mais 5 médicos cubanos picam a mula e dão no pé pra MIAMI, e só avisam pelo zap zap.

Médico atuava em uma das salas da UBS Jardim dos Pássaros, em Guarujá (Foto: Prefeitura de Guarujá)Médicos cubanos atendiam nesta sala da UBS de Guarujá e ‘sumiram’ (Foto: Prefeitura de Guarujá)

Cinco médicos cubanos do programa ‘Mais Médicos’ que atuavam em postos de saúde deGuarujá, no litoral de São Paulo, deixaram a cidade na última semana. Na quinta-feira (11) eles avisaram as enfermeiras responsáveis pelas unidades, por meio do WhatsApp [aplicativo de mensagens], que não estavam mais no país e agradeceram o acolhimento. A prefeitura notificou o desligamento dos profissionais ao Ministério da Saúde na última segunda-feira (15).

Antes de saber do envio das mensagens, porém, a Secretaria de Saúde da cidade havia apurado com vizinhos e amigos,que os profissionais tinham partido para os Estados Unidos. O nome deles não foi revelado.

Unidade Básica de Saúde Jardim do Pássaros, em Guarujá, litoral de São Paulo (Foto: Prefeitura de Guarujá)Unidade Básica de Saúde Jardim do Pássaros, em
Guarujá, litoral de SP (Foto: Prefeitura de Guarujá)

“É importante deixar claro que eles não estavam ‘presos’ na cidade e têm o direito de ir e vir. O programa prevê três anos de contrato e no Carnaval eles sumiram. Nós já tínhamos procurado nos endereços que temos registrados e soubemos por vizinhos e conhecidos que eles foram para Miami (EUA). Depois nos comunicaram dos recados deixados para as enfermeiras”, revelou o secretário de Saúde de Guarujá, Marco Antônio Chagas Conceição.

Os cinco profissionais que deixaram a cidade trabalhavam nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da Vila Alice (3), Santa Rosa (1) e um deles, que era da Unidade de Saúde da Família (Usafa) do Jd. Las Palmas, mas atuava no Jardim dos Pássaros.

Como fica?
Com a saída dos profissionais, o secretário afirmou que não pretende, pelo menos inicialmente, repor as vagas com novos profissionais. “Nosso objetivo não é pedir substituição agora, de imediato. Já remanejamos clínicos para atendimento na Vila Alice e Santa Rosa. E na Usafa entendemos que o número ainda é suficiente”, acrescentou Conceição.

Guarujá conta atualmente com 42 profissionais do programa ‘Mais Médicos’. Desde que o projeto do Governo Federal começou, a cidade já havia recebido 49 médicos. “Dois cubanos já tinham deixado a cidade no ano passado e agora mais cinco. Já são sete ao todo. É claro que nós lamentamos. Apesar deles [os últimos] estarem há pouco mais de um ano aqui, é uma pena porque eles fazem um atendimento mais humanizado e acolhedor”, disse.

Médico deixou o programa mais médicos do Governo Federal (Foto: Reprodução / Facebook)Profissional deixou o programa mais médicos do
Governo Federal (Foto: Reprodução / Facebook)

Outros casos
Essa não é a primeira vez que profissionais do programa deixam a região. Em fevereiro de 2014 um médico cubano que atendia em Pariquera-Açu, no Vale do Ribeira, interior do Estado, abandonou o trabalho e seguiu para os Estados Unidos da Amécia (EUA)

Já em setembro uma médica cubana fez o mesmo caminho do colega de profissão e também fugiu para os EUA. Yaumara Perez Garriga trabalhava em São Vicente.

( toma BRASIL, os caras vem pra cá conseguem juntar algum e fugirem pra MIAMI, ou seja meus caros, vcs pagaram as viagens dele pra fora, sim dos seus impostos, a coisa era ssim, o médico recebia seu salário, mais da metade ia pra CUBA pro regime FIDEL CASTRO.

o restante ficava pro médico que deve ter juntado e ó , pernas pra que te quero , a saúde que sempre foi uma mierda, fica mais ainda.)

 

UPH, zona norte de SOROCABA, está na mesma lama de sempre, falta médicos

Mais fotos…

A Unidade Pré-Hospitalar (UPH) Zona Norte ficou superlotada ontem. Por volta das 15h, havia fila para fazer ficha de atendimento e muitos desistiram de esperar e foram embora. O problema também foi registrado de manhã. O encarregado de obras João Luiz da Costa Palácios, 29 anos, chegou ao local por volta das 11h, pois estava com os mesmos sintomas de quando teve dengue e pneumonia, no ano passado. Mas somente às 14h30 foi atendido pela triagem. “Quando eu cheguei só tinham três médicos na placa de plantonista, mas apenas um deles estava nos atendendo, pois os outros dois estavam em emergência, conforme me informaram”, explica. Até as 15h30, horário em que a reportagem deixou o local, João Luiz ainda não havia sido atendido por um médico. 

Também descontente com o serviço, o auxiliar de instalação Tiago Roberto Lamarca, 22, chegou às 10h, mas só foi atendido pela triagem às 14h. Porém, ainda aguardava o atendimento médico, sem ter alguma previsão de horário. “Apenas um profissional estava atendendo pela manhã. Além disso, fui mal atendimento. Estou com sinusite e falta de ar”, conta. De acordo com outras pessoas que também aguardavam, até as 13h40 apenas três médicos realizavam o atendimento. Após isso, as placas que informam o número de médicos plantonistas foi modificada, passando a ter, então, quatro, tanto urgência quanto emergência. Além disso, pacientes disseram que uma mulher chegou a desmaiar na sala de espera de atendimento médico. 

Prefeitura responde 

Em nota, a Secretaria da Saúde de Sorocaba (SES) informou que quatro médicos estavam atendendo na Unidade Pré-Hospitalar (UPH) Zona Norte no período da tarde. A escala deveria estar com seis profissionais. Um faltou e outro encerrou contrato temporário com a Prefeitura. 

Todos os casos de urgência e emergência estavam sendo prontamente atendidos e os demais casos realmente aguardavam mais para a consulta, porém, a espera se encontrava dentro do protocolo estabelecido (casos que não são de urgência e emergência podem esperar por até 4 horas). Para minimizar o problema, a coordenação da unidade chamou mais dois médicos para ajudar no atendimento. Estes profissionais começaram a trabalhar por volta das 16h30. 

As UPHs contam com um coordenador clínico e um administrativo. Estes dois são responsáveis pela unidade e são eles que tomam as providências necessárias e cabíveis para resolver eventuais problemas como este. A coordenação da regional da SES, em que se encontra a UPH, também estava ciente e providenciou o reforço juntamente com a unidade.

( pois é , mandaram todos os adultos da zona oeste e sul, que eram atendidos na UPH  zona oeste pra zona norte, a oeste só atenderia crianças.

era a reforma da saúde do governo CARAMUNNZIO , mas ficou a mesma porcaria de sempre, aposto que a que só atende crianças deve estar a mesma merda.)

blitz na POLICLÍNICA de SOROCABA pega médico atrasado e faltoso.

A corregedoria geral do município de Sorocaba realizou sua primeira auditoria surpresa  na manhã desta quinta-feira (31),na Policlínica da cidade.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Ipanema, o corregedor-geral, Gustavo Barata, explicou que a primeira correção extraordinária aconteceu para verificar a possível falta de médicos no prédio público e o cancelamento de procedimentos cirúrgicos. “Vimos as escalas dos médicos que deveriam estar presentes e conferimos se eles já haviam iniciado sua jornada”, afirmou Barata. 

Em uma rápida revista, foi constatado pela equipe da corregedoria que 10 médicos não estavam presentes e dois chegaram depois do horário. “Não sabemos as razões destas faltas. A primeira impressão que se tem é que isto jamais deveria ocorrer. Dos 21 médicos que deveriam estar aqui, 10 não estão e dois chegaram atrasados”, informa o corregedor.

“Nesta etapa, um dos principais papeis da corregedoria é a orientação para melhorar o atendimento à população. Nesses moldes, iniciamos as primeiras conversas para que os diretores e gestores nos informem as situações que eventualmente possam melhorar e alguns documentos que possam compor nosso relatório”.

Barata finaliza dizendo que as correções extraordinárias não serão publicadas. “Senão, elas perdem seu objetivo”, justifica. Já quanto às ordinárias, que são previamente marcadas, terão suas datas divulgadas através da imprensa

Ouça a entrevista completa  http://www.jornalipanema.com.br/noticias/saude/43360-exclusivo-corregedoria-municipal-faz-primeira-auditoria-na-policlinica  

( nem preciso falar nada olhem o bolo de gente no corredor.)

senta no charuto do FIDEL, vejam lugares onde os cubanos terão de trabalhar.

Posto de saúde em Santa Maria do Cambucá, no interior de Pernambuco, que vai receber médicos cubanos

Os cubanos que chegarão a partir da próxima semana a cidades do interior de Pernambuco vão encontrar ambientes bem diferentes do que viram nas visitas a algumas unidades básicas de saúde na capital do Estado.

Infiltração, mofo, estruturas enferrujadas, equipamentos quebrados e unidades que funcionam de forma improvisada foi a realidade encontrada pela Folha em municípios do agreste pernambucano que receberão cubanos.

Cubanos atuarão em postos sem banheiro e com trincas
Em Pernambuco, médico vai dividir quarto
Moradores farão festa para receber profissionais cubanos
À espera de cubanos, posto de saúde na BA está há três meses sem faxina
No RS, posto de saúde funciona em puxadinho de escola
Em MG, rachadura em posto de saúde assusta moradores e funcionários

Esses municípios que receberão os cubanos são aqueles em que nenhum profissional brasileiro ou estrangeiro inscrito no Mais Médicos demonstrou interesse na primeira fase do programa federal.

O município de Frei Miguelinho (a 151 km do Recife) solicitou quatro médicos, mas receberá apenas um, que trabalhará no distrito de Capivara, na zona rural.

A mesa em que o médico trabalhará está enferrujada, assim como a escadinha que o paciente usa para alcançar a mesa de exames.

 

Há seis meses a geladeira que deveria guardar vacinas e medicamentos está quebrada. Há um ano não chega água nos dois banheiros da unidade, que também servem de depósito para material de limpeza. A água para descarga fica em baldes destampados na sala da enfermeira.

A situação não melhora na minúscula unidade de apoio, a sete quilômetros do posto de saúde principal. Lá, as vacinas chegam em isopor porque, como o cartaz na porta avisa, a geladeira está desativada.

Em Santa Maria do Cambucá (a 145 km do Recife), o posto de saúde que fica na cidade precisa de ampliação para atender todos os meses a uma demanda local de 1.500 famílias.

Assim como todos os outros visitados pela reportagem, não atende integralmente às especificações da Política Nacional de Atenção Básica. A sala da enfermeira, por exemplo, funciona em uma garagem.

A Folha não conseguiu chegar ao posto de saúde de Sobradinho, zona rural de Salgadinho (a 111 km), porque chovia, e a estrada de terra que leva à unidade estava intransponível.

Fátima Lopes, secretária de Saúde de Passira, município a 100 km do Recife e que receberá três cubanos (quantidade recorde no Estado) afirma que, além do mofo, há carências de infraestrutura nas três unidades contempladas.

“A estrutura não está conservada. A manutenção não vinha acontecendo há anos”, afirmou.

Representantes das administrações de todos os municípios informaram que as unidades estão inscritas no Requalifica, programa do Ministério da Saúde que prevê recursos para construção, reforma e ampliação dos postos de saúde.

Segundo o Ministério da Saúde, a unidade de Frei Miguelino deve passar por obras de ampliação no valor de R$ 87 mil. Ainda segundo a pasta, o município de Santa Maria do Cambucá também deve receber recursos. O valor não foi informado. O ministério afirma ainda que irá investir R$ 15 bilhões até 2014 na expansão e melhoria da rede pública de saúde do país.   http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/09/1342232-cubanos-encontrarao-mofo-e-ferrugem-em-postos-de-saude-de-pe.shtml   ( cliquem no link ai e vejam mais fotos dos lugares onde os cubanos terão de trabalhar.

depois pergunte pra eles se ta pior que em CUBA ? mas o que interessa é a copa né ? e depois não querem que vc proteste, policia reprime, alias como perguntar não ofende, o policial tb precisa de atendimento médico, onde ele é atendido heim ? 

não duvidem que vai ter médico cubano querendo voltar pra CUBA, não duvidem.)

33 médicos não querem atender pobres em SOROCABA

Dos 63 médicos aprovados em concurso público e convocados pela Prefeitura para atuar como plantonistas no atendimento à população pelo Sistema Único de Saúde (SUS), apenas 49 participaram da atribuição de cargos e 14 não compareceram à chamada, ontem pela manhã, no Salão de Vidro do Paço. Na primeira etapa de preenchimento das vagas, no dia 4 de setembro, dos 79 clínicos gerais, ginecologistas e pediatras chamados, 19 se ausentaram, somando, assim, 33 médicos que não tinham confirmado o interesse pela vaga durante a atribuição. O número corresponde a 23% do total de 142 convocados para compor as equipes.

Os convocados para a atribuição de ontem tinham até as 17h para se apresentarem na Prefeitura e confirmar o interesse pela vaga. Até às 21h, a Secretaria de Comunicação (Secom) não havia informado se outros médicos entre os convocados tinham comparecido para assumir o cargo. A expectativa é de que todos os 109 profissionais contratados já estejam atendendo a população até 1º de outubro.

Segundo o secretário da Saúde, Armando Raggio, as vagas remanescentes não serão preenchidas neste momento. De acordo com ele, há a possibilidade da abertura de um futuro concurso, porém sem data prevista. “Abrimos concurso para 189 vagas e conseguimos classificar 142. Desses, nem todos compareceram. Vamos aproveitar todos que se interessaram. Já não há como colocar médicos nos lugares vagos, porque não há uma lista de espera”.

As vagas destinadas aos profissionais concursados serão nas Unidades Pré-hospitalares (UPH ) da Zona Norte e Oeste, em três Pronto-Atendimentos (PA) localizados em Brigadeiro Tobias, Parque das Laranjeiras e Edén e nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do Vitória Régia, Vila Hortênsia, Nova Sorocaba e Brigadeiro Tobias.

A saúde é a principal área de reclamação dos sorocabanos, afirma Raggio. Dessa forma, esses novos profissionais irão renovar o sistema. No entanto, ele próprio admite a dificuldade em se preencher as vagas. “Temos grandes problemas dentro do nosso sistema de saúde, que possui uma grande potencialidade. Talvez isso assuste um pouco. Mas esses médicos que compareceram possuem uma disponibilidade surpreendente.”

Para o secretário, essas admissões irão contribuir para a retomada da credibilidade da saúde da cidade. “Com o cumprimento das escalas os pacientes terão mais confiança nos médicos, trará mais diálogos e com isso a proximidade entre médico e o paciente.” Essas contratações também contribuirão para a transformação das UBSs em Centros Integrados de Atenção, conforme anunciou o secretário da Saúde em entrevista ao Cruzeiro do Sul , no último dia 15. Esses Centros Integrados de Atenção terão aparelhos de raio-x odontológico, eletrocardiógrafo, equipamentos para intubação, desfibrilador, cilindro de oxigênio e medicamentos emergenciais.

Como forma de melhorar o cenário da saúde no município, Raggio lembrou que até 2016 serão construídas seis UBSs: três para reposição ou ampliação de unidades já existentes e outras três para atender bairros que não possuem esse tipo de atendimento. “Estamos estudando junto ao Conselho de Municipal de Saúde os locais para serem realizadas as obras.”

( com certeza estes ai querem atender a burguesia sorocabana, atuando em clinicas particulares, não querem atender POBRE.)

pacientes chutam o pau da barraca em protesto na UPH ZONA OESTE em SOROCABA.

Apenas dois médicos apareciam na escala mantida na unidade – Fábio Rogério

Mais fotos…

Cansados de aguardar por atendimento médico, pacientes e acompanhantes saíram da Unidade Pré-Hospitalar Zona Oeste e fecharam o trânsito na avenida General Carneiro das 19h30 às 21h30 de ontem. Debilitada com a falta de atendimento uma jovem começou a passar mal precisou ser carregada de volta para dentro da unidade pré-hospitalar. Segundo relatos dos manifestantes duas pessoas teriam desmaiado na rua. A reportagem conversou com pacientes que esperavam desde às 15h. Entre os manifestantes estava a acompanhante de uma idosa com 72 anos que sofre de câncer no intestino e aguardava atendimento com dores desde às 18h30.

Para fechar a avenida os pacientes fizeram um cordão em cima da faixa de pedestres. Com a interdição da via os motoristas davam a volta no quarteirão, o que não evitou que houvesse congestionamento. Dos motoristas que ficaram parados no protesto, vários apoiaram a manifestação pela demora no atendimento médico, alguns reagiram ao bloqueio, lançando os veículos contra os pacientes e outros passaram sobre o canteiro da avenida e deixaram o local pela contramão. Os veículos desviaram um quarteirão antes do ponto de interdição.

No painel com espaço para colocar os nomes de até seis médicos plantonistas, somente após a imprensa chegar à unidade foram colocados dois nomes. O oficial da Polícia Militar que estava no local, tenente Heron Buono de Oliveira, disse ter ouvido relato de pessoas que aguardavam por atendimento desde às 14h enquanto a informação do profissionais é que haviam dois médicos clínicos gerais prestando atendimento e um para fazer cirurgias. 

A versão da Prefeitura foi que faltaram dois médicos dos sete plantonistas: um clínico e um pediatra. Explicou que o plantão é de quatro clínicos e três pediatras. Informou que o atendimento é priorizado para os casos de urgência e emergência e o tempo médio de espera era de duas horas. Algumas pessoas que passavam pelo local aderiram à causa dos pacientes, como estudantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), entre eles, Carlos Henrique Calegari, 23 anos e Alessandro Jordão, 22 anos. Eles disseram ter levantado informações com a equipe de atendimento que estavam ausentes o coordenador médico e o responsável técnico pela unidade. “De seis médicos apenas dois estão trabalhando”, disseram. ( em fevereiro estive aui nesta unidade , pois havia suspeita de que eu estivesse com dengue , poder ver ai no  link .

 https://nejaim399.wordpress.com/2013/02/27/epidemia-de-dengue-acho-que-fui-uma-das-vitimas/

a mesma situação, ameaçaram causar tumulto, lembro que três GMS se posicíoanaram no corredor pra um possivel confronto, mas nada ocorreu, agora a mesma situação ai, pois é apesar de terem bloqueado a AV , valeu o protesto, agora basta a prefeitura acordar de vez.)