quanto ja pagamos de impostos, e quanto custa cada politico no pais.

Cada sorocabano pagou R$ 2.779,28 em impostos neste ano, informa o portal do Impostômetro. OCada sorocabano pagou R$ 2.779,28 em impostos neste ano, informa o portal do Impostômetro. O valor, ainda de acordo com o portal, corresponde a 86,2% do total de R$ 3.223,25 pagos pelos moradores da cidade durante todo o passado.

Na manhã de ontem, por volta das 11h30, o painel do Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atingiu a marca de R$ 1 trilhão pagos em impostos pelos brasileiros e um apitaço foi feito em diversas partes do Estado como forma de protesto. O presidente da Associação Comercial de Sorocaba e Região (Acso), Nilton da Silva Cesar destaca que a marca foi atingida 35 dias antes do que o registrado no ano passado.

Como forma de levar informação às pessoas, a entidade montou na praça Coronel Fernando Prestes uma tenda com o “Feirão do Imposto”. No local foram colocados produtos com os preços pagos pelos consumidores e o valor correspondente dos impostos recolhidos aos cofres públicos.

No Estado de São Paulo, apontam informações do portal, cada cidadão pagou, em média, R$ 2.018, quase R$ 700 a menos do que Sorocaba. Se a comparação é feita tendo como base a capital paulista, São Paulo, os valores são semelhantes. Os paulistanos, até agora, tiveram arrecadação per capita média de R$ 2.776. Total assusta Para as amigas Joana Silva e Heleni de Oliveira, ambas com 55 anos, o valor pago em impostos causa espanto.

 “A gente sabe que tem imposto em tudo mas R$ 2.700 é muito dinheiro”, lamenta Joana. Auxiliar em serviços gerais, ela diz que se pudesse, usaria o valor para terminar a reforma de sua casa. Os recursos arrecadados pelo governo por meio dos tributos devem ser usados para custear gastos públicos com educação, saúde e transporte, por exemplo. “O pior é que quando a gente precisa de um hospital, cirurgia ou até mesmo uma boa escola para os filhos, não temos”, aponta Joana.

 Para Heleni o pior de pagar altos impostos também está no fato de não haver uma resposta satisfatória por parte do governo. “Eu concordo quando ela fala da falta de qualidade na saúde e na educação. Eu acho que é nisso que o pobre mais sofre”, diz ela. Assim como Joana, Heleni também tem está com a construção da casa paralisada por falta de dinheiro. “A gente vai fazendo aos poucos conforme sobra dinheiro. Acho que R$ 2.700 resolveria boa parte do problema”, afirma.

Estão por toda a parte “Nós pagamos impostos em tudo. Até o consumidor que não é contribuinte paga impostos nas relações de consumo”, afirma o advogado especialista em Direito Tributário e coordenador da unidade Sorocaba do Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (Ibet), Rodrigo Dalla Pria.

 Isso porque, como ele explica, a maior parte dos impostos incide sobre o próprio consumo. Como exemplo desses tributos, o advogado cita o Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). “São impostos que não aparecem, estão embutidos no preço dos produtos e quem arca é sempre o consumidor final”, afirma o advogado. Há ainda tributos que são pagos pelos chamados contribuintes.

Esses, comenta Pria, são fixados pela renda, ganho de patrimônio ou simples propriedade de um determinado bem como veículos e imóveis. Aqui o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) e o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor (IPVA) são os exemplos mais lembrados, diz o tributarista. Transparência é constitucional Saber exatamente o quanto se paga em impostos na compra de um determinado bem ou contratação de serviço é uma garantia constitucional, diz Pria. Isso significa que a Constituição Federal – a principal lei do País – garante esse direito a todos os brasileiros. Para regulamentar a determinação e especificar como a medida será cumprida, um projeto de lei tramita no Congresso Federal há mais de quatro.

Como forma de pressionar os parlamentares brasileiros, a Associação Comercial de São Paulo elaborou um documento oficial em nome dos empresários paulistas que são a favor do projeto. O documento foi enviado ontem para o Legislativo Federal. O texto já foi aprovado pelo Senado e agora aguarda votação na Câmara dos Deputados. valor, ainda de acordo com o portal, corresponde a 86,2% do total de R$ 3.223,25 pagos pelos moradores da cidade durante todo o passado. Na manhã de ontem, por volta das 11h30, o painel do Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atingiu a marca de R$ 1 trilhão pagos em impostos pelos brasileiros e um apitaço foi feito em diversas partes do Estado como forma de protesto.

O presidente da Associação Comercial de Sorocaba e Região (Acso), Nilton da Silva Cesar destaca que a marca foi atingida 35 dias antes do que o registrado no ano passado. Como forma de levar informação às pessoas, a entidade montou na praça Coronel Fernando Prestes uma tenda com o “Feirão do Imposto”. No local foram colocados produtos com os preços pagos pelos consumidores e o valor correspondente dos impostos recolhidos aos cofres públicos.

No Estado de São Paulo, apontam informações do portal, cada cidadão pagou, em média, R$ 2.018, quase R$ 700 a menos do que Sorocaba. Se a comparação é feita tendo como base a capital paulista, São Paulo, os valores são semelhantes. Os paulistanos, até agora, tiveram arrecadação per capita média de R$ 2.776.
 
Total assusta
 

Para as amigas Joana Silva e Heleni de Oliveira, ambas com 55 anos, o valor pago em impostos causa espanto. “A gente sabe que tem imposto em tudo mas R$ 2.700 é muito dinheiro”, lamenta Joana. Auxiliar em serviços gerais, ela diz que se pudesse, usaria o valor para terminar a reforma de sua casa. Os recursos arrecadados pelo governo por meio dos tributos devem ser usados para custear gastos públicos com educação, saúde e transporte, por exemplo. “O pior é que quando a gente precisa de um hospital, cirurgia ou até mesmo uma boa escola para os filhos, não temos”, aponta Joana.

Para Heleni o pior de pagar altos impostos também está no fato de não haver uma resposta satisfatória por parte do governo. “Eu concordo quando ela fala da falta de qualidade na saúde e na educação. Eu acho que é nisso que o pobre mais sofre”, diz ela. Assim como Joana, Heleni também tem está com a construção da casa paralisada por falta de dinheiro. “A gente vai fazendo aos poucos conforme sobra dinheiro. Acho que R$ 2.700 resolveria boa parte do problema”, afirma.
 
Estão por toda a parte
 

“Nós pagamos impostos em tudo. Até o consumidor que não é contribuinte paga impostos nas relações de consumo”, afirma o advogado especialista em Direito Tributário e coordenador da unidade Sorocaba do Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (Ibet), Rodrigo Dalla Pria. Isso porque, como ele explica, a maior parte dos impostos incide sobre o próprio consumo.

Como exemplo desses tributos, o advogado cita o Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). “São impostos que não aparecem, estão embutidos no preço dos produtos e quem arca é sempre o consumidor final”, afirma o advogado.

Há ainda tributos que são pagos pelos chamados contribuintes. Esses, comenta Pria, são fixados pela renda, ganho de patrimônio ou simples propriedade de um determinado bem como veículos e imóveis. Aqui o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) e o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor (IPVA) são os exemplos mais lembrados, diz o tributarista.
 
Transparência é constitucional
 

Saber exatamente o quanto se paga em impostos na compra de um determinado bem ou contratação de serviço é uma garantia constitucional, diz Pria. Isso significa que a Constituição Federal – a principal lei do País – garante esse direito a todos os brasileiros. Para regulamentar a determinação e especificar como a medida será cumprida, um projeto de lei tramita no Congresso Federal há mais de quatro. Como forma de pressionar os parlamentares brasileiros, a Associação Comercial de São Paulo elaborou um documento oficial em nome dos empresários paulistas que são a favor do projeto. O documento foi enviado ontem para o Legislativo Federal. O texto já foi aprovado pelo Senado e agora aguarda votação na Câmara dos Deputados. ( tb pudera, vejam no video abaixo , quanto custa um politico ao ano.

ACORDA BRASIL, TOMEMOS O PODER.