RACHEL SHEHERAZADE x manifestantes manipulados.

Várias viaturas estiveram na porta do SBT, desde o começo da manhã de ontem, realizando um trabalho preventivo para a manifestação, marcada há alguns dias nas redes sociais, contra a jornalista e apresentadora Rachel Sheherazade, do “SBT Brasil”.

Cerca de 20 mil pessoas apoiaram o movimento no Facebook e Twitter, marcando o protesto para esta sexta-feira. Pelo menos, por enquanto, apenas os policiais estão presentes, para evitar problemas maiores, até porque o SBT está localizado às margens da rodovia Anhanguera.
Veja também:
 
Os funcionários foram obrigados a retirar os seus carros do estacionamento, que fica junto da entrada principal.
 
Como se recorda, a jornalista, na edição do último dia 4, se envolveu em uma outra polêmica, ao comentar o ato de três moradores do Flamengo, no Rio de Janeiro, que torturaram e prenderam um suposto ladrão de 16 anos a um poste.

 

( mas quem são estes pessoas ? militantes de partidos, PSOL E PT ? 

se a maioria da população é a favor de pena de morte, inclusive gostaram de ver p tal di menor amarrado ao poste, a RACHEL apenas disse o que mutos pensam, etes que foram protestar foram pagos pra isso ?

nunca foram vitimas de bandidos, alias bandido não assalta petista, ou do PSOL ? na rua vc pode falar em rodinha de amigos , mas uma jornalista não pode falar na tv ?

o próprio RATINHO cansou de falar que mandaria chumbo em bandido que mexesse com a família dele, ou era sensacionalismo ?

pois é quem tem pena de bandido leve pra casa.)

40 gatos pingados em manifestação contra a prefeitura de SOROCABA

Manifestantes também lembraram vítimas da queda do muro do shopping – Fábio Rogério

Mais fotos…

Lixo acumulado pelas ruas, centralização no atendimento da saúde, falta de vagas em creches, promessas de campanha que deixaram de ser cumpridas no primeiro ano de mandato do prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) e o acidente que há um ano matou sete pessoas quando a parede da ainda construção do Pátio Cianê Shopping desabou na rua Comendador Oeterer. Em protesto a todos esses fatos, cerca de 40 manifestantes saíram às ruas do centro de Sorocaba às 18 horas de ontem com o objetivo de demonstrar insatisfação com a atual administração. Apesar de haver poucas pessoas e na maior parte do tempo terem mantido ao menos faixa das ruas aberta para a passagem dos veículos o trânsito foi prejudicado. A Prefeitura preferiu deixar de se manifestar sobre o ato.
Ainda na concentração, na praça Coronel Fernando Prestes, o aposentado Osvaldo Francisco Ramos, 70 anos, fez questão de usar o megafone para fazer fortes críticas contra o prefeito Pannunzio. Ramos disse que foi preso político em 1969 quando trabalhava como metalúrgico e hoje mora em Capela do Alto. Afirmou que veio a Sorocaba exclusivamente para protestar porque está descontente não só com a política de Sorocaba como da cidade onde reside.

Juliane Loures Ramos, 20 anos, moradora da Vila Leopoldina, disse que foi ela e outra menina de 16 anos quem tomaram a iniciativa de chamar pela internet para uma manifestação outras pessoas que estivessem descontentes. Juliane disse que o limite da insatisfação foi quando soube que não haveria decoração de Natal no centro, já que enfrentou dificuldades para encontrar uma vaga na creche para o filho e está muito insatisfeita com os problemas na coleta de lixo, buracos nas ruas e a falta de estrutura no posto de saúde. Entoando palavras de ordem como “Fora Pannunzio”, “Pannunzio ladrão estamos juntos no lixão”, “O lixo está na rua, Pannunzio é culpa sua”, o grupo percorreu as ruas Coronel Benedito Pires, Francisco Scarpa, avenida Afonso Vergueiro, Comendador Oeterer, Álvaro Soares e Barão do Rio Branco, onde mantiveram alguns minutos de manifestação no cruzamento do Bulevar Braguinha e encerram o ato às 19h15.

Em frente ao Pátio Cianê Shopping os manifestantes fizeram um minuto de silêncio. Também foi o local onde permaneceram por mais tempo parados, cerca de 15 minutos. Mantiveram interditadas duas das três faixas da via sentido sentido avenida Dom Aguirre, mas por várias vezes chegaram a fechar a terceira faixa por alguns segundos, interrompendo o trânsito. O mesmo fizeram por alguns minutos na pista do sentido inverso. 
A Polícia Militar e a Guarda Municipal passaram a acompanhar a manifestação a partir da avenida Afonso Vergueiro, mas sem interferências, a não ser uma abordagem verbal feita por um dos Guardas Municipais que solicitou os nomes de alguns dos manifestantes. Um deles, o estudante de direito e representante do Diretório Centro dos Estudantes na Uniso, Gabriel Soares, 18 anos, disse ao término do ato que foi cumprido o objetivo de mostrar a insatisfação do grupo. Sobre a reação das pessoas, reconheceu que parte delas reclamaram do trânsito, mas muitos também apoiaram o grupo por alguns trechos.

( só 40 ? por isso nem precisou infiltrar agentes da prefeitura ou da policia pra estragar o movimento, nem foi preciso policial chegar com cassetete e dizer que não gosta de manifestante.

fim de ano, a maioria só quer saber de ficar de bunda pra ciuma em qualquer praia por ai , o prefeito CARAMUNZZIO deve estar dando risada dos 40, se fosse festa com rave, funk, bagunça em geral, ai sim, seria hiper ultra mega lotado.

e pq tinha guarda municipal perguntando nome de manifestante heim ?)

pequeno protesto em frente ao PÁTIO CIANÊ, inaugurado ontem.

Representantes de uma das sete famílias que perderam parentes no acidente provocado pela queda do muro lateral do Pátio Cianê Shopping, em dezembro do ano passado, fizeram um protesto em frente ao empreendimento, que foi inaugurado nesta quinta. A chuva, conforme os manifestantes, impediu que um número maior de pessoas engrossasse o ato. Terezinha Maria Marquine Airola, que perdeu duas filhas e um neto, contou que recebeu assistência durante dois meses, mas a ajuda foi suspensa depois desse período sem maiores explicações.

Ela ingressou com ação no qual reclama indenização pelos danos que alega ter sofrido, mas reclama do “descaso”. “Não fomos procurados mais, nem retornaram nossos contatos. Simplesmente nos ignoram. Não é justo passarmos por tanto sofrimento. Estamos todos muito abalados e não podemos passar por essa situação. Acho que um pouco de respeito seria necessário, até em nome da dignidade”, disse. A reportagem tentou contato com a administração do shopping e encaminhou e-mail procurando saber do posicionamento sobre o protesto. Até o fechamento da edição, porém, não obteve retorno. 
Sete pessoas morreram no acidente ocorrido no dia 20 de dezembro de 2012. Em junho deste ano, a mesma família reclamou de ter de passar por uma “maratona” para ter acesso ao tratamento de saúde que ajudaria a superar os danos físicos e emocionais causados pela tragédia. 

Na ocasião, a construtora que executou as obras do complexo informou, por meio de nota, que disponibilizou psicólogos, transporte e o necessário para agilizar cuidados médicos e questões logísticas. Acrescentou que advogados constituídos pela famílias estavam em contato com o seu departamento jurídico para concluir procedimentos judiciais.

( se já não estão nem ai,pois pelo jeito o mau tempo será o principal culpado daquele dia.

tem de fazer protestos diários, e cadê  as demais famílias ? desistiram ? esperam receber um cheque cala a boca e pronto ?)

homem protesta por saúde de pendurando em outdoor em frente a STA CASA EM SOROCABA

Homem protesta contra a saúde pública – Aldo V. Silva

Mais fotos…

 

O músico Reinaldo Martins do Prado, de 52 anos, permaneceu por duas horas e meia pendurado na estrutura de um outdoor em frente à Santa Casa, na avenida São Paulo, como forma de protesto contra a atual situação da rede pública de atendimento na área de saúde. A manifestação aconteceu na manhã deste sábado e chamou a atenção de quem passava pelo local. Foi necessária a intervenção de oito soldados do Corpo de Bombeiros para retirá-lo do alto da torre. Na parte de baixo, outro manifestante, o comerciante que se identificou como Richard do Alambique, de 33 anos, também ficou pelo mesmo período acorrentado à base da placa de publicidade. 

Segundo Richard, a dupla chegou ao local por volta das 7h e com a ajuda de uma escada, emprestada por um amigo, Reinaldo subiu para colocar em prática o protesto que arquitetavam há pelo menos dois anos. No alto da estrutura do outdoor, ele estendeu uma bandeira do Brasil manchada de tinta vermelha e se pendurou utilizando equipamentos de rapel. Tinha uma atadura amarrada na cabeça e pernas, e ainda os braços “engessados”. “Estamos manifestando contra o descaso do Sistema Único de Saúde (SUS) em Sorocaba e no Brasil. Todos os dias ficamos sem médicos, sem pediatras. Nós, cidadãos, pagamos impostos e tratam o ser humano como lixo”, falou Richard, que também estava com o braço enfaixado.

O Corpo de Bombeiros demorou cerca de 30 minutos para retirar Reinaldo do alto da torre, também utilizando cordas e equipamentos de rapel. O manifestante não resistiu à saída, pois, segundo ele, o objetivo principal era esperar a chegada da imprensa para registrar seu protesto. Durante a operação, centenas de curiosos pararam pela avenida e saíram de dentro do hospital para ver de perto a ação.

Assim que chegou ao chão, Reinaldo foi amparado pelos Bombeiros, porém não precisou de atendimento médico. “Existe dinheiro para construir shoppings, para construir prédios de “cristal”, mas não tem dinheiro para fazer um prédio novo para a Santa Casa, por exemplo. A gente só precisa de saúde, a gente não precisa de shoppings centers. Tendo saúde a gente tem tudo”, desabafou, emocionado. O 2 de novembro, Dia de Finados, não foi coincidência. “O dia dos mortos é o dia da saúde desse País. Quantas pessoas estão morrendo? Doutores existem muitos. Mas não precisamos de doutores, precisamos é de médicos.”

Essa não foi a primeira vez que Reinaldo realiza protestos na cidade. Em dezembro de 2010 ele ficou conhecido como o “homem-cueca” ao participar, vestindo apenas roupas íntimas, de uma sessão extraordinária da Câmara Municipal para se manifestar contra o aumento dos salários dos vereadores. Em janeiro de 2012, protestou contra o corte de árvores do então Centro de Educação Infantil (CEI -1), na Vila Hortência, subindo em uma delas. Já em março do mesmo ano Reinaldo se acorrentou aos trilhos do trem, num trecho da linha férrea na Árvore Grande, contra a criação do Museu do Automóvel no antigo galpão de uma distribuidora de laranjas. Pelo protesto de ontem, Reinaldo pode ser processado por perturbação da ordem pública. 

( que perturbação da ordem pública ? , o homem não atrapalhou o trânsito, parou pra ver quem quis , ah já sei, perturbou os bombeiros é isso ? ,

já não se pode mais fazer protestos tudo é motivo pra perturbação da ordem, os poderosos mandam a policia baixar o porrete, tá difícil, e falando em shoppings o da zona norte ta infestado de bandidos, tão fazendo o que querem por lá, pq não dão uma olhada nisso ?) 

selinho do curintia vira caso de policia

Emerson Sheik deu selinho em amigo e foi intimado a depor na polícia

A Polícia Civil de São Paulo pretende investigar um grupo de cinco torcedores do Corinthians por suposto caso de homofobia contra o jogador de futebol Emerson Sheik. A Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) colherá depoimento do atleta e de Marco Antônio de Paula Rodrigues, presidente da torcida organizada Camisa 12, por causa do episódio em que o atacante publicou em redes sociais uma foto em que aparecia dando um “selinho” no empresário Isaac Azar, dono de um restaurante em São Paulo.

Emerson Sheik publicou a imagem no último domingo, horas depois de o Corinthians ter vencido o Coritiba por 1 a 0 no Pacaembu em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. Na segunda-feira, um grupo de torcedores reagiu e foi ao centro de treinamento do clube para protestar.

Identificados como membros da organizada camisa 12, os adeptos alvinegros levaram faixas com dizeres como “Viado não”, “Respeito é para quem tem” e “Vai beijar a p.q.p. Aqui é lugar de homem”. Além disso, entoaram gritos de cobrança e prometeram “tumultuar a vida” do jogador caso não houvesse uma retratação.

Nesta sexta-feira, a delegada Margarete Barreto, titular da Decradi, ouvirá a versão de Rodrigues, presidente da Camisa 12. O depoimento de Emerson Sheik sobre o caso está marcado para a próxima segunda-feira. Como não foram intimados, o dirigente da organizada e o jogador de futebol não têm obrigação de comparecer à delegacia.

Segundo Margarete Barreto, o protesto dos torcedores caracteriza crimes de injúria e ameaça, cujas penas podem render detenção de um a seis meses. “Mas cabe ao atleta registrar queixa. Ele é o maior interessado”, disse a delegada.

Independentemente disso, a ideia de Margarete Barreto é investigar cinco torcedores do Corinthians por causa do protesto de segunda-feira. Os nomes dos adeptos ainda são mantidos em sigilo.

A ideia da delegada é fazer até uma investigação mais ampla do que o protesto. “[Queremos saber] por que os gays são proibidos de frequentar a quadra da torcida”, exemplificou.( por culpa de quem ? ah dos torcedores que foram criar caso, imaginem um selinho no campo , ao vivo na tv então o que daria ?

mas houve agressão 😕 depredação ? não né ? a delegada ta querendo se aparelçer ou prevenir antes que haja tragédia ?

e a mídia avida por sangue, fica toda hora falando tb, os bandidos agredeçem a policia por perder tempo e dinheiro dos impostos do povo pra um casinho destes.) 

protesto em casamento de neta do rei do busão do RJ

Manifestantes realizam protesto em frente à Igreja do Carmo, no centro do Rio, neste sábado, durante o casamento de Beatriz Barata, neta do empresário do setor de transporte da capital fluminense conhecido como Rei do Ônibus, Jacob Barata. Policiais milit (Foto: Luiz Roberto Lima/ Estadão Conteúdo)

Manifestantes realizam protesto em frente à Igreja do Carmo, no centro do Rio, neste sábado, durante o casamento de Beatriz Barata, neta do empresário do setor de transporte da capital fluminense conhecido como Rei do Ônibus, Jacob Barata. Policiais milit (Foto: Luiz Roberto Lima/ Estadão Conteúdo)

Cerca de 50 manifestantes, segundo a PM, protestaram neste sábado (13) em frente à Igreja do Carmo, no Centro do Rio, onde ocorre o casamento de Beatriz Barata, neta do empresário do setor de transportes do Rio de Janeiro, Jacob Barata. A segurança no local foi reforçada durante a cerimônia por 30 homens do 5º Batalhão (Praça da Harmonia), segundo informou a Polícia Militar.

Em seguida, os manifestantes foram para o Copacabana Palace, onde está sendo realizada a festa de casamento de Beatriz Barata.

De acordo com o 19º Batalhão de Polícia Militar (Copacabana), de 150 a 200 pessoas ocupavam o calçadão em frente ao hotel em uma manifestação pacífica. Cerca de 50 policiais em 12 viaturas faziam a segurança do local, informou a PM.

Durante a madrugada, houve tumulto e a polícia usou bombas de gás para dispersar os manifestantes, segundo informações do 19º Batalhão da PM. Às 4h30, cerca de 30 pessoas permaneciam protestando no local.

Manifestantes realizam protesto em frente à Igreja do Carmo, no Centro do Rio, neste sábado, durante o casamento de Beatriz Barata, neta do empresário do setor de transporte da capital fluminense conhecido como 'Rei do Ônibus', Jacob Barata. Policiais mil (Foto: Luiz Roberto Lima/ Estadão Conteúdo)
Manifestantes realizam protesto em frente à Igreja do Carmo, no Centro do Rio, neste sábado, durante o casamento de Beatriz Barata, neta do empresário do setor de transporte da capital fluminense conhecido como ‘Rei do Ônibus’, Jacob Barata. Policiais mil 
( genial heheheehehehh, super ideia, começar a protestar em festas, casórios etc de gente importante , dos coronéis que insistem em mandar em tudo.
que seus filhos netos, nunca esqueçam desta noite, que os senhores do poder, saibam que vai ter e tem de ter protestos a mil por hora, outros grupos peguem esta ideia e tb façam o mesmo.
a falsa noiva ai do cartaz foi gênio.)

pacientes chutam o pau da barraca em protesto na UPH ZONA OESTE em SOROCABA.

Apenas dois médicos apareciam na escala mantida na unidade – Fábio Rogério

Mais fotos…

Cansados de aguardar por atendimento médico, pacientes e acompanhantes saíram da Unidade Pré-Hospitalar Zona Oeste e fecharam o trânsito na avenida General Carneiro das 19h30 às 21h30 de ontem. Debilitada com a falta de atendimento uma jovem começou a passar mal precisou ser carregada de volta para dentro da unidade pré-hospitalar. Segundo relatos dos manifestantes duas pessoas teriam desmaiado na rua. A reportagem conversou com pacientes que esperavam desde às 15h. Entre os manifestantes estava a acompanhante de uma idosa com 72 anos que sofre de câncer no intestino e aguardava atendimento com dores desde às 18h30.

Para fechar a avenida os pacientes fizeram um cordão em cima da faixa de pedestres. Com a interdição da via os motoristas davam a volta no quarteirão, o que não evitou que houvesse congestionamento. Dos motoristas que ficaram parados no protesto, vários apoiaram a manifestação pela demora no atendimento médico, alguns reagiram ao bloqueio, lançando os veículos contra os pacientes e outros passaram sobre o canteiro da avenida e deixaram o local pela contramão. Os veículos desviaram um quarteirão antes do ponto de interdição.

No painel com espaço para colocar os nomes de até seis médicos plantonistas, somente após a imprensa chegar à unidade foram colocados dois nomes. O oficial da Polícia Militar que estava no local, tenente Heron Buono de Oliveira, disse ter ouvido relato de pessoas que aguardavam por atendimento desde às 14h enquanto a informação do profissionais é que haviam dois médicos clínicos gerais prestando atendimento e um para fazer cirurgias. 

A versão da Prefeitura foi que faltaram dois médicos dos sete plantonistas: um clínico e um pediatra. Explicou que o plantão é de quatro clínicos e três pediatras. Informou que o atendimento é priorizado para os casos de urgência e emergência e o tempo médio de espera era de duas horas. Algumas pessoas que passavam pelo local aderiram à causa dos pacientes, como estudantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), entre eles, Carlos Henrique Calegari, 23 anos e Alessandro Jordão, 22 anos. Eles disseram ter levantado informações com a equipe de atendimento que estavam ausentes o coordenador médico e o responsável técnico pela unidade. “De seis médicos apenas dois estão trabalhando”, disseram. ( em fevereiro estive aui nesta unidade , pois havia suspeita de que eu estivesse com dengue , poder ver ai no  link .

 https://nejaim399.wordpress.com/2013/02/27/epidemia-de-dengue-acho-que-fui-uma-das-vitimas/

a mesma situação, ameaçaram causar tumulto, lembro que três GMS se posicíoanaram no corredor pra um possivel confronto, mas nada ocorreu, agora a mesma situação ai, pois é apesar de terem bloqueado a AV , valeu o protesto, agora basta a prefeitura acordar de vez.)