policia x pancadão na periferia de SP

Policiais Militares foram acionados por ocorrência de perturbação do sossego, no Jardim Elisa Maria, na região da Vila Brasilândia, na zona norte de São Paulo, por volta das 7h20, desta quarta-feira (25).

Segundo os moradores, diversas pessoas, inclusive alcoolizadas, promoveram um baile funk em plena via pública durante toda a noite. Pela manhã, eles continuavam a festa.

A PM foi acionada pelos moradores, que estavam incomodados com o “pancadão” – vindo de veículos

A polícia chegou ao local por volta das 8h. Ao avistar as viaturas da 1º Companhia do 47º Batalhão, os jovens fecharam os tampões dos carros e fugiram em disparada em motos, a pé e de carro. Imagens registradas pelo Helicóptero da TV Record flagraram jovens dançando e consumindo bebida à luz do dia no meio da rua.http://noticias.r7.com/sao-paulo/noticias/pm-acaba-com-pancadao-em-plena-luz-do-dia-em-rua-da-zona-norte-de-sao-paulo-20120125.html

( periferia não tem lei mesmo, fazer o que ? que tal aquele FILME B13 ? onde os bairros marginalizados são cercados por muros gigantescos e lá dentro cada um faz o que quer , sem perturbar o resto da cidade, ou isso ou manda esta tuma se divertir fora da cidade , ai la se arrebentem e se dane se é di menor.)

SOROCABA: prefeitura e avelha lei de fechar bar as 11 da noite

O prefeito Vitor Lippi (PSDB) enviou à Câmara projeto de lei que vai dificultar a abertura de bares e similares após às 23h. Só poderão funcionar aqueles que conseguirem uma licença especial concedida pela setor de fiscalização da prefeitura. A solicitação será votada nesta segunda-feira (12), em sessão extraordinária.

Esse órgão terá representantes da prefeitura, Câmara de Vereadores,  Polícia Federal, a delegacia seccional, 7º Batalhão da Polícia Militar do Interior e do 15° Grupamento de Bombeiros. “Com isso, garante-se que o alvará para funcionamento em horário especial não seja expedido aleatoriamente, mas de forma criteriosa, levando-se em consideração o preenchimento dos requisitos legais e o interesse da comunidade em geral”, coloca Lippi na justificativa que acompanha o projeto.

Fachada

Segundo Lippi, é fato que existem inúmeros estabelecimentos comerciais, de prestação de serviços ou até mesmo propriedades particulares com características residenciais existentes em nosso município, sob o pretexto de exercerem atividades legalmente autorizadas e para as quais possuem Alvará de Licença. “Eles usam tais estabelecimentos como fachada para a prática de atividades ilegais, como jogos de azar, casa de prostituição, tráfico de entorpecentes e tantas outras”, explica Lippi.

Não visa

O prefeito afirma que a presente proposta não visa o fechamento de bares e similares e sim exigir alvará especial de funcionamento para abertura após as 23h. “Evitando, com isso, as consequências do efeito do álcool, notadamente no que diz respeito à criminalidade e à violência em geral.” De acordo com prefeito, o projeto não quer “diminuir o direito à liberdade como um todo, mas sim a um de seus específicos desdobramentos. O que se pretende é a regulamentação do funcionamento de bares e similares no município”, esclarece.

Nova medida deve acarretar demissões

Proprietários e frequentadores discordam da visão do prefeito Vitor Lippi (PSDB), de que é necessária uma lei para restringir a abertura de bares após as 23h para diminuir os efeitos do álcool, mas admitem que a medida pode provocar uma melhora na ordem da cidade durante a madrugada.

Júlio César Ambar, um dos gerentes do Expresso Sorocabano, alerta que o projeto de lei é perigoso, pois se revertida em lei, pode gerar muitos desempregos. “Aqui no Expresso, emprega-se mais de 60 funcionários. A maioria trabalha mais entre 22h e 2h, quando o movimento é maior. Com a lei, 40 seriam demitidos.”

O técnico Hermes Rangel, cliente do bar,  diz que leis que obrigam os estabelecimentos a fechar só vem para atrapalhar a noite dos frequentadores, mas que é válida. “Se virar lei, deve ser respeitada. Bares sem a licença, validada pelas maiores autoridades do município, deve fechar. Se ajudar a diminuir acidentes e o público em geral, por que não promulgar? Os vereadores e o prefeito terão que ter coragem para aprovar”, afirma.

Por outro lado, o jovem é contra a arbitrariedade. “Discordo da obrigatoriedade. Sou contra fechar os bares para depois cobrar a licença. O projeto de lei deveria fazer o contrário.”

Para Douglas Guidoni, 32, os supermercados vão adorar a lei. “Os clientes não vão deixar de beber e se divertir. Vão comprar a bebida no mercado e depois beber nas praças da cidade. Vão transformar os espaços públicos em pontos de encontro barulhentos. Bagunça generalizada.”

Djalma Braguin, diretor operacional da Rede Salomé Bar, tem opinião parecida. “É um arrocho desnecessário. Esse projeto de lei dá uma brecha para o vandalismo.  O fechamento dos bares após as 23h não acabará com os transtornos da noite. A lei vai prejudicar de forma direta os bares, restaurantes e similares”, diz. A cliente do Salomé, Andrezza de Paula, 22, apoia a lei, mas lamenta a censura. “Por um lado, a lei é boa, ordenaria a sociedade, mas a diversão ficará comprometida.”

O que será preciso para ter a licença

Exigência 1 – Inscrição municipal 
Exigência 2 – Auto de vistoria do Corpo de Bombeiros
Exigência 3 – Licença de funcionamento da Vigilância Sanitária 
Exigência 4 – Laudo de tratamento acústico do local 
Exigência 5 – Acesso a portadores de necessidades especiais
Exigência 6 – Segurança privada legalizada pela Polícia Federal  
Exigência 7 – Alvará de construção, reforma ou ampliação
Exigência 8 – Parecer favorável de uma comissão especial

( como sempre digo, é lei para funcionar em centro da cidade e talvez em algusn bairros, a prefeitura mesmo disse em outra matéria que não tem fiscal pra cobrir toda SOROCABA.

vcs acham que fiscal vais e meter em bocada ?nos lugares mais perigosos da cidade onde quem manda é o trafico ? não vai né ? ainda mais a noite, quem vai ? isso é medida paliativa , engana trouxa, apenas joga a violência mais pra periferia mesmo. )