deputado quer acabar com seu 5 contra 1 ,se liga meu .

  • Deputado Marcelo Aguiar afirma que "a pornografia veio substituir a prática sexual com outra pessoa"Deputado Marcelo Aguiar afirma que “a pornografia veio substituir a prática sexual com outra pessoa”

O deputado federal Marcelo Aguiar (DEM-SP) propôs uma lei que tem como objetivo diminuir o número de “masturbação” na internet. O PL 6.449/2016, que tramita na Câmara dos Deputados, quer obrigar as operadoras a criarem sistemas de filtro para interromper automaticamente todos os conteúdos de sexo virtual, prostituição e sites pornográficos.

O projeto defende que “a pornografia veio substituir a prática sexual com outra pessoa”. O deputado defende na PL, ainda, que “os jovens são mais suscetíveis a desenvolver dependência e já estão sendo chamados de autossexuais – pessoas para quem o prazer com sexo solitário é maior do que o proporcionado, pelo método, digamos, tradicional”.

Na justificativa do projeto, o deputado ainda comenta pesquisa: “Estudos atualizados informam um aumento no número de viciados em conteúdo pornô e na masturbação devido ao fácil acesso pela internet e à privacidade que celular e o tablet proporcionam”.

Marcelo Aguiar é pastor, tem carreira sertaneja gospel e foi eleito em 2010 com 98.842 votos. Em 2014, ele obteve 65.970 votos e ficou como primeiro suplente da bancada. O deputado tomou posse em fevereiro de 2015.

( tanta coisa acontecendo e vem um mané se preocupar com a bronha dos outros.

mas tb ,culpa do povo que elege gente louca,demente ,machões , reacionários , fanáticos,que só sabem fazeres política um circo de horrores .)

 

projeto de lei em SOROCABA quer isentar pequenos templos e igrejas das lei anti incêndio, então é torcer pra nunca pegar fogo , senão e ai ?

A Câmara Municipal de Sorocaba vota nesta terça-feira (28), em primeira discussão, o projeto de lei do vereador Luis Santos (Pros) que desobriga igrejas e templos religiosos com menos de 250 metros quadrados ao cumprimento da lei municipal de combate a incêndios. Caso seja aprovada, a proposta irá isentar até 70% desses estabelecimentos de apresentar o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), necessário para liberação do alvará de funcionamento. Apesar dessa legislação vigorar no município há 33 anos, esses estabelecimentos tiveram até o fim de julho para se adequar às exigências, após prazo de um ano concedido por lei aprovada pelo próprio Legislativo. No entanto, apenas 15% das 741 igrejas e templos religiosos haviam obtido o documento. 

A proposta que será votada nesta terça-feira foi protocolada no início de agosto, em substituição a outro projeto do próprio Luis Santos, que além de criar a exceção para templos e igrejas com área menor que 250 m2, aumentava em mais um ano o período para os estabelecimentos se adequarem. Esse projeto, no entanto, foi arquivado após o Ministério Público (MP) instaurar um inquérito civil alertando os vereadores para a possibilidade de responderem judicialmente por improbidade administrativa caso aprovassem mais um adiamento das regras. A lei que instituiu o primeiro prazo, de autoria do então vereador Francisco Moko Yabiku (PSDB), foi aprovada no ano passado e estabelecia a data de 31 de julho deste ano como limite para adequação dos estabelecimentos. 

Desde então, os templos e igrejas que não possuem o AVCB são considerados irregulares e estão sujeitos à multa de R$ 627, podendo até perder o alvará de funcionamento caso as exigências não sejam cumpridas até 180 dias após a primeira notificação. Das 741 igrejas e templos religiosos existentes em Sorocaba, 84% estavam nessa situação até o início de setembro. Com aprovação do projeto de lei, no entanto, cerca de 520 estabelecimentos podem ficar isentos da obrigatoriedade da lei, já que o setor de fiscalização aponta que 70% dos templos da cidade têm área inferior a 250 m2. 

Em sua justificativa, Luis Santos explica que baseou-se no princípio da isonomia, já que a própria lei de combate a incêndios, no item 6 do artigo 4º, libera edifícios industriais e comerciais com menos de 250 m2 da obrigatoriedade da lei. Ainda segundo o autor do projeto, os templos não podem ser tratados de forma desigual. “Eles funcionam em carga horária muito inferior a comércios e indústrias”, afirma no documento. Após a sessão de hoje, o projeto de lei precisa ainda passar por apreciação em segunda discussão. Para emitir o AVCB, o Corpo de Bombeiros leva em conta, entre outros itens, a exigência de equipamento de combate a incêndios, saídas e sinalizações de emergências, adequados à dimensão dos prédios.

( lugar pequeno não pega fogo então, isso na cabeça dos vereadores ?  isso claro só vale para igrejas e templos, vai vc montar seus comerciozinho com menos de 250 m ai a lei vem pra cima .)

VOTORANTIM pode proibir os fogos de artifício, mas e a clandestinidade ?

O uso de fogos de artifício, sinalizadores, shows pirotécnicos com produtos inflamáveis em teatro, bares, boates, auditórios, campos de futebol, clubes e locais cobertos destinados a eventos deve ser proibido em Votorantim. Pelo menos é isso o que quer o vereador Eric Romero (PPS), que teve seu projeto aprovado na Câmara.

“A finalidade desta proposta é evitar tragédias como a ocorrida na casa de shows de  Santa Maria [cidade do Rio Grande do Sul] e a morte do garoto 14 anos que foi atingido no rosto por um sinalizador enquanto assistia uma partida de futebol, na Bolívia”, justifica o parlamentar. “Essas são situações que podem acontecer em qualquer localidade, inclusive em Votorantim”, complementa.

Ainda segundo Eric Romero, durante o jogo entre o Floresta e a Vila Garcia adolescentes utilizavam fogos de artifícios sem nenhum tipo de cuidado ou orientação, colocando em risco vida de outros participantes do evento. “Nossa intenção é coibir atitudes como estas e controlar a utilização desses artifícios”, acrescenta.

O parlamentar do PPS também ressaltou sobre a importância de promover a prevenção e a segurança em diversos eventos da cidade.

Além disso, continua ele, as regras devem  ser aplicadas também aos palcos existentes ou montados ao ar livre quando houver a realização de eventos que não tenham as devidas certidões de aprovação dos órgãos competentes, especialmente do Corpo de Bombeiros.

MULTA /Após sancionado pelo prefeito Erinaldo Alves da Silva (PSDB) e publicado no Diário Oficial, a lei prevê que os infratores responsáveis pelo evento e o proprietário do imóvel particular sofrerão algumas penalidades, incluindo a multa de 400 UFM’s (Unidades Fiscais do Município) que, atualmente,  equivalem R$ 1.232,88.

Em caso de reincidência o valor da infração será  dobrado, podendo ser interditada da  atividade e o fechamento do estabelecimento ou a cassação do alvará de autorização ou de licença.

MAIS

Projeto começou a ser discutido em fevereiro
O autor do projeto, vereador Eric Romero (PPS), apresentou a proposta em fevereiro, mas houve a necessidade de acrescentar uma emenda para que o projeto cumpra sua finalidade, ou seja, após a sanção do projeto pelo executivo, a lei entrará em vigor em 45 dias após sua publicação oficial.

Para a festa junina fogos são permitidos
No caso da tradicional Festa Junina de Votorantim não será impedido de utilizar os fogos, “pois os artifícios são manipulados por profissionais que obtém todos os requisitos exigidos pelos órgãos competentes, incluindo o Ministério da Defesa e o Corpo de Bombeiros”, esclarece Eric Romero.( melhora em partes, mas e a venda pra qualquer pessoa, o cara poderia comprar quantos fogos , se controlar ai apareçem os clandestinos que vendem o quanto a pessoa quiser.

como evitar isso ? o projeto é bom, SOROCABA tem de copiar.)

fundamentalistas evangélicos , querem proibir gente solteira em móteis pelo BRASIL.

A comissão de constituição e justiça da Câmara dos Deputados está
avaliando a constitucionalidade do projeto de autoria do deputado Josias Macieira (DEM-TO) que estabelece a obrigatoriedade da apresentação da
certidão de casamento nas recepções de motéis. O projeto que conta com
amplo apoio da bancada evangélica no Congresso quer coibir o pecado da
fornicação no Brasil.

Segundo
o deputado Josias Macieira “a razão social dos motéis os permitem a
fazer hospedagens de curta duração, no entanto o que vemos hoje é a
prática da fornicação e da prostituição. Em defesa da família e dos bons
costumes queremos coibir o avanço da sem-vergonhice neste país que já é
tão profanado”.

Carlos
Campos Junior, presidente da Associação Paulista de Motéis (APAM),
considera aviltante o projeto de lei por interferir na intimidade dos
brasileiros. Para Campos Junior “quem faz sexo é solteiro. Casado faz
amor. Quem é casado não tem tempo nem dinheiro e muito menos vontade de
ir em motel. Este projeto coloca em risco cerca de 50 mil empregos
diretos e mais de 400 mil indiretos”.

O
pastor Diógenes Oliveira, presidente da Associação Mundial das
Assembleias de Deus, é radical ao avaliar o argumento da APAM. Para o
pastor Diógenes “não importa quantos empregos vão deixar de gerar o
fechame.nto dos motéis. Se é pra aliviar quem gera emprego assinem a 

carteira de quem trabalha em boca de fumo. O sexo não pode ser
banalizado. Sexo fora do casamento e sem finalidade reprodutiva é
carimbo no passaporte para o inferno”.

Caso
a comissão de constituição e justiça avalie positivamente o projeto ele
deve ser votado em agosto e pode entrar em vigência no mais tardar em 
setembro. Se você é solteiro aproveite seus últimos dias de acesso livre
e irrestrito a estes playgrounds do prazer ( depois quando eu falo que tem de invadir aquela birosca chamada congresso e botar todo mundo pra correrem de lá, ainda tem quem ache absurdo.

e vai ter gente preocupada com isso, enquanto o povo, more em hospitais, bala perdida , acidentes nas estradas, trânsito, doenças que já deveriam ter sido erradicadas etc etc, por caso vão proibir os ricos e políticos de frequentarem motéis com secretárias, assessoras,  teúdas e manteúdas da vida ?

ai vão tudo pro matel, vai ter gente afogando o ganso em tudo quanto é lugar, por conta desta lei, claro que isso pegaria em motéis conhecidos de nome, quantos hoteis de curta permanência, muquifos em geral tem por ai, sem falar que uma certidão de casamento pode ser falsificada ? ai surgem máfias de falsificação de certidões de casórios. 

AH ESTA CORJA EVANGÉLICA vai plantar batatas, como se não houvesse safadeza entre eles mesmos, a noite todo mundo faz sua coisa escondida viu povinho ?)

beber na rua disfarçadamente , no pais da piada pronta

 

Depois de proibir o fumo em ambientes fechados, a Assembleia Legislativa de São Paulo começa a discutir, ainda esta semana, projeto de lei do deputado Campos Machado (PTB) que proíbe a venda e o consumo de bebida alcoólica nos espaços abertos. Se a proposta for aprovada pelo plenário e, depois, sancionada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), o álcool será banido de ambientes públicos como praias, calçadas, postos de gasolina e estádios, entre outros. 

O texto prevê, ainda, restrição ao porte de bebida nas ruas. Carregar garrafas só será permitido, nesses espaços, com embalagens que escondam o rótulo. Essa regra já é aplicada em países como Canadá, Estados Unidos e Chile. Aqui, deverá inaugurar onda de polêmica. É o que prevê, por exemplo, o presidente da subseção Sorocaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Alexandre Oguzuku. 

Favorável à medida, o dirigente prevê, por outro lado, que ela vá entrar em rota de colisão com o regulamento geral da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. “Não me parece que a organização do evento, que tem, também, o apoio publicitário de cervejarias, concorde em com a proibição de venda e consumo nos estádios de futebol. Essa é uma questão que terá de ser bastante debatida, se a intenção for mesmo regular procedimentos””. 

Conforme Alexandre Oguzuku, do ponto de vista legal, não existe impedimento para a aplicação da lei. “Tenho acompanhado a discussão, e ouvi que alguns setores consideram que o projeto vá atingir direitos individuais. Não me parece o caso; ao contrário, ele atende ao interesse maior da sociedade. Nesse caso, o bem estar coletivo está acima dos interesses particulares. Ademais, essa é, ainda, uma questão de saúde pública””. 

Oguzuku acredita, mais, que a execução prática da legislação exigirá muito do Estado. “Sabemos que o aparato estatal não dispõe de estrutura para atender tamanha demanda. Tivemos o exemplo recente da lei que proíbe venda e consumo de bebidas por menores de idade. Aqui mesmo, em Sorocaba, no Carnaval, ficou claro que o controle dessa situação deixou a desejar e gerou transtornos noticiados pela imprensa””. 

A mudança de comportamento é outro inconveniente que precisará ser administrado. “Num país em que o verão faz a diferença que faz por aqui, onde se gasta tanto com publicidade para associar a imagem de bebida com praia, com sol, com calor, com Carnaval, proibir o consumo nesses espaços, com certeza dará muito trabalho. Como ficarão, por exemplo, os famosos camarotes dos desfiles bancados por empresas do setor?””, avalia a professora e publicitária Mônica Evelin Hentschel. A especialista entende que será preciso reavaliar posturas. 

“No caso da proibição do cigarro em lugares fechados, as pessoas que se sentiram incomodadas denunciaram o abuso. Ou seja, havia uma consciência de que o excesso atrapalhava. Tanto assim que foram criados espaços especificamente para fumantes. Não sei se isso acontecerá tão tranquilamente quando a lei que trata do consumo de bebidas começar a valer”. Quem conheceu de perto a experiência, admite a dificuldade. 

O engenheiro mecânico Roberto Lopes viajou no ano passado para Orlando, na Flórida. Ao visitar um parque na Disney achou que poderia consumir cerveja sem problemas. Foi advertido, e só escapou de ser punido depois de explicar que não sabia da restrição. “Eu até concordo que é importante regulamentar, combater os problemas causados pelo excesso de álcool, mas sou obrigado a reconhecer que é muito chato não poder beber em determinadores lugares””, comentou. A discussão do tema já chegou às redes sociais. Na quarta-feira da semana passada, um grupo de jovens criou, no Facebook, a página Sampa Pró-Fun.( projetinho intil esse, o cara vai beber sem rotulo e dai ? muda em que afinal.


tipico de ficar dando rodeio, quere beber, se drogar, tirar racha é fora da cidade em areas especiais a isso, as raves já são fora das cidades.)