MIZAEL BISPO DE SOUZA, lucro num presídio militar sem falar da pena

 

O julgamento do caso Mércia Nakashima50 fotos

48 / 50

14.mai.2013 – O policial reformado Mizael Bispo da Silva (à frente) ouve o juiz Leandro Bittencourt Cano (que não aparece na foto) ler a sentença que o condenou pelo assassinato da ex-namorada, a advogada Mércia Nakashima, em 23 de maio de 2010. O julgamento de Mizael foi concluído nesta quinta-feira (14), no Fórum de Guarulhos (região metropolitana de São Paulo) Leia mais Reprodução
Condenado a 22 anos pela morte da advogada Mércia Nakashima, o policial reformado Mizael Bispo de Souza tem direito de cumprir a pena no presídio militar Romão Gomes, na zona norte de São Paulo. O local, onde Mizael já está detido há mais de um ano, acolhe não só policiais militares na ativa, mas também os que se aposentaram ou mesmo que foram expulsos da corporação.

Reportagem do UOL publicada em fevereiro deste ano mostra que o local possui condições melhores às verificadas em presídios comuns, além de contar com oficina de churrasqueiras e criadouro de coelhos. No Romão Gomes, a oferta de trabalho, que permite ao detento reduzir a pena, é vasta.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar, caso Mizael seja exonerado da polícia, a permanência dele no presídio militar só pode ser impedida caso o diretor da penitenciária –atualmente o tenente-coronel Daniel Augusto Ramos– peça a transferência para outra cadeia que contenha uma ala isolada de presos comuns.
Ampliar

Conheça a cadeia que recebe os policiais militares que são presos em São Paulo44 fotos

6 / 44

Detento coloca churraqueiras recém-pintadas feitas na oficina para secar do lado de fora. Tudo o que é produzido no presídio é vendido, e o dinheiro dividido entre o interno, sua família, outros presos e o Estado. Para cada três dias trabalhados, o preso consegue redução de um dia em sua pena Leia mais Fernando Donasci/UOL
A exoneração de Mizael, segundo a assessoria da PM, só pode ocorrer pela via administrativa –processo que não tem relação com as questões enfrentadas pela Justiça comum. De acordo com o jurista Luiz Flávio Gomes, que foi juiz e promotor de Justiça em São Paulo, a exoneração do condenado só pode ocorrer quando o processo judicial transitar em julgado, isto é, quando não couber à defesa mais nenhum recurso.
“A partir daí, o juiz comunica a PM que tem que abrir um ato administrativo para exonerá-lo. Mas mesmo sendo exonerado, como foi PM, tem direito ao presídio Romão Gomes. Se for para um presídio comum, ele é morto em uma semana”, acrescenta o jurista.
Mizael foi reformado pela Polícia Militar após ter sofrido um choque de 3.000 volts em 1999, o que prejudicou o movimento de uma das mãos. Desde então, ele recebe uma pensão que atualmente é de cerca de R$ 3.000 mensais.

Segundo Gomes, Mizael continua a receber o montante até o processo transitar em julgado, o que não tem prazo para ocorrer. “A partir de então ele deixa de receber, conforme o juiz [Leandro Jorge Cano] deixou claro na sentença.” 

Mizael também é advogado e, segundo a OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo), pode ter o registro cassado. O policial reformado poderá progredir ao regime semiaberto a partir 2020.
 ( alem de pagar só mais um tempo, ainda vai para um presídio longe de presos comuns, entre seus colegas de farda, com certeza livre de agressões a não ser que arrume encrenca séria ali, mas deve ser difícil.)

MIZAEL BISPO DE SOUZA, folgado,carinha de inocente, debochado.

Mizael Bispo de Souza se apresentou ao juiz Leandro Cano por volta das 18h15 desta sexta-feira. Vestindo terno e gravata, ele entrou no fórum no carro dos advogados que o acompanhavam, Wagner Garcia e Ivon Ribeiro, pelo estacionamento. A apresentação foi previamente acordada com o juiz. Bispo fez exigências como, não entrar pela porta da frente e na ausência de jornalistas e do promotor Rodrigo Merli Antunes.
  Nelson Antoine/Fotoarena/Folhapress  
Mizael chega ao IML para exame de corpo de delito e esconde o rosto com paletó
Mizael chega ao IML para exame de corpo de delito e esconde o rosto com paletó
Ele também pediu que fosse levado ao presídio Romão Gomes em carros descaracterizados da Corregedoria da PM. Os pedidos foram aceitos pelo juiz, com exceção da solicitação de ausência do promotor.
Antunes disse que Bispo declarou estar inconformado com as decisões judiciais contrárias à liberdade provisória dele. “Não sou bandido, não matei”, declarou ao juiz, segundo seus advogados. Bispo estava, segundo o promotor, com cara de choro e mais gordo. “Estava abatido”, disse ele.
A 500 METROS DE CASA
Rastreamento de telefones e sinais de internet com autorização da Justiça indicam que Mizael estava há meses no bairro Bonsucesso, em Guarulhos. “Ele trocava de esconderijo para não ser encontrado”, disse o promotor. Um dos esconderijos foi a casa de um amigo
Segundo outro advogado dele, Ivon Ribeiro, ele sempre esteve a 500 metros da própria casa, no mesmo bairro.
Antes disso, esteve nas cidades baianas de Ibotirama e Paratinga, onde vivem pais e primos dele.
Robson Ventura-19.out.10/Folhapress
Mizael Bispo de Souza durante audiência realizada no Fórum de Guarulho para ouvir testemunhas
Mizael Bispo de Souza durante audiência no Fórum de Guarulho para ouvir testemunhas do assassinato de Mércia
De acordo com o estatuto da advocacia, o acusado tem direito a ficar preso numa sala do estado maior e não numa cela _ uma sala do estado maior é um quartel ou unidade das Forças Armadas. Não pode haver grades nem regime penitenciário.
“Se em dez dias não arrumarem uma sala nesses moldes, ele poderá ter o benefício da prisão domiciliar, o que causaria ainda mais descrédito na população”, disse Antunes.
Somente após uma eventual condenação, o acusado seria levado a uma penitenciária.
Para o promotor, Bispo optou pela apresentação à Justiça para tentar sensibilizar a opinião pública quando ele for julgado. “Não temos dúvida que ele cometeu o homicídio”, disse. Além disso, ele estaria sem dinheiro.
O acusado chegou ao presídio militar às 21h45 num carro da Corregedoria da PM, com o paletó sobre o rosto ladeado por soldados.
“Ele só pediu tudo isso ao juiz para não ser esculachado pela Polícia Civil”, afirmou Ribeiro. ( mas esculachar com a população pode é ? olha só, sem algema, abraçado a uma mulher e rosto coberto, vê se fosse um pobre qualquer seria assim ?
que tantos podres MIZAEL sabe de outras pessoas, pra ter regalias, cela especial, poderá ter prisão domiciliar, MIZAEL teve chançe de provar sendo que ele emsmo poderia ter investigado o crime e chegado aos culpados, já que afirma ser inocente.

andar armado, dar murro em mesa de delegado ,ele soube, agora ainda tem regalias ?  isso sim é esculachar com quem trabalha honestamente e paga impostos pra sustentar policia e (justiça ?)