Reprodução

http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2013/01/28/video-mostra-crianca-de-tres-anos-sendo-tatuada-a-forca.jhtm

Vídeo chocante mostra uma mãe segurando seu filho, que aparenta ser um menino de cerca de três anos, enquanto ele é tatuado. A mulher pressiona contra o peito a criança que grita e se contorce durante o procedimento. Segundo o site “The Sun”, o caso teria ocorrido em Havana, Cuba. Em um momento do vídeo é possível ouvir a mulher dizendo em espanhol: “mire, mire”, que significa “olha, olha”, enquanto pressiona a criança contra o peito. O vídeo foi postado no fim de semana e conquistou a revolta de muitos espectadores que comentaram indignados sobre a crueldade com a criança. Sobre a atitude da mãe durante o procedimento, um dos internautas chegou a escrever: “Algumas mulheres não deveriam ser abençoadas com a maternidade”.  ( ai quando vc fala em aborto, controle de natalidade, todos se levantam contra, querem apenas controlar o corpo da mulher, lhe impondo coisas. 

não tem vasectomia, laqueadura, não incentivam a prevenção, pelo contrário, querem mais que o pobre procrie sem parar no intuito de explorarem seus filhos e formarem os novos escravos, explorados do amanhã, como no caso das crianças encontradas em sub condições que postei ontem no blog. 

é fácil criticar apenas esta mulher, mas todos tem parcela de culpa nisso tb)

curretos, expulsam mulher de parque por causa de tatuagem.

sininho!

Quê isso, Sininho? Quê isso?

Parques de diversão são verdadeiros reinos de magia, certo?

Bom, no caso da americana Lana Massey, a magia acabou rapidinho.
Ela estava brincando com o filho de 8 anos de idade no parque Legoland, em Grapevine, no Estado do Texas, quando funcionários do local pediram que ela se retirasse.
Tudo porque Lana tem uma tatuagem da fada Sininho, só que sem roupa.
O caso virou polêmica quando muitas pessoas se revoltaram e outras apoiaram a decisão do parque.
O parque não se pronunciou até o momento. ( agora até tatuagem é motivo disso ? o que oas funcionários ganham por fazer isso ? NADA ou ganham um salário extra ? não né ? tanta coisa pra se preocupar como a segurança dos frequentadores, isso ai é falta do que fazer, o lugar deve ser perfeito, então da tempo de se incomdar com coisas banais.)

gangue das loiras é desarticulada, vc quer ser carcereiro delas ?

  

Priscila Amaral compra eletrônicos em uma loja do shopping Ibirapuera (Foto: Reprodução)

A Polícia Civil prendeu em Curitiba, no Paraná, Carina Geremias Vendramini, 25 anos, integrante da gangue das loiras, acusada de mais de 50 sequestros relâmpagos na Grande São Paulo desde 2008. A gangue é composta por 5 loiras e uma morena, chefiadas por Vagner de Oliveira. 

De acordo com a polícia, as jovens são responsáveis por atrair as vítimas. O grupo agia apostando na beleza de suas integrantes e usando os codinomes da famosa dupla de assaltantes a banco dos Estados Unidos do início da década de 30, que ficou eternizada nos cinemas em 1967, com o filme “Bonnie & Clyde – Uma rajada de balas”.

Eles sequestravam mulheres desacompanhadas, de preferência loiras, em estacionamentos ou em momentos de distração, para fazer compras em shoppings de alto padrão com os cartões roubados. Enquanto a moça realizava as compras, o rapaz circulava pela cidade com a vítima, em seu veículo, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Além de Carina, integram a gangue Priscila Amaral, Silmara Lan, Franciely dos Santos, Vanessa Geremias Vendramini e Monique Awoka Scasiota.
   


Da esquerda para a direita: Franciely, Carina, vanessa, Silmara, Priscila e Monique (Foto: DHPP/Divulgação)Segundo o delegado Alberto Pereira Matheus Júnior, titular da 3ª Delegacia Antissequestro da capital, a quadrilha atuava, no mínimo, desde 2008, realizando assaltos a apartamentos.
 
A partir de 2009, o grupo passou a praticar sequestros relâmpagos, sempre tomando certos cuidados para atrapalhar as investigações. “Encontramos diversas dificuldades para identificar o grupo. Em um primeiro momento, acreditávamos que era um casal, mas as características da criminosa não coincidiam. Em depoimentos das vítimas, uma tinha tatuagem, mas a outra não tinha, por exemplo. Foi então que a polícia começou a entender que poderiam ser vários grupos, ou um grupo coeso”, afirmou o delegado.

Sempre armadas, as moças chegavam a agredir as mulheres sequestradas, com puxões de cabelo ou coronhadas. Ao todo, mais de 50 boletins de ocorrência são de casos creditados ao grupo.

( pois é beleza abre portas, quem vai desconfiar que aquela mulher bonita ali ta comprando tudo com cartão roubado ?

fico imaginando a VAL MARCHIORI, sendo vitimas delas, seu HELLO, ia deixar elas loucas)