querem demolir logo o viaduto que caiu em BH, é sumir com provas ?

 

O TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) determinou que a área do viaduto Batalha de Guararapes, que desabou na última quinta-feira (3), em Belo Horizonte, seja preservado para perícia e os trabalhos de demolição, adiados. A informação foi dada pela Defesa Civil da cidade, na manhã deste domingo (6), embora a Prefeitura ainda não tenha sido notificada.

A assessoria do TJ-MG não foi encontrada para comentar a decisão.

Na noite deste sábado (4), a construtora Cowan, responsável pela construção, afirmou ter recebido autorização dos peritos da Polícia Civil de Minas Gerais para iniciar às 8h deste domingo (6) a demolição da estrutura do elevado. De acordo com nota da empresa, os trabalhos de demolição seriam feitos entre 8h e 20h.

No desabamento do Batalha de Guararapes, foram atingidos um micro-ônibus, um Fiat Uno e dois caminhões. A motorista do micro-ônibus Hanna Cristina dos Santos, 26, e o condutor do Fiat Uno, Charles Frederico Moreira do Nascimento, 25, morreram.

Preparação para demolição

Desde o início da manhã deste sábado (5), operários e máquinas da prefeitura e da Sudecap (Superintendência de Desenvolvimento da Capital), além da Cowan, estavam prontos para iniciar a demolição da estrutura, mas os peritos exigiam que área onde foi constatado um afundamento de seis metros de um dos três pilares de sustentação do viaduto fosse preservada.

O local deverá ser isolado num raio de dez metros e cercado por tapumes, para acesso apenas dos peritos à área.

Para a conclusão da perícia técnica, de acordo com a Polícia Civil, ainda são necessárias sondagens e análises do solo para tentar confirmar o que levou o pilar a afundar.

A estrutura de sete metros era sustentada por cinco estacas de cada lado, com 22 metros cada. Parte dos trabalhos dos peritos é feito com equipamento que reproduz a área em três dimensões, facilitando a elaboração do laudo técnico.

Jogo da seleção

A prefeitura tem urgência na demolição por causa da necessidade de liberação da avenida Pedro 1º, antes de terça-feira (8), dia da partida entre as seleções do Brasil e da Alemanha, no Mineirão, localizado na mesma região, a Pampulha, onde ocorreu o desabamento.

A avenida Pedro 1º é a principal via de ligação do Aeroporto de Confins, na região metropolitana, com o centro de Belo Horizonte.

Em nota, a prefeitura informou que adotou as providências solicitadas pela PC para o início da demolição do viaduto. “A prefeitura está pronta para iniciar os trabalhos de demolição, tão logo haja a liberação por parte da Polícia Civil”, diz o comunicado.

 

( se for preciso manda o jogo pra outra capital, oras, pq tem de ser no MINEIRÃO ? isso ta mais pra sumirtem com as provas do crime de terem feito uma obra nas coxas, e superfaturada.)

acidente de avião no JD SÃO GUILHERME, 4 meses de lenga lenga.

Quase quatro meses depois de ter a sua casa completamente destruída por uma pequena aeronave que caiu no bairro Jardim São Guilherme, o operador de empilhadeira Miguel Aparecido Galdino e sua esposa Deise ainda amargam os prejuízos morais, materiais e psicológicos provocados pelo acidente inimaginável, que matou o piloto e o copiloto. Excluindo o fato de não ter sofrido qualquer dano físico, já que nenhum dos dois estava em casa no momento da queda do avião, o casal lamenta o fato de, mesmo sendo vítima, ter de arcar com todos os gastos para a reconstrução do imóvel, já que uma eventual indenização depende da conclusão das investigações da polícia civil e Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), além do trâmite burocrático do processo judicial. “Até hoje não fui procurado por ninguém. Estou tentando reconstruir minha vida e minha casa. Para isso, eu e minha esposa estamos trabalhando o dobro, fazendo horas extras, inclusive aos sábados. Também estou contando com o auxílio de amigos para voltar a ter onde morar”, relata Galdino, que luta para reformar sua residência. 

O imóvel teve a garagem, toda a parte superior e o telhado destruídos. “A laje ficou comprometida, assim como o telhado e garagem. Para você ter uma ideia, deixo meu carro guardado na casa de uma vizinha”, afirma.

Galdino prefere não falar em valores, já que ainda não imagina quanto irá gastar para concluir a reforma e reconstrução de parte do imóvel. “Estou guardando as notas, mas estamos endividados e só conseguimos manter a obra em andamento porque temos o apoio de amigos”, comenta o operador de empilhadeira. 

Ação na justiça

Como não foi procurado pelo proprietário do avião, trinta dias após o acidente Galdino nomeou a advogada Neusa Norma Mello Valente para representá-lo. Desde então, ela acompanha as investigações realizadas pela Polícia Civil e o Cenipa. “O processo corre em segredo de justiça, por isso pelo menos por enquanto não posso fornecer muitas informações. Mas estamos aguardando laudos periciais do Cenipa e conclusão do inquérito policial. Ainda não calculamos valores, mas meu cliente pedirá ressarcimento por danos morais e materiais”, afirma a advogada. 

“Ele está sofrendo um transtorno muito grande, inclusive é alvo de questionamento diário por parte de curiosos que passam pelo local”, diz Neusa Valente. 

“Infelizmente, não é possível estimar prazo para que ele (Galdino) seja ressarcido, já que o andamento do processo depende de muitas variáveis como a conclusão e emissão de laudo pericial”, informou a representante da vítima. 

No 8º Distrito Policial, onde foi aberto inquérito para investigar o acidente aéreo, também há poucas informações disponíveis sobre o caso. “Estamos aguardando um laudo complementar do Cenipa. Por isso, pedimos prazo maior no Fórum, para concluir o inquérito”, informou um escrivão da unidade policial. 
O jornal Cruzeiro do Sul entrou em contato com o Cenipa para questionar qual a previsão de tempo para a conclusão das investigações. Um oficial que estava de plantão informou que o responsável pelo caso encontra-se de licença médica e que só retornará ao trabalho na próxima semana.( e pelo jeito vão esperar muito uma talvez indenização, já que ta o empurra empurra, e pq segredo de justiça ? o que tem pra esconder ?

se os 7 mortos do PÁTIO CIANÊ , tão empurrando com a barriga, imagine este caso ai,é tant laudo, só falta pedir laudo pra SÃO PEDRO das condições climáticas daquele dia. )

avião cai e atinge casa no JD SÃO GUILHERME EM SOROCABA.

Mais fotos…

Piloto e copiloto morreram com a queda de um avião monomotor na tarde de hoje no Jardim São Guilherme, em Sorocaba. O acidente ocorreu por volta das 15h40, na rua Belmiro Moreira Soares, altura do número 1.189. 

Acredita-se que o piloto tenha tentado fazer um pouso forçado numa área utilizada como campo de futebol. A queda, no entanto, aconteceu bem em frente a uma casa. A asa do avião atingiu o muro da residência. Com a explosão, um incêndio se propagou e atingiu 50% do imóvel. Os moradores saíram ilesos, pelos fundos do local. Nenhum morador do bairro se feriu. os corpos das vítimas ainda estão sob os restos da aeronave. O piloto Cauan Nichelimi e o copiloto Fernando Bondezan Moreira, 34 anos, morreram na hora.

O avião anfíbio, prefixo PPXLR, decolou no Aeroporto de Sorocaba com destino a Jundiaí. Moradores que testemunharam o ocorrido contam que momentos antes da queda a aeronave começou a perder altitude em movimentos giratórios, direto ao chão.

O monomotor de fabricação norte americana passou por manutenção numa das oficinas instaladas no aeroporto de Sorocaba. O barulho da explosão e o risco de propagação das chamas gerararam pânico entre os moradores. Alguns deles, usaram mangueiras para debelar o fogo que se espalhava pela rua em razão do vazamento de querosene combustível. A casa atingida foi interditada pela Defesa Civil por medida de segurança. Outra também sofreu avarias, mas em proporção menor.

A rede elétrica foi atingida, o que ajudou a propagação do incêndio. A região está sem energia. De acordo com a Urbes – Trânsito e Transportes, os semáforos do bairro tiveram o funcionamento interrompido durante 30 minutos, mas já foram reestabelecidos. Durante este tempo agentes auxiliaram o trânsito. Viaturas da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e GCM estão no local, além do helicóptero Águia. 

 

hana

Em nota o Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp) informou que a investigação das causas do acidente será realizada pela Aeronáutica, por meio do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes (Seripa).

Já a assessoria de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou comunicado no qual esclarece que o avião envolvido no acidente era uma aeranove experimental. Ainda de acordo com a FAB, aviões deste tipo não precisam passar por investigação após acidentes, mas o órgão não descarta a possibilidade.

888

Moradora de casa atingida pelo fogo conta como escapou

Duas meninas de 16 anos estavam nas casas atingidas pelo fogo gerado a partir da explosão. Elas foram salvas por Marcelo Gasque Colares, 26 anos, que trabalhava na instalação de um para-raios no telhado de uma residência próxima, e correu para prestar ajuda após testemunhar a queda da aeronave.

Andrezza Ribeiro de Oliveira, 16 anos, e sua vizinha, da mesma idade, foram retiradas pelo homem, através do muro dos fundos de um dos imóveis.

Ainda emocionada, Andrezza contou que tinha acabado de almoçar e levava comida para seu cachorro, quando ouviu o estrondo e sentiu a casa tremer. “Eu saí da minha casa, peguei o cachorro e pulei para a casa da minha tia, porque imaginei que pelo corredor ao lado daria para sair, mas vi o fogo entrando por debaixo do portão”, relembrou assustada. Ela contou ter encontrado a inquilina da tia e decidiu retornar à sua casa. Empurrou uma máquina de lavar até o muro e pulou de volta com a vizinha, levando consigo o cachorro. De volta à casa onde mora, correu para os fundos e começou a gritar por ajuda. O morador da casa vizinha dos fundos ouviu o pedido de ajuda e chamou Marcelo, que conseguiu puxar as duas pelos braços. O animal de estimação também foi resgatado. Todos saíram ilesos.

Após o resgate, Marcelo entrou na casa a tempo de remover o botijão de gás e evitar um estrago maior. Ele precisou quebrar o vidro de uma das portas e feriu-se na mão. “Eu não pensei duas vezes. Entrei e tentei ajudar como pude. O calor e o cheiro de fumaça estavam muito fortes, mas, na hora, só estava preocupado em colaborar. Foi muito terrível. Eu nunca tina visto um acidente desse tamanho. Acho que vou me lembrar de tudo enquanto viver”, declarou.

ALDO V. SILVA
pilot2 
Documento de copiloto foi recuperado entre os restos do avião

mudo desaba e mata 7 em SOROCABA.

A queda de um muro de uma antiga fábrica de tecidos deixou sete mortos e dois feridos na noite desta quinta-feira (20) em Sorocaba (99 km de São Paulo).

O local está em construção para dar lugar a um novo shopping e fica na região central da cidade. O muro caiu em cima de veículos que aguardavam o semáforo abrir, por volta das 19h20.
Chovia no momento do acidente e nenhum pedestre passava próximo do muro, segundo o Corpo de Bombeiros.

Muro desaba e deixa sete mortos em Sorocaba

 Ver em tamanho maior »

Apu Gomes/Folhapress

AnteriorPróxima

Queda de muro de antiga fábrica de tecidos deixa sete mortos e dois feridos em Sorocaba (SP)
As duas pessoas feridas não correm risco de morrer. Um jovem de 24 anos teve um corte no pé e já foi liberado.

No final da noite, equipes do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil e da prefeitura ainda removiam os escombros.

As causas do desabamento ainda serão investigadas. A Polícia Militar diz que não houve nenhum acidente no local que pudesse motivar a queda. Segundo a prefeitura, houve uma rajada de vento muito forte no momento do acidente.

INTERDIÇÃO
A construção do shopping foi interditada até que análises sejam concluídas.
Segundo o secretário municipal de Habitação e Urbanismo, José Carlos Comitre, a principal suspeita é que o muro tenha caído por efeito da chuva e de ventos fortes. “A fundação do muro está intacta e não houve perda de sustentação por qualquer efeito da obra”, disse.

De acordo com ele, o subsolo do futuro shopping estava sendo trabalhado, mas a princípio não interferiu no acidente. Comitre afirmou que a obra não era fiscalizada pela prefeitura, pois não houve nenhum indício de problema no local. “A prefeitura aprovou a obra por cumprir tudo o que exige a legislação, mas não há obrigação de acompanhar a execução.”

Como a antiga fábrica de tecidos era tombada, o projeto tinha que manter as paredes externas do imóvel. Um telhado que poderia ajudar na sustentação da parede, segundo o secretário, foi retirado, mas não é possível dizer se isso influenciou na queda do muro.
“Só podemos lamentar, é uma tragédia das mais drámaticas que Sorocaba já viu”, disse o secretário. ( em 2010 passei pela fabrica e fotografei seu abandono, vejam as fotos ai no link e comprovem, chovia até la dentro, numa imagem da pra ver que até plantas cresciam la dentro;

  https://nejaim399.wordpress.com/2010/08/14/o-abandono-da-fabrica-sto-antonio-em-sorocaba/

oras o lugar tava largado anos e anos, claro que foi falta de atenção, o muro ou parede, poderia cair devido a construção nova do shopping, agora claro que podem culpar o vento, chuva, mas culpemos tb o abandono do lugar.)