vereadores batem boca na câmara de SOROCABA, resolve na rua pô.

Sessão foi interrompida por causa da discussão entre Crespo e Izídio – Adival B. Pinto

Mais fotos…

Os vereadores Irineu Toledo (PRB) e José Crespo (DEM) discutiram em voz alta e de maneira agressiva na sessão ordinária de ontem e o bate-boca entre eles, por pouco, não se transformou em agressão física. A sessão precisou ser interrompida, por quatro minutos, até que os ânimos se acalmassem e houve a necessidade de intervenção dos demais vereadores para que a discussão não se transformasse em briga. Pessoas que estavam na plateia, acompanhando a sessão, também se manifestaram e chamaram o desentendimento de vergonha.

A confusão teve início quando o vereador José Crespo (DEM) chamou a ex-secretária de Educação, Sheila Bovo, que também é primeira-secretária da Casa das Mães e das Crianças de Sorocaba, para acompanhar de dentro do plenário os questionamentos feito ao secretário de Educação, José Simões, que falava sobre convênios com creches. Em determinado momento, a vereadora Neusa Maldonado (PSDB), pediu questão de ordem e perguntou se o presidente do Legislativo, o vereador Cláudio do Sorocaba 1 (PR), havia autorizado a entrada de Sheila Bovo, como pede o regimento interno da Câmara.

Cláudio afirmou que não estava na presidência no Legislativo no momento em que Bovo adentrou o plenário, porém consentiu que a ex-secretária permanecesse. Crespo indagou o presidente se ela poderia fazer perguntas ao secretário, situação que já havia acontecido com outros visitantes. Cláudio do Sorocaba 1 negou e explicou ao vereador que apenas permite que pessoas de fora falem durante a sessão em alguns casos, principalmente quando um recado precisa ser transmitido à população em geral.

Crespo então fez uma ressalva, de que funcionários dos vereadores também não poderiam entrar no plenário e apontou para um assessor do vereador Irineu Toledo que estava dentro recinto. O vereador Irineu Toledo não gostou da atitude de Crespo e foi tirar satisfação, dizendo que o parlamentar não poderia ter chamado atenção de seu funcionário. A partir daí, o clima esquentou e os vereadores começaram a trocar ofensas, sendo que um começou a gritar com o outro. Em determinados momentos, os dois ficaram cara a cara, com os dedos um para apontado para outro. Foi necessário a intervenção de outros vereadores, que tentaram acalmar os ânimos. Um grupo puxou o vereador José Crespo, enquanto que outros tentaram tirar o vereador Irineu Toledo.

“Dê pito no seu assessor. Tira a mão de mim e não toque em mim”, gritava Toledo. “Não toque em mim o senhor também e não grite para mim.”, retrucava Crespo.

O presidente do Legislativo, o vereador Cláudio do Sorocaba 1 (PR), suspendeu os trabalhos e a sessão ficou interrompida por quatro minutos. “Pôxa, dois vereadores, representantes do povo, gente”, citou o presidente, na tentativa de conter os ânimos.
A sessão transcorreu normalmente após o episódio.

Comissão de Ética

O presidente do Legislativo, Cláudio do Sorocaba 1, disse que o artigo 9º do regimento interno da Câmara de Sorocaba permite a entrada de funcionários da Casa no plenário. Segundo ele, quando se trata de outras pessoas, que não são vereadores ou mesmo funcionários, é necessário uma expressa autorização da Mesa.

Cláudio disse que consentiu que Sheila Bovo acompanhasse os trabalhos, porém impediu que a ex-secretária se pronunciasse. “O presidente cede a palavra quando a pessoa vem fazer um comunicado e já abrimos exceção. Não sentado na mesa do vereador e fazer discurso daquele local.”

O presidente indicou ainda que a abertura de um processo na comissão de ética e decoro parlamentar vai depender da representação de um partido ou de um vereador. Crespo e Irineu fazem parte da comissão de ética e decoro parlamentar e seriam afastados, automaticamente, caso seja feita qualquer representação no Legislativo. “No meu ponto de vista isso é negativo. Isso não é bom, já que a imagem da Câmara acaba se desgastando. Nós fazemos o trabalho corretamente e damos espaço e liberdade para cada vereador”, concluiu.

( deveriam montar um octógono do lado de fora, ai resolveriam ali , pelo menos ficava mais divertido. o povo deveria invadir aquela birosca lá e mandar todos pra rua da amargura.)

plano diretor de SOROCABA, mais asfalto, menos verde.

Em uma votação com as galerias de participação popular cheias, com dezenas de cidadãos, os vereadores aprovaram ontem, em segunda e última discussão, o novo Plano Diretor por 14 votos a seis, mesmo sob vaias, xingamentos e cartazes pedindo a rejeição do projeto de lei 178/2014 (veja abaixo o voto de cada vereador). Eram necessários sete votos contrários para que o projeto fosse rejeitado. A população se manifestou durante toda a discussão do projeto, aplaudindo os vereadores que anunciavam o voto contrário ao novo plano e vaiando os que diziam que votariam a favor. Após a aprovação, por volta das 13h30, as 221 emendas parlamentares passíveis de aprovação começaram a ser apreciadas, votação que invadiu a madrugada novamente. Agora o texto segue para o prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) para sanção e publicação. 

Estudantes, representantes de associações de bairro, de entidades representativas e cidadãos comuns levaram faixas e cartazes que diziam “Os estudantes são contra o PL 178”, “Mais verde, menos concreto”, “Água? Onde?” e “Chega de cinza, defendemos o verde”. 

Nas discussões sobre o projeto, o vereador Luis Santos revelou que votaria contra o projeto, mudando seu voto em relação à primeira discussão, em 16 de outubro. Santos afirmou que decidiu com sua consciência, pensando na qualidade de vida da população, na proteção ambiental e dos recursos hídricos, e para que Sorocaba não se transforme em uma Guarulhos ou Campinas. 

A fala de Santos foi aplaudida pela maioria da população, assim como as de Crespo e Carlos Leite, que defenderam a rejeição do projeto e a formulação de um substitutivo com a participação de universidades e entidades representativas. “É preciso discutir, definir que cidade queremos. Será que queremos uma Sorocaba com 1,2 milhão de habitantes, como esse novo plano prevê?”, questionou Crespo. 

Quando Anselmo Neto, o último inscrito antes da votação, subiu à tribuna e revelou que seu voto seria pelo sim, os ânimos se agitaram. “Esse plano é muito ruim, muito mal elaborado, mas retirá-lo agora não vai melhorar em nada a situação”, afirmou. A população na galeria vaiou o vereador e Crespo começou a rebatê-lo, mesmo sem o microfone ligado. “Nós temos que entender que nessa cidade as mudanças são necessárias. O Partido Progressista quer uma cidade progressista com qualidade de vida”, disse Anselmo, ainda sob vaias. 

Após a aprovação do projeto, às 13h30, dezenas de pessoas se levantaram e demonstraram indignação com o resultado. As vaias e gritos se intensificaram. Frases e xingamentos como: “O povo nunca é ouvido”, “Vendidos”, “Picaretas” e “Traição” foram ditas em coro. Um grupo de cidadãos permaneceu questionando os vereadores sobre o resultado por cerca de 40 minutos, dificultando até mesmo que os parlamentares que falavam ao microfone pudessem ser ouvidos, já na tentativa de apreciação das emendas. 

Vereadores que haviam afirmado que votariam contra o projeto, mas não confirmaram a promessa na votação, foram cobrados pela população. Entre eles estavam Fernando Dini e Anselmo Neto, que foram chamados de traidores. Dini argumentou que as emendas adequariam o projeto.

 
O aposentado Ronildo Rossi, 62 anos, relata que ficou entristecido com a votação. “É uma sem-vergonhice. Tem vereador que falou até no jornal, deu a palavra que ia votar não. Esse pessoal traiu o povo, mas não vamos perder a esperança, vamos continuar a lutar”. 

O publicitário Ricardo Eli Feldman, 32 anos, disse que não ficou satisfeito e continuará brigando para que, de alguma maneira, o novo plano seja barrado. “O novo plano acaba com a natureza, com o verde. Os vereadores foram contra os interesses da população. Pelo menos nós sabemos agora quem são os falsos, que não cumprem a palavra”.

Capturarplano

( como o povo não vai pedir a cabeça de todos que votaram a favor, que em 2016 não os reelejam de novo ta bom ? guardem bem os nomes de todos.)

projeto de lei em SOROCABA quer isentar pequenos templos e igrejas das lei anti incêndio, então é torcer pra nunca pegar fogo , senão e ai ?

A Câmara Municipal de Sorocaba vota nesta terça-feira (28), em primeira discussão, o projeto de lei do vereador Luis Santos (Pros) que desobriga igrejas e templos religiosos com menos de 250 metros quadrados ao cumprimento da lei municipal de combate a incêndios. Caso seja aprovada, a proposta irá isentar até 70% desses estabelecimentos de apresentar o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), necessário para liberação do alvará de funcionamento. Apesar dessa legislação vigorar no município há 33 anos, esses estabelecimentos tiveram até o fim de julho para se adequar às exigências, após prazo de um ano concedido por lei aprovada pelo próprio Legislativo. No entanto, apenas 15% das 741 igrejas e templos religiosos haviam obtido o documento. 

A proposta que será votada nesta terça-feira foi protocolada no início de agosto, em substituição a outro projeto do próprio Luis Santos, que além de criar a exceção para templos e igrejas com área menor que 250 m2, aumentava em mais um ano o período para os estabelecimentos se adequarem. Esse projeto, no entanto, foi arquivado após o Ministério Público (MP) instaurar um inquérito civil alertando os vereadores para a possibilidade de responderem judicialmente por improbidade administrativa caso aprovassem mais um adiamento das regras. A lei que instituiu o primeiro prazo, de autoria do então vereador Francisco Moko Yabiku (PSDB), foi aprovada no ano passado e estabelecia a data de 31 de julho deste ano como limite para adequação dos estabelecimentos. 

Desde então, os templos e igrejas que não possuem o AVCB são considerados irregulares e estão sujeitos à multa de R$ 627, podendo até perder o alvará de funcionamento caso as exigências não sejam cumpridas até 180 dias após a primeira notificação. Das 741 igrejas e templos religiosos existentes em Sorocaba, 84% estavam nessa situação até o início de setembro. Com aprovação do projeto de lei, no entanto, cerca de 520 estabelecimentos podem ficar isentos da obrigatoriedade da lei, já que o setor de fiscalização aponta que 70% dos templos da cidade têm área inferior a 250 m2. 

Em sua justificativa, Luis Santos explica que baseou-se no princípio da isonomia, já que a própria lei de combate a incêndios, no item 6 do artigo 4º, libera edifícios industriais e comerciais com menos de 250 m2 da obrigatoriedade da lei. Ainda segundo o autor do projeto, os templos não podem ser tratados de forma desigual. “Eles funcionam em carga horária muito inferior a comércios e indústrias”, afirma no documento. Após a sessão de hoje, o projeto de lei precisa ainda passar por apreciação em segunda discussão. Para emitir o AVCB, o Corpo de Bombeiros leva em conta, entre outros itens, a exigência de equipamento de combate a incêndios, saídas e sinalizações de emergências, adequados à dimensão dos prédios.

( lugar pequeno não pega fogo então, isso na cabeça dos vereadores ?  isso claro só vale para igrejas e templos, vai vc montar seus comerciozinho com menos de 250 m ai a lei vem pra cima .)

vereadores de SOROCABA, querem por que querem aumentar seus salários

 Os vereadores de Sorocaba não desistiram de aumentar os próprios salários para R$ 15 mil. O assunto voltou à tona durante a sessão extraordinária, na quinta-feira,  onde se discutia a votação do projeto de repasse de verba para a Lisobes (Liga Sorocabana de Blocos e Escolas de Samba).

 
Da tribuna, Anselmo Neto (PP) disse que existe muita gente que acredita que o salário do parlamentar já é de R$ 15 mil por mês. “Eu tenho de explicar que não e que esse aumento foi revogado”, afirma.
 
Neste momento, Tonão Silvano (PMDB),  que ocupa o cargo de terceiro vice-presidente da Mesa Diretora, soltou  que o assunto está em pauta. “Este ano nós vamos aprovar, vamos aprovar”, enfatiza.  
 
Ainda não se sabe se, juridicamente,  o  aumento  é possível. Os termos do inciso IV, do artigo  29 da Constituição, trazem que o subsídio dos vereadores é fixado pela própria Câmara  na legislatura anterior, vigorando para a subsequente. Isso significa que o projeto de resolução deveria ter sido votado até  7 de outubro do ano passado.  
 
Processo  / Justamente pelo fato de tentarem aumentar os salários para R$ 15 mil mensais, em sessões extraordinárias realizadas em 20 de dezembro de 2010, é que os  20 vereadores estão sendo processados. Eles são acusados de  improbidade administrativa.  Junto do aumento os parlamentares também aprovaram a criação do sexto cargo de assessor para cada um deles.
 
Na época, o promotor Orlando Bastos Filho entrou com ação baseada no Regimento Interno da Câmara. Ele citou  que só projetos de interesse da população poderiam ser votados em sessões extraordinárias.
 
Para fugir da ação em primeira  instância os parlamentares revogaram as decisões tomadas naquela data. O promotor, no entanto,  recorreu em segunda instância e o processo segue  em andamento. 
 
Entre as penas está a perda da função
Entre as penas previstas no processo estão a perda da função pública atual ou futura, a suspensão dos direitos políticos por cinco anos e o  pagamento de multa no valor de R$ 700 mil de cada parlamentar, que é o valor do salário mensal multiplicado por cem.
 
5
de fevereiro é o dia que será realizado a primeira sessão ordinária do ano 
 
Apenas um não está sendo processado 
Só  Vitor do Super José (PRP), que ocupou cargo na legislatura passada, não está sendo processado, pois assumiu a vaga de Carlos Cezar, eleito deputado estadual. ( ai zé otário, vc votou nos mesmos de sempre ? olha ai o que vc ganha
 
ah mas eu não votei em ninguém, to nem ai pra politica, mas leva do mesmo jeito MANÉ. ) 

vejam quanto vai custar os vereadores de SOROCABA

 Os eleitores de Sorocaba terão de arcar, por ano, com um custo de R$ 8,245 milhões para bancar parte de toda a infraestrutura disponibilizada para os 20 vereadores eleitos. O valor corresponde aos gastos que são financiados com o dinheiro público para a cobertura de despesas referentes aos salários dos vereadores e equipe de funcionários disponibilizados para os gabinetes, além de despesas gerais com cópias de documentos, materiais de escritório, postagem de correspondências, combustíveis e telefones celulares.
Por mês, cada um dos 19 vereadores tem um gasto médio aproximado de R$ 33,2 mil, totalizando ao ano a soma de cerca de R$ 400 mil. Para chegar a esse valor, foram computados o salário pago ao vereador (R$ 8.886), os seis assessores parlamentares que podem ser nomeados por ele ao salário de R$ 3.590 cada e também o chefe de gabinete, que tem remuneração mensal de R$ 4.488. Somado a isso, estão as despesas referentes a combustíveis, material de escritório, aluguel de máquina copiadora e postagem de correspondência, que constam da prestação de contas de cada vereador. No ano passado, o gasto total com essas despesas chegou a R$ 345.796, o que corresponde a um custo médio por vereador de R$ 17.289 ou R$ 1.440 por mês. Outra despesa fixa incluída é o referente à conta de até R$ 500 mensais do celular que cada parlamentar tem direito.

No caso do presidente da Câmara, o custo mensal chega a R$ 55 mil por mês e R$ 660,6 mil ao ano. O cálculo é resultado da soma do salário pago ao presidente de Legislativo (R$ 10.288), os seis assessores parlamentares (R$ 3.590 cada), os quatro assistentes (R$ 4.488) e ainda o secretário da Presidência (R$ 3.331), além dos demais gastos com celular e despesas do gabinete. Para a cobertura de todos os gastos do Poder Legislativo, a Prefeitura de Sorocaba reservou para o orçamento de 2013 o equivalente a R$ 37,4 milhões. Neste ano, foram repassados para a Câmara Municipal R$ 33,5 milhões, conforme previsto na dotação orçamentária.

Fiscalizar e cobrar

O especialista em Administração Pública Luiz Antonio Barbosa, considera importante que o cidadão tome conhecimento sobre o custo que envolve a manutenção de toda a infraestrutura de trabalho dos vereadores e que, indiretamente, é financiada pelo seu bolso, por meio dos impostos pagos. Ele diz esses gastos deveriam ser revertidos como um investimento da população para que os seus representantes realmente exercessem a função para a qual foram designados e, por isso, é fundamental que o cidadão, que o conduziu a esse cargo por meio de seu voto, também atuasse na fiscalização e acompanhamento dos trabalhos do Legislativo.

Barbosa cita que diante do alto custo de cada gabinete para o município é imprescindível que toda essa estrutura seja dirigida para o atendimento dos interesses da população, mas não como um espaço para protocolo de pedidos de favores pessoais, mas sim voltado ao bem comum na sociedade. Além de subsidiar a elaboração das leis municipais, o especialista afirma que os vereadores têm como principal função fiscalizar os gastos públicos. “Infelizmente não é isso o que vemos na maioria das vezes, mas sim a realização de articulações que visam dar apoio a esse ou aquele interesse político”, rebate. 

Ele alerta que cabe ao eleitor acompanhar o comportamento dos vereadores em relação às suas votações nos projetos para verificar quem atua em prol do interesse público. Barbosa reconhece que muitas pessoas se recusam a discutir ou falar sobre política, mas que esse tipo de atitude só prejudica a elas mesmas, pois envolve o dinheiro público, financiado pelo cidadão. “Somente a partir de um comportamento mais consciente, as pessoas poderão identificar aqueles que realmente trabalham e escolher, numa próxima eleição, quem merece permanecer no cargo.” ( e o povo que trate de se ligar, pois assim que tomam pose, já querem aumentar seus salários, no que já é muito.)

carro de luxo comprado por vereadores, causa indignação na população em cidade do interior de SP

Câmara de vereadores compra carro luxo e população reclama no interior de SP

Em Novo Horizonte (SP), a compra de um carro de luxo pela câmara municipal da cidade vem causando polêmica. A população não gostou da nova aquisição dos vereadores. http://noticias.r7.com/videos/camara-de-vereadores-compram-carro-luxo-e-populacao-reclama-no-inteirior-de-sp/idmedia/4f34f60492bbe8e218db1247.html