EX-BBB LAÉRCIO é preso suspeito de pedofilia.

Laércio foi detido

O ex-BBB Laércio de Moura, 53, foi preso em Curitiba, na manhã desta segunda-feira (16), sob a suspeita de ter cometido estupro de vulnerável e de oferecer bebida alcoólica a menores. A informação foi confirmada ao UOL pela assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná.

A detenção do ex-BBB aconteceu por conta de uma ação do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria). Ele foi preso em seu apartamento, no bairro do Batel, e não resistiu. Laércio deve ser interrogado ainda nesta segunda, e não há prazo para sua liberação. 

Em coletiva de imprensa, a delegada titular do Nucria, Daniela Andrade, e a delegada adjunta Patricia Conceição afirmaram que a investigação teve início na época do “BBB16”, a pedido do Ministério Público. “A partir do momento que ele apareceu no programa, eles receberam varias denúncias de que ele se relacionava com menores de 14 anos, o que caracteriza o crime de estupro de vulnerável. A lei presume a violência quando o maior de idade se relaciona com uma criança ou um adolescente menor de 14 anos”, explicou Andrade. 

Segundo as delegadas, a polícia realizou várias investigações e chegou a uma vítima de Laércio. A adolescente se relacionou com o ex-BBB em 2012, quando tinha apenas 13 anos. Ela confirmou o relacionamento ao falar com a polícia e forneceu prints de conversas entre os dois.

A polícia também cumpriu um mandado de busca e apreensão na residência do curitibano e apreendeu um computador, um HD externo, diversos pen-drives, alguns CDs, e 3 telefones celulares, que serão analisados pela perícia. 

Acusação de pedofilia no “BBB”

Desde que Laércio foi anunciado como participante do “BBB16”, surgiram nas redes sociais várias denúncias de que ele se envolvia em sexo com meninas menores de idade e oferecia álcool a elas. Seu perfil no Facebook também causou controvérsia. Em um post, que circulou na internet, o curitibano se definia como “efebófilo”, uma pessoa que sente atração sexual por adolescentes. O perfil acabou desativado enquanto ele ainda estava no programa. 

Dentro do programa, a participação do designer de tatuagens foi polêmica. Ana Paula brigou com ele e o acusou de ser pedófilo, por ele ter ter feito gestos obscenos direcionados às mulheres da casa e por ter encarado fixamente Munik, de 19 anos, enquanto ela dançava em uma das festas. O brother também disse no reality que gosta de “novinhas” e admitiu ter vivido um “triângulo amoroso” com meninas de 19 e 17 anos.

Mesmo depois de ter sido aconselhada a se desculpar com o brother, Ana Paula reiterou sua opinião e disse que, para ela, quem mantém relações sexuais com menores de idade é pedófilo. A jornalista e o designer se enfrentaram no paredão e ele acabou eliminado, com 54% dos votos

Após deixar o confinamento, o curitibano chegou a declarar que cogitava processar a mineira por conta da acusação, mas parece que não levou a ideia adiante. Um dia depois de o “BBB16” chegar ao fim, Ana Paula disse que ainda “estava esperando” o processo do colega

( fácil prender o cara, serve apenas pra promover delegado, promotor, juiz, que querem holofotes no caso pra se aparecerem e fazer nome, meses de investigação, gastado grana do contribuinte, pra um advogado porta de cadeia conseguir livrar o cara.

os grandes mafiosos, políticos empresários etc que comandam o turismos sexual aqui devem estar rindo disso , a ANA PAULA RENAULT deve tb estar se preparando pra dau jeito de se aparecer encima disso ai, só pra ter mais uns minutinhos de fama, resumo da opera, no BRASIL fingem que combatem algo, este caso ai é só mais um pra enganar os manés e as feministas que gritam bem feito pro cara e gritar que a ANA tinha razão.)

LUCIANO HUCK e a camiseta da hipocrisia.

 

olha se fosse apenas para público adulto? ai haveria combate entre feministas e machistas.

elas falando de sexismo, machismo etc eles defendendo a camiseta, dizendo que não tem nada a ver, falando que feminista é chata, que vê machismo em tudo, vcs sabem aquele papo.

que mulher na noite é pra q ? pra ser xavecada e assediada mesmo ué, afinal vai nas baladas, bailes funks, com roupa sensual pra q ? , os argumentos de sempre, mas como a coisa pegou pq mostra justamente uma criança usando esta camiseta com estes dizeres que a chapa esquentou, alias só viram isso, fácil ficar na internet dizendo que isso, aquilo outro,  é apologia a pedofilia,  mas e nas ruas ?

bem a camiseta já deve ter sido retirada do sire, pedidos de desculpas, vamos ver a audiência do caldeirão no sábado , mas nas ruas a realidade continua a mesma né ?

WHATSAPP a bola da vez em matéria de censura e bloqueio.

Resultado de imagem para censura ao whatsapp

Não é apenas no Brasil, onde um juiz do Piauí ordenou o bloqueio do aplicativo, que o WhatsApp corre o risco de sair do ar.

No Reino Unido, na Arábia Saudita, no Irã e em outros países, o aplicativo também sofreu ameaças de bloqueio e, em alguns deles, chegou a ser suspenso.

A discussão ocorre porque é mais difícil monitorar mensagens enviadas pelo aplicativo do que ligações telefônicas ou e-mails, por exemplo – o que, segundo alguns países, pode ameaçar tanto a segurança pública quanto a segurança nacional.

O bloqueio do WhatsApp, no entanto, é visto por muitos como uma ameaça à liberdade de expressão.

No Brasil, o juiz Luiz de Moura Correa determinou que o WhatsApp seja bloqueado para forçar a empresa a colaborar com a Justiça em uma investigação sobre pedofilia que corre sem segredo.

No Reino Unido, o primeiro-ministro David Cameron também critica a falta de colaboração da empresa em investigações – neste caso, sobre terrorismo.

Em um discurso em janeiro, o britânico disse que tentaria proibir serviços de mensagens encriptadas – como as do WhatsApp e do Snapshat – caso o conteúdo não pudesse ser acessado pelos serviços de inteligência britânicos.

A declaração foi feita após os ataques a revista satírica Charlie Hebdo, em Paris, que aumentaram o temor sobre ameaças terroristas. Já existe uma pressão para que empresas como Google e Facebook forneçam mais informações sobre as atividades dos seus usuários, já que há uma forte ação de recrutamento de grupos radicais pela internet.

“Vamos permitir meios de comunicação que são impossíveis de ler? Minha resposta é: não, não devemos fazer isso”, disse Cameron.

Terrorismo

Ameaças de terrorismo ou à segurança nacional também serviram de justificativa para o bloqueio do serviço em outros países.

Muitos desses governos, no entanto, foram criticados por restringir a liberdade de expressão.

Na Arábia Saudita, de acordo com agências de notícias, houve uma ameaça de retirar o Whatsapp do ar em 2013 porque o serviço não estaria se adequando às regras de Comissão de Comunicações e Tecnologia da Informação. Na época, o país chegou a tirar do ar o Viber, aplicativo de mensagens e chamadas de voz pela internet, pelo mesmo motivo.

Em Bangladesh, o serviço foi bloqueado em janeiro, também de acordo com agências. O governo afirmou que havia ameaças de terrorismo e que era difícil monitorar comunicações pelo aplicativo.

“Terroristas e elementos criminosos estão usandos essas redes para se comunicar”, disse uma autoridade do Paquistão para justificar a suspensão do aplicativo em uma província, segundo a mídia local.

No ano passado, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, considerado moderado, precisou se empenhar pessoalmente para liberar o aplicativo.

A linha dura iraniana pediu a censura, segundo a emissora de TV americana Fox News, devido à compra do app pelo Facebook – cujo dono, Mark Zuckerberg, seria uma “americano sionista”, segundo o comitê do país responsável pela internet.

Na Síria, que passa por uma guerra há mais de três anos, o aplicativo – usado para marcar protestos durante a Primavera Árabe – foi suspenso em 2012.

“Um golpe na liberdade de expressão e nas comunicações em todo lugar. Um dia triste para a liberdade”, publicou o WhatsApp em seu Twitter à época.

( eu vou repetir mais uma vez, se não tem combate corpo a corpo nas ruas, não adianta censurar sob a desculpa de estar combatendo pedofilia terrorismo etc, alais nada se combate, a humanidade não ta disposta combater .

seria sim liberdade de expressão ameaçada, ditadura disfarçada que não quer que vc use redes sociais pra criticar o governo, tb seria a mídia televisiva e os jornais que perdem espaço pra internet, a mídia esconde o que vc já ta sabendo pela net, os jornais não publicam,mas a net sim.

vc meu amigo com seu celular, pode informar,registrar coisas que os demais tentam esconder, e informar melhor a todos, basta vc ver as coisas que aparecem a toda hora no FACEBOOK .

a DILMA sotou a força se segurança nacional pra cima dos caminhoneiros, vc ta sabendo disso pela tv ? não né ? sabe pelo FACE, TWITTER, pq vc acha que ta havendo pressão pra controlar a net, soba  desculpa de combater determinados crimes ? balela não se combate nada, quem quer se comunicar da seus pulos, terroristas,bandidos, máfias em geral já estão lá na frente em matéria de comunicação.)

Manuel Alejandro Vizcarra Ávila , policia investiga seu envolvimento em rede de pedofilia, mas é só ele ?

A prisão na última sexta-feira, dia 8, do técnico de radiologia Manuel Alejandro Vizcarra Ávila, de 50 anos, pode levar a polícia a uma rede internacional que explora a prostituição infantil e pratica a pedofilia. Essa é uma das linhas de investigação com a qual a Delegacia de Defesa dos Direitos da Mulher de Sorocaba (DDM) trabalha conforme revelado ontem durante coletiva concedida por sua titular, Ana Luíza Job de Carvalho Salomone, e pelo delegado seccional do município, Marcelo Carriel.Ávila foi detido temporariamente e encaminhado à cadeia pública de Pilar do Sul por manter fotos nas quais crianças aparecem fazendo sexo. A prática é ilegal e está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que estabelece pena de detenção de um a quatro anos.

O fato de o acusado ser natural do Peru e de ter viajado várias vezes para aquele país reforça a tese, conforme a delegada. Foi de lá que ele trouxe os CDs com as imagens pornográficas, conforme relatou em seu depoimento. Há pelo menos 20 anos, Manuel Ávila praticava esse tipo de ação.

Ele também captou durante os últimos dez anos imagens de mulheres que se submeteram a exames de diagnóstico de imagem nas clínicas em que trabalhou tanto em Sorocaba quanto em outras três cidades do interior paulista: São Roque, Itapetininga e Barueri. Nesta última, mantém uma empresa da qual consta ser proprietário.

Somente em Sorocaba foram cinco as clínicas pelas quais o acusado passou. Os representantes de todas deverão prestar depoimento na DDM no decorrer desta semana. Para não interferir no trabalho de investigação, a polícia mantém o nome das empresas sob sigilo. Ávila utilizava microcâmeras que instalava em pontos estratégicos dos consultórios.

Ralos e até vasos sanitários foram utilizados com esse objetivo. Funcionários que trabalharam com ele nos estabelecimentos disseram nunca terem desconfiado de nada. Manuel Ávila era um profissional reconhecido em seu ramo de atuação e chegou a lecionar a disciplina de ética num curso voltado à formação de técnicos de radiologia.

Uma vez concluída a filmagem, dava-se o trabalho de editar o material. Ele acumulou um acervo de mídias que impressionou as autoridades. “São muitos DVDs. Tantos que não conseguimos ainda terminar a contagem”, disse a delegada Ana Luíza. Os discos eram identificados pelo próprio Ávila com a inscrição “Best” (melhor, em português).

A identificação das vítimas que foram filmadas é praticamente impossível na medida em que todas tiveram reproduzidas apenas imagens de partes íntimas dos corpos. Até por isso a DDM espera que quem tenha sido atendida pelo técnico nesse período encaminhe a denúncia agora que o caso veio a público. De acordo com a polícia, o material era editado, e ele deixava nas gravações apenas as mulheres e crianças, tirando a roupa e depois se vestindo após os exames de tomografia, de ressonância magnética e de raios X.

A descoberta

O ponto de partida para que a polícia chegasse a Manuel Ávila foi uma denúncia de violência doméstica feita por sua ex-esposa. Portadora de deficiência física, ela apresentou queixa na DDM dando conta de que o técnico, mesmo depois da separação, voltava com frequência à casa onde morou para guardar e buscar objetos.

Durante o tempo em que esteve casado, Manuel fez isso com frequência e acumulou uma quantidade impressionante de mídias e outros equipamentos, além de revistas europeias. O material era mantido num porão ao qual a ex-mulher não tinha acesso por conta de suas limitações.

Vítima de maus tratos e de pressão psicológica, a mulher acreditou, ao longo desse período todo, que o marido guardava na própria moradia registros de seus supostos casos extraconjugais. Essa informação levou a polícia ao local e lá apreender os itens descobertos. Milhares de DVDs e até um equipamentos que converte imagens das antigas fitas em VHS no formato digital foram encontrados.

Ávila também teria abusado de uma cunhada quando esta tinha onze anos de idade. Outra parte do material foi encontrada no cofre da casa onde o técnico morava com a atual namorada, que também nunca suspeitou de nada.

( o cara de  muita bandeira, acumular provas na casa da ex mulher, em vez de guardar na sua própria onde  apolicia não entraria pelo menos sem um mandato, ou será que entra de qualquer jeito agora ? 
mas não é apenas ele o envolvido, é uma rede que envolve milhares no BRASIL  e no mundo, com certeza tem mais, a policia não deveria se contentar com este ai que é peixe pequeno, quando tem muitos tubarões no meio, mas estes com são ricos e poderosos.
mas como a corda só arrebenta pro mais fraco, MANOEL vai pagar por tudo sozinho, pelo menos em SOROCABA.)

ex secretário da prefeitura de SOROCABA, JANUÁRIO RENNA, é absolvido de prática de pedofilia

O engenheiro e ex-secretário municipal de Administração, Januário Renna, 67 anos, foi absolvido em um dos dois processos que responde por crimes sexuais contra menores de 18 anos. Ele continua condenado pelo flagrante com três adolescentes em um motel na cidade de Itu no ano de 2009, mas foi considerado inocente na ação criminal que o acusava de manter no computador da Prefeitura 2.181 fotos de crianças de três a 15 anos, nuas ou seminuas, sendo abusadas sexualmente ou em situações constrangedoras.

A sentença que o isentou foi uma decisão do juiz da 2ª Vara Criminal de Itu, Hélio Villaça Furukawa, proferida no último dia 2 de junho. Apesar de ser em primeira instância, a decisão agora é irreversível porque o prazo para tentar reformá-la venceu em 16 de junho, sem que o Ministério Público ingressasse com recurso. No mesmo processo o magistrado condenou Marcela Jucilene Farias Pacheco, acusada de intermediar de forma continuada o encontro das meninas em troca de dinheiro. Determinou à Marcela a prisão de três anos e quatro meses, além de multa, para serem cumpridas em liberdade, já que a condenada é primária e em razão do tempo da pena.
Quanto ao réu Januário Renna, o juiz Furukawa entendeu que, devido à manipulação das provas, ficou inexistente o crime de armazenamento de material pornográfico envolvendo menores de idade, no computador que utilizava na Prefeitura de Sorocaba. O juiz considerou que o MP deixou de esclarecer como, quando e por meio de quem obteve o disco rígido (HD), cuja propriedade foi atribuída ao réu. “Não é concebível que o Ministério Público esconda do próprio juízo a identidade da pessoa que lhe forneceu o material, impossibilitando de se apurar como ele foi obtido e em que circunstância”, fez constar no processo. Renna havia sido acusado pelo MP de ter armazenado as imagens de pedofilia entre o início de 2008 e meados de agosto de 2009.

O promotor de Justiça que integra o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP, Antonio Domingues Farto Neto, disse ontem que após o flagrante a polícia apreendeu o computador da Prefeitura que Renna usava nas atividades de secretário municipal. O representante do MP afirmou que quando os policiais chegaram para recolher o equipamento, ele já estava desconectado de todos os demais periféricos, como monitor e teclado. A Perícia constatou que teria havido a troca do disco rídigo (HD), onde os dados são gravados.

Posteriormente foi entregue no Gaeco um segundo HD, que supostamente seria o original do computador. Farto Neto conta que a perícia constatou que o segundo HD poderia ser daquele equipamento. Parte dos dados havia sido apagada de forma que não pudesse ser recuperada, mas no restante do disco havia registros de acessos a sites com conteúdo de pedofilia. “A perícia constatou que o HD não correspondia à máquina. Foi feito o laudo informando que havia incompatibilidade técnica”, disse Farto Neto sobre o primeiro HD do computador apreendido na Prefeitura.

O advogado de defesa de Januário Renna, Mário Del Cistia Filho, ressalta que seu cliente foi absolvido porque o juiz entendeu que ele deixou de praticar o crime. Del Cistia Filho enfatiza que tal veredito é muito diferente daquelas absolvições em que a Justiça considera que faltou provas. “Provamos que as fotos não foram armazenadas pelo Januário Renna”, alegou o advogado. A defesa explicou ainda que a polícia apreendeu dois computadores, um na residência do réu em Itu e outro na Prefeitura de Sorocaba, e nos HDs que equipavam tais equipamentos no momento da apreensão não foi encontrado nada de ilícito.

“Absurdamente surgiu um terceiro HD, que foi alegado que pertencia a Renna”, declarou Del Cistia Filho. A defesa do réu acrescentou que questionou em juízo fato do perito ter informado que as 2.181 fotos não estavam armazenadas naquele HD. “O HD foi acessado após a perícia, quando Renna estava preso, e então apareceram as 2.181 fotos”, alega o advogado.

 

( ninguém é inocente nesta bolo todo , na epoca as meninas sumiram do mapa, deixando o ex secretário responder spzinho  o abacaxi, nenhuma deles sequer pediu ajuda pra sair disso, pelo contrário, devem ter mudado de ponto na busca por outros tarados.

esta porcaria de menor que só da dor  de cabeça, não soube fazer ? então arque com o conta, não venha abaixar a cabeça ah só tenho 15.

mais uma professora pega com di menor, mas e o psiquê deles ?

 

Marido usa GPS no celular da esposa para flagrá-la fazendo sexo com aluno menor de idade

 14.11.2012 às 11h01 

 Estados Unidos – A tecnologia foi usada para comprovar um caso de traição. 

O marido da professora Amie Lou Neely, de 38 anos, desconfiado de que ela estava tendo um caso, aproveitou um aplicativo com GPS no celular da esposa para flagrá-la. 

Amie Lou Neely estava fazendo sexo com um aluno de intercâmbio, de 16 anos, que morava com o casal em Port St. Lucie (Flórida, EUA). 

Amie e o adolescente tiveram relação sexual em um carro estacionado, em plena luz do dia, de acordo com a emissora WPBF. 

O marido rastreou ela e encontrou os dois no ato. O aluno contou ter feito sexo com Amie em várias ocasiões. 

 A professora foi presa por sexo com menor de idade e justificou o comportamento por estar vivendo uma “crise no casamento”. ( o que eu queria saber se estas vitimas e supostas vitimas recebem tratamento psicológico ? 

claro que o moleque ta se vangloriando de ter pego a professora, fantasia numero 1 de adolescentes pegar mulher mais velha, mas já me disseram que quando chegarem a fase adulta, podem ter problemas psicológico. 

e ai JOSÉ ? este pessoa vai namorar, casar e pior PROCRIAR , como uma garota que dançou em baile funk, se prostituiu, saiu com cara mais velho, só por grana ,vai ser amanhã. ? 

estes meninos que transam com mulheres mais velhas e ai ? todos são tratados ? prendem as pessoas responsáveis (pobres),  mas e a cabeça deles e delas ?

XUXA X GOOGLE, ainda AMOR ESTRANHO AMOR, e tb SILVIA KRISTEL E MONICA BELUCCI

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu a favor do Google no processo movido por Xuxa Meneghel, informa o jornal “Folha de S. Paulo” desta quarta-feira (27).

 A apresentadora entrou com um processo na Justiça contra a empresa em outubro de 2010, pedindo que as cenas em que ela aparece nua ou em atos sexuais fossem retiradas dos resultados. O pedido de Xuxa incluía o bloqueio de todos os resultados relacionados à busca feita pelo nome da apresentadora seguido das palavras “pedofilia” e “pornografia”. 


Essas palavras levam ao filme “Amor Estranho Amor”, de 1979, no qual ela aparece em cenas de sexo com um menino de 12 anos. Para o STJ, o Google não é culpado pelo conteúdo contido na internet, sendo somente um buscador online. A liberação se estende também para outras companhias do Google, como o YouTube. A decisão, no entanto, não é definitiva e a apresentadora ainda pode recorrer.chales em monte verde ( XUXA é uma idiota, vai morrer de velha com mais de 100 anos e vai estar perseguindo este filme, alais só ela é criticada , VERA FISHER sim fez muito mais com o menino e nunca ninguém falou dela.

ai está o filme, pra quem quiser ver , vejam ai e comprovem se só ela merece ser criticada, alias só marretam ela quando saia  noticia dela perseguindo seus vídeos fotos pela rede, fique quieta XUXA, ai todos esquecem de vez.
 
 
vc com certeza deve ter visto este filme UMA PROFESSORA MUITO ESPECIAL com SÍLVIA KRISTEL a eterna EMANUELLE, aqui ela seduz um moleque de 15 anos em cenas bem quentes, pq nunca ninguém falou dela ?, até na tv passou este filme, isso caro nos anos 80 né , quando pedofilia nem existia, a palavra em si.
aqui tem o filme completo mas em inglês, se vc baixar, mas SILVIA nunca foi criticada por este filme.
 
 
e por último temos MALENA , onde MONICA BELLUCCI tb seduz um menino, e tb passou pelo BRASIL e nada se falou dele, nem eu sabia até por casado ter visto cenas na internet.
 
como podem ver apenas XUXA se incomoda com seu passado, apenas ela é achincalhada, pq ? só por ser brasileira mesmo ?

pedófilos compram virgindade de meninas índias no AMAZONAS

No município amazonense de São Gabriel da Cachoeira, na fronteira do Brasil com a Colômbia, um homem branco compra a virgindade de uma menina indígena com aparelho de celular, R$ 20, peça de roupa de marca e até com uma caixa de bombons. 

A pedido das mães das vítimas, a Polícia Civil apura o caso há um ano. No entanto, como nenhum suspeito foi preso até agora, a Polícia Federal entrou na investigação no mês passado.
Doze meninas já prestaram depoimento. Elas relataram aos policiais que foram exploradas sexualmente e indicaram nove homens como os autores do crime.
Entre eles há empresários do comércio local, um ex-vereador, dois militares do Exército e um motorista.
As vítimas são garotas das etnias tariana, uanana, tucano e baré que vivem na periferia de São Gabriel da Cachoeira, que tem 90% da população (cerca de 38 mil pessoas) formada por índios.
Entre as meninas exploradas, há as que foram ameadas pelos suspeitos. Algumas foram obrigadas a se mudar para casas de familiares, na esperança de ficarem seguras.
A Folha conversou com cinco dessas meninas e, para cada uma delas, criou iniciais fictícias para dificultar a identificação na cidade.
M., de 12 anos, conta que “vendeu” a virgindade para um ex-vereado. O acerto, afirma a menina, ocorreu por meio de uma prima dela, que também é adolescente. “Ele me levou para o quarto e tirou minha roupa. Foi a primeira vez, fiquei triste.”
A menina conta que o homem é casado e tem filhos. “Ele me deu R$ 20 e disse para eu não contar a ninguém.”
P., de 14 anos, afirma que esteve duas vezes com um comerciante. “Ele me obrigou. Depois me deu um celular.”
Já L., de 12 anos, diz que ela e outras meninas ganharam chocolates, dinheiro e roupas de marca em troca da virgindade. “Na primeira vez fui obrigada, ele me deu R$ 30 e uma caixa com chocolates.”

Exploração sexual de garotas indígenas

 Ver em tamanho maior »

Meninas indígenas são exploradas sexualmente na cidade de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas
DEZ ANOS
Outra garota, X., de 15 anos, disse que presenciou encontros de sete homens com meninas de até dez anos.
“Eu vi meninas passando aquela situação, ficando com as coxas doloridas. Eles sempre dão dinheiro em troca disso [da virgindade].”
P. aceitou depor na PF porque recebeu ameaças de um dos suspeitos. “Ele falou que, se continuasse denunciando, eu iria junto com ele para a cadeia. Estou com medo, ele fez isso com muitas meninas menores”, afirma.
Familiares e conselheiros tutelares que defendem as adolescentes também são ameaçados. “Eles avisaram: se abrirem a boca a gente vai mandar matar”, diz a mãe de uma menina de 12 anos. ( já que defendem que índio deve ser incluído em nossa ( sociedade?) então tb devem ter direitos e proteção, ou justiça é só pra filha do rico em caso dela ser abusada ?
 
só pobre é preso e os bacanas ? falam tanto em pedofília, crime hediondo coisa e tal, mas e as índias no meio da selva tb estão incluídas ou excluídas do quadro de denuncias ?)

 

ANA CAROLINA DA COSTA SOUZA, mais uma vitima da internet.

A estudante Ana Carolina da Costa Souza, de 13 anos, desaparecida desde a última segunda-feira, foi encontrada no início da tarde desta quinta-feira. De acordo com o pai da jovem, José Francisco de Souza, ela avisou, por telefone, que estava voltando para casa. Ana mora na comunidade da Tijuquinha, na Zona Oeste, e foi vista pela última vez na segunda quando ia para a escola.

De acordo com o RJTV, os pais de Ana Carolina descobriram através da página da filha numa rede social que ela tinha marcado um encontro com um desconhecido, na segunda-feira, ao meio-dia, no Posto 3 da Praia da Barra.

Preocupado, José Francisco de Souza, pai da menina, ligou para o celular de Ana Carolina. Um homem atendeu a chamada e disse ter achado o aparelho na praia e que iria devolver. Em seguida, contudo, após outra ligação do pai, o homem atendeu disse que estava com Ana Carolina, mas ela não iria atender. Após a segunda ligação, a família não conseguiu mais fazer contato.

Uma vizinha, identificada como Francisca Cândida Araujo, disse ter visto a menina, na segunda-feira, por volta das 14h, na passarela da Barra, com um homem moreno, de estatura mediana, aparentando ter 20 anos. “Passou para mim tristeza nela, como se ela estivesse sendo forçada a ir com ele”, contou a vizinha ao RJTV. ( pelo jeito pedofilia, já caiu na banalidade, quando alguém falar que ta atento a tudo, desconfie, gente que fala isso só quer se apareçer, ninguém ta atento a nada, faltou uma viatura desconfiar dos dois.

a vizinha naturalmente ficou é com medo de se aproximar, o cara devia ser mal encarado , o resultado ta ai.

o tempo que seu filho(a) fica vendo filme de droga , sexo etc com a turminha, só aprendendo coisa errada, assista junto deles, este filme ai, quie trata justamente deste assunto, os perigos da net, mas assista e debata junto com eles.

professora pede para aluna marcar encontro com pedófilo

Uma professora de português da Escola Estadual Professora Maria Ramos, de São Carlos, a 255 km da capital, pediu a uma aluna de 12 anos que marcasse um encontro com um pedófilo pela internet como tarefa. Em nota, a Secretaria Estadual da Educação informou que determinou o afastamento da professora e a investigação do caso. 

De acordo com a mãe da menina, a professora escreveu um bilhete dirigido aos pais, informando sobre a tarefa. No texto, ela explica ter pedido à menina que entrasse numa sala de bate-papo com nome fictício, citando a idade real, para “analisar as propostas que receberia”. A docente teria justificado que o objetivo seria mostrar os riscos da internet. 

Ela pediu aos pais que monitorassem as conversas online da menina. O bilhete pede a ajuda dos pais “para avaliar e vigiar essa conversa, já que meu único objetivo é mostrar a eles o risco desse tipo de conversa”. 

No bilhete, a professora também solicitou que as conversas fossem impressas e anexadas no trabalho. Ela ainda afirma: “Qualquer questionamento, podem me procurar na escola”. 

O caso foi levado ao Conselho Tutelar da cidade, na sexta-feira, pela mãe da menina, que viu o bilhete da professora no caderno e conversou com o marido, padrasto da criança. Ele foi até a escola reclamar com a direção. 

De acordo com o relato da estudante, a professora separou a classe em três grupos e distribuiu trabalhos com temas diferentes. No grupo da garota, o tema era a pedofilia e, como ela revelou que tinha acesso à internet, a professora pediu que entrasse em um chat para encontrar um pedófilo. 

A aluna foi incumbida de marcar um encontro com ele em frente à catedral, no centro de São Carlos. O plano da professora era levar a garota até o local para tirar foto do suposto pedófilo. A mãe disse que a filha ficou tão nervosa com a incumbência que chegou a chorar, com medo de falar com os pais sobre o pedido da professora.

A conselheira tutelar Rosa Helena Polese informou ter enviado ofício para a Diretoria Regional de Ensino pedindo esclarecimentos sobre a conduta da professora. De acordo com a diretora regional Débora Gonzales Costa, a professora leciona na rede estadual há oito anos e nunca teve problemas com alunos. O caso também chegou ao Ministério Público. O promotor da Vara da Infância e da Juventude, Marcelo Mizumo, ainda analisará se cabe providências. Ele disse que, em princípio, não parece ter havido prática de crime. A professora foi procurada pela reportagem, mas um familiar informou que ela não vai falar sobre o caso com a imprensa. ( a professora sé errou em pedir a garota que marcasse encontro e levar a menina o local pra tirar uma foto do pedófilo, a não ser que mais gente fosse junto, como os pais da garota, mas era desnecessário, isso, o papo na net ja estaria de bom tamanho.

a professora tinha boas intenções, mas esbarrou na ignorãncia dos pais, que acham que drogas, pedofilia e outras coisas ,não podem atingir seus lares ,  alias pedofília ja ta banalizado,ninguem mais liga, os assuntos viram tabus, por isso temos drogaditos cada ve mais jovens, gravidez precoçe entre outros.)