WHATSAPP a bola da vez em matéria de censura e bloqueio.

Resultado de imagem para censura ao whatsapp

Não é apenas no Brasil, onde um juiz do Piauí ordenou o bloqueio do aplicativo, que o WhatsApp corre o risco de sair do ar.

No Reino Unido, na Arábia Saudita, no Irã e em outros países, o aplicativo também sofreu ameaças de bloqueio e, em alguns deles, chegou a ser suspenso.

A discussão ocorre porque é mais difícil monitorar mensagens enviadas pelo aplicativo do que ligações telefônicas ou e-mails, por exemplo – o que, segundo alguns países, pode ameaçar tanto a segurança pública quanto a segurança nacional.

O bloqueio do WhatsApp, no entanto, é visto por muitos como uma ameaça à liberdade de expressão.

No Brasil, o juiz Luiz de Moura Correa determinou que o WhatsApp seja bloqueado para forçar a empresa a colaborar com a Justiça em uma investigação sobre pedofilia que corre sem segredo.

No Reino Unido, o primeiro-ministro David Cameron também critica a falta de colaboração da empresa em investigações – neste caso, sobre terrorismo.

Em um discurso em janeiro, o britânico disse que tentaria proibir serviços de mensagens encriptadas – como as do WhatsApp e do Snapshat – caso o conteúdo não pudesse ser acessado pelos serviços de inteligência britânicos.

A declaração foi feita após os ataques a revista satírica Charlie Hebdo, em Paris, que aumentaram o temor sobre ameaças terroristas. Já existe uma pressão para que empresas como Google e Facebook forneçam mais informações sobre as atividades dos seus usuários, já que há uma forte ação de recrutamento de grupos radicais pela internet.

“Vamos permitir meios de comunicação que são impossíveis de ler? Minha resposta é: não, não devemos fazer isso”, disse Cameron.

Terrorismo

Ameaças de terrorismo ou à segurança nacional também serviram de justificativa para o bloqueio do serviço em outros países.

Muitos desses governos, no entanto, foram criticados por restringir a liberdade de expressão.

Na Arábia Saudita, de acordo com agências de notícias, houve uma ameaça de retirar o Whatsapp do ar em 2013 porque o serviço não estaria se adequando às regras de Comissão de Comunicações e Tecnologia da Informação. Na época, o país chegou a tirar do ar o Viber, aplicativo de mensagens e chamadas de voz pela internet, pelo mesmo motivo.

Em Bangladesh, o serviço foi bloqueado em janeiro, também de acordo com agências. O governo afirmou que havia ameaças de terrorismo e que era difícil monitorar comunicações pelo aplicativo.

“Terroristas e elementos criminosos estão usandos essas redes para se comunicar”, disse uma autoridade do Paquistão para justificar a suspensão do aplicativo em uma província, segundo a mídia local.

No ano passado, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, considerado moderado, precisou se empenhar pessoalmente para liberar o aplicativo.

A linha dura iraniana pediu a censura, segundo a emissora de TV americana Fox News, devido à compra do app pelo Facebook – cujo dono, Mark Zuckerberg, seria uma “americano sionista”, segundo o comitê do país responsável pela internet.

Na Síria, que passa por uma guerra há mais de três anos, o aplicativo – usado para marcar protestos durante a Primavera Árabe – foi suspenso em 2012.

“Um golpe na liberdade de expressão e nas comunicações em todo lugar. Um dia triste para a liberdade”, publicou o WhatsApp em seu Twitter à época.

( eu vou repetir mais uma vez, se não tem combate corpo a corpo nas ruas, não adianta censurar sob a desculpa de estar combatendo pedofilia terrorismo etc, alais nada se combate, a humanidade não ta disposta combater .

seria sim liberdade de expressão ameaçada, ditadura disfarçada que não quer que vc use redes sociais pra criticar o governo, tb seria a mídia televisiva e os jornais que perdem espaço pra internet, a mídia esconde o que vc já ta sabendo pela net, os jornais não publicam,mas a net sim.

vc meu amigo com seu celular, pode informar,registrar coisas que os demais tentam esconder, e informar melhor a todos, basta vc ver as coisas que aparecem a toda hora no FACEBOOK .

a DILMA sotou a força se segurança nacional pra cima dos caminhoneiros, vc ta sabendo disso pela tv ? não né ? sabe pelo FACE, TWITTER, pq vc acha que ta havendo pressão pra controlar a net, soba  desculpa de combater determinados crimes ? balela não se combate nada, quem quer se comunicar da seus pulos, terroristas,bandidos, máfias em geral já estão lá na frente em matéria de comunicação.)

a luta não é só contra o islã radical , e sim contra a censura

certamente o bom muçulmano não cometeria tais atos de selvageria, mesmo sendo contrário as charges , ele trabalha, luta pra sobreviver, um dos policiais mortos tb era muçulmano, poderia se ofender com charges do jornal, mas apenas isso, não iria entrar no jornal de arma em punho pra tirar satisfação, o atentado tb foi contra o bom islã.

a luta não é apenas contra o radical islã, mas sim contra os politicamente curretos que querem determinar o que vc pode fazer na arte, seja no cinema, música, livros, etc etc, não pode falar nada sem que algum grupinho venha se ofender, muitas vezes apenas querem ganhar alguma grana encima.

fazer piada de gordo, portuga, japonês, padre, bebum, gay, sempre tem os que se ofendem, mas alguns tem aintenção de apenas tentar faturar encima.

VANESSA CAMARGO processou RAFINHAS BASTOS pela piada de comer ela e o bebê, 100 mil reais foram pra onde ? , com certeza a GLOBO incentivou o processo unica e exclusivamente pra por judicar o CQÇ , não por causa dela, PRETA GIL se ofendia cm piadas de gorda,  mas era zoada na internet direto e ainda é quando aparece em noticias.

na net ainda se pode fazer piada de tudo, sei de sites onde pode , se bem que aqui a pessoa entra onde quer e clica onde quer, diferente de tv, onde vc assiste sem saber o que vai rolar de- repente.

a religião  se mete sempre na sua vida, seja vc ateu, agnóstico o que for e dai ? vc faz uma piadinha, e la vem bomba ? ah da licença.

que os caras sejam presos, e que o jornal volte a ser o que sempre foi, e viva a liberdade de expressão, e dane-se quem não gosta, zoamos tudo mesmo.

 

ANA PAULA MACIEL, e seus relatos de horror na RÚSSIA.

Em 25 de outubro, dentro de uma cela na gelada Murmansk (Rússia), a brasileira Ana Paula Maciel, 31, ativista do Greenpeace, escreveu em um diário: “Ontem eu pensava qual seria a forma mais rápida de acabar com tudo isso, sou bióloga e sei muitas formas de acabar com a agonia de um ser vivo”.

Durante os dois meses de prisão, Ana Paula, libertada na semana passada, escreveu detalhes da agonia que viveu, em um diário cujos trechos principais estão abaixo.

‘Não me arrependo do que fiz”, diz brasileira que foi presa na Rússia’
‘É muito bom vê-la e abraçá-la’, diz mãe de ativista brasileira ao chegar à Rússia

Acusada de vandalismo e pirataria por ter participado de um grupo que tentou barrar a exploração de petróleo no Ártico, ela não pode deixar a Rússia até o julgamento, que não tem data marcada. Ontem, a gaúcha Ana Paula reencontrou-se com a mãe, Rosângela, que a visitou em São Petersburgo.

26/9 – A primeira audiência

Nos acusaram de pirataria, com penas de até 15 anos, mesmo com o presidente deles [Putin] dizendo que não somos piratas. Agora sozinha na cela rezo para que minha mãe reze por nós. A pior parte de ser forte é que ninguém pergunta se você está bem. Vou manter esse diário até quando eu possa ter caneta.

29/9 – Justiça decreta prisão preventiva de dois meses

A última vez que vi no relógio eram dez horas [da noite], agora já não sei, é tarde. Me trouxeram um purê de batatas com beterraba, delicioso, pena que estava frio. A corte foi cansativa e cheia de emoções. Encontrei uma página em branco num livro e escrevi: “Save the Arctic” [Salvem o Ártico]. Não sei se isso vai me trazer problemas […] O banho é só duas vezes por semana, às 18h trazem a janta.

30/9 – Primeiro dia com a prisão decretada

Vieram me chamar para caminhar, pelo menos ar fresco. É sempre nessa caixa de concreto, 5 por 5 [metros], uma caixa de paredes sem sol. Quando me chamaram, acho que me senti como a Lilica e Laila [cachorras dela], quando vamos passear. Acabei de escutar notícia na rádio sobre nós. Acabei de jantar, deve ser seis horas, mais ou menos. “Greenpeace”, “Arctic Sunrise” [navio em que foram presos], “Murmansk”, foi o que entendi, o resto era em russo.

7/10 – As regras da prisão

Meu Deus, quando tudo isso vai acabar? Acordei cedo e não voltei a dormir. O regulamento parece aqueles manuais traduzidos por chineses, não dá para entender nada. Entendi que tinha que limpar a cela, embora tenha tirado toneladas de sujeira, não parece que limpei.

25/10 – Desabafo

Acho que os investigadores deveriam ter peso na consciência de fazerem inocentes passarem pelo terror psicológico da prisão. Estou cansada das inspeções, de sorrir para os guardas, de mostrar respeito pelas pessoas que não respeito. Cansada de andar com as mãos nas costas, das caixas escuras onde nos transportam, das algemas, de ser vigiada pelo olho da porta. Ontem eu pensava qual seria a forma mais rápida de acabar com tudo isso, sou bióloga e sei muitas formas de acabar com a agonia de um ser vivo, formas quase indolores e bem rápidas, o problema é que sou muito forte e corajosa.

Para se matar, é preciso coragem, mas para viver é preciso ainda mais. Na corte, me senti como uma atriz no teatro, porque a decisão já estava tomada antes mesmo de eu sair da prisão, desse buraco imundo, cheio de ratos e fantasmas.

12/11 – Transferência para São Petersburgo

Chegamos perto da uma da tarde, uma e meia já estávamos sendo transferidos para a nova prisão. O transporte de trem levou 27 horas. Não havia colchão e era bem difícil ir ao banheiro. Fomos para a cela, onde tenho duas companheiras. Somente queremos que isso acabe, por favor.

13/11 – Sem dormir

É proibido dormir depois das seis da manhã. […] Quero ver a regra, porque punir as pessoas por dormir é contra os direitos humanos. Minha companheira de cela já me disse que elas tomam um banho uma vez por semana. Hoje vieram perguntar se quero tomar banho de novo. Se elas não podem ir, eu não vou, afinal, qual a diferença entre nós? […] Peguei o papel com as regras do horário e clarifiquei com eles [guardas] que não era contra a lei dormir e que sempre vou tomar banho. Pedi para garantir os mesmos direitos para minhas companheiras.

20/11 – A inesperada saída

Nada de especial aconteceu [no mesmo dia é libertada].

( vcs conhecem aquela expressão é fácil tirar o pobre da loima , difícil é tirar a lama dele ? 

então, tiraram a antiga URSS da RÚSSIA  e das demais ex republicas, mas não tiraram a mente de muita gente  que ainda prefere viver naqueles tempos, pois um pais autoritário onde vc não pode se expressar claramente correndo o risco de ser preso.

o próprio PUTIN disse que eles não eram piratas, mas então ele não apita nada lá, faz o que no governo então ?)

mulheres fazem leitura com topless NY

UOL

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a “Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre” (em tradução livre) tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na “Grande Maçã”, em sinal de igualdade em relação aos homens.

O grupo, que começou como uma reunião de amigas em abril de 2011, convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura e discussão em parques, praças e festas particulares. “Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós qualquer hora?”, convida o blog das leitoras de topless.  http://fotos.noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2013/06/25/grupo-de-leitura-de-topless-em-nova-york.htm?fotoNav=19  ( é aquela discussão, afinal seios são órgãos sexuais   ?  ah meu caro caso vc seja pego pela patroa olhando as fotos, assume que ficou excitado, mas tb acha ridículo mulher se expor assim, seja verdadeiro, ai vc pega a sua mulher e créu.

veja quem é a tal bancada evangélica que quer te controlar.

Dados do Transparência Brasil indicam que:

1) Da bancada evangélica, todos os deputados que a compõe respondem processos judiciais;
2) 95% da referida bancada estão entre os mais faltosos;
3) 87% da referida bancada estão entre os mais inexpressivos do DIAP;
4) Na última década não houve um só projeto de expressão, ou capaz de mudar a realidade do país, encabeçado por um parlamentar evangélica.
vale lembrar que não é perseguição pessoal, ou de grupo, é pra vcs verem os dois lados desta guerra entre religiões que querem apenas mandar na sua vida te obrigando a escolher um lado  divulgando terrorismo de que sua família está em perigo por ex que a moral e bons costumes vem sendo ameaçados.
então ta tudo ai, vc clica nos links e toma sua posição.)

CQÇ X JORNALISTAS REACIONÁRIOS

Será que é hora de jornalistas pensarem em restringir a liberdade de imprensa?”

Marcelo Tas, âncora do”CQC”, reagiu assim às reclamações de jornalistas após confusão que por pouco não terminou em pancadaria contra o humorista Mauricio Meirelles e equipe.

Sindicato dos Jornalistas de Brasília pede limites ao “CQC”
Jornalistas se irritam com equipe do “CQC” em Brasília

No programa desta segunda (23), Tas tratou o episódio como “pequeno zum-zum-zum” e criticou a disposição de um sindicato do Distrito Federal de propor restrições ao trabalho do “CQC” na capital.

Na semana passada, Meirelles tentou de várias formas (“custe o que custar”, conforme o lema da atração) chamar a atenção da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, que participava de evento oficial em Brasília.

Acabou, contudo, irritando jornalistas ao atrapalhar a gravação de equipes de TV.

  Divulgação  
Mauricio Meirelles, do "CQC"
Mauricio Meirelles, do “CQC”

O humorista (incorporado neste ano ao programa da Band) tentou entregar uma máscara de Carnaval para Hillary enquanto berrava “samba!” –pouco antes, a americana tinha sido flagrada bebendo cerveja e dançando num bar na Colômbia.

Houve, então, uma discussão com a assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores.

Em seguida, a equipe do “CQC” prometeu discrição para não ficar de fora de uma entrevista coletiva com Hillary e o ministro Antonio Patriota. Promessa cumprida.

Mas, na saída, mais confusão: com nova tentativa de fazer a máscara chegar às mãos de Hillary, Meirelles atrapalhou o trabalho de fotógrafos, cinegrafistas e repórteres. Os colegas quase trocaram agressões físicas –Itamaraty e embaixada dos EUA precisaram intervir para que isso não se concretizasse.

‘PEQUENO ZUM-ZUM-ZUM’

O programa de hoje, segundo Tas, mostrou o que “realmente aconteceu”, a despeito de reportagens “que [disseram que] o ‘CQC’ foi lá, fez uma coisinha que não podia, fez bobagem numa coletiva de imprensa”.

O quadro começou com Meirelles entrevistando parlamentares –que, na maioria, desconheciam os motivos que trouxeram a norte-americana ao Brasil.

Corta para o evento com Hillary e Patriota. O integrante do “CQC” tenta entregar a máscara carnavalesca, para que ela possa “dançar e beber” à vontade. Hillary percebe a movimentação, sorri, aplaude e bate com a mão no coração.

No modo “defensivo”, o “CQC” exibiu um relógio para provar que, durante toda a coletiva de imprensa (cerca de 40 minutos), Meirelles não se manifestou –ainda que as reclamações tenham ocorrido pelo comportamento do “CQC” no começo e no fim do evento.

Tas também rechaçou a ideia de que jornalismo e humor não podem se misturar. Disse que a tentativa de “calar um programa” pode ser um perigoso precedente.

Termina, por fim, afirmando que “o ‘CQC’ não está aqui para brigar com ninguém. O CQC é só amor”.  ( isso ai volta-se contra os proprios jornalistas, ous eja podem ser censurados tb.

no seu primeiro ano se não me engano o CQÇ já tinha sido impedido de fazer mnatérias dentro do congresso,alegando que aquilo não era jornalismo, depois foi liberado, pois não cabia a ninguém da casa definir quem poderia ou não entrar lá e fazer sua matéria.

agora justo os que tanto pregaram,lutaram pela democracia,querem calar um programa, ai começa lá e depois se espalha, logo programas nem nas ruas poderão fazer matérias se não forem jornalistas .

PÂNICO, CQÇ, etc poderão correr riscos de serem barrados em tudo, por cauisa de meia duzia de racionários de imprensa e outros que estão por ai.)

YOANI SANCHEZ, uma voz pela liberdade

A blogueira cubana Yoani Sánchez, crítica do regime comunista da ilha, divulgou no início da madrugada deste sábado (horário de Brasília) em sua conta do Twitter a  gravação da conversa que teve com a funcionária do governo cubano, na qual foi negada pela 19ª vez permissão para ela deixar o país.

Alejandro Ernesto-04.abr.08/Efe
A dissidente cubana Yoani Sánchez, que teve pela 19ª vez negado seu pedido de saída do país
Yoani Sánchez, que teve pedido de saída negado pelo regime cubano; blogueira teve visto de entrada aprovado pelo Brasil

Na gravação, feita na sexta-feira (3), Yoani estava no escritório de imigração de Cuba. Ao chegar, a funcionária que a atende pergunta se ela está acompanhada. Yoani diz que sim. A funcionária pede então à blogueira que entregue todos os seus pertences (incluindo bolsa e celular) ao acompanhante (no caso, o marido dela) e a siga. Yoani questiona, e a funcionária diz que os procedimentos são necessários para que a blogueira seja entrevistada.

Após entregar os objetos ao marido, ela atravessou com a militar um corredor da oficina de imigração. A mulher que a recebe para a entrevista a comunica que ela não foi autorizada a viajar. “Estou te entregando seu passaporte e o seu formulário para você pedir o ressarcimento do seu dinheiro”, diz.

Yoani interrompe a mulher perguntando “Outra vez?”. A mulher continua falando. Yoani a interrompe de novo: “Dezenove vezes?”. A mulher, então, responde “Dezenove vezes”.

A blogueira retruca que continuará tentando, e ouve da funcionária “Tente quantas vezes você quiser”.

Yoani então diz “Um dia eu vou voltar a sair, quando esse absurdo não existir mais”. A funcionária responde “Correto. Quantas vezes você quiser, Yoani”.

“Todas as vezes. Alguma vez vão ter que me deixar sair”, diz Yoani. A funcionária encerra a conversa com um “Boa tarde”.

Durante a tarde de sexta-feira, Yoani havia divulgado, também por meio do Twitter, que o governo cubano havia lhe negado permissão de viagem. “Não há surpresas. Voltaram a me negar a permissão de saída. É a ocasião de número 19 em que me violam o direito de entrar e sair do meu país”, disse.

A blogueira opositora cobrou respeito à Declaração Universal dos Direitos Humanos e postou ainda uma fotografia da negativa recebida do governo cubano.

Sánchez, crítica do regime dos Castro, recebeu na semana passada da embaixada brasileira em Havana o visto de turista para visitar o Brasil para participar do lançamento de um documentário, no dia 10. ( não é apenas o regime o embargo econômico imposto pelos EUA, contribui para que coisas deste tipo aconteçam.

é mais fácil mantê-la presa a ilha pois uma atitude mais severa a ela, poderia desencadear protestos pelo mundo, YOANI pode falar em seu computador, mas não pode circular pra onde quer, fácil pra quem quer botar redea curta.

e temos de lutar pra que isso não seja implantado aqui, para que nossa liberdaee seja preservada e principalmente possamos falar o que quiseremos pela net, fiquemos de olho em projetos que visam controlar abusos pela web, pois sabemos que abusos querem controlar.

OBAMA perde uma grande oportunidade em enfrentar isso e rever esta injusto embargo, cliquem, no azul  ai acima e ouçam o dialogo dela com a funcionário do geoverno que lhe nega a permissão de sair.)