marcha das vadias em SOROCABA

a proximadamente cem pessoas partiram da praça Tancredo Neves, no cruzamento das avenidas Moreira César com Barão de Tatuí, pela ‘Marcha das Vadias’ na tarde de deste sábado. A segunda edição da passeata, realizada em várias cidades do mundo ganhou adeptos em Sorocaba pela primeira vez. O objetivo foi protestar contra o machismo, os preconceitos contra as mulheres e a violência sexual. Uma das organizadoras do evento em Sorocaba, a estudante Gabriela Felício, disse que é preciso acabar com o preconceito de considerar vadia quem usa roupa curta ou achar que isso serve de motivação para estupros.

Para Gabriela, é preciso conscientizar também as mulheres e não só os homens, porque elas mesmas são machistas ao criticarem outras que usam roupas curtas. Diferente do que ocorreu em várias outras cidades, em Sorocaba não houve participação de mulheres seminuas. Para o movimento, “se mulher livre é mulher vadia, então é melhor que sejam consideradas vadias”. Em Sorocaba a marcha foi organizada pelos movimentos Domínio Público, Real Democracia Sorocaba e o Grêmio do Colégio Objetivo. Muitos homens participaram da marcha que terminou no Parque Carlos Alberto de Souza, no Campolim.

Origem da marcha

Em janeiro de 2011 ocorreram diversos casos de abuso sexual contra mulheres na Universidade de Toronto, no Canadá. Na ocasião, o policial Michael Sanguinetti aconselhou as mulheres que evitassem se vestir como vadias (sluts, no inglês original), para que não fossem vítimas. A partir dali, as mulheres canadenses se uniram e formaram a Marcha das Vadias, com o tema “Nem santas, nem vadias, apenas mulheres”. A Marcha protesta contra a crença de que as mulheres que são vítimas de estupro “pediram” o crime, devido às suas vestimentas. Desde então, o movimento tornou-se internacional, sendo realizado por diversos países em todo o mundo. No Brasil, a Marcha já ocorreu em São Paulo, Recife, Fortaleza, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba e Pelotas.( apenas 100 é pouco para uma cidade de 500 mil né ?)