caso JOAQUIM, mãe a padrasto em cana e o espetáculo da mídia.

Agora surge a versão que a morte do menino Joaquim possa ter sido acidental por excesso de insulina ou esquecimento em aplicá-la…

primeiramente nunca se pode esqueçer de medicar um filho doente, a cada momento surge um fato, a mãe era ameaçada de morte pelo padrasto que não aceitava o fato do menino ser de outro, tinha ciúmes do pai da criança etc e tal.

Imagens de duas câmeras de segurança, o rastro seguido por um cão farejador e os depoimentos da mãe do menino Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, encontrado morto em um rio neste domingo, 10, após seis dias de desaparecimento, reforçam as suspeitas da Polícia Civil de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, sobre o envolvimento do padrasto Guilherme Rayme Longo, de 28 anos, no crime. Longo e a mãe de Joaquim, a psicóloga Natália Mingone Ponte, de 29 anos, estão presos.

A principal suspeita da polícia é uma possível superdosagem de insulina na criança, que era diabética. Em depoimento prestado após a prisão, no domingo, a mãe mudou a versão sobre o relacionamento com Longo e revelou ameaças e conflitos envolvendo a criança. De acordo com o que Natália afirmou ao delegado Paulo de Castro, o companheiro disse que chegou a autoaplicar duas doses da insulina usada pelo menino.

Joaquim desapareceu de casa na madrugada do dia 4. O casal afirmou para a polícia, no dia do desaparecimento, que eles estavam na residência onde moram há quatro meses e que ela foi dormir e o padrasto ficou acordado para pôr a criança na cama, por volta da meia-noite.

Longo, usuário de drogas, declarou que saiu naquela madrugada para comprar cocaína, ficou fora por cerca de 40 minutos, não encontrou a droga e voltou para casa, de acordo com a polícia. “Ele disse que encontrou o portão aberto, mas entrou e não deu conta do sumiço da criança”, afirmou o delegado. Segundo a versão do casal, a mãe percebeu o desaparecimento por volta das 7 horas, quando foi aplicar uma dose de insulina na criança. O casal acompanhou as buscas da polícia durante toda semana.

Corpo

O corpo do menino foi encontrado no domingo boiando no Rio Pardo, em Barretos. Exame feito pelo Instituto Médico-Legal (IML) comprovou que Joaquim foi jogado no rio já sem vida, pois não havia água nos pulmões.

A mãe, que conheceu Longo na clínica de recuperação onde ele estava internado, defendeu a inocência do companheiro até a prisão, no domingo. Nos novos depoimentos, colhidos na noite do domingo e na tarde desta segunda-feira, Natália revelou que o casal brigava e que o companheiro via a criança como um empecilho na vida deles.

Nos depoimentos, Natália afirma que Longo tratava a criança como “um pedacinho do Arthur”, o pai biológico da criança, Arthur Paes. E que ela pensava em se separar, mas teria sofrido ameaças. “Se você for embora, eu te acho até no inferno”, teria dito o padrasto.

Um cão farejador da polícia identificou rastros do padrasto em um trajeto de sua casa até um ponto na beira do Rio Pardo, onde a polícia acredita que a criança tenha sido jogada. Imagens de duas câmeras de segurança obtidas pela polícia, e mantidas em sigilo, mostram sem identificar uma pessoa passando pelo local com um pano escuro e voltando sem nada.

Natália e Guilherme estão em prisão temporária, decretada desde este domingo, depois que o corpo de Joaquim foi encontrado no Rio Pardo, próximo a um rancho, em Barretos. Há hematomas no corpo. “Não podemos atribuir sem o laudo da criminalística esses hematomas no corpo a uma agressão. Eles podem ter ocorrido depois que o corpo foi jogado no rio”, explica o delegado.

A polícia também não descarta a participação da mãe na morte da criança. “Ela ainda é suspeita”, disse o delegado. O advogado de Longo, Antonio Carlos de Oliveira, não teve acesso ao inquérito policial e disse que não poderia comentar o caso. Ele vai pedir à Justiça acesso aos documentos.( claro que mesmo que a mãe possa supostamente ser inocente, vão enfiar os dois na cadeia, pra que prender um se podem prender dois ?

agora levar um cara viciado em drogas pra casa é viagem demais, e o cara não aceitar o menino pelo fato de não ser dele, é sinal pra qualquer mulher mandar o cara passear.

agora mais um caso pra ser explorado a exaustão com informações a conta gotas pela mídia.)

garoto JOAQUIM PONTE MARQUES, corpo dele foi achado em rio da cidade.

O corpo do garoto Joaquim Ponte Marques, 3, desaparecido desde a última terça-feira (5) em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) foi encontrado no início da tarde deste domingo (10) no rio Pardo.

O corpo foi achado a 150 quilômetros de Ribeirão Preto.

Uma das hipóteses levantadas pela Polícia Civil é que ele tenha sido atirado no córrego Tanquinho, que fica a 200 metros da casa da família de Joaquim e, de lá, tenha sido levado até o ribeirão Preto, que é afluente do Pardo.

Segundo o diretor do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), João Osinski Junior, o reconhecimento do corpo no IML (Instituto Médico Legal) de Barretos foi feito na tarde deste domingo pela mãe de Joaquim, Natália Mingoni Ponte, o pai, Arthur Paes, e o avô materno da criança.

O corpo de Joaquim foi achado pelo dono de uma propriedade rural da cidade, que avisou o Corpo de Bombeiros.

  Reprodução  
O menino Joaquim Ponte Marques, 3, que estava desaparecido desde a última terça-feira (5) em Ribeirão Preto (SP)
O menino Joaquim Ponte Marques, 3, que estava desaparecido desde a última terça-feira (5) em Ribeirão Preto (SP)

A polícia e o Ministério Público veem indícios da participação de Natália e do padrasto do garoto, Guilherme Raymo Longo, no caso. Ambos negam.

No dia seguinte ao desaparecimento, a polícia pediu a prisão temporária do casal, mas a Justiça negou o pedido, sob a alegação de que eles ajudavam na investigação do caso.

De acordo com o delegado Paulo Henrique Martins de Castro, da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão e responsável pelo caso, o pedido foi feito para “auxiliar nas investigações” e porque havia contradições nos depoimentos de Natália e de Guilherme.

O desaparecimento do garoto gerou comoção na cidade e uma campanha feita nas redes sociais por celebridades como a apresentadora Angélica, a atriz Carolina Dieckman e a cantora Ivete Sangalo.

O SUMIÇO

Joaquim estava desaparecido desde a última terça-feira. A mãe disse à polícia ter notado o sumiço às 7h.

Desde então, policiais e o Corpo de Bombeiros fizeram buscas em toda a cidade, sem sucesso. O pai de Joaquim também fez panfletagem com amigos e voluntários todos os dias.

O Corpo de Bombeiros chegou a percorrer 20 quilômetros no córrego, no ribeirão e no próprio rio, em busca do garoto.

Nos últimos dois dias, a Polícia Civil e o Ministério Público buscavam indícios para formular um novo pedido de prisão temporária do casal, que pode ser apresentado nesta segunda-feira (11). ( toda possibilifdade precisa ser cuidadosamente investigada pra não gerar duvidas, o casal é culpado, somente o padrasto, haveria uma terceira pessoa ?

dividas de drógas, um traficante poderia ter dado fim no garoto ? mais fácil e copmodo terem matado o padrasto que seria viciado, a mãe psicóloga que acolhe um tipo destes em sua casa .

não vale ir na comoção e pressa pra resolver tudo nas coxas, policial deve ser policial nestas horas e não se deixar levar. )

padrasto oferecia drogas a enteada viciada, em troca de sacanagem em SOROCABA

Um operador de máquina de 28 anos teria pago favores sexuais prestados pela enteada de 13 anos com maconha e cocaína. Ele próprio confessou a prática, conforme a Guarda Civil Municipal, e foi preso em flagrante na noite da segunda-feira. Está detido na Cadeia de Pilar do Sul e responderá pelas acusações de estupro de vulnerável, tráfico de droga e corrupção de menores. O padrasto foi descoberto porque a enteada levou um cigarro de maconha e um frasconete de cocaína para serem consumidos com outras cinco amigas de 13 e 14 anos no interior da escola em que estuda, num bairro da zona norte. A menina também responderá em liberdade por ato infracional porque teria oferecido droga às colegas.

As adolescentes foram descobertas enquanto utilizavam a droga embaixo de uma árvore no pátio da escola estadual. Elas fumavam o cigarro de maconha e o frasconete de cocaína estava na bolsa de uma delas. Segundo a Guarda Civil Municipal, duas adolescentes fugiram das funcionárias da escola e as quatro foram levadas para a sala da direção, onde uma delas assumiu que a droga era dela e acabou revelando com quem e como havia conseguido.

Questionada, a adolescente disse que o padrasto deu a maconha e a cocaína para que ela acariciasse o pênis dele. A equipe da escola acionou a Patrulha Escolar da Guarda Civil Municipal que saiu em procura do padrasto. Aos guardas ele negou que seja usuário de drogas, mas confirmou que cedeu a droga para que a menina lhe fizesse as carícias e pudesse tocar nos seios dela. O fato foi considerado como estupro de vulnerável porque aos 13 anos de idade, juridicamente, a vítima não tem o poder de discernimento. A violência sexual teria ocorrido na cama da mãe da menina, que tem 33 anos. ( ah não tem discernimento ? oras meu caros amigos, qualquer menor de rua que não tem tv sabe que todos os dias morre gente por causa de droga, seja de overdose ou dividas com o traficante.

e as demais meninas que consumiam ? tb não tem discernimento do que fazem ? como sempre passam a mão da cabeça de de menor, que faz o que faz pq sabe que se a casa cai nada respondem e ainda são tratados como vitimas, como sempre não pode mostrar a cara da infeliz .

e se não fossem flagradas ? tudo continuaria como está, ela é vulnerável kkkkkkkkkkkkkkkkk ah tá, só na cabeça de alguns zé mané da vida, claro que nada muda devido a interesses de manter este caos , afinal de menor é lucro , ah e sempre a velha pergunta, onde está a menina a esta hora e fazendo o que ?) 

(pai ?) oferece playstation 3 para filho acusar padrasto de estupro

Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (DEPCA)

Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (DEPCA)(Winnetou Almeida)

A Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) investiga o suposto abuso sexual cometido pelo técnico em mecânica FGO, 33, contra o enteado de 12 anos. Entretanto, de acordo com o próprio acusado e a mãe da suposta vítima, uma industriária de 34 anos, a denúncia registrada na delegacia pelo pai do menino – um comerciante do bairro Galiléia, na Zona Norte de Manaus –, seria para desviar o foco da família do pagamento da pensão alimentícia dos filhos, que há quatro meses se encontra atrasado.

“Fomos surpreendidos com um telefonema da delegacia, de que tínhamos que comparecer lá, para uma audiência sobre o abuso sexual contra o menino”, relata a mãe, que nesta sexta-feira (4), juntamente com o companheiro estiveram na sede da DEPCA.

Segundo ela, ao questionar o filho sobre o que teria acontecido, o garoto relatou ter sido usado pelo pai, para ir até a delegacia, no mês de novembro para incriminar o técnico em mecânica, sob as promessas de que ganharia um Playstation 3e um smartphone, além de roupas de marca.

O suposto acusado negou ter cometido o crime e chamou a atenção para o fato de que o enteado não foi submetido a exame de conjunção carnal anal, e nem mesmo passou por acompanhamento psicológico, procedimentos adotados em casos semelhantes.

Audiência no domingo
Eles também destacam o fato de nenhuma notificação ter sido entregue no endereço do casal, e que foram comunicados da audiência realizada nesta sexta-feira, na sede da DEPCA, por meio de um telefonema, na última quarta-feira (2).

Ainda conforme o casal, na delegacia eles foram informados de que a audiência realizada nesta sexta-feira seria a segunda. “Não recebemos nenhuma intimação policial sobre o caso”, observa a industriária.

Outro fato observado por eles está relacionado à data da próxima audiência, marcada para o domingo (6), pela parte da tarde, durante o plantão.

Por meio de sua assessoria de comunicação a Delegacia Geral informou que a DEPCA funciona 24 horas por dia, inclusive no fim de semana e em feriados, que “se o plantão da equipe que conduz as investigações cair neste período, as pessoas envolvidas no caso podem ser chamadas para prestar depoimento neste dia”.

Nota
Segundo nota da polícia, o caso em questão foi registrado no dia 05 de dezembro de 2012 na Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA).

 “Durante o procedimento na delegacia, o adolescente não conseguiu prestar depoimento e o Boletim de Ocorrência (BO) foi registrado. Como não se tratava de flagrante, pois o ‘suposto’ estupro de vulnerável teria acontecido, no mês de novembro foi dado ao solicitante uma via de requisição de exame de conjunção carnal para ser realizado no Instituto Médico Legal (IML), uma via do BO e uma requisição para o atendimento psicossocial. Em seguida, o mesmo foi orientado a retornar à delegacia especializada para dar continuidade à investigação. (…)Durante esse período, tanto pai quanto o filho não compareceram à DEPCA com o resultado e nem para serem ouvidos. Notificações foram expedidas em nome do denunciante (o pai) para que o mesmo retornasse e para a mãe da vítima, mas não como acusada e sim em termo de declaração para ajudar na investigação”, cita trecho da nota.( absurdo, dinheiro pra pensão alega não ter , mas quanto custa um play 3 ? é caro.

o elemento queria era ferrar a ex  mulher, pra depois querer ter a guarda dos filhos,alegando que a mulher não teria condições de criá-los.

safado, canalha, não fez filho ? pague pensão, pois é meus caros, ninguém manda sair por ai transando a toa, quer fazer só pq o mundo exige ? fazer filho acha que mostra que é vc é macho ou fêmea ?

por isso que todo caso tem de ser cuidadosamente investigado, criança mente sim, relembremos o famoso caso ESCOLA BASE viu ?)