aborrecentes promovem rolezinho e causam pânico no QUINZINHO DE BARROS EM SOROCABA

O Zoológico Quinzinho de Barros fechou duas horas mais cedo, na tarde deste domingo, por causa de um rolezinho. Dezenas de adolescentes se reuniram em frente, na rua Teodoro Kaisel, em encontro que teria sido marcado pela internet. Para que os visitantes, a maioria de famílias com crianças, não fossem incomodados nem houvesse danos, a direção do zoo decidiu encerrar o horário de funcionamento às 15h. Normalmente fica aberto até as 17h.

Policiais militares e guardas civis municipais acompanharam a movimentação, mas não houve registro de violência nem de danos. Domingo é o dia de maior visitação no zoológico. A medida de fechar mais cedo foi tomada por precaução, para evitar eventuais problemas, informou neste domingo a Prefeitura, por meio do Serviço de Comunicação (Secom). As famílias que estavam no interior do zoológico foram orientadas a sair.

No domingo da semana passada, grupos de adolescentes que também se reuniram em frente ao zoológico já haviam causado confusão. Eles teriam incomodado os visitantes com gritos e obstruindo as calçadas de acesso.

A entrada do zoológico está liberada, sem a cobrança de ingresso, desde 29 de agosto. Houve rescisão do contrato da Prefeitura com a empresa que administrava a bilheteria. Uma licitação irá definir a nova prestadora de serviço.

 

rolezinho

 

( será que vai voltar de novo esta praga de rolezinho ? os shoppings já proibiram e pegam pesado contra esta massa de desocupados, agora resolveram fazer na rua, e ai causam pânico e medo em todos a volta, o FACEBOOK  e mdemais redes sociais, deveriam monitorar estes jovens, meses atrás mataram um líder destes rolezinhos em SP, podemos ter um crime destes aqui tb ? 

arredores do QUINZINHO DE BARROS EM SOROCABA, terra de ninguém.

A falta de fiscalização da Prefeitura de Sorocaba tem favorecido a clandestinidade do serviço de estacionamento ao redor do Parque Zoológico Municipal Quinzinho de Barros, na Vila Hortênsia. Entre os três estabelecimentos existentes na região, um não tem inscrição municipal e funciona na rua Nhozinho Prestes sem permissão do Poder Público. A região também é loteada por flanelinhas, que cobram em média R$ 5 por uma vaga nas ruas próximas ao parque. Praticamente todos usam coletes refletivos e ficam distribuídos em diversos pontos no bairro. Outro fato é que os moradores próximos ao zoológico também têm lucrado com o movimento de visitantes no parque. Tanto que donos de residências têm aberto as suas garagens e disponibilizado uma vaga com valores entre R$ 10 e R$ 20.


Quanto ao estabelecimento clandestino, o local tem a palavra “estacionamento” escrito na fachada, cerca, portaria e fica a menos de 100 metros de distância do portão principal do zoológico. Segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura, o estabelecimento será fiscalizado e notificado para ser regularizado. O proprietário terá que solicitar a viabilidade por meio da Secretaria de Habitação para a instalação da empresa e atender às demais exigências do órgão municipal.

A Prefeitura de Sorocaba informa que a fiscalização dos estacionamentos na região do zoológico será intensificada nos próximos dias. Quanto à ação dos flanelinhas, por não existir uma legislação proibitiva ou regulamentadora da atuação e que estabelece critérios, o governo municipal diz ser inviável uma fiscalização por parte da Poder Público. “Entretanto, se houver abuso, coação ou constrangimento aos motoristas a Guarda Civil Municipal deverá ser acionada”, diz, em nota, a assessoria de imprensa.
 
OAB alerta 
Segundo o vice-presidente da 24ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Sorocaba, Fábio Cenci, a Prefeitura tem a obrigação de evitar a presença dos flanelinhas nas ruas da cidade. “São particulares alugando um bem público e o governo municipal tem o dever de fiscalizar esse tipo de prática”, comenta. Cenci diz que esse serviço deve ser feito por funcionários do setor de fiscalização da Prefeitura de forma periódica, com o apoio da Guarda Civil Municipal (GCM). “A presença dos guardas é importante para evitar danos e coação”, relata.

O representante da OAB também faz um alerta aos visitantes do zoológico acostumados a utilizar as vagas de estacionamento nas residências próximas ao parque. “Existe uma prestação de serviço e, caso ocorra algum dano ao veículo, o responsável pelo espaço é obrigado a ressarcir o consumidor”, diz. De acordo com Cenci, a responsabilidade é toda de quem aluga o estacionamento, independente de ele ser legalizado ou não. “De acordo com a lei, aquele que recebe o bem tem de cuidar do mesmo como seu fosse seu, sem poder utilizá-lo”, comenta.

As dicas do representante da OAB de Sorocaba são para o consumidor questionar o locatário do estacionamento sobre a existência de um contrato de seguro. “Se houver, a probabilidade de algum dano ser ressarcido de forma mais rápida e simples fica maior”, diz Cenci. Os donos do automóveis também devem pedir um comprovante com o valor do serviço, além de fugir dos prestadores de serviço informais. ( pra quem acredita que carro lhe da independência no quesito transporte está enganado, IPVA, PEDÁGIO, FLANELINHA e outros tipos, todos querem lhe arrancar dinheiro.

como é bom, não ter carro né ? )