selinho do curintia vira caso de policia

Emerson Sheik deu selinho em amigo e foi intimado a depor na polícia

A Polícia Civil de São Paulo pretende investigar um grupo de cinco torcedores do Corinthians por suposto caso de homofobia contra o jogador de futebol Emerson Sheik. A Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) colherá depoimento do atleta e de Marco Antônio de Paula Rodrigues, presidente da torcida organizada Camisa 12, por causa do episódio em que o atacante publicou em redes sociais uma foto em que aparecia dando um “selinho” no empresário Isaac Azar, dono de um restaurante em São Paulo.

Emerson Sheik publicou a imagem no último domingo, horas depois de o Corinthians ter vencido o Coritiba por 1 a 0 no Pacaembu em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. Na segunda-feira, um grupo de torcedores reagiu e foi ao centro de treinamento do clube para protestar.

Identificados como membros da organizada camisa 12, os adeptos alvinegros levaram faixas com dizeres como “Viado não”, “Respeito é para quem tem” e “Vai beijar a p.q.p. Aqui é lugar de homem”. Além disso, entoaram gritos de cobrança e prometeram “tumultuar a vida” do jogador caso não houvesse uma retratação.

Nesta sexta-feira, a delegada Margarete Barreto, titular da Decradi, ouvirá a versão de Rodrigues, presidente da Camisa 12. O depoimento de Emerson Sheik sobre o caso está marcado para a próxima segunda-feira. Como não foram intimados, o dirigente da organizada e o jogador de futebol não têm obrigação de comparecer à delegacia.

Segundo Margarete Barreto, o protesto dos torcedores caracteriza crimes de injúria e ameaça, cujas penas podem render detenção de um a seis meses. “Mas cabe ao atleta registrar queixa. Ele é o maior interessado”, disse a delegada.

Independentemente disso, a ideia de Margarete Barreto é investigar cinco torcedores do Corinthians por causa do protesto de segunda-feira. Os nomes dos adeptos ainda são mantidos em sigilo.

A ideia da delegada é fazer até uma investigação mais ampla do que o protesto. “[Queremos saber] por que os gays são proibidos de frequentar a quadra da torcida”, exemplificou.( por culpa de quem ? ah dos torcedores que foram criar caso, imaginem um selinho no campo , ao vivo na tv então o que daria ?

mas houve agressão 😕 depredação ? não né ? a delegada ta querendo se aparelçer ou prevenir antes que haja tragédia ?

e a mídia avida por sangue, fica toda hora falando tb, os bandidos agredeçem a policia por perder tempo e dinheiro dos impostos do povo pra um casinho destes.) 

depois de 4 anos, canalha vai preso por abandono de bebê, a mãe deveria ir tb.

Bebê recém-nascido abandonado em 2009 dentro de caixa de sapatos

Em 2009, um homem de 26 anos teve um caso com a enteada de 13. A adolescente ficou grávida, escondeu a barriga até o fim, pariu no banheiro de casa, cortou o cordão umbilical do bebê e o entregou ao pai, que colocou o recém-nascido em uma caixa de sapatos e o abandonou na rua.

 
Poderia ser o roteiro de uma novela, mas é a vida real. Rubens Ricardo Marcelino dos Santos, atualmente com 30 anos, foi preso nesta sexta-feira (7) por policiais da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Bauru. 
 
Na época do crime, Rubens morava em Arealva, com a mãe da adolescente, e se envolveu com a jovem. De acordo com relato dos envolvidos, a adolescente escondeu a gravidez de sua mãe até o dia do parto.
 
Ela deu à luz no banheiro da casa onde viviam, de cócoras,  enquanto a mãe dela estava trabalhando. Para manter o caso em sigilo, o homem colocou o bebê em uma caixa e o levou até Bauru, onde foi abandonado no parque Vista Alegre. 
 
O bebê – um menino – teve que ser hospitalizado, pois fazia muito frio na noite do abandono, cerca de 9°C. 
 
Na época, o caso foi registrado como abandono de incapaz, e acabou sendo arquivado.
 
Recentemente, o setor de inteligência da Polícia Civil recebeu a informação de que uma adolescente de Arealva, atualmente com 17 anos, havia tido um bebê há quatro anos, e que a criança fora abandonada. Hoje, a adolescente mora em Iacanga. 
 
“Comunicamos o juiz da Vara da Infância para buscar essa adolescente. Ela passou por um exame de colo do útero para verificar já esteve grávida”, explica o delegado Clédson Nascimento, da DIG. Com o resultado positivo do exame, a jovem foi interrogada na presença de uma conselheira tutelar e acabou confessando. A mãe dela, que é mulher do acusado, alega não saber nada a respeito do caso. Ela será investigada. 
 
Bebê / Na época, o bebê recebeu alta da maternidade Santa Isabel após ter a saúde estabilizada, e foi encaminhado à Vara da Infância de Juventude de Bauru, para que pudesse ser enviado a um abrigo e disposto para adoção. 
 
O delegado explica que não há necessidade de entrar em contato com a criança atualmente, inclusive para evitar uma situação desconfortável para a família que possa ter adotado o menino.
 
O prontuário médico do atendimento do bebê na maternidade foi solicitado para que possa ser usado como indício da tentativa de homicídio, uma vez que a vida da criança foi posta em risco na noite do abandono.
 
 
 
 
 
 
 
 
( os dois deveriam ir em cana, pois são ambos criminósos, não tem este de tinha apenas 13, se bobear a safada ainda vai engravidar de novo, o que deveria ser proibida, pois já demostra que ´juízo não tem e nem se arrependeu do que fez.)