imagens da morte da funkeira podem não servir de prova contra o assassino

new caption

O vídeo que mostra o assassinato da dançarina de funk Amanda Bueno, de 29 anos, pode não servir como prova contra o acusado pelo crime, o dono de vans Milton Severiano Vieira, de 32 anos, noivo da vítima. A gravação já está em poder da polícia, mas, segundo o advogado Hugo Assumpção, que defende o acusado, as imagens foram obtidas de forma inapropriada e vazadas irregularmente na internet, o que desqualifica o material como prova no processo.

Imagens do sistema de segurança instalado na casa onde o casal morava, em Nova Iguaçu, cidade na Baixada Fluminense, mostram Amanda sendo agredida pelo companheiro, na tarde de quinta-feira, 16. A defesa do acusado pelo assassinato diz que fará em momento oportuno o pedido para que a Justiça desqualifique o vídeo como prova contra Vieira.

“O vídeo não vai poder ser usado, porque foi uma prova obtida de forma ilegal. Invadiram a casa dele e roubaram o vídeo antes que a polícia chegasse”, justificou Assumpção. 

Segundo o delegado Fábio Salvadoretti, diretor da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense da Polícia Civil, a equipe de investigadores recolheu os vídeos à noite, ao chegar ao local. Coincidentemente, funcionários da empresa de monitoramento estavam no local, pois tinham ido fazer a manutenção no sistema que Vieira mandara instalar três dias antes. “Tivemos uma facilidade porque os funcionários estavam lá”, declarou Salvadoretti, ressaltando que já havia outras pessoas na cena do crime e que o vídeo pode ter vazado de várias formas no dia seguinte, sexta-feira, 17.

O dono de vans foi indiciado por feminicídio, assassinato cometido contra mulheres em razão do gênero ou em decorrência de violência doméstica. Preso desde sexta-feira, ele foi transferido neste sábado, 18 para a penitenciária de Bangu 10, no Complexo de Gericinó, na zona oeste do Rio.

O assassinato de Amanda Bueno, ex-dançarina dos grupos de funk Gaiola das Popozudas e Jaula das Gostozudas, causou comoção nas redes sociais, onde foram postadas fotos do corpo da vítima e as imagens do sistema de segurança da casa de Vieira. Na gravação, Amanda e Vieira discutem, até que o noivo começa a agredir a dançarina. Vieira derruba Amanda no chão, bate com a cabeça da vítima e a golpeia várias vezes com uma pistola. Depois de deixá-la desmaiada, ele pega uma escopeta calibre 12 e ainda dispara cinco vezes contra a cabeça da mulher.

A polícia investiga se Vieira é ligado à milícia que atua na região e controla o transporte de vans. Segundo o advogado do acusado, todas as armas que ele possuía em casa eram registradas. Assumpção também afirmou que o dono de vans não participa de nenhuma milícia. 

Após o crime, Vieira roubou o carro do dono da firma de instalação do sistema de segurança, que tinha parado em frente à sua casa para fazer uma checagem no equipamento instalado dias antes. O acusado foi preso após capotar na Rodovia Presidente Dutra, que liga o Rio a São Paulo.

Vieira estava com a pistola e a escopeta usadas no crime, outras duas pistolas e um revólver. Ele tinha porte de armas intramuros, que só permite o uso dentro de casa.

(se as imagens foram roubadas e divulgas quem fez isso com certeza queria que o cara fosse preso e condenado, pra então assumir o negócio das vãs, pode ser um concorrente que queria o MILTON fora, ode ser isso não pode ?

fez isso pois algum policial corrupto amigo do MILTON poderia sumir com as imagens, são suposições minha mas pode ser verdade.

e o tal feminicídio pode realmente não ser suficiente pra manter o cara preso pelos próximos 30 anos, ta vendo ? não adianta privilegiar determinados grupos com leis específicas, mulheres tem o MARIA DA PENHA tb, os homossexuais lei específica de homofobia, mas não ta adiantando nada, leis demais, e brechas demais que advogados ladinos encontram, e tem a corrupção tb, o MILTON é um arquivo vivo, se for miliciano mesmo, sabe dos podres de muitos.)

carro de professora é roubado em shopping, mas imagens só saem pra policia em 3 dias.

O resultado de uma pesquisa que demandou mais de 20 anos de trabalho e investimentos de R$ 700 mil (verba pública) corre o risco de se perder. O estudo desenvolvido pela professora Telma Darn, do curso de Turismo do câmpus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) estava gravado no notebook que foi furtado de dentro do seu carro na quinta-feira no estacionamento do shopping Iguatemi Esplanada e reproduz o que a autora chama de “ressonância magnética” das potencialidades turísticas dos 644 municípios do Estado de São Paulo. O material não foi arquivado em backup ou em outro ambiente que permita sua recuperação.

A professora pretendia apresentar uma primeira versão do levantamento ao secretário do Turismo Roberto Lucena que esteve na cidade na quinta-feira. Desesperada com o acontecido, Telma Darn lembrou que sua pesquisa iria subsidiar as ações do Observatório de Turismo do Estado de São Paulo (Obtesp) que será inaugurado em maio dentro do Núcleo de Extensão, Educação, Tecnologia e Cultura da Universidade (ETC), no bairro de Santa Rosália.

Nela estão relacionadas informações, indicadores e estatísticas que dimensionam o quanto cada município pode gerar de divisas, empregos e agregar em fator de desenvolvimento. Para se ter ideia todas as cidades que fazem parte da recém-criada Região Metropolitana de Sorocaba (RMS) foram mapeadas.

O cronograma de inauguração do Obtesp não será alterado. A professora esteve à frente da mobilização que fez com que o órgão fosse instalado em Sorocaba e lamenta a falta de sorte. “Foi uma conquista para Sorocaba que será referência no campo de pesquisa para políticas públicas voltadas ao estímulo do turismo. Até por isso, vamos continuar trabalhando”, disse.

“O Observatório poderia ter ido para São Carlos ou qualquer outro lugar, mas priorizamos Sorocaba porque foi aqui que tudo se desenvolveu. O desaparecimento da pesquisa compromete muito esse processo, mas vamos continuar a batalha com disposição redobrada apesar dos transtornos”.

A pesquisadora lamenta não ter tomado medidas para manter os arquivos. O professor da Esamc, Valdinei Castelan informou que o recomendado é fazer backup do conteúdo produzido ou, ainda, usar os chamados drives virtuais, como são chamados espaços disponibilizados na internet por programas como drop box, google drive ou one drive. Outra alternativa é equipar o computador com softwares que impeçam o acesso aos arquivos.

O furto

Conforme anotado em boletim de ocorrência registrado na DPP Sul o furto aconteceu por volta das 12h30 de quinta-feira. A professora estacionou seu carro no shopping onde esteve para sacar dinheiro num caixa eletrônico. Ao retornar acionou o controle do alarme e estranhou ao constatar que nada acontecia.

Percebeu, então, que a porta do motorista havia sido arrombada e que de dentro do veículo foram levados o notebook e um data show. Ela procurou um eletricista estabelecido nas imediações do estacionamento e soube que o ladrão teria usado uma mixa (espécie de chave que destrava a fechadura). Depois disso, o ladrão retirou o fusível que faz o dispositivo funcionar e subtraiu os objetos do interior do automóvel. Esse é um procedimento comum na prática de crimes como esse.

Em nota, a assessoria de imprensa do shopping disse que lamenta o ocorrido e que se colocou à disposição da cliente e das autoridades para ajudar na solução do caso. O empreendimento dispõe de sistema de videomonitoramento e deverá, dentro de 72 horas, fornecer as imagens captadas pelas câmeras lá instaladas. Essa providência ajudará o trabalho de investigação

( quer dizer que vc matar alguém,no estacionamento do shopping, só vão descobrir quem foi depois de 3 dias ? que coisa né ?

então pra q câmeras, se não pegar em flagrante, tem de esperar 3 dias pra saber quem foi ? ah ta.)

imagens de uma padaria de SP teriam flagrado um homem que alguns afirmar ser ROGER ABDELMASSIH

Imagens captaram na última segunda-feira (10) um homem que poderia ser o médico Róger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por acusação de 56 crimes sexuais contra pacientes. 


O médico é considerado foragido pela Justiça desde 2011. 


O homem aparece na imagem em uma padaria no bairro de Vila Nova Conceição, na zona sul da cidade de São Paulo. 


Ele encontra outro homem no local, onde teria ficado por volta de 20 minutos. 


Segundo o delegado Waldomiro Milanesi, da divisão de capturas do DHPP, uma equipe foi hoje ao local e requisitou as imagens do circuito de segurança que teriam flagrado a presença do médico. 


O delegado também entrou em contato por telefone nesta quarta-feira (20) com o empresário Fabrizio Fazano Júnior, que postou no Facebook a informação de que Roger Abdelmassih estaria em São Paulo. 


Segundo o delegado, Fabrizio estava no aeroporto embarcando em um voo e não pôde dar informações. Waldomiro Milanesi afirmou que as características físicas do homem que aparece no vídeo divulgado nesta quarta-feira (12) pela imprensa diferem às de Roger Abdelmassih, já que o médico é mais baixo e mais fraco. 


Mesmo assim, a polícia segue apurando a denúncia. Em entrevista ao Cidade Alerta, uma mulher chamada Helena, que afirmou ser uma das vítimas de Abdelmassih, disse acreditar que se trata do médico. 


Ela informou que se assustou ao ver as imagens pela televisão. 


 — O jeito de ele andar, o jeito de mexer os braços, as costas […] O jeito desconfiado de olhar de um lado para o outro. Eu até me assustei quando eu vi.( já um delegado afirma não ser ele, é preciso tomar cuidado,  podem fazer um reconhecimento errado e até lincharem um inocente por ai.


vamos com calma.)