amante que matou homem no motel pega 15 anos de cana

A estudante Verônica Verone, 18 anos, foi condenada nesta quinta-feira (24) a 15 anos de prisão pelo assassinato do amante de 32 anos, o empresário Fábio Gabriel Rodrigues, no quarto de um motel em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro. O crime ocorreu há seis meses.

O julgamento no Tribunal do Júri de Niterói durou mais de dez horas. A ré – denunciada por homicídio triplamente qualificado – chegou a ser retirada da sessão após se descontrolar em função de uma pergunta feita pela promotoria. Sete pessoas sorteadas antes da audiência formaram o júri popular que definiu a sentença.

A defesa argumentou que a acusada teria sido vítima de abusos sexuais quando criança, o que supostamente seria a motivação do ato criminoso.

Além disso, o advogado da ré manteve a estratégia referente à alegação de que Verônica tem problemas mentais e faz uso de remédios controlados – no entanto, um exame apresentado à Justiça descartou a tese durante a audiência de instrução e julgamento.

Já a promotoria alegou que o empresário foi morto “por motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima”. Na versão do Ministério Público, Verônica teria induzido o namorado a ingerir um antidepressivo antes de asfixiá-lo.

Segundo as investigações da 77ª DP (Icaraí), a jovem chegou a pensar em contratar um matador de aluguel para tirar a vida do amante. Verônica também tentou comprar uma pistola por R$ 2 mil, de acordo com informações fornecidas por testemunhas. A motivação do crime, segundo a delegada do caso, Juliana Rattes, foi a revolta da estudante com o fim do relacionamento, já que Rodrigues era casado e desejava se reconciliar com a esposa.

Em depoimento à polícia, Verônica afirmara que o amante teria consumido drogas antes da ida ao motel, mas os exames feitos pelo Instituto Médico Legal (IML) não apontaram o uso de narcóticos, apenas da substância que indica a ingestão de um antidepressivo.

Além do indiciamento por homicídio triplamente qualificado, o Ministério Público chegou a denunciar a ré por ocultação de cadáver, mas a acusação foi descartada pela Justiça.

A sessão ficou a cargo do juiz Peterson Barroso Simões, da 3ª Vara Criminal de Niterói, o mesmo magistrado responsável pelo processo sobre o assassinato da juíza Patrícia Acioli.

Crime no motel

O corpo de Rodrigues foi encontrado no dia 14 de maio por funcionários do motel Status, em Itaipu, na região oceânica de Niterói, um dia após o assassinato. Em depoimento, a estudante de 18 anos argumentou ter matado o empresário em legítima defesa, enforcando-o com um cinto.

Segundo ela, o amante estava sob efeito de drogas e teria tentado estuprá-la, o que gerou uma reação instintiva. A polícia, porém, desconfiou da versão apresentada pela jovem, e ela foi presa dois dias depois do crime.

A defesa alegou posteriormente que Verônica fora vítima de violência sexual quando tinha 7 anos, o que supostamente teria influenciado o ato criminoso. Além disso, o advogado Rodolfo Thompson argumentou que a jovem sofria de síndrome do pânico e faria uso de vários remédios controlados.

Os primeiros resultados periciais não indicaram marcas perceptíveis de estrangulamento. Segundo a polícia, a ausência de “sinais externos” desmentiram a versão da estudante, que disse ter utilizado um cinto para enforcar a vítima. De acordo com as investigações, Verônica também tentou “ocultar o cadáver”, já que ela arrastou o corpo do empresário. No entanto, a Justiça não aceitou tal acusação.

Durante a reconstituição do crime, os peritos utilizaram um saco de areia com aproximadamente 90 kg (peso da vítima), além da picape branca usada por Verônica na noite do assassinato. Todas as etapas da simulação foram cronometradas e as conclusões confrontadas com os depoimentos colhidos pela polícia, em especial o da acusada.( 15 anos , mas claro que não cumpre, na verdade o condenado é o morto, como uma mensagem a outros homens, nunca se envolvam com mulheres se elas tem passado traumático.

uma garota que foi abusada pelo pai aos 8,9 anos por ai, e aos 18 ainda não superou isso, namorava o cara a 1 ano e segundo ela nunca tiveram relações sexuais ? é meio estranho uum cara casado ficar bancando uma mina novinha e nunca ter dado um créu.

ai ela vai no motel e pra q ? só pra conversar ?, ele tenta algo e ela na hora se lembra do seu pai, do passado, surta e mata o cara ?  pra mim é uma história  estranha não ? mas pra quem tem advogados competentes que conseguiram manobras pra que ela fique pouco tempo na cadeia.

queria ver se uma favelada, ah é 30 sem direito a nada.)

adolescente (ah tá) é detido em saida de motel com duas mulheres

 

Um adolescente de 17 anos foi detido na madrugada desta terça-feira (18) na saída de um motel em João Pessoa. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), por ser menor de idade ele não poderia ter entrado no motel. Além disto, ele conduzia um carro sem carteira de habilitação e transportava bebidas alcoólicas no veículo. O rapaz estava acompanhado por mulheres maiores de idade.

Dentro do carro foram apreendidas 28 latas de cerveja, duas garrafas de uísque e duas garrafas de energético. Os pais foram convocados e acompanharam o adolescente até a Delegacia do Menor, onde foi assinado um Boletim Circunstanciado de Ocorrência por ato infracional equivalente à direção sem a devida habilitação.

Conforme o boletim, os pais se comprometem a apresentar o menor de idade quando ele for convocado a prestar esclarecimentos na Justiça.

Segundo o inspetor Walter Mota, a administração do motel também poderá ser punida. “O estabelecimento possivelmente deve ser chamado para informar porque não pediu identificação na entrada, já que a legislação exige a identificação de todos os clientes do estabelecimento”, explicou.( ele faz tudo isso, e é tratado como di menor , só aqui neste pais de bananas nanicas mesmo.)