godos, visigodos, bárbaros em geral já começam a quebrar o ITAQUERÃO.

cadeira20

Veja  imagens de cadeiras danificadas no setor das torcidas organizadas do Corinthians no estádio do alvinegro na partida contra o Figueirense, a primeira oficial na arena.

Pelas contas do clube, o jogo terminou com 55 cadeiras destruídas na área em que ficam as uniformizadas. Em seu site, a Gaviões da Fiel, principal uniformizada corintiana, negou atos de vandalismo por parte de seus integrantes. “É importante ressaltar a qualidade das mesmas, pois em algumas situações, o torcedor apenas subia na cadeira para passar de um local para o outro e ela já se partia ao meio, pensamos que isso tem de ser revisto”, diz trecho do comunicado emitido pela Gaviões.

Paulo Pan, da Bluecube, fabricante dos assentos da arena contesta a versão da torcida organizada. “Pelo jeito que algumas delas quebraram, eles devem ter pisado na ponta do encosto que não foi feito para aguentar esse tipo de pressão”, disse o executivo .

cadeira10

cadeira3

o nome que querem faz jus ARENA CURINTIA, para bárbaros quebrarem tudo principalmente se perderem um jogo.

repórter é agredido por curintianos no ITAQUERÃO, querem esconder o que ?

O repórter da Folha Daniel Vasques foi agredido nesta quarta-feira por um grupo que acompanhava o ex-presidente Andres Sanchez, quando cobria o acidente no Itaquerão.

Ele tentava tirar fotos do caminhão esmagado e de um corpo preso que era retirado das ferragens em razão do desabamento da parte de uma cobertura quando foi expulso por funcionários do Corinthians e da Odebrecht e xingado pelo ex-presidente.

Os funcionários seguiram o jornalista no terreno da obra, tentando retirar o seu celular à força. Ameaçaram agredi-lo e quebrar seu telefone.

Já longe do local do acidente, ele foi cercado pelo grupo, sem a presença de bombeiros ou policiais. Os funcionários começaram a empurrá-lo e a dar socos na sua perna, na altura em que o celular estava guardado.

Andres, que havia ficado perto do caminhão, juntou-se em seguida ao grupo. As agressões persistiram de todos os lados.

Operários da Odebrecht que trabalham na obra intervieram para defender o jornalista e quase foram agredidos também.

Um policial militar chegou ao local e disse que o repórter teria de apagar todas as imagens.

Sob xingamentos e ameaças do grupo, o jornalista apagou fotos e vídeos de apenas um dos dois celulares que ele levava consigo, já que o grupo ignorava que ele portava dois celulares.

Em seguida, o jornalista foi expulso da área próxima ao canteiro de obras.

O Corinthians emitiu uma nota oficial (veja abaixo) lamentando o ocorrido. Em entrevista coletiva, Andres confirmou ter xingado o repórter, mas negou ter participado da agressão. “Eu não encostei nele em momento nenhum.”

Segundo Andres, o repórter invadiu uma área restrita, delimitada pelos bombeiros e policiais. “Ele mentiu, dizendo que era funcionário da Odebrecht para ter acesso ao local e foi retirado. Eu não encostei nele em momento algum. Não houve agressão e tenho testemunhas dos policiais e funcionários de que isso não aconteceu.”

O repórter diz que mostrou ao grupo o crachá que o identifica como repórter da Folha e que em nenhum momento afirmou que era funcionário da Odebrecht.

Reitera que, quando foi cercado pelo grupo, foi em um local do terreno onde não havia presença de policiais e bombeiros.

ABRAJI

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) mandou uma nota lamentando a agressão, inclusive com uma crítica para a Polícia Militar.

“A Abraji lamenta a agressão contra o repórter da Folha de S.Paulo Daniel Vasques, que fotografava com o celular o acidente nas obras do Itaquerão, em São Paulo, nesta quarta-feira (27.nov.2013).

O ex-presidente do Corinthians Andres Sanchez, um funcionário da Odebrecht e seguranças tentaram obrigar o jornalista a entregar o telefone com as fotos do acidente. Um policial militar que estava no local também pressionou Vasques a abrir mão do telefone. Intimidado, o profissional apagou as imagens e acabou expulso do canteiro de obras.

A Abraji lamenta este novo episódio de violência contra a imprensa. Ao agir dessa maneira, o ex-dirigente do Corinthians e o funcionário da Odebrecht atentam contra a liberdade de expressão e o direito à informação. Ao apoiá-los, o policial militar posiciona o Estado contra um direito fundamental do jornalista e da sociedade. Além de Daniel Vasques, que foi agredido, toda a sociedade sai prejudicada do episódio.”

NOTA OFICIAL DO CORINTHIANS

“A diretoria do Sport Club Corinthians Paulista vem público lamentar profundamente o acidente ocorrido há pouco na Arena Corinthians.

Não existem outra informações no momento.”

( mesmo que o cara tenha mentido e tentado ter acesso a uma área restrita não precisava agressão e ap-agar imagens registradas, alias restrita por que ?

se o acidente foi falha humana o que querem esconder ? ou tem mais coisa por ai que estão tentando esconder ? será que não havia total segurança pra se trabalhar ali ? restos do PALESTRA ITÁLIA, foram usados na construção do ITAQUERÃO, será ai o problema ?

agressão a um repórter que estava apenas trabalhando ? este é o CURINTIA que se diz soberano e quer mandar no pais ? 

CURINTIA ta igual a GLOBO, quer passar por cima de tudo pra se impor.) 

acidente no ITAQUERÃO não deve prejudicar o curintia na abertura da copa

Se depender de atraso na obra causado pelo acidente de ontem, a chance de o Itaquerão não receber jogos da Copa-14, entre eles a partida de abertura, é mínima.

A Folha apurou que a Fifa não tem um plano B e vai aceitar o atraso no cronograma de obras do estádio, que previa entrega em dezembro.

Ao saber que o acidente não afetou as estruturas do estádio corintiano, a previsão dentro da federação é que a obra atrase em 30 dias. Ou seja, deverá ser entregue no final de janeiro ou início de fevereiro, prazo aceito pela entidade, já que ocorreu esse imprevisto na construção.

A Copa só sai do Itaquerão, a reportagem apurou, se laudos da perícia após o acidente concluírem que não há segurança para a arena receber partidas de futebol.

  Editoria de arte/Folhapress  

A Fifa não tem outra opção senão fazer a abertura em São Paulo. E não há opção na cidade. A Arena do Palmeiras não deve ter o gramado ideal em junho. A reforma no Morumbi, a primeira opção para receber jogos na capital paulista, não foi finalizada.

A Fifa descarta tirar a abertura da Copa de São Paulo também porque fará nessa cidade, em junho de 2014, seu congresso anual, quando representantes das 209 associações filiadas estarão presentes. São Paulo é a única cidade, na avaliação da Fifa, com infraestrutura hoteleira para receber o evento.

A Fifa deve bancar o Itaquerão, segundo apurou a Folha, para que o assunto não seja protagonista na próxima semana na Costa do Sauípe, na Bahia, quando serão sorteados os grupos da Copa do Mundo, no dia 6.

No dia 8 de dezembro também recomeça a venda de ingressos, na etapa mais importante de todas, quando a procura é maior porque onde cada seleção vai jogar já estará definido. As pessoas, portanto, precisam saber que haverá jogos em Itaquera.

FALHA HUMANA

Falha humana é a explicação mais provável para o acidente de ontem no Itaquerão.

“As informações dão conta de que houve o tombamento do guindaste. Isso praticamente descarta falha mecânica”, diz Leonardo Roncetti, da TechCon Engenharia.

Segundo o especialista em içamento, o mais provável é que houve algum erro de planejamento da operação ou mesmo alguma falha na operação da máquina.

“De repente, não houve uma investigação aprofundada do solo onde a máquina ficou apoiada”. Segundo Rocetti, o guindaste é um dos três melhores do mundo. ( claro que o estádio vai sediar a abertura da copa, mas nem que fosse pra entregar o estádio pronto a poucoas dias do inicio da bagunça, imagine se SP iria ficar de fora, dar o gosto pra cariocada tb conseguir a abertura ?

imagine milhares de curintianos protestanto pq o ITAQUERÃO não iria mais sediar a abertura, teriamos de chamar  as forças armadas pra conter as bestas feras.)