carro de professora é roubado em shopping, mas imagens só saem pra policia em 3 dias.

O resultado de uma pesquisa que demandou mais de 20 anos de trabalho e investimentos de R$ 700 mil (verba pública) corre o risco de se perder. O estudo desenvolvido pela professora Telma Darn, do curso de Turismo do câmpus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) estava gravado no notebook que foi furtado de dentro do seu carro na quinta-feira no estacionamento do shopping Iguatemi Esplanada e reproduz o que a autora chama de “ressonância magnética” das potencialidades turísticas dos 644 municípios do Estado de São Paulo. O material não foi arquivado em backup ou em outro ambiente que permita sua recuperação.

A professora pretendia apresentar uma primeira versão do levantamento ao secretário do Turismo Roberto Lucena que esteve na cidade na quinta-feira. Desesperada com o acontecido, Telma Darn lembrou que sua pesquisa iria subsidiar as ações do Observatório de Turismo do Estado de São Paulo (Obtesp) que será inaugurado em maio dentro do Núcleo de Extensão, Educação, Tecnologia e Cultura da Universidade (ETC), no bairro de Santa Rosália.

Nela estão relacionadas informações, indicadores e estatísticas que dimensionam o quanto cada município pode gerar de divisas, empregos e agregar em fator de desenvolvimento. Para se ter ideia todas as cidades que fazem parte da recém-criada Região Metropolitana de Sorocaba (RMS) foram mapeadas.

O cronograma de inauguração do Obtesp não será alterado. A professora esteve à frente da mobilização que fez com que o órgão fosse instalado em Sorocaba e lamenta a falta de sorte. “Foi uma conquista para Sorocaba que será referência no campo de pesquisa para políticas públicas voltadas ao estímulo do turismo. Até por isso, vamos continuar trabalhando”, disse.

“O Observatório poderia ter ido para São Carlos ou qualquer outro lugar, mas priorizamos Sorocaba porque foi aqui que tudo se desenvolveu. O desaparecimento da pesquisa compromete muito esse processo, mas vamos continuar a batalha com disposição redobrada apesar dos transtornos”.

A pesquisadora lamenta não ter tomado medidas para manter os arquivos. O professor da Esamc, Valdinei Castelan informou que o recomendado é fazer backup do conteúdo produzido ou, ainda, usar os chamados drives virtuais, como são chamados espaços disponibilizados na internet por programas como drop box, google drive ou one drive. Outra alternativa é equipar o computador com softwares que impeçam o acesso aos arquivos.

O furto

Conforme anotado em boletim de ocorrência registrado na DPP Sul o furto aconteceu por volta das 12h30 de quinta-feira. A professora estacionou seu carro no shopping onde esteve para sacar dinheiro num caixa eletrônico. Ao retornar acionou o controle do alarme e estranhou ao constatar que nada acontecia.

Percebeu, então, que a porta do motorista havia sido arrombada e que de dentro do veículo foram levados o notebook e um data show. Ela procurou um eletricista estabelecido nas imediações do estacionamento e soube que o ladrão teria usado uma mixa (espécie de chave que destrava a fechadura). Depois disso, o ladrão retirou o fusível que faz o dispositivo funcionar e subtraiu os objetos do interior do automóvel. Esse é um procedimento comum na prática de crimes como esse.

Em nota, a assessoria de imprensa do shopping disse que lamenta o ocorrido e que se colocou à disposição da cliente e das autoridades para ajudar na solução do caso. O empreendimento dispõe de sistema de videomonitoramento e deverá, dentro de 72 horas, fornecer as imagens captadas pelas câmeras lá instaladas. Essa providência ajudará o trabalho de investigação

( quer dizer que vc matar alguém,no estacionamento do shopping, só vão descobrir quem foi depois de 3 dias ? que coisa né ?

então pra q câmeras, se não pegar em flagrante, tem de esperar 3 dias pra saber quem foi ? ah ta.)

shoppings e policia x rolezinhos em SP

Um vídeo feito pela Folha na noite deste sábado (11) mostra policiais militares dando cassetadas em jovens durante um encontro de jovens conhecido como “rolezinho” no shopping Itaquera, na zona leste de São Paulo.
As imagens mostram um grupo de pessoas descendo uma das escadas rolantes do centro comercial quando um policial militar da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) atinge as costas de um deles com um cassetete. Na sequência, outro PM também desfere golpes contra o grupo.      
 http://mais.uol.com.br/view/14822092   ( vejam ai o vídeo da confusão.)
 
 
Ao descer da escada rolante, um dos jovens ainda é agredido com um soco por um homem não identificado. Os policiais que estavam ao lado dele e presenciaram a agressão não reprimiram o ato.
 
Uma adolescente de 14 anos disse que foi com três amigas ao shopping para participar do “rolezinho” e disse que elas queriam apenas se divertir. “Tive medo. Já fui em outros rolês, mas desta vez a PM estava batendo até em menina”, afirmou. A estudante, porém, afirmou que é a favor da presença policial. “Prefiro que tenha polícia, senão seria incontrolável.”
Segundo a Polícia Militar, cerca de mil pessoas participaram do encontro marcado por meio de redes sociais, enquanto o shopping estima que 3.000 jovens estavam no encontro. Uma funcionária de um restaurante do local desmaiou e foi retirada de maca. Não há informações sobre o estado de saúde dela.
 
Foram presos dois jovens maiores de idade (um sob suspeits de roubo e o outro por furto) e um adolescente foi apreendido sob suspeita de roubo. A PM informou que eles participaram de depredações a lojas do terminal de ônibus Itaquera.
A Polícia Militar informou que a situação era “crítica na estação Itaquera” e que “todo o policiamento está apoiado” para atender a ocorrência. Assim, só terá mais informações “com um pouco mais de tempo.” A polícia disse ainda que, durante o confronto no terminal, “diversas lojas foram danificadas.”
 
Em nota, a corporação informou que “no terminal de ônibus, devido ao tumulto, fez-se necessário o emprego de técnicas de controle de distúrbios com uso de munição elastômera (conhecida vulgarmente como “bala de borracha”) e de granadas de efeito moral.”
Já há um novo encontro marcado para a próxima semana no mesmo local. Ao menos 600 pessoas já foram convidadas para se encontrar no shopping Itaquera no sábado (18), às 16h30.  
 
( ai fica a questão afinal o que é este tal de rolezinho, é protesto com baderna ?  manifestação mas ao invés de ser na rua, preferem os shoppings e pq ?
 
quer se manifestar ? vai pra rua, mas pacificamente, shopping não é lugar, pois a classe burguesa precisa fazer suas compras em paz, a policia cabe primeiro identificar corretamente quem é baderneiro e quem não é, pra não agredir erroneamente.
 
Policial militar usa cassetete para intimidar jovem durante "rolezinho" no shopping Itaquera, na zona leste de SP
 
Policial militar usa cassetete para intimidar jovem durante “rolezinho” no shopping Itaquera, na zona leste de SP

PÁTIO CIANÊ, agora tem rachaduras nos imóveis vizinhos.

Érica e Simone estão entre os reclamantes – Por: Pedro Negrão
Mais fotos…

Vizinhos do futuro shopping Pátio Cianê alegam que o serviço de construção do empreendimento está abalando as estruturas de suas casas. Os imóveis, que ficam na rua Francisco Scarpa, no Centro, estão apresentando rachadoras nas paredes cujas fendas a cada semana ficam mais abertas e visíveis.

Segundo os moradores, os sinais de trincas nas paredes das residências surgiram em agosto do ano passado, mas acreditam que as aberturas começaram a ficar maiores no final do ano, de novembro em diante, quando máquinas de grande porte passaram a escavar o solo do antigo complexo Cianê, ao lado do Terminal Santo Antônio, para edificação do estacionamento subterrâneo do centro de compras.

A construtora Fonseca e Mercadante, responsável pela construção do shopping, informa que recebeu apenas dois donos de imóveis que reclamaram de rachaduras nas paredes das casas após o início das obras. E que uma equipe técnica foi até os imóveis, mas concluiu que as ocorrências não tinham nenhuma relação com o empreendimento. A empresa esclarece ainda que antes do começo das obras do shopping foi realizada uma vistoria nos imóveis vizinhos e elaborado um documento chamado “Laudo dos Lindeiros”, com informações sobre o estado de conservação deles e isso foi registrado no cartório.

A esteticista Érica Daniela Butião, 34 anos, conta que já foi quatro vezes até a administração do shopping para reclamar das rachaduras que apareceram nas paredes da sua casa. E que apenas na primeira vez foi atendida. “Um engenheiro entrou na casa e fez foto de tudo. Igual fizeram antes de começar a obra, ou seja, quando não tinha nenhuma rachadura. Mas depois disso ninguém retornou mais aqui e nem me atendem mais no escritório”, ressalta Érica. Ela conta que há rachaduras profundas nas paredes de vários cômodos. E que as fendas no teto da cozinha e no piso da sala – que fica no andar de cima do sobrado – são as mais afetadas pelas vibrações provocadas pela movimentação do maquinário no canteiro de obras.
“Não desejo dinheiro da empresa, mas sim a restauração dos cômodos da casa que moro. Ela é alugada e a dona mora na cidade de Franca”, argumenta.

Outros moradores que reclamam de trincas nas paredes de suas casas por causa da obra do shopping são a auxiliar de produção, Simone Marcondes Martins, 36 anos, e os aposentados Nelson Novakue, 60 anos, e Aristeu Rocha, 61 anos. Nas residências deles, as trincas também começam já na calçada. “Tem alguma coisa errada e eles não dão ouvido para gente”, frisa Novakue. ( será que teremos de presenciar, novo desabamento pra acordarem de vez ? já não basta o inquérito até agora não ter sido concluído sobre a tragédia do final do ano passado e agora isso.)

FEMEN invade shopping em SP, para protestar contra BBB 13

Três integrantes do grupo Femen invadiram nesta terça-feira o Santana Parque Shopping, que abriga a casa de vidro do “Big Brother Brasil 13”.

O programa estreou nesta terça-feira (8). Elas chegaram a tirar a blusa, mas foram contidas em poucos segundos.


A administração do shopping, na zona norte de São Paulo, estava avisada da ação. Houve tumulto no momento da invasão e elas foram retiradas com violência do local, pela saída de emergência. Mais de nove homens à paisana, que fingiam participar da torcida, agarraram as manifestantes. Eles seriam contratados da Globo. As três moças se aproximaram da torcida, com a intenção de aparecer em um dos links ao vivo do programa.


As assessorias da Globo e do shopping negam que a equipe estivesse orientada a agir com violência. Segundo os representantes, a ordem era cobrir as moças com paletós, deixá-las fazerem o protesto com os cartazes e retirá-las pacificamente. Mais cedo, Sara Winter, a líder do grupo feminista no Brasil, anunciou por comunicado à imprensa que ela e mais duas moças pretendiam invadir o local.


O objetivo do grupo era protestar contra a “alienação social causada pelo programa”. Por volta das 22h15, quatro carros da Polícia Militar entraram no shopping e estacionaram próximo à saída de emergência por onde as moças foram retiradas. Um policial falou por telefone ao “F5” que as três moças seriam escoltadas até em casa após o fechamento do shopping.

http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2013/01/08/integrantes-do-femen-invadem-shopping-onde-esta-a-casa-de-vidro-do-quotbbb13quot.jhtm  ( ai no link tem as demais fotos pra vcs analisarem, já que a segurança nega ter agido com rigor pra cima das moças.

numa das fotos são 3 contra 1, não comem feijão não é, 3 homens contra 1 mulher ?


e precisa a policia dispor de 4 carros pra isso, gastar tempo e dinheiro do povo, enquanto, bandidos e afins percorrem SP em chacinas, fazendo banho de sangue nas ruas ?) 

prefeitura não tem obrigação de fiscalizar obras ?

 Para o prefeito Vitor Lippi (PSDB) a Prefeitura não tinha (e não tem) a obrigação de fiscalizar as obras de construção do shopping Pátio Cianê, onde uma das paredes desabou na quinta-feira passada junto à rua Comendador Oeterer, provocando a morte de sete pessoas e ferimentos graves em outra. “Não é um trabalho nosso (fiscalizar)”, disse ele nesta quarta-feira (26) durante entrevista concedida à rádio Cruzeiro FM. Especialista ouvida pela reportagem lembra que o município tem, sim, o dever de fiscalizar. 


Lippi foi questionado sobre a declaração do Secretário de Segurança Comunitária, Roberto Montgomery Soares, que afirmou que só em casos de denúncia o poder público atua para apurar se determinado empreendimento oferece risco. O prefeito acrescentou que Sorocaba tem cerca de 10 mil construções em andamento e que à administração cabe emitir alvará e, depois, analisar se as disposições foram cumpridas. Caso tenham sido, é concedido o “habite-se”; se não, a situação terá de ser regularizada. 

Lippi entende que a responsabilidade pelo andamento dos serviços é do técnico que assina a planta aprovada. “Quem constrói é que tem de acompanhar”. Lembrado de que o imóvel é tombado, o prefeito respondeu que o Conselho do Patrimônio Histórico acompanhava o trabalho no local. “O governo não entra nas casas das pessoas e nos estabelecimentos, exceto quando for denunciada alguma situação que justifique esse procedimento. Neste caso, não vamos nos omitir”. 

A advogada Adiene Scarel Brenga, porém, destaca que o poder público tem, sim, competência para monitorar construções. Para tanto, tem de aplicar o chamado “poder de polícia”, expressão que designa a capacidade de disciplinar direitos individuais, ajustando-os ao interesse e ao bem-estar público. “O Estado é obrigado a agir com o objetivo de adequar o exercício dos direitos individuais ao bem-estar geral, tem a obrigação jurídica e administrativa de cuidar do interesse público”, diz a advogada. 

Adiene vai além e afirma que “se o Estado tem o dever de agir em defesa do bem-estar da população, a sua omissão, ineficiência e despreparo administrativo no cumprimento de suas obrigações, provocam um dano a ser reparado. Não se trata de um poder facultativo e, sim, de um dever a cumprir. Cabe ao Estado responder nas esferas civil, penal e administrativa, por sua omissão e ineficiência ao permitir o que não seria permitido, ao tolerar o intolerável”. 

Acrescenta a advogada que a Constituição define as atribuições dos municípios. “Lá está previsto que o poder público deve fiscalizar construções”. Não fosse por isso, o empreendimento está localizado numa área pela qual circulam diariamente mais de 40 mil pessoas que usam o transporte público. “Dizer que o município não deve fiscalizar é o mesmo que admitir que uma fábrica de explosivos se instale na cidade e, só depois, a Prefeitura confere se tudo foi feito dentro das posturas e normas”. 

Adiene comenta que “se a administração recebe um projeto técnico com especificações sobre o que será feito dentro de um espaço ocupado por construção antiga e ao lado de um terminal de ônibus, o mínimo que pode esperar é que acompanhe a execução dos serviços. O município dispõe de quadro de fiscais para tanto. Se o efetivo não é suficiente para dar conta da demanda, esse é um outro problema que não exclui qualquer responsabilidade. O ônus é de quem governa”. ( isso prova que  caso deve acaber em pizza, ainda mais em final de ano, onde todos acabam esquecendo devido as férias, BBB13 , futebol, praia cerveja etc.  

vai vc cortar um galho de uma arvore que esteja atrapalhando a rede elétrica de sua casa , se a prefeitura não vem encima de vc ? vc quer fazer uma obra em sua casa, construir uma edícula por ex, tem de pedir na prefeitura. 

e agora vem essa de não precisar fiscalizar, então a responsabilidade é somente do dono da obra ?  bem LIPPI  já ta saindo mesmo, fica pro PANNUNZIO este abacaxi daqui pra frente, mas bem que os impostos do novo shopping ai querem né ? dinheiro entrando noas cofres da prefeitura é bom demais não ? .) 

policial civil x GCMS em shopping de SP

Um policial civil e dois guardas-civis municipais foram parar na delegacia na noite deste domingo (20) depois de uma confusão no Shopping Boa Vista, em Santo Amaro, na Zona Sul de São Paulo. O policial, que estava de folga, foi visto armado circulando pelo shopping. Os guardas o abordaram a pedido da segurança do estabelecimento, e segundo o policial, também o ameaçaram.

A mulher do policial registrou com o celular a confusão. Nas imagens, é possível ver quando o policial se aproxima de um dos guardas e é empurrado. O policial estava de folga e passeava com a mulher e dois filhos. Ele levou uma das crianças ao banheiro, alguém percebeu que ele estava armado e avisou a segurança.

Os seguranças o abordaram, e disseram que ele se recusou a mostrar sua identificação. A Guarda Civil foi chamada. A mulher do policial, que não quis ser identificada, disse que o marido sofreu ameaças ao dizer que só mostraria a identificação a outro policial.

O advogado do policial também afirmou que houve constrangimento por parte dos guardas. “Onde eles [policial e família] iam eles [os guardas] seguiam, começaram a impedir que ele transitasse pelo ambiente. Foi quando chegou a PM, ele se identificou prontamente”, afirmou Gustavo Bonelli.

Com a identificação do policial civil, os PM deram voz de prisão aos guardas, que foram levados para a delegacia. Eles assinaram um termo circunstanciado e foram liberados. A GCM e o advogado do policial civil vão pedir as imagens do circuito interno do shopping para apurar o caso.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/11/guardas-civis-sao-detidos-apos-abordar-policial-civil-em-shopping.html   ( no link vc tem a reportagem em vídeo , olha não tem ninguém certo na história, o policial civil de folga, pode andar armado e pq não mostrou que era policial assim que foi abordado ?   

houve ameaça ? sim pode ter havido, assim como houve abuso.,vejam no vídeo o empurrão que o policial civil leva de um dos GCM e nem criança não respeitam mais, o cara tava com dois filhos, mas deveria sim ter se identificado e assim evitado toda esta confusão.)

atirador do shopping não pode responder por seus crimes diz justiça da BAHIA

O ex-estudante de medicina Mateus da Costa Meira, condenado por assassinar três pessoas num cinema em São Paulo em 1999, foi considerado inimputável (que não pode ser considerado responsável pelos atos) no julgamento ocorrido nesta terça-feira em que era acusado de tentar matar seu companheiro de cela em maio de 2009.

Atirador do shopping Morumbi revela “frieza” em cartas a travesti
Perícia comprova a autenticidade das cartas de Mateus Meira

Juca Varella-4.nov.1999/Folhapress
Mateus da Costa Meira sendo encaminhado à delegacia após o crime; Justiça da Bahia decide que ele é inimputável
Mateus da Costa Meira sendo encaminhado à delegacia após o crime; Justiça da Bahia decide que ele é inimputável

Esse segundo julgamento ocorreu na 1º Vara do Tribunal do Júri de Salvador. A decisão atendeu aos pedidos do Ministério Público e da defesa de Meira, que afirmavam que ele não poderia responder pelos atos devido a distúrbios psicológicos.

Com a decisão, a defesa anunciou que vai pedir revisão do julgamento que o condenou em São Paulo. “Ele deverá permanecer em um hospital psiquiátrico onde poderá ter atendimento especializado de uma equipe multidisciplinar”, diz o advogado Vivaldo Amaral.

Mateus está preso há 10 anos, sendo que no último ele ficou em um hospital psiquiátrico de Salvador, após a tentativa de homicídio contra Francisco Vidal Lopes, seu companheiro de cela. O crime ocorreu em maio de 2009. Meira usou uma tesoura utilizada nas atividades artesanais para agredi-lo na cabeça.

CONDENAÇÃO

Em 3 de novembro de 1999, Meira entrou na sala 5 do cinema do Morumbi Shopping e, armado com uma submetralhadora 9 mm, atirou contra as pessoas que assistiam ao filme “Clube da Luta”. Três pessoas morreram e quatro ficaram feridas.

Pelo crime, ele foi condenado inicialmente a 110 anos e seis meses de prisão. Em 2007, magistrados da 4ª Câmara Criminal do TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo reduziram a pena para 48 anos e nove meses. Na prática, acusado não poderá ficar na cadeia por mais de 30 anos, pena máxima permitida pela legislação brasileira.

Em fevereiro de 2009, ele foi transferido da Penitenciária 2 de Tremembé (147 km de São Paulo) para a prisão em Salvador após a Justiça acatar o pedido de seus pais, que moram na cidade.( num manicômio, com certeza ele pode ficar o resto da vida, cadeia não resolve mesmo do jeito que está.)