudo sob controle”, afirma. Porém, é possível encontrar os sinais de destruição deixados pelos confrontos que ocorreram durante a madrugada. Os carros que foram incendiados já foram retirados do local e ninguém ficou ferido.
 
O confronto começou após um protesto contra a morte de dois jovens, que trocaram tiros com policiais militares no Jardim dos Eucaliptos, na zona norte. Alguns moradores do bairro dizem a dupla teria sido executada. Por outro lado, a Polícia Militar alega que os dois rapazes teriam a intenção de matar o segurança do estabelecimento – uma retaliação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), por conta do isolamento de um dos líderes da no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), na Penitenciária de Presidente Bernardes.
 
Logo que a manifestação começou a avenida foi tomada por dezenas de viaturas da Polícia Militar, com policiais fortemente armados. Uma equipe protegida por escudos tentava se aproximar do local onde carros eram queimados. No entanto, rojões e outros artefatos explosivos eram lançados contra os policiais.
 
A aproximadamente 300 metros da linha de confronto, uma barreira foi formada pela PM para evitar que moradores que chegavam do trabalho pudessem entrar se aproximar da praça de guerra. Após alguns minutos, a polícia começou a agir e efetuar disparos de tiros de borracha e lançar bombas de efeito moral contra os manifestantes.

Moradores do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleutério (Habiteto) fizeram um protesto no início da noite de ontem, na avenida Itavuvu, principal via de acesso ao bairro, que foi interditada por volta das 18h30. O protesto seria contra a morte de dois jovens, que trocaram tiros com policiais militares no Jardim dos Eucaliptos, na zona norte. Alguns moradores do bairro dizem a dupla teria sido executada. Por outro lado, a Polícia Militar alega que os dois rapazes teriam a intenção de matar o segurança do estabelecimento – uma retaliação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), por conta do isolamento de um dos líderes da no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), na Penitenciária de Presidente Bernardes.

Logo que a manifestação começou a avenida foi tomada por dezenas de viaturas da Polícia Militar, com policiais fortemente armados. Uma equipe protegida por escudos tentava se aproximar do local onde carros eram queimados. No entanto, rojões e outros artefatos explosivos eram lançados contra os policiais. 

A aproximadamente 300 metros da linha de confronto, uma barreira foi formada pela PM para evitar que moradores que chegavam do trabalho pudessem entrar se aproximar da praça de guerra. Neste ponto, a imprensa também foi barrada e não pôde acompanhar de perto o que estava acontecendo. A equipe do Cruzeiro do Sul ficou ao lado das viaturas do Corpo de Bombeiros e começou a assistir, de longe, a ação policial. 

Após alguns minutos, a Polícia Militar começou a agir e efetuar disparos de tiros de borracha e lançar bombas de efeito moral contra os manifestantes. O clima ficou tenso e o inesperado aconteceu. De repente, iniciou-se uma troca de tiros. 
Com pouca visibilidade, não era possível identificar de onde vinham os disparos, que eram respondidos pela polícia. Algumas balas atingiram as viaturas policiais ao lado do caminhão do Corpo de Bombeiros. 

Um policial que estava a menos de 10 metros da equipe de reportagem caiu no chão. Inicialmente, parecia que ele havia sido atingido, já que seus companheiros o colocaram rapidamente dentro de uma viatura. Alguns segundos depois, outra rajada de tiros foi disparada. Todos tentaram se proteger atrás dos veículos. Neste instante, aproximadamente 100 moradores que aguardavam para passar e chegar em casa, voltaram correndo em direção ao centro da cidade. Muitos ligavam para casa para saber informações de familiares. 
“Minha mulher e meu filho estão em casa. Eu não tenho ideia do que está acontecendo lá”, comentou um morador desesperado. 

Em seguida, o número de viaturas que já era grande começou a aumentar. Duas unidades do Samu chegaram ao local, o que levava a crer que haviam feridos no local.

Era visível a tensão entre os policiais. “Os tiros passaram muito perto. Acertaram aquela árvore”, comentou um dos oficiais do Corpo de Bombeiros, que também buscou abrigo embaixo da viatura. Neste instante, a equipe do Cruzeiro do Sul foi orientada a se retirar.
Ao se afastar ainda mais a linha de confronto, a reportagem pôde acompanhar apenas o que ocorreu em um terceiro bloqueio montado a mais de um quilômetro do local de tensão. 

Depois de mais de duas horas sem saber o que estava acontecendo no bairro, finalmente, um comandante da Guarda Civil Municipal, que também prestava apoio à operação da PM, informou que apesar da intensa troca de tiros ninguém havia se ferido gravemente. Segundo o GCM, o Subinspector Bonésio Chagas, o policial militar teria caído porque um tiro atingiu o escudo que ele carregava. “Certamente, ele se desequilibrou por conta do impacto. Mas acabei de conversar com o comandante da operação e ele garantiu que ninguém (nem morador e nem policial) foi ferido”, informou Chagas. 

Já passava das 23 horas e a situação continuava inalterada no ponto de conflito. “Pelo que conversei com o comando da PM, o bloqueio deve continuar por mais algumas horas e não está descartada nova troca de tiros. Por isso, vamos manter o bloqueio neste ponto”, informou o comandante da GCM. 

Enquanto isso, centenas de moradores aguardavam para chegar em casa. “Eu trabalho na Toyota e moro no Habiteto. Não consegui chegar a empresa e pelo jeito não vou para casa hoje”, informou André Fontanele, que havia realizado um trabalho no centro da cidade e tentava levar o carro para a empresa, antes de voltar para casa. 

Já no final da noite, uma moradora ligou para o Cruzeiro do Sul para informar que a PM estava entrando no bairro. Mas com medo de ser identificada, ela desligou o telefone antes dar qualquer informação. 
Até o fechamento desta edição, a tensão ainda prosseguia no bairro.

( pode ser aquela velha pratica já manjada, que os bandidos mandam a população protestarem e se aproveitam pra tb atacar e badernar,

usam todos como escudo, se escondem atras do povo humilde que mora ali , e claro que a PM de SOROCABA não deve ter treinamento pra isso .

se for isso , dificilmente pegarão os responsáveis pelo incitamento a baderna, e o povo fica a mercê dos dois lados.)

shoppings do BRASIL se preparam pra guerra contra os rolezinhos.

Os shopping centers do país estão se preparando para enfrentar uma onda de “rolezinhos”, encontro de jovens marcados nos centros por meio das redes sociais.

A possível multiplicação dos encontros, que podem assumir caráter de protesto, também preocupa a presidente Dilma Rousseff. Ontem, ela surpreendeu sua equipe ao convocar uma reunião para tratar do assunto.

O maior temor da presidente é que os “rolezinhos” tenham adesão de adeptos da tática de protesto “black bloc”.

Ontem, o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, defendeu que a PM use a força contra os “rolezinhos” se for necessário.

Antes restritos à periferia de São Paulo, os eventos ganharam apoio de movimentos sociais nos últimos dias. A tentativa dos shoppings de proibir os “rolezinhos” no fim de semana insuflou a organização de novos encontros.

o menos três shoppings da capital conseguiram liminares que proibiam encontros no último sábado. Quem participasse, poderia ser multado em até R$ 10 mil.

A Abrasce (associação que reúne 264 shoppings no país) fará uma série de reuniões de emergência com representantes dos centros comerciais.

Os shoppings não descartam entrar novamente na Justiça para impedir os “rolezinhos” e vão destacar mais seguranças nos próximos eventos, que são monitorados.
As reuniões entre os representantes do setor acontecem hoje em São Paulo e amanhã em Porto Alegre. No Rio, ainda não há data.

O fenômeno dos “rolezinhos” surgiu em 2013 como forma de jovens de periferia buscar diversão, em eventos marcados pelo Facebook. Alguns tiveram correria e furtos.
As ações judiciais para impedi-los gera polêmica.

Quem é a favor diz que a manifestação leva medo aos demais frequentadores. Quem é contra alega que a medida é discriminatória e impede o direito de ir e vir.

No último sábado, a PM usou bombas de gás para dispersar os jovens que faziam um “rolezinho” no shopping Metrô Itaquera, na capital.

  Editoria de Arte/Folhapress  

Agora, há “rolezinhos” marcados no Rio, Brasília, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e em Pernambuco.

Só em São Paulo, há ao menos quatro programados para o próximo fim de semana em áreas como Tatuapé e Santana. Outro deve ocorrer no Parque Ibirapuera.

“Não abrimos mão da nossa imagem de lugar seguro e confortável”, afirma Luiz Fernando Veiga, presidente da Abrasce.

Além do Itaquera, conseguiram liminar os shoppings JK Iguatemi e Campo Limpo. Em Campinas, a Justiça não aceitou o pedido de dois shoppings, mas determinou que houvesse reforço policial.

As liminares que barram “rolezinhos” num determinado shopping não têm validade para outros centros e valem só para o dia do evento.

Dez jovens foram citados na liminar. Segundo o TJ, eles terão 15 dias para se defender. Após isso, o juiz dará a sentença, que pode ser a multa. Uma audiência de conciliação também pode ser marcada. 

Lucas Lima, 17, um dos organizadores dos rolezinhos em SP Leia mais

Juan Carlos, 16, o “Don Juan”, “famosinho” com mais de 50 mil seguidores em rede social  Leia mais

( tem tudo pra dar merda, policia batendo, segurança de shopping já com arma em punho, contra jovem desarmado, enfim… será que vão esperar que hajam mortes ? sim pq pegar um periferia e sumir com ele… ?

façam estas coisas fora da cidade então, em lugares afastados ai ninguém vai lhes incomodar , mas tem uma coisa, o jovem que vai curtir um cinema no shopping, como vai comprovar que tá ali apenas pra ver o filme ? vai ter que tem um vigia a lhe seguir os passos ?

SHOPPING na verdade não é lugar público, vc entra a vontade, mas tem limites pra se seguir lá dentro.)

CAMPOLIM de bairro chique a degradante, ta igual períferia.

 
Gradil de pista de caminhada foi arrancado durante o conflito
 
 
Uma confusão generalizada na madrugada de hoje, no Parque Campolim, terminou com duas viaturas da Polícia Militar depredadas e atos de vandalismo na praça Carlos Alberto de Souza. O tumulto, registrado por volta da 1h, teria sido decorrente da ação de policiais militares na tentativa de abrir o acesso da avenida Caribe, que teria sido fechado pelos jovens, que toda sexta-feira costumam se reunir no local. Segundo informações de pessoas que estavam nos bares e restaurantes da região, a ação teria assustado muita gente, inclusive pelo uso de bombas de gás lacrimogêneo pela PM. Mas ninguém teria ficado ferido. A partir da próxima semana, a Polícia Militar promete implementar ações ainda mais efetivas para coibir o abuso por parte dos frequentadores do local. De acordo com o capitão Renê Sérgio Calazans, comandante da 1ª Companhia, que abrange o bairro e suas adjacências, as viaturas teriam sido acionadas para liberar o trânsito na confluência das avenidas Caribe com Antonio Carlos Cômitre e tão logo as equipes chegaram, pedras teriam sido arremessadas por populares. Duas viaturas de sua Companhia teriam sido danificadas, uma com os para-brisas dianteiro e traseiro quebrados, e outra com avarias na lataria. A partir disso, viaturas da Força Tática foram chamadas para dar apoio à ocorrência. Capitão Calazans disse não ter a confirmação do uso de bombas de gás lacrimogêneo para conter os agressores.

O comandante da Força Tática, capitão Fernando de Agrella, confirmou, por telefone, que realmente foram utilizadas munições químicas (granadas de efeito moral e gás lacrimogêneo), tendo em vista que o arremesso de pedras e também de garrafas continuaram mesmo com a chegada das viaturas. Ainda segundo ele, o uso de munições químicas foi necessário para poder dispersar a multidão que se encontrava na praça, uma vez que devido ao grande número de pessoas ali concentrada, não era possível identificar quem fazia os arremessos e atos de vandalismo em geral. Ninguém foi detido.
Ainda na tarde de ontem era possível ver o resultado da confusão na praça, com gradil derrubado, garrafas e estilhaços por toda praça do Parque Carlos Alberto de Souza.
  
EU QUERIA SABER QUE TIPO DE GENTE MORA NO CAMPOLIM .
o pessoal não tem poder, grana, nome , influência na cidade ? não mora nenhum coronel, doutor, barão, nenhuma das familias poderosas da cidade mora lá ?
pra permitir esta baderna pelo jeito não , este vai ser o futuro do lugar amanhã ? virar uma cracolãndia, pois se os moradores não impoem respeito, apenas de morarem em casas enórmes e luxuósas.
o CAMPOLA perdeu moral faz tempo, imaginem ano que vem com carnaval, e copa ?

VALDEMIRO SANTIAGO x OUTROS.

Em discurso emocionado, o apóstolo Valdemiro Santiago, que vai deixar a Rede 21, UHF, que pertence à Band, afirmou que “estão tentando destruir” seu ministério. Ele se referia à Igreja Universal, que tomou seu espaço não só no canal 21, mas também nas madrugadas da Band.

A igreja de Valdemiro, a Mundial, teria atrasado vários pagamentos do contrato de locação do canal 21 e da Band. A Universal fez uma proposta rentável à Band e tirou seu espaço. Valdemiro ainda deverá ficar alguns dias no ar, conforme reza o contrato com a emissora da família Saad.

“Não é a primeira vez (que tentam me destruir). Lembro que eu estava feliz numa rádio. Um dia chegou a polícia e confiscou tudo. Disseram: o senhor está preso. Fecharam a rádio, mas o dono mesmo da rádio nada sofreu. Eu perguntei, ‘mas por quê?’ E um policial me disse: ‘O senhor é a bola da vez'”.

“Não vão apagar minha luz”, afirmou Santiago, principal inimigo da Igreja Universal de Edir Macedo. “Ninguém vai destruir esta obra”.

Santiago está tentando comprar a extinta MTV, do grupo Abril, que hoje exibe a TV Ideal, um canal corporativo. Há rumores de que também estaria tentando adquirir uma parte das ações da RedeTV! A emissora nega.

A Mundial vem sofrendo com problemas financeiros há pelo menos um ano, supostamente devido a uma estratégia errada de crescimento. Santiago vinha tentando superar a Universal em número de templos e em tempo de TV. No ano passado, a Record, emissora de Edir Macedo fez várias denúncias contra a Igreja Mundial –inclusive sobre o desvio do dinheiro de fiéis para compra de propriedades. Valdemiro Santiago nega, mas teve de vender propriedades após inquérito aberto pelo Ministério Público de São Paulo.

Durante o sermão, Santiago chorou várias vezes ao mostrar supostos milagres ocorridos em sua igreja. 

( a tal carta que teria sido encontrada em uma de suas igrejas onde VALDEMIRO ,manda pessoas mentirem sobre terem sido curadas só pra arrecadarem mais grana, pode ter sido plantada , por alguém de outra religião infiltrado, ou ele mesmo armou isso pra se fingir de vitima, vai saber né ?

 

em todo caso meu amigo, religião faz vc mesmo em sua casa, fazer parte de grupos, da nisso ai.)

acorda SOROCABA, guerra de SP ta chegando aqui.

A violência que assola a Capital e a Grande São Paulo começa a dar mostras de que está chegando a Sorocaba, conforme alertou com exclusividade ao BOM DIA um especialista em segurança pública.
Nesta segunda-feira (12), um cabo da Polícia Militar de 57 anos – cujo nome não foi revelado – registrou boletim de ocorrência alegando que teria sido ameaçado por bandidos.

O policial havia saído de casa –  na Vila Haro, zona leste – para trabalhar quando, segundo testemunhas, dois criminosos se aproximaram da residência e um deles gritou: “Vou matar o policial”. Ao perceberem que o cabo não estava, foram embora minutos depois.

O caso é investigado pelo 2º Distrito Policial de Sorocaba. A delegada Cássia Mezzomo, que conduz os trabalhos, explicou que as informações serão encaminhadas para o setor de investigação e que a Polícia Civil vai trabalhar para identificar os possíveis criminosos o mais breve possível.

Associação em alerta/ O fato chamou a atenção da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que é presidida pelo soldado Jefferson Felix, em Sorocaba.

Ele avalia que o caso é visto como um sinal de alerta, mas acredita que, apesar disso, não existem dados concretos para afirmar que a onda de violência que se instalou na Capital esteja atingindo a cidade.  “Toda esta violência registrada em São Paulo fez com que os militares se tornassem mais unidos e melhorassem mais ainda o trabalho preventivo”, destaca.

Para ele, os PMs estão mais alertas com a própria segurança e, durante o patrulhamento, as casas dos amigos de farda também estão sendo vigiadas.

Cuidado/ “Infelizmente, a onda de ataques na Capital trouxe inquietação entre os militares da cidade, mas a cautela com a segurança pessoal está redobrada”, complementa o soldado Felix.
Com isso, ele acredita que a polícia mostra para a sociedade que não vai recuar diante do dever de proteger a vida.

Na capital/ O presidente da Associação de Cabos e Soldados optou por não comentar o posicionamento do Governo do Estado e da Secretaria de Segurança Pública, mas lamentou a morte dos colegas na Capital  e dos civis que foram vítimas de atentados. “Sorocaba se mantém tranquila oficialmente, sem nenhum caso registrado que comprove que a violência paulista chegou aqui”, afirma. “Esta tranquilidade é reflexo do trabalho bem feito pelas forças policiais que estão cuidando mais de si mesmos durante o expediente e, principalmente, durante as folgas.”

Especialista avalia possibilidades
Em entrevista exclusiva ao BOM DIA, especialista falou sobre segurança
Na edição de sexta-feira, o BOM DIA publicou uma entrevista exclusiva com o especialista em segurança pública Gustavo Barata. Na ocasião, ele respondeu uma série de perguntas sobre a atual situação da segurança da cidade, avaliando os ataques criminosos da capital paulista.

Problemas/ Informado sobre dois homens identificados como membros do PCC (Primeiro Comando da Capital), que foram flagrados pela Polícia Militar no Jardim dos Pássaros, no dia 7 deste mês, Barata alertou sobre a grande quantidade de presos da facção criminosa encarcerados no sistema prisional da região de Sorocaba.“Com a proximidade do Natal, mais de mil presos da facção criminosa deverão ser beneficiados com o indulto natalino”, destaca o especialista, que é mestre em direito penal e professor da Uniso.

Precaução/ Por ter contato direto com o sistema prisional, o especialista destaca que tem acompanhado o trabalho feito pela administração carcerária, por determinação do Estado. “O sistema prisional está em alerta e os presos da facção criminosa estão sendo mantido o mais afastados possível para que não possam se organizar e ordenar práticas de má conduta”, complementa.

Durante a entrevista, Barata não excluiu a possibilidade de a cidade ser afetada pela onda de crimes que atingiu São Paulo e considerou a postura do Governo do Estado prejudicial. “A negativa do governo fez com que o crime organizado crescesse mediante a inércia pública”, conclui.

Movimento pede a valorização dos policiais
‘Reaja São Paulo’ tem como objetivo coletar 1,4 milhão de assinaturas para projeto a ser enviado ao Congresso Nacional
Em 15 de outubro, uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa deu início ao movimento Reaja São Paulo. Na ocasião, diversas autoridades que representam as forças policiais do país estavam presentes.

O objetivo do movimento é coletar 1,4 milhão de assinaturas para apresentar ao Congresso Nacional um projeto de lei de iniciativa popular que deverá tornar hediondos os crimes praticados contra agentes da lei, aumentando o rigor das penas aplicadas.

O texto do projeto avalia como agentes da lei policiais civis e militares, guardas civis municipais, bombeiros, defensores públicos, membros do Ministério Público, juízes e servidores do judiciário, além de agentes e guardas prisionais.

Na ocasião, o deputado Olímpio Gomes,  autor do projeto,  defendeu a iniciativa avaliando a atual situação da segurança estadual. “Vivemos um momento crítico na segurança pública no Estado de São Paulo, onde irmãos tombam todo dia em defesa da população. Mudanças são necessárias e devem ser feitas ao abrigo da lei, pois se ela tem fragilidades cabe à população se manifestar através de iniciativa popular.”


Voz popular/ Em Sorocaba, o soldado da PM Jefferson Felix, que preside a Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo, explica que a associação quer ouvir a população para elaborar um protocolo de intenções para o Governo do Estado. “Todos dizem que é preciso tomar atitudes contra a violência, por isso queremos coletar as opiniões dos sorocabanos.”
As ideias podem ser enviadas ao e-mail: cabosesoldadosregional06@hotmail.com.
Violência tem reflexo em cidades da região
Na semana passada, boatos de supostos ataques do crime organizado fizeram com que cidades da região de Sorocaba mudassem seus hábitos.  Segundo informações da Polícia Civil, os boatos surgiram em Araçariguama, atingindo São Roque e Mairinque. Com isso, escolas foram fechadas antes do previsto. 

A Secretaria Estadual de Segurança Pública informa que as informações foram investigadas, porém nada de concreto foi encontrado. “Não há toque de recolher no Estado de São Paulo, porém, se algum cidadão tiver ciência de que pessoas ou grupos de pessoas estejam  espalhando boatos a respeito, é importante que comunique o fato imediatamente pelos telefones 190 e 181”, destaca a assessoria.

Questionada sobre os casos de violência contra policiais militares e possíveis ameaças, o Centro de Comunicação Social estadual da PM informa que orientou todos seus integrantes a manter redobrada sua atenção para segurança própria, como evitar locais em que fiquem mais expostos, atividades extras [bicos] e outros cuidados durante a folga.
Há cerca de 20 dias, viaturas da Rota (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar) foram vistas em Sorocaba em duas ocasiões distintas, mas a PM optou por não revelar o que motivou a presença dos militares na cidade.( fato isolado não senhor, já sabiam que estes ataques iriam acontecer meses atras e nada foi feito agora que ta chegando aqui, vai falar em fato isolado.

vão esperar alguém levar tiros pra acordar de vez ?)

morreu mais um palmeirense e dai ?

Palmeirense baleado antes do clássico contra o Corinthians morre no hospital

Thiago Teixeira/AE

“Torcedores do Palmeiras fora escoltados pela polícia até o Palestra Itália”

SÃO PAULO – O torcedor palmeirense André Alves, o ‘Lezo”, de 21 anos, morreu na noite deste domingo, horas depois de ter sido baleado na cabeça durante briga entre torcedores do seu time e do Corinthians, na avenida Inajar de Souza, um importante corredor para moradores da região da Freguesia do Ó e Brasilândia. A confusão envolveu 500 pessoas e teve pelo menos mais um baleado.

André foi socorrido logo após levar o tiro e levado por policiais militares para o Hospital Cachoeirinha. Teve parada cardíaca e os médicos conseguiram reanimá-lo. Mas por volta das 20 horas, ele acabou não resistindo.

A briga foi consequência de uma emboscada armada por torcedores corintianos para cercar e agredir um grupo de palmeirenses. O local é um reduto recorrente de brigas entre torcidas. Os confrontos costumam acontecer todas as vezes em que há jogos entre os times na cidade.

O confronto, segundo moradores da região, foi agendado nas redes sociais – expediente que também é comum entre os membros das organizadas.

Há a suspeita de que a emboscada tenha sido uma revanche de corintianos contra os palmeirenses por causa de confrontos anteriores -no ano passado, no dia do clássico entre as equipes no primeiro turno do Brasileiro (que ocorreu em Presidente Prudente, a 550 km da capital) um torcedor corintiano foi morto por membros de organizadas palmeirenses. Seu corpo foi encontrado às margens do rio Tietê. Ninguém foi preso.

CLIMA TENSO

O confronto entre os torcedores na manhã do jogo deixou o clima tenso nos arredores do Pacaembu. A Polícia apertou o cerco ao estádio para evitar que novos confrontos ocorressem. Uma divisória formada por chapas de metal, com cerca de 2,30 m de altura, foi instalada na rua Comendador Passalácqua para separar as facções. O local é onde se localiza a entrada da torcida visitante. No caso deste domingo, dos palmeirenses.

Próximo do Pacaembu, o maior trabalho foi para controlar a entrada de corintianos pelo portão principal do estádio. Minutos depois de a partida começar, milhares de pessoas ainda estavam do lado de fora, na praça Charles Miller, e tentaram forçar a entrada. A PM, com bombas de efeito moral e efetivo reforçado na frente do portão principal do estádio, conseguiu impedir a invasão dos torcedores. Durante jogo também houve confronto entre a PM e torcida. ( e dai ? pq não fecharam o estádio ?, olha hj o jogo vai ser sem as torcidas, mas não, alem de ninguém ser preso, ainda no proximo jogo lá vem nova confusão ?

transferir os estádios pra fora da cidade ? ai lá que se matem ?  por de castigo, fez bagunça no proximo jogo não vai ninguém, seu time joga sem torcida.

mas nada é feito, e dai morreu apenas um, quantos tem de morrer ? 100 ? 200 ? ai farão algo ?  reforçar policiamento é piada, então bota forças armadas.

e esta bosta de monitoramento em redes sociais ?, só monitoram coisa inutil, tão mais preocupado que ninguém poste mulher pelada, pornografia, pedofilia do que prevenir guerras de rua.)

TORCIDA DO OLYMPIQUE É IMPEDIDA DE IR A JOGO

Os torcedores do Olympique de Marselha estão impedidos de comparecer ao jogo contra o PSG, quer acontecerá no dia 8 de abril, em Paris. De acordo com as autoridades francesas, o veto da torcida do Olympique se deve ao histórico de badernas e depredações de bens públicos.

O Ministério do Interior da França proibirá a presença nos arredores de qualquer torcedor que aparenta ser ligado ao Olympique. ( é isso que tem de fazer aqui)

Torcedor do Palmeiras André Alves, 21, levou tiro na cabeça e morreu horas depois http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/03/26/pm-admite-incapacidade-de-conter-briga-entre-torcedores-e-que-assistiu-ao-conflito.htm ( o torcedor do palmeiras morto, e a PM confessa ser incapaz de conter a violência.)